BAILE FUNK , SENTA NA PICA

SOU A LUANA , LUANINHA PARA ALGUNS , ESTOU , BRANQUINHA , 1, 65M 56 KG , CABELOS LOIROS E LONGOS , PEITINHOS AINDA QUASE SEM BICOS , BUNDA MÉDIA , SOU UMA GAROTA BEM RESERVADA MAS SAFADINHA POR DENTRO , FINAL DE SEMANA , A BEATRIZ   , ME MANDOU UM ZAP FALOU DE UMA FESTINHA QUE A MÃE DRLA DEIXOU ELA FAZER , NA VDD SÓ CURTEM FUNK , EU COMBINEI ELA DISSE , MIGA VC SABE QUE VAI SER TÓP , VEM UNS MENINOS E UMAS MENINAS , VAMOS DANÇAR ATÉ E VEM VESTIDA A CARÁTER , AH E DEPILA TUDO VIU .KKKK , DEPILEI OS FINOS PELINHOS RUIVOS DA XOXOTA E DO CUZINHO , DEIXEI LIZINHO , VESTI UMA SAINHA , SEM CALCINHA E UMA MINI BLUSINHA , BARRIGUINHA EXPOSTA , FUI COM A GABY , A GABY FOI DE MINI SAIA TB , SEM CALCINHA , FOMOS DE UBER ATÉ A CHACARA JÁ TINHA UMAS 20 PESSOAS , NOSSA A MUSICA DELICIOSA , A GENTE DANÇANDO , A POUCA LUZ VINHA DA LUZ DE DENTRO A BEATRIZ APAGOU AS DE FORA , EU DANÇAVA ,LOGO SENTI ATRÁS DE MIM ,UM RAPAZ DANÇANDO E ME TOCAVA A CINTURA , EU REBOLAVA NO FUNK , ELE ATRÁS COMEÇOU A ENCOSTAR , MAS EMPURREI ELE , A MUSICA FALAVA , SENTA , SENTA , SENTA NA PICA , EU AGACHAVA TIPO SENTANDO NA PICA , DEPOIS , A MUSICA FALAVA FICA DE 4 , FICA DE 4 , LEVA A VARA DE 4 , EU ME ARQUEI TIPO DE 4 , MINHA MICRO SAIA DEIXOU MINHA BUNDA DE FORA , ELE PASDOU A MÃO, SENTIU EU SEM CALCINHA , FICOU LOUCO , EU ESTAVA ADORANDO DEIXAR ELE LOUCO , EU DEIXAVA MINHA BUNDA NUA NA CARA DELE E SENTI A LINGUA PASSAR NA MINHA BUNDA , NO MEU CUZINHO E BUCETINHA ,NOSSA , QUANDO DANÇAVA EM PÉ SENTI O PAU ENTRE MINHAS PERNAS , EU ESTAVA SUADS ELE SUADO , MAS MINHA BUCETINHA ESTAVA COM MUITO TESÃO, SENTI ENTRAR O PAU GROSSO NA MINHA BUCETINHA , ALI FAZIAMOS MOVIMENTOS PRA FICAR COM O PAU DENTRO , ELE ME ARCAVA E FODIA ,ME LEVANTAVA E FODIA , MUITOS SE AGARRAVA E EU ENTRANDO NA VARA ALI NO MEIO , GOZEI NO PAU DANÇANDO FUNK   , SENTI A PUXADA NA MINHAS ANCAS E ME SEGUROU COM O PAU TODO DENTRO E GOZOU , QUANDO P PAU SAIU DE DENTRO , SENTI A PORRA ESCORRER NAS MINHAS COXAS , FOI MARAVILHOSO O BAILE.

domingo na fazenda

ola meu nome e bianca bem eu sou loira olhos verdes cabelos lisos e compridos tenho 169cm e 47kls bem distribuidos sou o estilo gostosa e por saber disso adoro sair e ir a shoppings exibindo meu corpo em minusculos shortinhos e mini saia nao tem nem conta das vezes que fui a shopping para subir as escadas com as ini sias e sem calcinha bem tenho uma bundiha durinha de 103 centimetros e um busto de 94cm e tenho inumeras calcinhas transparentes e shortinhos tenho um shot de 8 centimetros que adoro bem nao stou saindo do assunto apenas me apresentadno afinal e minha primeira vez aki no domingo passado dia 18 dezembro minhas prima me chamou para ir a fazenda para curtir o dia numa piscina enorme que tem na casa dela e ai fiz fui para la e aproveite o meu miquini ou mini biquini fio dental que tenho e sei usar modestia a parte e ficamos la por uma boa parte da manha e da tarde ai ela chamou para irmos a localidade para ver o movimento a tarde na praça e troquei meu biquini por uma clcinha transparente brankinha e o meu shortinho de 8 centimetros e um top rosa minha primas tb e linda e fomos a praça os homens de la quase caiam kando avistavam a ela e a mim e nos comiam com os olhos a praça nao stava legal resolvemos voltar p fazenda e a noite voltariamos a praça quando estavamos voltando ja na fazenda dela deveria ser por volt de 16:40hs avistei um cavalo enorme que eles tem e ele estava querendo dar uma na egua e a safada parecia ajudar então ele pegou e montou sobre ela e colocou akela coisa enorme dentro dela confesso que fiquei lokinha doidinha fiquei cm uma inveja doida dela toda molhadinha de vontade de estar ali de 4 e levndo akela pica enorme dentro de mim e começei a passar carinhosament os dedinhos em mim e vendo a cena ele metia com força sem do nenhma e chegava a roncar a barriga entao minha prima falou eu tb sinto tsao e meteu a mao em mim ai fiquei lokinha pois ja tinha um certo tesao nela entao ali mesmo sob as arvores deitamos e vimos o cavalo descer e da xaninha d egua escorrer muito semem entao senti as maos da inha priminha percorrerem meu corpo e depois sua lingua em minha xaninha sugando meu mel que ja stava escorrendo ela chupava muito bem pela sua primeira vez eu ja xupei e fui xupada por mulheres muitas vezese ela xupava e colocava o dedinho era otio entao foi a minha vez de xupar e peguei akela xaninha minuscula que ela tem e xeirosinha xupei bem devagarinho pegando o grelinho cm pontinha da lingua estava otimo e ai era a vez do cavalo e da egua pareciam olhar e entendr foi legal e coloquei dois dedinhos dentro dela e fazia ela xupar os dedinhos e ela adorava levantamos e ela meteu dois dedos em mim e depois um no meu rabinho eu gritava e ela falava ker mais como se fosse homem eu fikei tao loka nunca imaginei que uma cena provocasse tanto tesao fiquei lokinha para que tivesse la com nos um homem com um penis enorme e cheinho de veias para me colocar de 4 e me fuder como uma eguinha keria sentir o saco batendo em minha popinhas e sentir ele me arrombando por tras mas na segunda feira eu consegui cm o irmao dela na fazenda mesmo bem nao sei flar direito e que fiquei cm tanto tesao que keria demonstrar e falar cm alguem mas como na real e dificil neh beijinhos espero que gostem se gostarem vou passar todos meus momentos aki p vcs apesar de 19 anos tenho uma vidinha um pouco agitada no que diz a sexo gosto de meninos e meninas e adoro sexo e sem frescuras gosto de tudo e todas posiçoes imaginaveis ou nao.beijinhos                                 

Japonesa e o namorado oriental Corno

A japonesa e o namorado oriental Corno Eu sou uma mulher oriental de 37 anos, totalmente independente. Faz exatamente nove meses que conheci através da internet o Ken o japonês, ele é 20 anos mais velho do que eu, mas isso não atrapalha a nossa relação, pois ele consegue suprir o vulcão que existe dentro de mim.Desde o início, senti uma forte atração por ele, no nosso primeiro encontro, queria me entregar todinha para ele, mas me contive, nem o deixei me beijar.Mas, no nosso segundo encontro, aconteceu tudo aquilo que deixamos de fazer no encontro anterior, fomos para um motel próximo ao Aeroporto de Congonhas e nos satisfizemos completamente, fiz tudo que tinha vontade, chupei e cavalguei em seu pau, fiquei de quatro, adorei sentir a sua pica dentro de mim. Ele foi maravilhoso, fez um oral maravilhoso, adoro ser chupada, foi carinhoso e me deixou totalmente relaxada. Ficamos por vários meses nos deliciando a dois. Mas, num belo dia, o Ken propôs que começássemos a fazer amor a três, além de insistir em ir a clubes de swing. Confesso que a principio me assustei, nunca tinha conhecido alguém que dissesse algo tão abertamente.A principio resisti, devido a minha formação religiosa, a qual ele dizia se uma falsa moral e que deveríamos nos atualizar. Mas, com o passar do tempo, começou a crescer dentro de mim uma curiosidade muito grande a respeito deste assunto, fui até conhecer uma casa de swing, mas apenas de passagem, pois me assustei com o que vi, não estava acostumada. Depois o Ken,criou um e-mail e anunciou num classificado, com o intuito de encontrar um homem para fazer ménage conosco. Várias pessoas ficaram interessadas, contudo, um e-mail me chamou a atenção, era do Carlos que enviou fotos do seu enorme cacete. Entramos em contato com ele, desde o início senti uma simpatia muito grande pela sua voz e as palavras que ela transmitia.Marcamos de nos encontrarmos num sábado no Bar de Casais, quando chegamos por volta das 22:00 hs, ele já se encontrava no local, estava vestido com uma camisa preta e calça branca, era tudo o que imaginava pelo telefone, além de ser um homem super charmoso. Eu estava vestida com um vestido preto curto e meias 7/8 pretas.Ficamos conversando por 30 minutos, me portei como uma mulher séria, não deixei ele me tocar, foi intencional. Depois pagamos a conta e rumamos para a realização da nossa fantasia, que consistia em fazer amor no banco de trás com um desconhecido, enquanto que o Ken dirigia.O Carlos deixou o carro com o manobrista do estacionamento, e se dirigiu ao nosso carro, sentou-se no banco de trás, eu estava no banco da frente.O Ken começou a dirigir, e pediu para eu passar para o banco de trás, com o carro em movimento. Eu prontamente atendi, passando no meio dos bancos, sentando no colo do Carlos, começamos a nos beijar, ele começou a me bolinar, desceu a alça do meu vestido e passou os lábios nos meus seios, depois só me recordo dele chupando a minha boceta, e eu gozando em sua boca, foi maravilhoso.Como eu já estava deitada e super molhada, ele colocou o seu pênis na minha xoxota, e começou a dar fortes estocadas que tocavam o meu útero, adorei senti-lo dentro de mim, o seu membro era enorme e super grosso, me invadia completamente. Cavalguei também em seu pau, além dele tentar provar o meu rabinho, como estava difícil, disse que deixasse para a próxima vez.Nesse meio tempo, o corno do Ken ficava dirigindo bem devagar e olhando para mim transando com o Carlos, ficava perguntando se eu estava gostando. Eu estava adorando.Ficamos fazendo sexo por 2 horas, o carro balançava bastante, pena não ter espaço para o Ken participar, acho que por este motivo, ele começou a pedir que terminássemos. A minha vontade é que aquele momento não acabasse nunca.Por fim, ouvimos os seus apelos e nos recompusemos, ajeitando as nossas roupas. Deixamos o Carlos no estacionamento, mas antes, ele falou bem baixinho no meu ouvido que queria se encontrar novamente comigo, pois eu o havia surpreendido, ele achou no bar que eu era uma japonesinha certinha e que no nosso encontro não rolaria muita coisa, mas quando me sentiu toda molhadinha, ele ficou louco. Despedi-me dele, com um longo beijo na boca e prometendo que nos encontraria novamente.Depois passei para o banco da frente, e o Ken a esta altura estava com o pau super duro, estava querendo chegar logo no apartamento para curtir a sua putinha que havia se entregado totalmente ao Carlos.Agora estamos pensando em realizar muitas outras fantasias.

Ménage com esposa e um velho amigo

Olá, este é o quarto conto, e foi relatar como realizei a terceira fantasia de mulha esposa, meu nome é Rodrigo, tenho 32 anos, 1,80 de altura e 90 kg, sou loiro e tenho olhos azuis e cabelos compridos. Minha esposa chama-se Ana e tem 33 anos cabelos pretos e curtos, olhos verdes e pele bem branquinha, com pequenas sardas no peito, possui 1,67 de altura 70 kg seios e bunda grandes e um corpo cheinho bem proporcional , moramos nos ES e nos conhecemos quando eu tinha 21 anos, depois de 2 anos de amizade começamos a namorar e estamos juntos até hoje, já contei anteriormente como realizei a fantasia de mulha mulher de ficar com uma amiga nossa, depois contei como realizei sua fantasia de fazer troca de papeis comigo, e depois contei sobre como tive um caso com a irmã de minha mulher durante 6 meses, o que vou contar agora é o casode quando minha mulher quis fazer um ménage com outro homem. Depois que minha cunhada se mudou de nossa casa, minha esposa voltou a ficar toda assanhada e com muito tesão, ela dizia durante o sexo que queria outra pica na boca enquanto eu a penetrava, que queria outra pica no boceta enquanto me chupava, aquilo foi me deixando muito excitado e resolvi propor a ela que fizéssemos um ménage com alguém, mas ela ficou com vergonha e disse também que tinha medo da pessoa contar pra outras pessoas, a solução foi quando encontrei um velho amigo que eu não via a 11 anos no facebook, eu combinei com ele para que ele viesse passar uma semana de férias em minha casa, e ele aceitou, seu nome é Roberto, ele tem 41 anos e mora em Santa Catarina, enquanto as férias não chegava eu comecei a instigar minha esposa com a idéia de transar com o Roberto, meu amigo que via ficar alguns dias conosco, ela adora que eu falasse sacanagens sobre ele enquanto a comia, e quando fazíamos troca de papel era ela quem dizia que queria ver o pau dele entrando no meu cuzinho. Aquilo me deixava louco de tesão. Até que finalmente ele veio nos visitar, quando ele chegou disse que estava cansado e pediu pra tirar um cochilo, minha esposa achou ele bem bonito, mas ficou bem retraída, a noite nós saímos pra jantar e beber um pouco, depois viemos pra casa, trocamos de roupa e resolvemos ver um filme Roberto estava só com um shortinho samba-canção e minha mulher com uma ropa de dormir confortável bem fininha e folgada, pedi pra minha esposa sentar no meio do sofá e sentei a sua direita, Roberto sentou a sua esquerda, na parte onde o sofá faz um L, como estava chovendo e frio, minha esposa cobriu nós 3 com um edredon, e começamos a ver o filme, logo que começamos a assistir eu comecei a passar a mão em sua cocha e depois por dentro da bermudinha folgada dela, por cima de sua calcinha, comecei a perceber que sua boceta estava ficando molhada, me ajeitei melhor, passando o braço sobre seu ombro e comecei a beijá-la. Roberto ficou nos olhando meio sem graça, meio que assistindo ao filme, meio que nos assistindo, meti a mão por baixo de sua blusa e puxei seu seio pra fora do sutiã, minha esposa se ajeitou melhor no sofá e ficou apertando minha mão contra o seio, nessa hora tirei o edredon de cima de nós e vi que o pau de Roberto fazia um grande volume sob seu calção, peguei a mão de Roberto e sem falar nada com ele pus a mão dela sobre seu short, ela começou a acariciar o pau dele e depois puxou ele pra fora do short e começou a bater uma punhetinha pra ele, Roberto estava parado, adorando aquilo, mas meio que sem saber o que fazer, eu disse a minha esposa, vai amor, põe ele na boquinha, ela ficou de quatro no sofá e começou a chupar o pau dele bem devagar, só na cabecinha, ela passava a língua em sua glande e me olhava com um brilho nos olhos, eu tirei meu pau pra fora, tirei o short dela, puxei sua calcinha de algodão pro lado e comecei a comer ela bem devagar, sua boceta estava quente e latejando de tesão, ela pediu pra trocar de lugar com Roberto, ficando sentada no L enquanto ele ficou em pé a sua frente, ela começou a mamar com vontade e em pouco tempo sua boca encheu de porra e eu vi o sêmen de Roberto escorrendo da boca dela para o seu queixo e pescoço, ela me puxou e me deu um beijo forte, transferindo parte do semêm dele para mim, então disse que queria ir pro nosso quarto, lá ela deitou de pernas apertas, e pediu pra Roberto por o pau na boca dela novamente, enquanto eu a penetrava em um papai/mamãe, aquela visão me deixou louco e comecei a fodê-la no mesmo instante, logo o pau de Roberto voltou a ficar duro, ela então me puxou para me beijar e pôs o pau dele na minha boca, dizendo que queria que eu a comece chupando o pau de Roberto, então começamos a dividir aquela pica até que ela gozou de novo, como eu e Roberto ainda não tínhamos gozado ela disse que queria que eu gozasse na boca dela, e mandou eu deitar de pernas abertas, enquanto eu estava deitado ela começou a me chupar e Roberto começou a comer ela de quatro, ela me chupava, gemia e me perguntava se eu gostei de chupar o pau dele, eu disse que adorei e ela falou que queria ver ele dendro de mim, eu disse que tudo bem, então ela foi pro lado, passou KY em meu cuzinho e no pau de Roberto, e mandou ele ir me comendo bem devagar, que era a primeira vez que eu via uma pica de verdade em meu cu, Roberto foi pondo bem devagar, centímetro a centímetro, enquando minha esposa me chupava e me chamava de viadinho e corno, logo Roberto começou a aumentar o ritmo das bombadas em meu cú, e eu fui ao delírio com isso, minha esposa começou a me chupar com mais voracidade e quando senti a porra de Roberto enchendo todo o meu cuzinho eu também gozei na boca de minha esposa…ficamos os 3 deitados por algum tempo e depois passamos uma ótima semana nos divertindo a 3. Espero que tenham gostado deste conto.

O SEGREDO DA IMAGINAÇÃO EM VER A ESPOSA COM OUTRO MACHO

O CANALDOSCONTOS TRÁS AGORA PARA VC ESTE LINDO CONTO , BEM PESSOAL EU ME CHAMO DANILO 38 ANOS CASADO COM A CIBELE DE 32 ANOS , 1,65M , 45 KG , BRANCA , CABELOS AVERMELHADOS A ALTURA DOS OMBROS , PEITINHOS PEQUENOS , COM BIQUINHOS PEQUENINOS , BUNDA MÉDIA A PEQUENA , MINHA ESPOSA ANDA DE SHORTINHOS , SAINHAS , VESTIDINHOS , ELA É LINDA UMA GATINHA , MAS TEM UM CARA AQUI PERTO ELE TEM UM MICRO EMPRESA , ELE SE CHAMA SIDNEI ,62 ANOS , BRANCO , POUCO BARRIGUDO , BIGODE , 1,80M , UNS 90 KG , ESSE CARA COMEÇOU A OLHAR MINHA ESPOSA PASSAR , SEMPRE QUE ELA TRANSITAVA ELE SAIA LÁ FORA OLHANDO , BOM FUI VER O HISTÓRICO DO CARA , UM AMIGO FALOU QUE ELE ÉRA COMEDOR DE CASADAS , FIQUEI PUTO COM ISSO DELE FICAR SECANDO MINHA ESPOSA , MAS CARA A GENTE RESISTE , MAS MEU INCONCIENTE IMAGINAVA , SE ELE PEGAR MINHA ESPOSA QUE TESÃO EU QUERIA VER , UMA VONTADE DE VER MINHA ESPOSA NA VARA DO COMEDOR , EU LUTANDO CONTRA ESSE PENSAMENTO , FUI ANALISANDO PESQUISANDO E FUI DESCOBRINDO QUE É UM DESEJO DA MAIORIA DOS MARIDOS , VER A ESPOSA EM OUTRA VARA , MAS ISSO NÃO, MINHA ESPOSA NUNCA , ELA É SÓ MINHA , SÓ EU COMO ESSA BUCETINHA O CUZINHO ELA NUNCA ME DEU , MAMA POUCO , MEU PENSAMENTO SEMPRE PEDINDO PRA VER ELA COM OUTRO , EM MEIO ESTE TEMPO MINHA ESPOSA JÁ COMPRIMENTAVA O SIDNEI , ELA CONTRATOU ELE PRA FAZER UM TRABALHO AQUI EM CASA , ELE FICOU VINDO REALIZAR O TRABALHO , EU PERCEBI O TESÃO DELE NELA , COMENTEI E ELA SE SAFOU , MAS DEI CORDA E ELA DISSE EU VI ,MAS NÃO DOU BOLA , ESSE VELHO SAFADO , FIQUEI DE BOA , TREPAVA COM ELA E GOZAVA IMAGINANDO ELA TREPANDO COM ELE , ISSO MUITOS HOMENS FAZEM , FODEM IMAGINANDO OUTRO COMENDO E GOZAM , MAS FUI CONVERSANDO , ZOANDO E ELA DISSE , SAI FORA ESSE VELHO SAFADO , MAS NA VERDADE MINHA ESPOSA SEDUZIA ELE , ERA SÁBADO O SIDNEI VEIO DAR CONTINUIDADE AO TRABALHO , MINHA ESPOSA LEVANTOU TOMOU UM BANHO, ELA SABIA QUE EU ESTAVA LOUCO PRA TREPAR A 3 , ENTÃO ELA SE PERFUMOU , VESTIU UM FIOZINHO VERMELHO , UM VESTIDINHO CURTINHO , QUANDO O COMEDOR DE CASADAS (SOLTEIRAS , NOIVAS E DIVORCIADAS ) CHEGOU , ELA O ATENDEU , EU OUVI ELE DIZER BOM DIA , TD BEM , VC ESTA LINDA , CADÊ O DANILO , ELA DISSE ESTA AQUI , ENTROU , FICARAM CONVERSANDO , EU DEI UMA OLHADA E PERCEBI QUE MINHA ESPOSA ENTROU NA DELE , SORRISOS , ATÉ PEGADA NA MÃO, FIQUEI NA MINHA , ELA VEIO EU DISSE EU VI , ELA O QUE , FALEI VAI ROLAR SIM , ELA RIU , SAIU E ENTROU NO COMODO ONDE O SEU SIDNEI ESTAVA , DEU UMA AGACHADA O RABO FICOU DE FORA ELE DOIDO FALOU NOSSA QUE RABO LINDO , AI COMEÇOU , ELE GRUDOU ELA BEIJANDO , ABRAÇANDO , EU ENTREI , ELE ASSUSTOU , MAS ELA TOMOU A FRENTE DO NEGÓCIO , PEGOU NA MÃO DELE E VEIO PRO NOSSO QUARTO , NA MINHA CAMA , ISSO SERIA UM DESRESPEITO , MAS UM TESÃO TAMBÉM, ELE BEIJA MINHA ESPOSINHA NA BOCA , COLOCAVA AS MÃOS POR BAIXO DO VESTIDINHO , PASSANDO NA BUNDINHA DELA , EU AGACHEI PRA VER ELE ACARICIAR A BUNDINHA DELA , AS MÃOS DELE PASSAVA OS DEDOS NO REGUINHO , DELA SENTINDO O FIOZINHO , UM CARA ENORME GRUDADO NA MINHA PEQUENA ESPOSA ELE FOI TIRANDO A ROUPA , FICOU NU , MEIO BERRIGUDO , BIGODE , PAU DE UNS 17 CM MEIO GROSSO DURO , SACÃO PELUDO , PUXOU O VESTIDINHO DA MINHA ESPOSA PELA CABEÇA DELA , OS PEITINHOS SEM SUTIEN , AQUELA BOCA COM UM BIGODE MAMAVA OS PEITINHOS , EU TIREI O SHORT , CUECA E SENTEI NA CAMA , ELES EM PÉ , MINHA ESPOSINHA DE OLHOS FECHADOS , EU FUI NO FIO E TIREI COM OS DENTES , O COROA FOI DESCENDO LAMBENDO E BEIJANDO A BARRIGA , ENFIAVA A LINGUA NO UMBIGUINHO DELA , ELE COLOCOU UMA PERNA DELA EM CIMA DA CAMA , ELA COM UMA MÃO NA PAREDE , A BUCETINHA LISINHA , O CUZINHO LISINHO FICARAM LIBERADOS ELE FOI DESCENDO A LÍNGUA, CARA EU ESTAVA PRA GOZAR VENDO ISSO , ELE LAMBEU AO REDOR DA BUCETINHA DELA , MINHA ESPOSINHA GEMIA , ELE LAMBEU A BUCETINHA , FOI NO CUZINHO , LAMBEU TODO O CUZINHO , ENFIOU A LINGUA ELA SE CONTORCIA DE TESÃO, EU NUNCA TINHA LAMBIDO OU CHUPADO O CUZINHO DELA , ELE DEGUSTOU BEM O ANÉLZINHO COM A LÍNGUA, FOI NA BUCETINHA LAMBEU E GRUDOU NO GRELINHO , CHUPOU , SOLTOU EU OLHEI O BIXINHO ESTAVA ENORME , ELE LEVANTOU , COLOCOU UMA PERNA NA CAMA E BEIJOU ELA , MINHA ESPOSINHA FOI DESCENDO A NOCA PELO PESCOÇO DELE , DESCEU A BOQUINHA NO PEITO PELUDÃO E MAMOU OS MAMILOS DELE , ELE URRAVA DE TESÃO, ELE ACARICIAVA OS CABELOS LISOS DELA , ELA FOI DESCENDO A BOQUINHA PEQUENA PELA BARRIGA TODA CHEIA DE PELOS , FOI NO PAU E COLOCOU ELE NA BOCA MEIO SEM JEITO , MAS UM COROA EXPERIENTE É UM ÓTIMO PROFESSOR , ELE DAVA AS COORDENADAS E ELA IA MAMANDO O PAU , AS BOLONAS CHEIAS DE PELOS , ELE CHEGAVA SE ENCOLHER DE TESÃO NA LINGUA DA MINHA MENINA , EU NA PUNHETA E ASSISTINDO TUDO , O FDP DEITOU ECTROUXE ELA POR CIMA , DEI GEL ELE PASSOU NA PICA , FUI PELAS PERNAS DELE , AGACHEI E VI MINHA ESPOSINHA ACERTAR A PICA DELE NA BUCETINHA DELA E IR SENTANDO DEVAGARINHO , ELA SUBIA E DESCIA , CHEGAVA AMASSAR OS OVOS DELE , O PAU DELE TODO MOLHADO , ELA SENTOU , LEVOU A MÃO PRA TRÁS E FICOU COM O PAU DELE ENTERRADO , E BULINANDO AS BOLONAS ELE SEGURAVA NA CINTURA DELA , QUANDO MINHA ESPOSA DEITOU OS PEITINHOS NELE ELE MAMOU OS DOIS , ELA FALAVA , ASSIM NÃO AGUENTO , EU GOZO , ELE FALAVA , ME DA LEITE NO PAU , ME DÁ , ELA FALAVA NÃO PEDE ASSIM , ELE ME DÁ, ELA GOZOU NO PAU DELE , ELE FALOU VOU GOZAR JUNTO E GOZOU , FICARAM OS DOIS TRELADOS , EU PUNHETEI E GOZEI NAS BOLAS DELE , FOI MARAVILHOSO , ELE FEZ O TRABALHO , MAS AS 17 HS , OUVI MINHA ESPOSA FALAR , TIRA , TIRA , TÁ DOENDO , FUI LÁ, O COROA TINHA PEGO ELA POR TRÁS E ESTAVA COMENDO O CUZINHO VIRGEM DELA , PORRA , ELA PEDIA PRA ELE TIRAR O PAU DO CUZINHO , ELE FALAVA CALMA , EU ACALMEI ELA , DEI SINAL PRA ELE NÃO TIRAR , ELA CHORANDO , MAS ACALMAMOS ELA , ELE COMEU DEVAGARINHO , EU ANALISEI O CACETE DENTRO DO CUZINHO , O PAU ESTAVA PRENSSADO , EU GOZEI OLHANDO O APERTO QUE O CUZINHO DA MINHA ESPOSINHA DEU NA PICA DO COROA , ELE GOZOU NO CUZINHO DELA , ELE FICOU COMENDO MINHA ESPOSA 1 ANO , ELA COMIGO , ME SEPAREI E ELE COMEU ELA MAIS 2 ANOS ELA SOZINHA .LEIA OS OUTROS CONTOS DESTE CANAL , VC VAI GOZAR COM AS HISTÓRIAS.

JULIANA!

MORRI QUANDO ALGUÉM ME ENVIOU AQUELE VÍDEO ONDE JULIANA DANÇAVA SENSUALMENTE NA FRENTE DO ESPELHO DE SEU QUARTO, QUASE DANDO PARA VER SUA BOCETA NA SAINHA CURTINHA, ÚNICA PEÇA QUE USAVA E DE PICA DURA PENSAVA EM LIGAR PARA ELA PORQUE FAZIA DOIS DIAS QUE NÃO NOS VÍAMOS, QUANDO JEFFERSON UM RAPAZ NEGRO AMIGO DE INFÂNCIA QUE ESTAVA DE SAIDINHA, SÓ DE CUECA ABRAÇOU ELA POR TRÁS TAPANDO SEUS SEIOS COM SUAS MÃO ZONAS APERTANDO ELES E REBOLANDO ESFREGANDO A BUNDA EM SUA PICA, JULIANA ABRAÇOU ELE PRENDENDO AS MÃOS EM SUA NUCA VIRANDO A CABEÇA PARA BEIJAR O AMIGO DEMONSTRANDO MUITA INTIMIDADE. QUANDO JEFFERSON ALISOU SUA BOCETA ENFIANDO UM DEDO NELA, JULIANA VIROU PARA ELE ME MATANDO DE RAIVA E CIUMES, PORQUE NUNCA ME BEIJOU ASSIM ANTES NÃO ME DANDO ESSA LIBERDADE MESMO NAMORANDO COMIGO ME PEDINDO VEZ OU OUTRA EM CASAMENTO . ELA ATÉ TENTOU RESISTI FALANDO QUE NÃO ENCARANDO AQUELE NEGÃO COM SEUS OLHOS AZULADOS, POREM NÃO TEVE JEITO PORQUE ELE A FEZ SENTAR NA CAMA AJOELHANDO A SUA FRENTE METENDO A BOCA EM SUA BOCETA, A MEDIDA QUE ELE INSISTIA EM CHUPAR, JULIANA IA SE RENDENDO ATÉ DEITAR SEGURANDO AS PERNAS ABERTAS NO AR MOSTRANDO A CARA DE VADIA COM O PRAZER ESTAMPADO NELA DANDO PARA VER VEZ OU OUTRA QUANDO LEVANTAVA A CABEÇA GEMENDO E REVIRANDO OS OLHOS ENQUANTO O NEGRO LARGAVA SUA BOCETA MOSTRANDO A TODA ABERTA PARA A CÂMERA DANDO PARA VER ELA MELADA. QUANDO JEFFERSON CHUPAVA COM FORÇA PARECENDO TER RAIVA DAQUELA BOCETA QUE JURAVA SER SÓ MINHA, OUVIA O ESCÂNDALO QUE JULIANA FAZIA FALANDO COISAS SEM NEXO ME MATANDO MAIS UM POUCO AO ME DEIXAR VER PRAZER ALUCINANTE EM SUA FACE PRINCIPALMENTE QUANDO JEFFERSON PRENDIA SEU GRELO QUE É BEM SALIENTE SUGANDO EM SEUS LÁBIOS FAZENDO A VADIA SE CONTORCER GEMENDO DE MAIS ATÉ SOLTAR UM CONTINUO AI O QUE ME DEIXOU DE PICA DURA PORQUE FAZ ISSO QUANDO ESTA GOZANDO E TOMADA POR UM PRAZER COMO NUNCA TEVE ANTES, PELO MENOS COMIGO, JUJU DAVA PERNADAS NO AR SE DEBATENDO NA CAMA TENTANDO A TODO CUSTO FUGIR DA BOCA DO RAPAZ QUE INTENSIFICAVA AS CHUPADAS ME DANDO CERTEZA QUE OS VIZINHOS OUVIAM O ESCÂNDALO QUE A VAGABUNDA FAZIA ENQUANTO QUE COMIGO ERA UM AI QUASE CONTIDO E SÓ QUANDO ESTAVA GOZANDO. QUANDO JEFFERSON A SOLTOU TIVE QUE TIRAR A PICA AS PRESSAS DA CALÇA PARA A PORRA VOAR LONGE NÃO DANDO TEMPO NEM PARA CURTIR ISSO MELHOR PORQUE JULIANA SE CONTORCIA AINDA GOZANDO SEM JEFFERSON TOCAR NELA. QUANDO SE RECOMPUNHA PARECENDO ACORDAR, SOLTOU UM NÃO CHOROSO QUANDO JEFFERSON VIROU COM FACILIDADE POSICIONANDO A DE QUATRO NA CAMA COM ELA SE ACALMANDO UM POUCO QUANDO ELE CHUPOU SUA BOCETA MELADA JUNTO COM SEU CU DANDO PARA VER SEU CORPO ARREPIANDO COM ELA SE CONTORCENDO JOGANDO A BOCETA NA BOCA DO RAPAZ, QUANDO ELE CONCENTROU AS CHUPADAS EM SEU CUZINHO ENFIANDO A LÍNGUA NELE, JULIANA PARECEU SE PERDER ENTRE PRAZER E MEDO TENTANDO A TODO CUSTO FUGIR ENQUANTO FALAVA QUE NÃO, QUASE SE ENTREGANDO QUANDO JEFFERSON ENFIOU O DEDO EM SEU CU FAZENDO MOVIMENTOS CIRCULARES NELE E CAINDO DE CARA E SEIOS APOIADOS NA CAMA, ABRIU A BUNDA COM AS MÃOS MANDANDO ELE CHUPAR ENQUANTO NÃO SABIA SE CONTEMPLAVA SUA CARA DE PRAZER OU OLHAVA PARA JEFFERSON QUE PARECIA QUERER ENTRAR DE CABEÇA EM SEU CU, POREM QUANDO FOI PARA CIMA DELA E ESFREGOU AQUELA TORA NA BUNDA DE JUJU, QUANDO FORÇOU PARA METER, MAIS QUE DEPRESSA ELA MESMO PARECENDO SE AFOGAR COM SUA RESPIRAÇÃO TAMANHO PRAZER QUE SENTIA, SEGUROU A PICA DO NEGÃO DIRECIONANDO PARA SUA BOCETA FAZENDO ELA ATOLAR DE UMA SÓ VEZ JOGANDO A BUNDA NELA E VIRANDO A CABEÇA PARA TRÁS BEIJOU LOUCAMENTE O AMIGO SOLTANDO SUA BOCA PARA GEMER E FALAR QUE ESTAVA MORRENDO DE VONTADE DELE, IMPLORANDO PARA QUE COMECE ELA SEMPRE E SE PERDENDO EM SENTIMENTOS DEU PARA OUVI MEU NOME QUANDO AVISOU QUE IA GOZAR. SENTIA A PICA MURCHAR EM MINHA MÃO AO OUVI ISSO MESMO ASSIM CONTINUEI FIRME ASSISTINDO O VÍDEO MESMO SENTINDO COMO QUE FLECHAS FURAVA MEU CORAÇÃO. A BOCETA DE JULIANA AGARRAVA AQUELA PICA PARECENDO QUE NÃO LARGARIA A NUNCA MAIS E SE AJEITANDO MELHOR ATRÁS DE JUJU FORÇANDO ELA ENTERRAR A CARA NA CAMA, JEFFERSON PARECEU ESPERAR ELA SE AJEITAR MELHOR PARA COMEÇAR UM VAI VEM FRENÉTICO PARECENDO QUERER VARAR MINHA JUJU AO MEIO INDO CADA VEZ MAIS PARA DENTRO DE MINHA AMADA DANDO PARA VER DOR DESESPERO E PRAZER MISTURADOS EM SUA FACE, COM ELES SE ASSUSTANDO QUANDO ALGUÉM BATEU NA PORTA COM JUJU CAINDO DEITADA NA CAMA DANDO PARA VER PAVOR EM SUA FACE SAINDO AS PRESSAS PARA O BANHEIRO ENQUANTO ADMIRADO NÃO CONSEGUIA TIRAR OS OLHOS DAQUELE CACETE MELADO QUE CHEGAVA A BRILHAR DE TÃO DURO QUE ESTAVA. ENROLADA NA TOALHA JUJU RECEBEU SUA MÃE NO QUARTO LHE DANDO UM ENORME SERMÃO PERGUNTANDO SE ELA NÃO TINHA VERGONHA NA CARA E ABAIXANDO A CABEÇA NADA FALOU QUANDO SUA MÃE PERGUNTOU COMO EU FICAVA, POREM AO VER JEFFERSON ALISANDO A PICA DESCARADAMENTE OLHANDO PARA ELA, SAIA AS PRESSAS MANDANDO ELA SE RECOMPOR E PARAR COM AQUELA SEM VERGONHICE. PERDIDO EM RAIVA, E CIUMES E OUTROS SENTIMENTOS, JUREI MATAR OS DOIS, ENQUANTO LÁGRIMAS ESCORRIAM DE MEUS OLHOS, DESPERTANDO COM MINHA PICA ENDURECENDO COMO NUNCA ANTES NA VIDA E ATENTO ACOMPANHEI O RAPAZ QUANDO PEGOU O CELULAR INDO PARA JUNTO DE JUJU POSICIONANDO PARA VER JULIANA SENTADA NO VASO NÃO DANDO A MINIMA PARA SEUS PEDIDOS QUE SAÍSSE DALI LEMBRANDO O DE SUA PRIVACIDADE. DEU MEDO QUANDO JEFFERSON ENCAROU JULIANA QUE SE CALOU OLHANDO COM CARA FEIA PARA ELE QUANDO FALOU QUE VAGABUNDA NÃO MERECE RESPEITO; QUANDO JULIANA LEVANTOU PARA PEGAR PAPEL, JEFFERSON AGARROU ELA POR TRÁS DANDO DÓ DE JUJU QUE ESPERNEAVA, CHORAVA IMPLORANDO PARA O ELE PARAR, QUANDO ELE CONSEGUIU DEBRUÇAR NÃO ADIANTOU ELA IMPLORAR AVISANDO QUE ESTAVA SUJA E QUE ELE ESTAVA SEM PRESERVATIVO PORQUE SEGURANDO EM SEU CABELOS ELE FEZ ELA DEBRUÇAR NA PIA E AJEITANDO SEU CACETE NO CU DELA ENTROU EM UMA SÓ ESTOCADA FAZENDO JULIANA GRITAR DE DOR, O QUE ME DEU UM PRAZER IMENSURÁVEL. JEFFERSON FAZIA QUESTÃO DE VIRAR A BUNDA DE JULIANA PARA A CÂMERA MOSTRANDO SEU CACETE ATOLADO QUASE ATÉ AS BOLAS NO CU DE JULIANA QUE DE CABEÇA BAIXA CHORAVA, XINGAVA ELA AOS BERROS AVISANDO QUE ESTAVA DOENDO DEMAIS, O QUE ME FEZ GOZAR MELANDO A MÃO ME ASSUSTANDO QUANDO A MÃE DE JULIANA CHEGOU AGARRANDO ELE POR TRÁS ARRANHANDO DANDO TAPAS E MURROS NELE TENTANDO A TODO CUSTO TIRAR ELE DE CIMA DA FILHA, VENDO QUE NÃO CONSEGUIA SAI GRITANDO SOCORRO AVISANDO QUE CHAMARIA A POLICIA ENQUANTO NUMA CALMA SURPREENDENTE ELE VIROU A CABEÇA PARA TRÁS GEMENDO ALTO DEIXANDO JULIANA CAIR DANDO PARA VER OS ÚLTIMOS JATOS DE PORRA ESPIRRANDO NO AR CAINDO EM CIMA DELA QUE JOGADA AO CHÃO CHORAVA PERGUNTANDO POR QUE ELA HAVIA FEITO ISSO COM ELA DANDO PARA VER O CU DE JULIANA ESTRAGADO COM A PORRA ESCORRENDO DELE ENQUANTO JEFFERSON LAVAVA SUA PICA NA PIA TIRANDO A PORRA, FEZES E SANGUE DELA. APÓS SE AJEITAR JEFFERSON DELIGOU O CELULAR E SAIU NUMA CALMA TREMENDA. TINHA CERTEZA QUE MINHA RELAÇÃO COM JULIANA TERMINARIA ALI SENDO ISSO TERRÍVEL PARA MIM PORQUE ME DEI CONTA QUE AMAVA DEMAIS ESSA GURIA, POREM NÃO CONSEGUIA ACEITAR SUA TRAIÇÃO E JÁ NÃO AGUENTANDO MAIS DE VONTADE DE SEUS CORPO COM A SAUDADE APERTANDO O CORAÇÃO, LIGUEI PARA ELA SENDO ATENDIDO POR SUA MÃE QUE MENTIU AO FALAR QUE ELA ESTAVA LOUCA QUERENDO FALAR COMIGO AVISANDO QUE PEDIRIA PARA ELA ME LIGAR. QUANDO ELA ME LIGOU FIQUEI CONTENTE AO OUVI SUA RISADA QUANDO RESPONDI QUE SIM QUE AINDA ESTÁVAMOS NAMORANDO E NOS ENCONTRANDO HORAS DEPOIS, QUANDO FUI PARA CIMA DELA COM ELA NÃO TENTANDO NÃO DEIXAR QUE TIRASSE SUA ROUPA ENQUANTO NOS BEIJAVA, PAREI AO OLHAR EM SEUS OLHOS E NÃO CONSEGUI VER NADA COM ELA SE AGARRANDO EM MIM ME PEDINDO CALMA FALANDO QUE ME AMAVA DEMAIS, POREM TINHA PASSADO POR UMA EXPERIENCIA TRAUMÁTICA, AFIRMANDO NÃO ESTAR PRONTA PARA ME CONTAR AINDA E FINGINDO DE NADA SABER FOMOS PASSEAR E TOMAR SORVETE. A ÚNICA COISA QUE JULIANA ME FALOU ERA QUE ESTAVA SE CONVALESCENDO DE UM PROBLEMINHA DE SAÚDE POR ISSO FOI PASSAR UNS DIAS COM A AVÓ. PENSAVA EM TERMINAR NOSSO RELACIONAMENTO, POREM QUANDO ENCONTRAVA JULIANA, AGORA MAIS PRESENTE EM MINHA VIDA, MUDAVA DE IDEIA, POREM A VONTADE DE CASAR COM ELA NÃO TINHA MAIS ME ESFORÇANDO PARA ME CONVENCER DISSO A CADA DIA MESMO C
OM ELA CADA VEZ MAIS DEDICADA E PRESTATIVA NESSA RELAÇÃO. FAZIA NOVE MESES QUE ESTÁVAMOS JUNTOS NOVAMENTE JÁ PENSANDO EM DÁ O PASSO SEGUINTE NA RELAÇÃO QUANDO DE REPENTE NOTEI ELA MAIS CONTIDA E TRISTE NÃO QUERENDO ME FALAR O QUE ESTAVA ACONTECENDO AFIRMANDO SER COISA DE MULHER, POREM FOI DESCOBRI QUE ISSO ERA PORQUE SEU AMIGO JEFFERSON SAIU DA CADEIA PORQUE ELA HAVIA RETIRADO A ACUSAÇÃO DE ESTRUPO CONTRA ELE. DESDE ENTÃO, MESMO ELA NÃO DANDO INDICIO DE TER ALGO COM ELE E NUNCA TER ME CONTANDO O QUE ACONTECEU, NÃO SABENDO QUE TENHO O VÍDEO ATÉ HOJE, TRATO JULIANA COMO VAGABUNDA JUDIANDO DEMAIS DELA NA CAMA TRATANDO A COMO MINHA PUTA, O QUE DEIXA ELA MUITO FELIZ E REALIZADA, POREM É ISSO ISSO QUE DAREI A ELA PORQUE NÃO CONSEGO ACREDITAR MAIS NELA.

LEITEI A GORDINHA NA PRACINHA

ME CHAMO JOÃO TENHO 46 ANOS , 1,75M , 45 KG , SOU MAGRELO , SEPARADO , MORO EM UM CÔMODO NO QUINTAL DA MINHA MÃE , BOM NO CONTO 19533 , FALEI SOBRE A DELICIOSA SOBRINHA DO MEU IRMÃO OU SEJA DA ESPOSA DELE ,MAS VOU FALAR SOBRE UMA IDA MINHA A UMA BALADA , LÁ EU ESTAVA COM UNS AMIGOS E UMA GAROTA , 1,68M , UNS 80 KG , CABELOS LONGOS , PEITUDA E BUNDUDA , UMA GORDINHA GOSTOSA , ELA COMEÇOU A DAR UMAS OLHADAS PRA MIM ,EU SOU MAGRELO , MEUS AMIGOS COMECARAM A ME ZOAR ,EU FIQUEI DE BOA , CHEGUEI NELA E INICIEI UMA CONVERSA ,LOGO SAIMOS LÁ FORA TOMAR UM AR E CONVERSAR MAIS TRANQUILO , SAIMOS ANDANDO PELA AVENIDA É LOGO ESTAVAMOS EM UMA PRACINHA , MADRUGADA , SILÊNCIO TOTAL , AS VEZES PASSAVA UM OU OUTRO CARRO , NOS BEIJAVAMOS EU SENTIA OS PEITÕES , ELA DE CALÇA DIFICULTAVA TOCAR A BUCETA , MAS EU CONSEGUIA MAMAR OS PEITOS ENORMES , ELA SENTADA NO BANCO , EU EM PÉ , ELA DESABOTOOU MINHA CALÇA, TIROU MINHA PICA DURA PRA FORA E COMEÇOU PUNHETAR , ACARICIAR MINHAS BOLAS , QUE DELICIA , MAS A SAFADA COMEÇOU A LAMBER MINHA PICA É MINHAS BOLAS , O TESÃO AUMENTOU QUANDO ELA COMEÇOU A MAMAR O PAU E AS BOLAS , MUITO GOSTOSO , ELA BABANDO NA PICA É NAS BOLAS , MINHAS PERNAS TREMULAS , A JULIA SUGOU MINHA PICA COM TANTA VONTADE QUE LEITEI A BOCA DELA , NESSE MOMENTO ELA TRAVOU MINHA PICA NA BOCA E SUGOU ATÉ A ULRIMA GOTA , ENGOLIU TUDO , GUARDEI A PICA E VOLTAMOS ,MINHAS PERNAS FICARAM MOLES , UFA FOI A MELHOR MAMADA QUE LEVEI ATÉ HJ .

nao resistir a minha sobrinha gostosa

bom galera tenho uma sobrinha que se chama   m…. que e bem gostosinha ela tem 18 anos e loirinha com as pernas grossas e os seios parece dois meloes duros p caralho ,ela mora em feira de santana mas esta sempre em salvador cidade onde eu moro e fica na casa de umas amigas de faculdade e ela veio passa as ferias em salvador e me pediu para ficar em minha casa pois moro perto da praia e eu estava separado de minha mulher e aceitei na boa , quando faltava um dia p vim ele me ligou avisado fui pegar ela de moto na rodoviaria e quando a vi fiquei abismado como ela estava linda .kd dia mas gostosa ,e eu nunca olhei p ela com qualquer maldade ,so que naquele dia ela me deu um abraço apertado e aquele mulherao me abraçando daquele jeito fora que eu ja tinha uns dias sem fuder , e ja estava pensando um monte bobagens . pois tenho 38 anos e um tesao do caralho levei ela p casa e ela me abraçando e eu estava estranho meio com tesao meio com vergonha ,e meu pau estava duro entramos em casa pedir uma pizza e ficamos batendo papo e ele me perguntou se uma amigas dela poderia vim dormi la em casa p elas irem a praia logo pela manha concordei e elas disse que as meninas estavam vindo mas tarde e que iria dormir um pouco p descansar da viajem e eu tbm fui p meu quarto e ela ficou em outro da casa ,quando acordo mas tarde ouvi um barulho de vozes em casa me lavantei e fui ver quem era e sair quando vi eram amigas de minha sobrinha conversando e quando me viram todas param de fala me olhar .sem falar nada ,foi ai que eu percebi que eu tinha saido de cueca do quarto de pau duro ,voltei rapido p quarto e vestir um calçao e sair meio que sem graça pedindo desculpas e tentando explicar que eu sair pq ouvir vozes em casa e que eu morava so a tal e tinha esquecido que elas estavam la,todas riam de minha cara e teve uma que chamava marcela e ai em tio acordou animado riram muito e levei na brincadeira tbm e voltei para o quarto ,quando foi pela manha acordei e fui no quarto ve como elas estavam elas ja tinha saido e deixam as calçinhas em cima da cama ,poha fiz o que todo homem faria cherei que coisa gostosa o cheiro das bucetinhas novinha nem sabia de qual era quem so sei que meu pau babava e na resistir bati uma punheta gostosa cheirando aquelas calçinhas .vestir uma sunga fui tbm encontrei as meninas que fizeram uma festa quando me viram menos a minha sobrinha estava com a cara meio amarrada perguntei o que houve ela nao quis comentar e tirei minha bermuda e fiquei de sunga e entrei na agua e fiquei olhando aqueles 3 rabos lindos que eu tinha acabado de cheirar suas calçinhas e elas conversavam de alguma coisa e as amigas de m……. decidiram ir embora. e minha sobrinha entrou na agua retada falano sozinha e sorrir perguntei o houve e ela me disse que elas falavam de mim e ela nao gostou e nao quis me dizer o que , falei p ela ficar na boa aproveitar na praia, e ela veio e me abraçou poha ela de biquini na agua meio pau foi a mil e ela percebeu e nao ligou evirou as costas e encostou a bunda em meu pau me pediu p segura ela p onda nao levar p ela nao sabia nadar direito eu tentava me afastar meu ela sempre vinha a procura do meu corpo e encostava a bunda em meu pau caralho que tortura ela estava com um biquini fio dental que na frente dava p ver a buceta toda raspada ,e eu disse que iria sair da agua e iria tomar uma cerveja e ela disse que queria tbm, sair da agua de pau duro rapido e a sacana veio e deitou na toalha e disse tio me passa um brozeador nas minha costas pq quem iria passar era minhas amigas mandei ela esperar e tomei um gole de cerveja que bebi o copo todo ela bebeu tbm e disse bebeu p tomar coragem agora passa, joguei brozeador comecei a passar rapido e reclamou e disse nao e assim nao passa devagar p poder espalhar bem e mandou eu passar com cuidado no bumbum pq ela queria bem queimadinho começei a alisar aquela bunda e passar bronzeador e a safada começou a se arepiar toda e gemer baixinho e enpinar a bunda dizendo ela que era para poder pegar melhor meu pau pareçia que iria estoura a sunga e ela viu e disse o sr.quer sabe o que minhas amigas falaram . eu disse o que? ,que o sr. parece que tem um pauzao pela cueca quando o sr, saiu do quarto ontem e que fuderiam com o sr. se o sr. quisesse e eu tive ciumes e briguei com elas , e elas falaram que vao fuder com o senhor pq gosta de pauzudo .agora estou vendo o sr. tem um pauzao mesmo. fique sem aca e falei p ela que iria volta p casa pois tinha que fazer uma coisa , ela me disse que iria fica mas um pouco cheguei em casa e as amigas delas estavam saido e marcela veio e me perguntou se poderia voltar depois pegar uma praia e me contar uma coisa ,eu disse que sim e que elas nao precisavam ir elas disse que era melhor assim e me deu um beijo no canto da boca e saiu. me tranquei no quarto e fiquei vendo tv estava um calor da poha e mas ou menos duas horas depois m….. chegou em casa esta um pouco tonta e comentou que uns caras estava dando encima dela na praia e tomou umas cervejas mas ela nao queria ninguem qria passar as ferias sozinha e tomou banho e tentou dormir e nao conseguiu e bateu na porta do meu quarto pq e o unico da casa com ar condicionado e perguntou se poderia dormir comigo eu deixei e joguei uma coxa no chao ela nao concordou e disse que era bobagem e que eu poderia dormir na cama tbm e me disse nossa vc esta todo vermelho venha que vou passa um creme em vc e me deitou e montou em minhas costas ela so vestia um camisao comprido e uma calçinha fio dental de renda começou a me passar o creme eu sentindo a quentura daquela buceta em minhas costas meu pau iria furar o colchao ela me pediu pa vira p passar na frente e eu nao quis ela disse vamos tio pare de besteiras quando eu virei de pau duro ela veio de montou em mim se encaixou todo em meu pau e comecou a passar o creme e mexer e gemer baixinho, e perguntou vc tem coragem de mim fuder tio? eu disse acho que nao ,e pq este pauzao seu esta duro deste jeito querendo furar minha calçinha e deu uma mexida lenta e sacana em cima do meu pau se levantou e puxou minha roupa e começou a me chupar com vontade e me fazendo gemer de tesao , puxei ela p cima de mim e puxei sua calçinha p lado começie a lamber sua bucetinha e seu cuzinho ela uivava de tesao ssssssssss aaaiaiiii ttttiiiiioooo que gostoso e nao largava de mim chupar e aaiiiaa chupa gosostoso que eu vou gozar em sua boca aaiii titio sssssssss ai nisso e meu pau babava em sua boca epulsava querendo gozar tbm aiiiii minha safada mama mama a pica do titio mama sua cachorra e começamos a gozar juntos fazendo um 69 aaaaaaahahhahha deliçia estou gozando em sua boca aaaahhahhahauiuiuuiu sss s   eu tbm meu bb lindo mama o tio ss s s s s ssssssssaaaaahhhh a puta nao deixou perder um gota de gala e continuou me chupando eu pedir senta na minha pica vai bbb ela disse este pau vai me arrombar toda mas estou doida p sentar e sentou de vez aaahahahahhaha caralho esta me rasgando sssss ss s aaaaiaiaiia tio fode sua sobrinha putinha fode uiuiuuuuiiuiiuuu deliçia de cacetao vou gozar tio vou goza ruiuiuuiuuuuuiiiiiiii gozada gostosa goza comigo tio goza gemeu ela em meu ouvido começei a socar forte e meti o dedo em seu cuzinho asssssssa aaiaiaiaiiaai uiiii   fode minha boceta e meu cunho vai safado sss s s s s kkkkkkela hhhhhhaaaaaa uuuiuuuiuiu se desmachou e um gozo da pohaa nao gozei e me levantei e mandei ela ficar de 4 ela disse que nao estava aguentando pq tinha gozado muito varias vezes e estava sem pernas e deitou na cama começei a lamber seu cuzinho ela foi levantando e empinando a bunda que coisa linda ela gemia sssssss nao vou aguentar e se vc nao me fuder logo vou gozar de novo seu tarado e o coloquei meu pau e sua bucetinha ela pingava de tesao molhei bem meu pau com a babade sua buceta e teve uma hora que coloquei na porta do seu cuzinho ela me disse e muito grane tio vai doer e ja estou fraquinha dei mas uma lambida em seu cuzinho e empurrei um pouco a cabeça entrou e aaahahahha ardeu mas mete o resto poha que nao aguento mas este picao sssssssss aaaaiiii uuuiiiuuuiuu vou gozar caralho j
a estou gozando ahahahahaha e peguei em sua sinhtura e começei a fuder o cu dela for te ela ela so tesao e gemia sssssss hhhaaaaaaaaa vc esta me rasgando seu fdp gostoso fode sua putinha fode ss s s s sssaahhhahhahahha ai bb assim o tio vai gozar ela começou a rebolar em meu pau quanto mas eu gemia ela rebolava com mas vontade e dizer queria fuder meu cu seu fdp entao toma cu toma safado toma ,toma cu nessa picona e mexia gostoso kksssssssahahhahhah vou gozar bbb aahhahahaaam aiaiaiaia aa ela gozou de novo uuuuiiiiiii aaiiaiaai meu cuzinho aiiiii tio vc arrombou gostoso meu cuzinho e eu tbm gozei aaiaiaiiaiiai   bbbbbb   quueeeee delicia de cuu minha bbzinha gostosa enchi o cu dela de poha e saiu um pouco de sangue e caimos na cama ,ficamos abracados ,e dormimos a noite toda assim ela foi p assar uma semana de ferias comigo ficou o mes inteiro e quase nao saia de casa so caindo na pica e dormindo ,hoje ela casou e asvezes sempre vem me fazer uma visita e lembrar noso tesao de verao .sou de salvador que quizer entrar em contato e trocar uma ideia chama no zap fui 7185089115.

CURRADO NO CINEMA(FINAL)

Permacecemos por uns bons minutos sentados ou melhor esparramados, exaustos; minha boca ardia pelo grande esforço que fizera para chupar aquela manjuba, minha garganta parecia que estava toda arranhada e o meu pinto, mole, repousava fora das calças, que eu as mantinha toda aberta na cintura; dando uma olhada para o lado, ví o negão derriado, com a barriguilha aberta e aquele cacetão do lado de fora, agora todo molenga. Meus olhos se fixaram nele e não desviaram mais, pareciam hipinotizados pela imponência dele e automaticamente levei a minha mão até ele e o segurei novamente; estava adorando ter aquele bom pedaço de carne na mão; instintivamente comecei a brincar com o bruto, começando uma nova masturbação, não levou muito tempo(o negão era um animal), aquele colosso começou a endurecer e esticar na minha mão, até assumir o seu tamanho máximo. Aí eu fiz menção, abaixando a cabeça de coloca-lo novamente em minha boca sedenta, mas o negão se levantou abrutamente e me levantando, também, com um único puxão abaixou minhas calças até o chão, me deixando nú da cintura para baixo; aí,então, me virou de costas para ele, levantou o assento da poltrona e dobrando meu corpo, com certa violência, me fez encostar a cabeça no encosto da cadeira, tal movimento fez minha bunda núa se arrebitar e encostar naquele ferro; embora eu sentisse uma certo prazer naquele contato, fiquei temeroso no que ia acontecer e tentei me esquivar e, então, gritei:   -Não isso não, no! no! Mas o negão me empurrou, deu uma tremendo tapa em minha bunda e começou a esfregar aquela manjuba nela, enfiando a sua cabeçorra no meu rêgo, subindo e descendo nele; então, compreendi que o negão não estava para brincadeiras e resolvi assumir, embora com muito medo, uma atitude de resignação, segurei com força na cadeira, abaxei a cabeça olhando para o chão da fileira de trás e o ví todo esporrado; levantei meus olhos e dei com os três assistentes de trás com as picas moles na mão e olhando para os lados vi que os outros, tambem, estavam: tinham gozado com as punhetas, esporrado no chão e com certeza agora estavam esperando pelo 2o. ato do espetáculo. Enquanto isso, o negão continuava a bulinar o pirocão em minha bunda e, então, sentí algo molhado escorrendo pelo cú,ele cuspia seguidamente no meu buraquinho e o lambuzava com os dedos; aí ele começou enfiando um dedo no meu cú e confesso senti um certo tesão, me fez lembrar das enfiadas de dedo de minha mulher, só que o dedo do negão era muito maior e mais grosso; ele enfiou o primeiro dedo,o indicador, até o fundo e começou a tirar e enfiar no meu cú molhado, eu estava gostando e comecei a soltar uns suspiros baixinho; então, ele enfiou um 2o. dedo, o médio e os dois juntos provocaram uma dorzinha, que logo foi substituida por prazer e assim foi até ele enfiar 3 dedos, aí eu gritei, sentido o meu cú estalar; ele rodava violentamente os dedos, parecendo querer dilatar meu cú para abrir passagem para algo mais grosso; então, tremi nas bases, temendo o que me iria acontecer: ele retirou os dedos e eu virando os olhos vi que ele apontava o colosso em direção ao meu buraco, tremi de medi e gritei :- NÃO! Senti, então, novamente estalar em minha bunda um violento tapa, o que me fez calar e esperar pelo pior. O negão, então, de uma forma mais delicada começou a esfregar a cabeçorra de sua manjuba, na porta do meu cú e cofesso se não fosse o temor que me apossava, eu era até capaz de gozar com isso; aí ele parou o movimento de massagem e apontou a cacetão para porta do meu cú e começou a empurra-lo, tentando entrar no mesmo, mas estava difícil,a cabeçorra era muito grande e o meu buraco muito pequeno e apertado, mas ele tanto insistiu, que num golpe brusco conseguiu que a mesma vazasse o buraco e quando o fez, eu senti como se ouvisse um PLOC! e senti uma dor terrível, parecendo que tinha estourado meu cú; a dor foi tão forte que eu não me contive e soltei um grito: -AHI!. Um novo tapa estalou em minha bunda. O negão, com a cabeçorra dentro do meu cú, se segurou um pouco, ficando totalmente parado, parecendo prender o seu gozo que estava eminente, para mim isso foi um pequeno alívio, mas logo a seguir senti aquela manjuba avançar aos poucos no meu rabo: o negão a empurrava lentamente para dentro, como se estivesse empurrando o êmbulo de uma bomba de ar; o pirocão ía abrindo caminho, sem parar, eté que conseguiu chegar ao fim e eu, então, senti suas bolas encostarem em minha bunda: eu não podia acreditar aquela manjuba estava toda dentro do meu rabo, que parecia todo dilacerado e minha dor era muito forte. O negão permaneceu com a pica parada por um bom tempo, como se estivesse esperando minha dor passar. Depois de alguns minutos ele começou a movimenta-la, num vai e vem a princípio lento, depois mais rápido, foi quando a minha dor gradativamente foi diminuindo e eu com certo orgulho, de aguentar aquela tora dentro do meu rabo, fui começando a sentir prazer de finalmente estar sendo enrabado; os meus gritos foram substituidos por gemidos e suspiros, quando eu senti a mão do negão segurar o meu pinto e masturba-lo: ele queria certamente que eu gozasse com ele, mas tanto eu como ele não queríamos que a tranza acabasse logo e procuramos demorar bastante, por que agora ambos estávamos gozando as delícias da tesão; já todo animado, olhei para os assitentes de trás e ví que eles continuavam, já com as pirocas duras se masturbando, quando o do meio se levantou e encostou a sua nos meus lábios; não me fiz de rogado e abocanhei aquele cacete, que não era o cacete do negão, mas era um senhor cacete; comecei a chupar, como se fosse um picolé e minha tesão aumentava sensivelmente: estava sendo devidamente enrabado e mamava uma piroca de macho: era tudo que eu queria, era tudo que eu sonhara. O negão, então, parou um pouco de bombar seu mastro e eu, então, aprovetei para rebolar minha bunda em torno do seu páu e eu mesmo mexia com meu cú, no cacete estático do negão, tirando e enterrando-o com força até os bagos; o negão continuava a mastubar-me e o meu parceiro de trás empurrava e tirava sua piroca de minha boca: parecia que nós três estávamos nas últimas do extase, foi quando quase ao mesmo tempo eu senti um jato de porra quente espocar na minha garganta,outro jato inundar meu cú e eu explodir em um gozo infernal, derramando meu esperma na mão do negão. Parecia que tinha terminado o espetáculo, só que os outros assitentes não ficaram satisfeitos, assim ainda tive que chupar e engolir as porras dos 2 que estavam atrás e os outros cinco assistentes, inclusive o funcionário, quizeram e conseguiram botar no minha bunda, de tal forma que fiquei com meu cú dilacerado e arrombado, mas eu tinha gostado e gozado bastante. Todos foram embora, só ficando o funcionário que começou a limpeza do local e aí compreendi a presença dele e eu, totalmente exaurido, me preparandp para retornar à minha vidinha de marido fiel mas pensando, apesar dos pesares, conseguira com sobras, realizar meus desejos, meus pensamentos, enfim minha curiosidade, só não esperava que fosse tanto, eu acabara num dia só, em poucas horas, chupar 4 pirocãos e ser enrabado por 6 vezes seguidas. De fato eu fui: CURRADO NO CINEMA.

Na cama do meu filho

Chamo-me Ana, e meu filho Luís, Tenho 38 anos , sou morena, 1,70 e 67 kg, já meu filho tem 20 anos, também moreno, 1,75, 80 Kg.O que vou contar aqui, não é motivo de orgulho, às vezes me envergonho do ocorrido, mas escrever a respeito foi um meio de desabafo, embora ainda aconteça com certa frequência.Moramos em um apartamento pequeno, porém nosso.Era uma sexta feira de um final de semana prolongado por conta de um feriado e meu marido havia viajado a fim de aproveitar os dias e resolver uns problemas no interior, a respeito de uma propriedade, uma vez que o feriado era somente local.Seriam quatro dias em casa, e meu filho arrumou alguns DVDs para assistirmos.Marcamos de pegar uma pizza à noite e depois ver os filmes.O dvd estava instalado em seu quarto, sendo que o da sala estava no conserto.À noite, comemos uma pizza com refrigerante, conversamos sobre amenidades, e em seguida ele tomou seu banho e logo atrás tomei o meu.Como após os filmes ia me recolher, já estava de camisola, bem comportada, embora sem sutiã ou calcinha. Fui para o quarto dele e ele já estava com tudo pronto, Luís estava de calção largo e sem camisa.Sentei-me ao seu lado na cama, por cima dos lençóis, com um travesseiro nas costas , ele também estava sentado , com travesseiros nas costas.Assistimos a dois filmes seguidos, normais, e o terceiro era um pornô que tinha pegado por engano, mas já que estava, assistimos.Fiquei excitada e com certeza ele também, mas nada falamos.No último filme, começou a dar sono e acabei cochilando, acordando pouco tempo depois, bem assonada.Eu estava de lado, com as costas voltadas ao Luís, percebi que estava ficando molhada, e, para minha surpresa, sentia algo duro na minha bunda, roçando por cima da camisola, bem lentamente, mas percebi que procurava o meio das coxas, depois corria por entre minhas nadegas por cima da camisola.Era Luís, encoxando sua mãe, que sem vergonha, fiquei puta, ia lhe dar um esporro, mas tinha que ter certeza absoluta.Fiquei parada, quieta, fingindo dormir…Lentamente, sentia a cabeça do pau dele correr minha bunda, desde lá de baixo procurando entre as coxas e subindo até sentir ele duro lá em cima.Conforme ele se movimentou e tive certeza do que estava acontecendo, senti a buceta melar de vez.Estava puta da vida, mas com um tesão tremendo, a buceta começava a piscar com essa situação.Fingi estar dormindo, e me movimentei propositadamente, como se estivesse me ajeitando, imediatamente ele parou e se recolheu, mas aproveitei o movimento para subir a camisola, deixando meu vulcãozinho aparente e desprotegida.Fiquei quieta, e alguns minutos se passaram , achei que nada ia rolar, buceta encharcada, então novamente senti, mas desta vez era sua mão, que percorria meus quadris, minhas coxas, minha bunda.Seus dedos percorreram meu rego, foram então na direção da buceta, agora mais que encharcada, fui lentamente abrindo pouco mais as pernas, de modo que ele não percebesse, e , facilitando o encontro da buceta melada.Seus dedos encontraram a portinha do prazer, e lentamente um deles foi invadindo num vai e vem gostoso e lento.Foi mais além e o segundo dedo foi invadindo minhas entranhas. Queria gemer, mas não podia, queria me contorcer, mas não podia, parecia adolescente fazendo coisa errada.Luís tirou seus dedos, aproveitei que não havia nenhum contato físico e me ajeitei mais, facilitando ainda mais seu acesso à minha gruta do prazer, que queria muito aquele pau que antes roçara por fora da roupa.Lá vem ele de novo, agora roçando o pau, correndo por entre minhas coxas, senti quando a cabeça tocou minha buceta, me arrepiando toda, ficou entre minhas coxas, num vai e vem bem lento, com o corpo e a cabeça do pau esfregando na minha brechinha quente e úmida.Estava quase gozando, mas queria aquilo dentro de mim, e ele nada mais tentava além de esfregar na buceta.Sem pensar, ainda de costas para ele, abri mais ainda a perna, o que ele percebeu e tirou o pau mais uma vez, desta vez, fui com a bunda de encontro dele, e ele então percebeu que estava tudo bem, e agora começou a roçar a cabeça na minha entradinha.Uma vez posicionado, fui engolindo aquele pau com a buceta, centímetro a centímetro, até o fim e sentir ele forçando seu quadril contra o meu.Aos poucos começamos a nos mexer, que sensação maravilhosa, aquela rola dura dentro de mim, socando , comendo, fudendo com vontade e com gosto.Não demorou e gozei como há muito não gozava. Pouco depois foi meu garoto, que encheu meu buraquinho com seu leite quentinho e viscoso.Nada falamos, ficamos abraçados, nos beijando, até a excitação estar presente de novo.Desta vez foi um papai e mamãe maravilhoso ( ou será mamãe e filhinho?), que mais uma vez gozei, e ele gozou em minha buceta novamente.Dormimos, acordei cedo em sua cama, estava com muita vergonha de mim mesma.Levantei, ajeitei minha camisola e fui para a cozinha, o que eu tinha feito? Que pecado eu cometera? Apoiei as mãos sobre a mesa da cozinha, sensação de remorso, culpa, além de trair meu marido que tanto amava, havia feito sexo com meu filho, me sentia envergonhada de mim mesma, minha cabeça girava, levei minha mão na buceta e esta ainda estava melada de sexo, esperma, meu próprio mel.Pensei em falar com ele, me desculpar, arrumar um jeito de desfazer aquilo tudo, vontade de chorar, gritar, sei lá, desabafar enfim.Eis que sinto ele atrás de mim, ia me virar, tentar falar algo, sei lá….Num impulso rápido ele novamente de pau duro me encoxou, uma mão apertando o bico de meu seio, a outra correu para a xoxota, fui tentar sair dessa situação.Numa violência, ele me agarrou pelo cabelo forçando minha cabeça sobre a mesa, obrigando-me e debruçar…..Outra mão levanta minha perna esquerda que via para cima da mesa, novamente de buceta exposta, agora contra minha vontade, e numa só estocada, sinto seu pau entrando todo novamente.Mais uma vez sinto a buceta toda cheia com seu pênis duro, grande, hummmm gostoso também.Não consigo falar nada, começa a estocar com força e violência , fico muito excitada, nunca me foderam assim, alias, só tive meu marido até então.Me come com força, gozo em sua pica, agora solto gemidos, sua pica entrando e saindo , minha buceta arreganhada, fodendo com violência…..Finalmente goza em minha buceta, sinto escorrer pernas abaixo…. puxa-me pelo cabelo, me faz ajoelhar em sua frente, esfrega seu pau na minha cara , força para que eu ponha na boca…. vou cedendo e começo a chupar seu pau, limpando seu gozo misturado com o meu…. o coração estava disparado, nunca tinha passado por isso, vou chupando até amolecer.Tira minha camisola, me deixando nua, me coloca na mesa de pernas abertas…. chupa minha buceta, toma meu mel misturado com o seu…..Sobe e chupa meus seios ainda rijos, aperta o biquinho de um enquanto chupa e mordisca o outro…Eu havia pecado, sim, mas delirava com as novidades……Levantamos, eu ia me vestir, ele não deixou, aceitei, pois o pior já tinha acontecido, ficamos pelados…Tentei tomar um banho, também não deixou, na porta do banheiro me beijava, bolinava e esfregava seu pau mole entre minhas pernas……Tomamos café, e o tempo todo me bolinando, peguei seu pau e fiquei masturbando.Descansamos deitados no sofá , pelados, nos beijando e nos bolinando. Novamente seu pau começou a endurecer aos poucos, ele se levantou e ficou em pé em frente ao sofá, me fazendo chupar novamente.Me sentia uma puta, sem pudores, aos poucos fui me soltando mais e entrando no seu jogo de putaria.Chupava, punhetava agora como louca, lambia a cabeça de seu pau, rosada, grande, puxava a pele de modo a liberar toda a cabeça, observava suas veias , seu saco, observava o pau que acabava de me comer.Como meu menino crescera , seu pau era de homem, um bom comprimento, e uma ótima grossura, já sendo maior que do pai….Mais uma vez veio a minha buceta, abria bem as pernas, e sentia ele todo até o fundo da buceta, sentia bater no útero, sentia minha buceta toda aberta, sentia ele metendo sem dó como se fosse uma vadia.Assim foi por todo o final
de semana…. pelada…. com poucos banhos…. melada de porra e mel da minha buceta…..A casa cheirava a sexo, buceta já ardida de foder, inchada e vermelha…. gozadas na cara, na boca, na buceta, nos seios, nas coxas…..Não fizemos anal, tentamos…. mas eu não consegui aceitá-lo por completo( coisa que conseguimos em outra oportunidade( outra estória)).Após o feriado meu marido chega…. me beija….. diz que estou com um sorriso lindo e uma pele maravilhosa…. e que o feriado havia me feito bem……Mal sabe ele, risos……

Fim de semana na casa de Praia

Tava em casa na sexta e minha prima Lu me liga, “vamos para a praia meus pais não vão, que tal..” eu respondi “quem ia levar a gente” o Kleber era cunhado da Tia tinha uns 24 anos gostosao e saradao e solteiro principalmente. Beleza pensei vou chamar a Maria e a Lu, ai a suruba fica legal a Lu falou que o Drigo também ia, pensei opa agora ficou melhor, o Kleber tem uma SUV entap cabe todo mundo na boa, compramos bebidas e comida partimos no sábado de manha chegamos rapidinho na casa nos arrumamos nos quartos, e eu fui logo avisando na piscina todo mundo pelado !!!!! A galera olhou e começaram a rir mas na hora tava todo mundo peladinho, ate o Kleber a piroca dele era grandona e gostosa , o Drigo também já tava com a pica dura como sempre a lu chupando ele, a Isa já tava junto com a Maria se mamando e chupando e olhei para o Kleber e pronto fui ao trabalho, comecei punhetando ele e recebendo uma massagem no grelhinho deliciosa, que foi aumentando ate chegar no cuzinho esse sempre tinha um carinho a mais dos meninos, como gostam de um cuzinho. Entao começamos a brincadeira mais seria ele sentou na cadeira e me puxou pela cintura e começou a ajeitar a pica na ponta da minha xoxota eu já tava largadinha, e vendo as cenas em volta com as meninas em um 69 maravilhoso e continuei sentei com tudo na pica do Kleber e comecei a dançar, rebolar no colinho do tio como tava delicioso ai me virei de frente e ele começou a chupar meus peitinhos eu fiquei doida nisso eu comecei a sentir um dedinho no meu cuzinho era a Lu que tava brincando com ele nisso o Drigo também chegou e pegou a pica e começou a roçar a entrada e aos poucos foi metendo um pouco de cada vez era a primeira vez que tinha duas pirocas dentro dos meus buraquinhos que delicia, gozei rapidinho os meninos não deixaram a peteca cair e pegaram a lu com seus 12 aninhos cheio de tesao já que ela era grande e alta foi a segunda vitima. Eles ainda não tinham gozado e tavam com as pirocas cheias de porra, se arrumaram e começaram a comer a Lu piranhinha adora uma piroca eu também fiquei so que chupando os peitinhos dela como eram deliciosos imagina aquele biquinho durinho delicioso mordi, chupei e como estava com tesao fui buscar o consolo da mamãe que havia trazido e me juntei a Isa e a Maria que tavam se pegando direto mergulhamos na piscina e nada de lembrar de comida era so sacanagem. Cheguei com o consolo e começamos a nos fuder de todo o jeito com muita vontade ficamos o final de semana assim.Voltei para o kebler que ainda tava com um tesao já tinha comido todo mundo e ainda não tinha gozado, com experiência so tratou as xoxotas das meninas com carinho e jeito muita pica rolou no cuzinho e xoxotas, sentei de novo na cadeira e ele me virou de quatro abriu minha xoxota e penetrou com vontade metendo e metendo eu tava sentindo que ele ia gozar pedi para ele tirar a pica para gozar em todas as meninas o Drigo também tava comendo a Maria parou e se preparam com jeito um de cada lado e as cadelinhas todas sentadas na beira da piscina esperando a porra chegar e como o Kleber parecia um vulcão o Drigo veio logo em seguida como foi gostoso sentir essa porra toda em nossos corpos uma começou a lamber a outra deixando todas limpinhas. Entramos tomamos banho e fomos almoçar. A noite e brincadeira continuou fudemos muuuito.No domingo o café da manha foi porra de novo.Que maravilha de fim de semana…tivemos outros …….

ELA FOI ASSEDIADA NA PRAIA, NÃO RESISTIU E FUI CORNO.

Somos um casal, eu 32 e ela 26. Tudo isso aconteceu num final de semana prolongado que resolvemos passar no litoral. Ficamos em uma pousada e logo no primeiro dia fomos para uma praia de mar raso e calmo. Ela estava a fim de tomar sol e eu só queria descansar numa sobra qualquer e tomar minha cervejinha. Quando chegamos ficamos sentados numa mesa sobe a sobra de uma árvore, onde ela começou a se preparar para tomar sol. Num dado momento ela comentou que tinha um rapaz que parecia estar paquerando ela. Eu discretamente olhei para ver quem era e percebi que realmente havia um rapaz, aparentando uns 22 a 23 anos, sentado em um muro de uma casa em frente à praia, distante uns 60m de nós. Notei que o rapaz parecia atraente e percebi que ela estava gostando. Ri pra ela e disse que por ela estar muito linda e gostosa ele a estava paquerando e não dei muita atenção, voltando a ler minha revista e bebendo minha cervejinha gelada. Ela se deitou de frente para o rapaz e ficou tomando sol e, numa olhada disfarçada, percebi que o cara realmente estava paquerando ela e ela paquerando ele. Fiquei com ciúmes, mas ao mesmo tempo com um tesão danado ao imaginar ela sarrando com ele no mar. Enchi um copo de cerveja e ofereci para ela e perguntei o que ela achou do admirado e ela respondeu que achou ele um gato. A partir daí eu percebi que algo poderia acontecer, pois ela estava empolgada e excitada com tudo aquilo. Fiquei meio sem saber o que fazer, se incentivava ou acabava com aquela situação. Resolvi não interromper a paquera deles, pois estava muito excitado e curioso para ver no que ia dar. Continuei dando cerveja para ela e ela, que não é muito de bebida, estava bebendo bastante. Criei coragem e disse pra ela retribuir a paquera e fiquei observando sua reação. Ela ficou calada e pediu mais cerveja. Eles passaram um bom tempo trocando olhares e sorrisos disfarçados cada um bancando o tímido. Essa era a primeira vez que isso acontecia, e eu estava achando muito gostoso ver minha mulher de paquerinha com outro cara bem ali na minha frente. Já havíamos falado sobre isso. Quando estamos transando eu insinuo que tem outro cara comendo ela e ela entra no jogo, me chama de corninho e goza aos gritos, me dizendo que se é pra mim satisfazer ela dá pra outro na minha frente. Mas naquele momento a coisa estava começando a acontecer, não era mais fantasia. Ela estava se insinuando para outro, e pra mim isso era muito excitante. Em frente ao muro onde estava o rapaz havia uma pequena aglomeração de pessoas. É que uns pescadores tinham acabado de trazer o pescado para a beira da praia e acho que estavam selecionando o que iriam levar. Todo aquele peixe, na praia, chamou a atenção de algumas pessoas. Minha esposa então me falou que iria ver o que era todo aquele povo junto. Na verdade o que ela queria era chegar mais perto do seu admirador. Assim que ela chegou ao aglomerado de pessoas o rapaz se deslocou para o mesmo lugar e eu fiquei observando. Ele se posicionou bem perto dela, por traz, mas sem encostar. Acredito que ela o tenha provocado de alguma forma, talvez encostando sem querer a bunda dela no rapaz, pois depois de algum tempo ele já estava, literalmente, encoxando ela, e ela agindo como se estivesse interessada no trabalho dos pescadores. Lá estava minha esposa, de biquíni, e com uma saia bem fina e curta cobrindo a parte de baixo. Essa era uma situação bastante perturbadora pra mim. Minha mulher estava sentindo a vara de outro macho encostando-se nela, roçando, empurrando, e ela permitindo tudo, muito provavelmente sentindo o tamanho e a grossura do membro dele. O que mais me excitava era a maneira como ela estava disfarçando, pois apesar de estar sendo encoxada ela se portava como se nada estivesse acontecendo. Eu sempre fantasiei presenciar uma cena destas, e agora era tudo verdade, bem ali na minha frente, os dois, coladinhos. Eu fiquei em êxtase total, mas me limitava a fazer uma leve massagem no meu pau e tomar mais cerveja. Bem coladinho na minha esposa o ousado jovem falou alguma coisa em seu ouvido e saiu em direção ao mar. Minutos depois ela veio em minha direção, sorrindo. O sorriso dela era diferente, era como se ela estivesse dizendo Viu o que eu tive coragem de fazer. Então perguntei a ela: como foi? Ela simplesmente riu. Eu perguntei o que o cara tinha dito no ouvido dela. Ela falou que ele tinha dito que ia tomar um banho de mar e que estava esperando ela lá. E agora o que eu faço? Perguntou ela. Então perguntei se ela queria ir. Ela disse: Não sei, acho que sim. Eu disse Então vá! Ela tomou mais um copo de cerveja, tirou a saia, ajeitou o cabelo, se preparou pra sair e perguntou: – E se ele quiser alguma coisa? Eu disse pra ela: – Faça o que tiver vontade, a partir de agora você é quem decide que vai fazer ou não, eu vou ficar aqui. Lá foi ela, caminhando para o mar, rebolando sua bela bundinha. Fiquei pensando como é gostosa a minha esposa, as pernas bem torneadas, cinturinha fina, com a pele lisinha, ainda mais bronzeada do jeito que ela estava. Ela estava indo ao encontro de outro macho, eu gelava só de pensar no que poderia acontecer. Sentia tesão, arrependimento, sentimento de perda, ansiedade tudo ao mesmo tempo e muito, mas muito tesão mesmo. O que eu acabei de fazer? Dei minha linda e jovem esposa pra outro cara? Mas agora já era tarde. Ela já estava entrando na água, e à medida que caminhava seu corpo ia sumindo até ficar com a água um pouco abaixo dos seios e a uma pequena distância do cara. Virou de costas pra ele, como se não tivesse ido por sua causa e ficou olhando para praia, para mim talvez, não sei ao certo. Acho que a partir daquele momento ela não era mais minha, não estava preocupada comigo, apenas pensava no que ia fazer para chegar ao seu mais novo pretendente. A partir daqui estarei relatando o que eu vi e já incrementado com o que ela me contou depois do ocorrido, quando chegamos de volta à pousada. De longe eu percebi que, de repente, ela tomou um susto dando um pequeno pulo e olhando pra traz para ver o que era. O rapaz, num impulso de ousadia mergulhou até ela e deu um pequeno toque em sua cintura. Com isso o clima de apreensão foi quebrado e os dois estavam conversando um de frente para o outro. Depois de um tempinho eu pude perceber, pela movimentação, que ela estava mexendo no corpo do rapaz por baixo da água, soube mais tarde pelo seu relato que logo após uma conversinha boba o rapaz perguntou se ela gostava de olhar os peixes; depois de um sim ele disse que tinha um bem grande pra mostrar a ela, no que ela perguntou onde estava esse peixe. Então ele guiou a mão dela até seu pau e ela pode sentir um cacete relativamente grande, grosso, cabeçudo e duro como ferro. Ficaram nessa troca de carinho por um tempo, ela estava alisando o pau do rapaz e ele retribuindo com a mão na bucetinha dela, confirmando o que eu tinha deduzido. Vi quando ele a abraçou e se beijaram longamente. Eu estava completamente anestesiado com a cena. Segundo ela, neste momento eles estavam no maior sarro, ela sentindo como era gostoso ser roçada por um pênis diferente do meu, na barriga, na bucetinha, nas coxas. Ele a levantou e ela passou suas pernas em volta da cintura dele. Essa posição permitia um contado bem melhor entre sua bucetinha e o pau dele. Ela disse que nesse momento ele que estava com pau de fora da sunga tentou afastar o biquíni dela pro lado pra tentar uma penetração, mas ela não deixou, estava decidida a não dar pra ele, só queria curtir aquele sarro maravilhoso. Eu a vi jogando a cabeça pra traz, sendo lambida no pescoço, entre os seios, sendo beijada na boca e vi também quando ela deu uma chupada nos mamilos do seu macho desconhecido que, pelas feições deve ter gostado muito. Ele retribuiu livrando os peitos dela do biquíni e os chupando. O desempenho de minha esposa estava digna de aplausos, uma verdadeira putinha nos braços de outro macho. Ela disse que o rapaz era muito tesudo, lambia ela toda, falava muita pornografia no seu ouvido, a chamava de nomes como: putinha gostosa, safadinha, t
esuda. Ela só fazia gemer e esfregar sua buceta contra o cacete dele. Ela me disse que estava com tanto tesão que achou até que iria desmaiar. De repente percebi que eles mudaram de posição. O cara tirou ela de sua cintura e a virou de costas pra ele. Acho que estava a fim de experimentar um roça-roça na bunda da minha mulher. Ela aceitou numa boa. Eu via que ela mantinha suas costas grudas no peito do rapaz que continuava dando beijos e lambidas na nuca dela. Neste momento eu percebi as expressões do rosto dela mudar, à medida que ela inclinava o troco para frente. Parecia que ela estava sentindo algo diferente agora. Ai meu deus, será que ele está metendo nela? Pensei comigo já preste a gozar de tanto tesão que aquela cena me proporcionava. Era isso mesmo! O cara tinha colocado ela de costa começou a esfregar o cacete nas nádegas dele e tentou mais uma vez puxar a calcinha do biquíni para o lado. Nesta posição ela não resistiu e deixou. Deixou o rapaz encostar a cabeça do pau na sua bucetinha molhadinha, mexeu e remexeu a cintura para facilitar a penetração aquela pica dura, grossa e cabeçuda dentro dela. Ela me relatou que era muito gostoso receber uma pica diferente da minha, que ele metia gostoso, no princípio com suavidade e depois com muita força. Ela gemia e ele continuava metendo nela. Ela pedia mais, ora completamente arqueada pra frente, quase com o rosto dentro da água, ora colada no tórax do seu macho sendo lambida e beijada. Eu olhava atentamente toda a cena, ela estava de boca aberta, com aquela cara de prazer, me traindo na minha frente, às vezes olhava pra mim. Tinha um garoto que estava a certa distância que também apreciava a cena. Certamente se masturbava como eu, só que com mais liberdade, pois estava dentro d’água. Além de estar dado prazer pra o cara que a comia e pra mim, minha esposa ainda dava prazer àquele espectador desconhecido e talvez a alguém mais que estivesse próximo, pois os dois não estavam mais preocupados em disfarçar, estavam visivelmente transando ali na água. Eu gozei apenas apertado meu pau sob o short. Vi que a fúria do jovem atrás de minha mulher tinha diminuído. Acho que deve ter gozado, passaram mais um tempinho grudados e logo depois se separaram. Deram um longo beijo e minha esposa foi se afastando dele, arrumando o biquíni e saiu da água vindo em minha direção. Ela chegou até a mesinha onde nós estávamos, deu um sorriso amarelo pra mim, estava visivelmente sem graça. Chamei-a e retornamos para a pousada sem dar uma palavra. Tinha realizado o meu sonho que era ver minha mulher dando para outro na minha frente, e agora, como seria nossa vida dali pra frente? Chegando à pousada, a confortei com um abraço e um beijo na boca e disse a ela que não ficasse constrangida pois tinha curtido muito toda aquela loucura. Ela me abraçou com força e chorando me pediu desculpas. Disse a ela que a amava ainda mais e comecei a beijá-la com mais volúpia, nos despimos e chupando sua bucetinha ainda vermelha e melada de porra do outro, pedi pra ela me contar os detalhes do ocorrido e em seguida, ouvindo os seus relatos com a voz trêmula e ofegante, a penetrei e gozamos um declarando amor para o outro. Fomos para o banho exaustos. Nunca mais vimos aquele rapaz, nunca mais repetimos aquela aventura. Hoje temos um relacionamento muito gostoso. Às vezes relembramos o acontecido e quando isso acontece a transa é sempre mais prazerosa.

dando na fazenda para cães, poneis e para meu avo

Oi eu vou contar para vcs o meu fim de semana que eu tive na fazenda do meu avó foi um fim de semana fenomenal, aproveitando o feriado de sexta e o de segunda eu fui passar o feriado na fazenda pois lá é muito calmo bom para descansar chegando lá só estava meu a avo e como eu cheguei sexta a noite chegando lá fui tomar um banho entrei debaixo do chuveiro e fiquei ali por horas ate que sai como meu avo já tinha ido dormir eu fui para meu quarto nu pois não tinha mais ninguém na casa chegando no meu quarto fui deitar que eu estava cansado da viagem fui dormir nu pois eu sempre durmo assim de manha acordei me vesti e fui dar um passeio na fazenda que é muito grande ai sai sem rumo fui nas plantação de cana e depois fui na de café chegando lá encontrei rex o cão do meu avo rex e um cão grande pelo negro bem cuidado e o meu maior tesão, na hora já vei na minha cabeça que bom seria sentir aquela pica no meu cuzinho aquele cão pesado na minhas es costas não resisti fui ao encontro como nos estávamos bem na metade do cafezal bem longe da casa da fazenda não tive medo de transar ali mesmo me a baixei na frente do rex e passei minha mão por todo seu corpo ate chegar na sua pica e comecei a punhetar para sair, punhetei bastante ate sair toda para fora e ficar inchada rex estava muito contente ai eu cai de boca comecei um boquete muito gostoso só foi eu colocar na minha boca ele começou um vai vem muito rápido parecia que estava fodendo minha boca e eu fiquei chupando muito gostoso sua pica era muito gostosa muito salgadinha e grossa até que seu pau inchou ao estremo seu no ficou do tamanho de uma bola de tênis e gozou muita quantidade de porra na minha boca nenhum cão em toda minha pratica de zoofilia tinha gozado tanto como rex eu fiquei com muito tesão ai fiquei sentado no chão ate seu pau desinchar não demorou muito ai eu me levantei tirei toda minha roupa fiquei todo peladinho no meio do cafezal ai fiquei de quatro rex percebeu na hora o que eu queria foi com todo subiu em cima de minha prendeu suas patas na minha sentura e começou um vai e vem muito louco colocou sua pica de primeira lá no fundo pois meu cuzinho e bem arregaçado nesta penetração rex babava na minha escosta seu pau começou a inchar dentro de mim eu comecei a sentir um dor sinhá pois seu nó é bem grande do tamanho de uma bola de tênis ai fiquei preso com ele um bom tempo cerca de 20min. ai seu pau sai com aquela quantidade de porra enorme que eu já disse que nunca tinha visto igual depois desta transa gostosa me vesti e caminhei de volta para casa da fazenda já era próximo do meio dia chegando lá fui preparar algo para comer pois meu avo tinha ido bem sedo para cidade próxima e ia voltar só de noite depois de comer fui descansar deitei no sofá e como estava muito quente e como não tinha em casa eu tirei toda minha roupa ficando só de cueca e fiquei ali no sofá logo depois vejo rex do meu lado querendo mais uma sessão de sexo eu como já esta a fim de dar o cuzinho de novo não resisti tirei minha cueca e fui logo ficando de quatro apoiado no sofá rex veio lamber meu cuzinho e não demorou pulou em cima de mim e começou a penetração entrou rapidamente e começou o vai vem muito gostoso como não tinha ninguém em casa eu comecei a gemer alto a gritar aaaaaaa, aiiiiiiiiii, aaaaaaaa. Estava muito gostoso aquela penetração mas quando eu olho para a janela eu vejo o caseiro da fazenda me espiando eu tinha me esquecido que ele estava na fazenda ai fiquei todo envergonhado e ainda por cima eu fiquei preso na pica de rex ai ele saiu da janela e deu a volta pela porta quando se aproximou de mim ele perguntou ta gostoso ser enrrabado por um cão ai eu respondi que sim o caseiro da fazenda e negro de 55 anos que é amigo do meu avo a bastante tempo e eu sabia que ele não ia guardar segredo para meu avo quando ele se aproximou de mim ele já foi tirando a pica para fora e pedindo para mim chupar eu não neguei ele ficou sentado no sofá na minha frente e eu peguei na sua pica velhinha mas muito bonita e comecei a passar a língua logo ela ficou dura e sua pica era bem grande e grossa eu fiquei chupando muito enfiei na boca ele ficou fudendo minha boquinha um tempão até que anuncio que ia gozar eu esperei com a pica dele dentro da minha boca ai ele gozou e eu engoli tudo ate a ultima gota depois que ele gozou não demorou muito para rex desgrudar do meu cuzinho ai seu Ermelindo se levantou e começou a bater uma punhetinha e foi para trás de mim seu pau ficou duro ele se abaixou atrás de mim e enfiou sua pica no meu cuzinho arregasado que entrou com muita facilidade começou o vai e vem muito rápido e me xingava de tudo cadelinha gostosa, putinha louca etc…. ai ele tirou seu pau para fora e gozou em cima da minha bunda, depois disso ele sentou no sofá e pediu que eu limpa-se sua pica com a boca foi o que eu fiz limpei sua pica com a língua ai que pica saborosa como e gostoso seu porra , seu esperma e muito salgadinho ai depois da pica dele bem limpinha ele se vesti e sai falando que queria me foder mais vezes e que ia contar tudo para o meu avo hoje a noite eu fiquei desesperado ai me levantei e fui tomar um banho enquanto eu estava tomando banho escutei o barulho do carro do meu avo chegando eu já senti um frio na barriga mas ele não veio para casa ele foi primeiro na casa de Ermelindo ai já eu já gelei pois sabia que Ermelindo ira contar tudo para meu avo ele demorou uma hora e meia quando ele voltou foi direto tomar banho e não falou com migo mas olhou de uma forma diferente para mim ai me toquei que ele sabia de tudo ai eu fui dar uma espiadinha no banheiro olhei por o buraco da fechadura e vejo meu avo batendo uma punheta ele estava com pica dura como ferro e eu gostei do tamanho era uma pica não muito grande mas muito grossa eu já fiquei louco para praticar um incesto mas me segurei voltei para meu quarto para dormir, era umas 2:00 da manha alguém me acorda eu já imaginava que era mas me virei e vi que estava certo era meu avo eu fiquei todo cheio de tesão ai ele me contou que sabia de tudo o que tinha acontecido naquela tarde ai eu perguntei se gostou do que ouviu ai meu avo respondeu que sim ai ele falou que queria que eu conhece-se um lugar ai eu me levantei e o acompanhei ele foi caminhando ate seu quarto nos entramos ai ele foi ate seu guarda-roupa e abriu as portas e puxou as roupas para o lado e abriu outra porta no fundo do guarda-roupa era um tipo de passagem secreta eu nunca tinha visto aquela porta ai ele entrou e pediu para eu lê seguir foi o que eu fiz fui atrás de meu avo déssemos uma escada o fomos parar debaixo da casa um tipo de um porão que eu nem sabia que existia ali meu avo acendeu as luzes e fiquei de boca aberta com que eu viEra um verdadeiro porão do prazer tinha pratileiras cheias de pênis de borracha vibradores e tinha duas maquinas grandes de cadeira uma tinha um pênis para sentar em cima e a outra tinha que ficar de quatro para a maquina te foder meu avo também amava dar o cuzinho e ai bolou aquelas maquina que pode ser colocada todos os tipos de pênis de borracha de vários tamanhos e meu avo tinha uma coleção enorme tinha mais de 70 tipos de pênis ai ele pediu para escolher um para testar as maquinas eu logo empolgado escolhi um pênis negro de 21cm e bem grosso e coloquei na maquina de foder de quatro ai eu tirei toda minha roupa meu avo fez o mesmo ai eu me posicionei e a meu avo ligou a maquina e encaixei no meu cuzinho e ela começou o vai e vem eu fiquei louco de tesão era muito gostoso sentir uma pica negra de rasgando ai meu avo almentou a velocidade deixou que nem uma velocidade de cão te fodendo muito rápido e foi para minha frente e pediu para eu chupar sua pica coisa que eu fiz com maior prazer eu cai de boca sua pica era muito gostosa que já estava duro que nem um ferro e maquina estava arregaçando meu cuzinho eu berrava de prazer aiiii que gostoso aaaiiiii que gostoso eu já estava gozando sem nem tocar em minha pica ai meu avo pediu para eu sentar na outra maquina eu peguei outro pênis fino mais comprido e encaxei no m
eu cuzinho e liguei a maquina ela começou a enfiar muito rápido era muito gostoso sentir aquela pica indo ate meu estomago e voltando eu não resisti mais e gozei ai sai da maquina ai meu avo pediu para eu dar o cuzinho para ele foi o que eu fiz fiquei de quatro em cochao velho ele vei com sua pica grossa para meu cuzinho e enfiou de uma so fez eu fui empurrando meu corpo para traz para enfiar ate suas bola meu avo me fodia muito gostoso ai gozou dentro de mim tirou a pica para fora e pediu que eu chupa-se eu chupei deixei bem limpinha depois disso nos conversamos ele falou que também gostava de dar o cuzinho e ficou com muito tesão depois que soube que eu também dava o meu cuzinho e melhor ainda dava para um cão que tem uma pica enorme nós ficamos conversando um tempão até que ele falou que amanha de manha eu quero ver você dar o cuzinho para meu cão na minha frente depois de ele ter falado nisso eu fiquei com uma maior tesão ai nos voltamos para nossos quartos ai eu perguntei se eu poderia dormir em seu quarto ai nos fomos dormir mas como eu estava com muito tesão não resisti e fui para debaixo da coberta eu coloquei a pica do meu avo na boca e comecei a chupar ate que sua pica ficou durinha ai eu subi em cima de sua pica e sentei de uma só vez e comecei a cavalgar fiquei ali cavalgando por um bom tempo ate que meu avo falou que ia gozar ai eu almentei a velocidade ai ele gozou dentro do meu cuzinho eu senti seu porra enchendo o meu cuzinho ai diz sabei acabamos dormindo um por cima do outro com sua pica dentro do meu cuzinho . No outro dia por volta das 9:00 nós nos acordamos e fomos tomar um banho pois eu realizar o que meu avo queria ver , eu transando com seu cão daí em diante nós só andávamos nus pela casa fui até o banheiro tomei um banho muito gostoso meu avo fez o mesmo e depois fomos tomar café tudo nu ai depois do café meu avo foi buscar seu cão eu estava a mil de tesão ai meu avo chegou com seu cão que já estava todo animado com que ia acontecer eu estava com tanto tesão que já fui ficando de quatro na beira do sofá e meu avo soltou o cão ele veio com tudo lambeu meu cuzinho depois de lambeu já subiu em mim e foi socando sua pica no meu cuzinho seu pau começou a crescer dentro do meu cuzinho e não demorou muito para seu pau ficar inchado ai eu fiquei grudado nele meu avo vendo aquilo não estava agüentando de tanto tesão e foi para minha frente e pediu para eu chupar sua pica foi o que eu fiz chupei todo seu pau ele fez movimento de penetração na minha boca e gozou no fundo da minha boca ai eu estava com uma pica gozada no meu cu e outra na minha boca depois de alguns minutos o cão do meu avo se soltou de mim e tirou sua bengala enorme do meu cuzinho e junto uma grande quantidade de porra ai eu desabei no chão depois desta transa eu fui tomar um banho e fui dar uma volta na fazenda , eu estava andando pelo galpão aonde guarda o café colhido e acabei entrando e do de cara com seu Ermelindo que estava embalando o café ai ele veio perto de mim e falou ta a fim de me dar seu cuzinho ai eu falei só se agora ai peguei tirei suas calças e me abaixei e fui chupar sua pica que muito gostosa ficou grossa muito rápido ai ele falou tira sua roupa ai eu tirei toda minha roupa e seu Ermelindo deitou no chão e pediu para eu sentar em sua pica foi o que eu fiz fui por cima dele e sentei de uma só vez em sua pica negra e comecei a subir e descer calvagar muito rápido ate que Ermelindo me virou e me colocou de quatro e começou a socar muito rápido no meu cuzinho ai fiquei muito louco gritava como se fosse a primeira vez que eu estive-se dando o meu cuzinho depois de alguns minutos nos gozamos muito gostoso ai nos desabamos no chão ele com sua pica no meu cuzinho ficamos por um bom tempo, depois disto nos se levantemos e eu fui para casa para almoçar quando cheguei em casa meu avo não estava ai fui ate seu quarto fui ate seu guarda roupa e fui para sua sala secreta acendi liguei as maquinas e fui tirando minha roupa ai fui para a que fica de quatro e emcaixei um pênis super grande e liguei a maquina o pênis não estava entrando muito fácil ai eu almentei a velocidade e ele acabo entrando e me rasgando todo fiquei ali naquela maquina por um bom tempo ate gozar ai voltei para cima e fui tomar um banho em quanto eu estava tomando banho escutei meu avo chegar e quando eu fui para a cozinha ele estava preparando o almoço fomos comer depois do almoço nos se arrumamos para ir até a casa de um amigo dele que morava em uma fazenda alguns km da fazenda do meu avo ai nos pegamos o carro e fomos saímos de casa por volta das 14:00 e quando chegamos era umas 14:30 era uma fazenda bem maior do que o do meu avo e tinha bastante animais e tinha um casal de pôneis vários cavalos e muita cabeça de gado chegamos na casa central da fazenda era uma casa enorme um verdadeiro palácio era muito grande e tinha dois pastores alemães que cuidavam da casa eu já fiquei louco de tesão por aquela fazenda lá tinha muita opções de prazer meu avo me apresentou al seu amigo era um senhor por volta de 48 anos muito boa pinta e muito alto tinha uns dois metros de altura moreno depois de nos apresentar meu avo entrou com ele na casa e eu fui dar uma volta na fazenda fui andado até no estábulo onde ficava os cavalos e os pôneis e quando eu entrei escutei um barulho muito excitante fui andando e vejo o casal de pôneis transando eu fiquei louco de tesão eu quase que tirei minha roupa pulei a cerca e ficar no lugar da femia do pônei mas me segurei o pônei ficou socando um tempinho ate que deu duas estocadas mais fortes e gozou dentro de sua femia ai tirou seu pau para fora eu fiquei com mais tesão seu pau era do tamanho das picas dos meu negrões só que era muito mais grossa eu sabia que aguentava dentro de mim mas eu ficaria todo arregaçado mas estava com medo de ser surpreendido por alguém ai deixei e fui para casa da fazenda morrendo de tesão quando chego na casa encontro meu avo e seu Antonio conversando e quando eu chego vejo que seu Antonio me olha de uma forma diferente ai me toquei que meu avo tinha contado tudo para ele ai eu fiquei com mais tesão já era umas 18:00 horas e seu Antonio convidou para nos fazermos um lanche depois do lanche conversamos mais um pouco ai como estava meio tarde seu Antonio convidou para nos passarmos a noite em sua casa meu avo aceitou muito rápido eu já desconfiei eu fui ate o quarto de hospede e fui me deitar mas primeiro fui tomar um banho para ver se eu esfriava um pouco meu tesão tirei toda minha roupa e fui para a ducha enquanto eu estava tomando banho escuto a porta do quarto abrindo bem deva guarinho mas não dei bola mas sabia que era alguém que queria entrar bem quietinho e a porta do banheiro estava aberto mas eu não estava dando bola quando eu olho para trás vejo meu avo e seu Antonio olhando eu tomar banho eu fiquei meio envergonhado e meu avo disse não se preocupe eu já contei tudo para ele, Antonio já sabe de tudo e vai guarda segredo não é Antonio? Meu avo perguntou ai Antonio disse é mais antes você tem que fazer um negocio para nos ai eu perguntei o que? Ele respondeu dar a noite toda sem parar eu já estava morrendo de vontade de transar eu só ia fazer o que eu mais gosto que é dar ai seu Antonio foi tirando a roupa e meu avo também eu já fui ficando de juelhos na frente do seu Antonio e ele tirou sua pica para fora nossa que pica linda era bem grande e bem grossa eu peguei e comecei a punhetar e colocar na boca e chupar ela ficou enorme parecia uma pica de um jumento era muito grande eu fiquei louco de tesão por aquela pica meu avo colocou sua pica no meu lado ai chupava as duas mas que eu mais queria chupar era a benga do seu Antonio depois de um bom sexo oral fomos para cama meu avo deitou na cama e pediu para eu sentar em sua pica foi o que eu fiz sentei em sua pica e seu Antonio ficou em pe na minha frente para eu continuar chupar sua pica eu chupava com se fosse um sorvete mais saboroso do mundo em quando eu cavalgava na benga do meu avo depois de alguns minutos seu Antonio deitou no nosso lado e pediu para eu cavalgar e
m sua pica foi o que eu fiz pulei da pica do meu avo para a dele mas sua pica era muito grossa eu fui devagarinho fui descendo e subindo devagarinho ate que almentei a velocidade ate ficar cavalgando como um louco em sua pica eu gemia muito gritava aiiiiiiii, aaiiiiiiiii, que goostosssoooo ai que gostosoooooooQue pica gostosa que benga grande eu estou sendo arrombado por sua pica aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiAte que para completar meu avo queria fazer um dupla penetração em mim eu já estava com o cu todo arregaçado ele queria arregaçar mais ainda meu avo fui enfiando devagarinho ate que entrou a cabeça e depois entrou mais um pouquinho ate que entrou toda eu dei um grito muito alto aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiAte que os dois gozaram dentro de mim eu sai de cima deles e chupei suas picas meladas de porra deixei bem limpinha e seu Antonio disse que não estava acabado ainda faltava mais dois, eu perguntei como mais dois? Ai ele falou meus dois pastores alemães ai ele fui buscar quando chegou com eles ele soltou um e outro ele amarrou no pe da mesinha o pastor que esta solto veio direto em mim ai eu me levantei e depois sentei perto dele comecei a punhetar seu pau ate que sai para fora peguei atrás das bolas dele e comecei a passar a língua para trás e para frente ai coloquei todo dentro da minha roupa depois disso eu fiquei de quatro apoiado na cama e o pastor veio por trás e subiu em mim e colocou a socar sua pica no meu cuzinho ele era um cão muito rápido logo seu pau inchou e nos ficamos preso com sua bolas dentro do meu cuzinho ele inundou meu cuzinho de porra eu fiquei ali um bom tempo naquela posição ate que seu pau sai para fora ai Antonio soutou o outro eu fiquei na mesma posição e não deu nem tempo o outro vei por trás de mim e começou a me penetrar com tudo e enfiava mais fundo do que e outro ate que seu pau inchou e gozou também dentro do meu cuzinho eu já estava todo arregaçado mas fiquei ali por mais 15min com uma pica dentro do meu cuzinho depois que ele desgrudou eu fui tomar um banho e depois fomos todos dormir pois nos teríamos um grande dia por a frente . No outro dia de manha nos acordamos e fomos tomar café, depois de tomarmos o café fomos dar uma volta na fazenda eu e seu Antonio estávamos caminhando e fomos para no estábulo quando nos entramos eu já estava morrendo de tesão ai quando chegamos na baia dos pôneis eu fiquei mas descontrolado eu falei para o seu Antonio o que eu tinha visto ontem ai ele falou você quer tentar dar para o pônei ai eu falei que sim entramos na baia e comecei a tirar minha roupa fiquei de quatro encostado em um caixote e o pônei já veio por trás de mim subiu na minha ex-costa e apoiou suas patas no caixote e começou a socar no meu cuzinho seu pau era muito grosso mais entrou depois de algumas estocadas entrou muito fundo me dando uma dor muito forte ai ele gozou uma quantidade muito grande de esperma dentro do meu cuzinho ai ele tirou o pau do meu cuzinho e seu Antonio enfiou o seu com tudo e gozou dentro do meu cuzinho também depois disso voltei para casa da fazenda e tomei um banho e eu meu avo fomos embora mas prometendo voltar dois dias depois , depois disso eu voltei sozinho sem meu avo e rolou muito mais sexo se você quer saber é só me escrever tenho muitas historias para contar.                                 

A transformação de Nathália – Parte 4

O quarto está girando quando ela acorda… Nathália esfrega os olhos com força… procura uma referência de horário… só consegue perceber que está tudo escuro… não vê o celular por perto… Seu corpo inteiro dói… uma dor que ela gosta, por mais puta que ela esteja com Jorge – ela gosta… nunca havia experimentado tamanho prazer… Onde estaria o FDP ? Seus olhos começam a se acostumar com a escuridão… há alguns centímetros a mordaça em forma de pau… ela consegue reconhecer as marcas de seus dentes… O maxilar ainda range. Sente o corpo todo pegajoso do suor. Com esforço leva a mão à bunda e constata o que já temia… está toda esporrada. Sente-se humilhada. Ele conseguiu… Ela tinha prometido para si mesma que sairia dominante da situação, mas não contava com a engenhosidade sádica daquele gordo infame. Tenta se levantar, mas ainda não têm forças… Jorge ?Pergunta sem resposta… Dane-se ela pensa… O que mais poderia acontecer de errado ? Permite-se descansar ali, daquele mesmo jeito… suja… humilhada… apenas em suas sandálias de salto 15. Grande dama você é…, pensa consigo mesma pouco antes de apagar novamente.Agora Nathália acorda assustada… Novamente está com os olhos cobertos…. Sua boca está com aquela pica de vinil mantendo seus lábios outra vez abertos. Mas que merda era aquela – pensa consigo… Ele não havia ido embora ? O que estava acontecendo ? Seus pulsos estão presos novamente, o frio das algemas é reconhecido. Desta vez ela está deitada, costas na cama, pernas abertas e braços presos para cima… ainda sente as sandálias nos pés.O que aquele pervertido estaria planejando agora ? Tenta se mexer sem sucesso… está ainda mais presa do que anteriormente. Bem, eu achei que você iria gostar de algo diferente… Então, tomei a liberdade de convidar mais alguém para a festa…Mais alguém ? O que ele estava dizendo com isso ? Que merda era essa ? Ela tenta berrar, se debater, descontrolada gasta suas poucas forças tentando sair dali… ouve risos. Tenta identificá-los… não sabe quem são, ou não consegue distingui-los… A vibração volta a seu clitóris… Seus movimentos se debatendo por liberdade começam a se misturar com movimentos de prazer contra a sua vontade. Jorge sabia como domina-la… Irritadíssima ela começava a se render aos anseios de sua vagina… De repente, a vibração para. fica completamente inerte… Passam minutos em que ela apenas ouve vozes ao fundo em que não consegue sequer distinguir quantas… A vibração volta… Para… Ela não havia gozado.. Estava amedrontada pela situação, mas puta pela frustração de não ter chegado ao êxtase… Volta a se contorcer… Nathália não se reconhece… esquece onde está, como se encontra, apenas deseja profundamente que aquele aparelhinho em seu clitoris volte a vibrar… Parece até que seus pensamentos são ouvidos. Quase instantaneamente, ele volta… Para seu desespero, pouco tempo depois, se desliga novamente… e assim ele continua… ligando e desligando, em intervalos cada vez mais rápidos, sem deixá-la alcançar o sonhado êxtase. Não fossem as algemas ela estaria subindo pelas paredes… Me solte e eu como quem estiver nesta sala – quero picas Ela pensa consigo quando morde o pênis de vinil em sua boca… Após um período mais longo sem estímulo, o vibrador volta a tremer em grande intensidade… ela já havia até desistido… Se contorce com o desejo… quer sentir a explosão dentro de si… quer porra correndo em seu corpo… Precisa sentir o cheiro de macho…Nathália… eu vou tirar sua mordaça… enquanto você chupar o meu amigo, eu deixo o vibrador ligado você entendeu ?Desesperadamente ela faz que sim com a cabeça… Jorge solta a mordaça e tira a pica de vinil de sua boca, mas ela nem sequer descansa a mandíbula que range… se contorce da cintura para baixo com o vibrador, enquanto espera o pau em sua boca. Ele não vem e o vibrador para.Não… por favor.. não me torture mais… por favor… eu chupo… eu chupo.. me dá uma pica para chupar… por favor… deixa ligado… Por favor… Jorge, por favorEle gargalha alto, liga o vibrador em intensidade baixa e Nathália sente o cheiro de urina perto de seu rosto… Seja quem for, não era nem um pouco higiênico… Seu íntimo quer que ela vire o rosto, que ela feche sua boca, que ela volte a ser a moça de família que era até 48 horas atrás… Mas sua carne não permite que seus pensamentos sobrepujem o desejo ardente que sua vagina libera… precisa daquilo ! Ela abre a boca o máximo que pode… E precisa, a glande é imensa… deve ser um negro, ela pensa… Não, ele não seria capaz, ela afirma para si mesma – quando recorda do segurança da empresa, que fica no portão de acesso dos funcionários. Sabia que ele era muito bem dotado, pois já havia reparado sua calça justa algumas vezes. Enfim, agora não poderia se preocupar com isso… Ela fica parada deixando-se usar, enquanto o vibrador está em baixa potência… ao acomodar-se, acaba por fazer alguns movimentos na pica estranha e percebe que por alguns momentos a intensidade do vibrador aumentou… Resolve fazer um teste e a cada vez que se dedica mais, aumenta a intensidade… Vira uma vadia… inclina-se sobre as axilas, tenta se apoiar sobre a pica com a boca… baba, tenta aboncha-la inteira ( o que é impossível ), faz de tudo para manter a intensidade daquele vibrador alta ( chegando a potencia maxima em alguns momentos )… seu algoz segura-lhe a cabeça e empurra o pau o mais profundo possível quando enche a sua boca de porra, e, muita porra – fazendo-a engasgar -, no momento em que ela goza loucamente liberando todo o prazer contido nas sádicas artimanhas anteriores de Jorge.Nathália desfalece… Não consegue recordar momentos em que teve uma noite tão intensa como aquela… pouco tempo antes havia gozado 9 vezes… apenas por isso já seria o suficiente para ficar na cama por dias descansando. Agora, havia sido usada por um desconhecido, bebido porra alheia – novamente – em troca de uma siririca eletrônica e mesmo assim, estava adorando. Surpreende-se… Estava adorando. Quanto êxtase havia passado por seu corpo… quase podia sentir se feliz… Nem sequer lembrava-se do nome do noivo. Mas lembrava-se do pau de Jorge latejando dentro do seu cu ao encher lhe de porra… Será que ela teria mais ? Desfalecida sobre a cama, recuperando-se, pensava qual seria a próxima artimanha do velho tarado, quando teve a boca novamente preenchida pela mordaça de vinil. Desesperou-se…. Ainda não havia acabado ? O que ainda havia separado para ela naquela noite de anseios e torturas que Jorge lhe preparara ?As tiras de couro que mais cedo prendiam seus calcanhares de quatro, agora lhe prendiam as pernas abertas… até então, por ter sido apenas vítima de um boquete, ela não compreendia o por que… Quando aquela glande imensa, que havia alguns minutos enchia sua boca, começara a se esfregar em seus lábios… Não demorou para que ela sentisse o pau se endurecendo. Puta que Pariu, pensou consigo mesma… voltou a se debater… Chupar um pau desconhecido era uma coisa… já havia feito isso inúmeras vezes. Até mesmo o office boy da firma havia chupado para mantê-lo calado quanto a sua traição. Até tinha transado com alguns caras fora seus namorados firmes, além do Jorge que lhe estuprara mais cedo, mas NUNCA havia dado para alguém desconhecido… Ainda mais tão bem dotado e sem um preparo maior… e se ele não tomasse cuidado ? Ela não poderia lhe dizer se estava sendo machucada… se aguentava ou não o seu pau… como faria ? Seus medos tinham fundamentos… ele era um cavalo… chegava parecer que queria machucá-la. Forçava seu pau para dentro com tanta força que ela quase não conseguia ficar molhada. Era tão grande que parecia serem dois. Gemia de dor. Ele ia entrando com tanto vigor que logo a levantava da cama, quase fazendo-a sentar em sua pica, dado suas pernas presas à cama. Ele soltou uma das algemas… ela tentou se debater. Rindo ele deixou que ela o golpeasse,
parecia ficar ainda mais duro dentro dela. dava estocadas que lhe alcançavam o útero. Segurou sua mão torcendo-a para trás; o movimento é tão brusco e intenso que ela não se contém e goza sendo subjugada. Soltou a outra algema e desta vez dirigiu a mão diretamente para suas costas, algemando ambos os pulsos atrás de sua cintura. Tornou a deita-la, Metia selvagemente. Nathália tinha um misto de dor, angústia, medo, repulsa, nojo, e muito, mas muito tesão… a experiência de ser estuprada era tudo que ela imaginara nas suas fantasias virtuais com Jorge… Mais uma vez ele estava cumprindo o que prometia…De repente aquele estranho faz um rápido movimento e a coloca por cima dele. Ele segura seus ombros por suas costas, travando-a e começa a fude-la com muita força e velocidade, indo ainda mais fundo dentro do seu corpo já maltratado. Nathália já não aguenta mais… goza pela segunda vez na pica de seu estuprador. Ela quer desfalecer sobre ele, mas seu estuprador não permite… Como ele pode continuar assim ? Não vai gozar ? Até quando ele aguenta ? Pensava consigo mesma na expectativa por um descanso… Angustiada com sua já esfolada buceta.Nathália fica ainda mais desesperada quando sente em sua nuca um bafo quente… tenta se levantar, faz força em suas coxas, mas seu estuprador que a penetra como uma britadeira ainda a prende pelos ombros. Garanto que isso é bem melhor do que uma pica e um vibrador, pelo menos para mim… Era Jorge… Desgraçado… Ele ia fazer de novo ? Pergunta-se, e sem tempo de raciocinar, sente a resposta… Jorge estava ainda mais duro do que na foda de horas atrás… Com seu estuprador agora parado, segurando-a, mas com o pau atolado até o talo dentro dela ( como isso era possível ? – ela se perguntava ), Jorge começa novamente com a sessão de empurra-empurra a seco em seu cú. Humpf… Humpf… Ela geme tentando suplicar que ele tenha dó e pelo menos cuspa no seu rego. Ele não toma conhecimento… vai forçando a cabecinha pouco a pouco, com alegria… vendo-a gemer e se contorcer a cada milímetro que seu pau entra… Jorge aproveita cada instante ao subjugar sua vítima… Ela desfalece caindo sobre o corpo do seu estuprador, quando a cabecinha passa. Jorge sussurra no ouvido de Nathália: Quase lá…. Ela chora… Está tomada de tesão, quer que ele meta até o fundo, quer que aquelas picas mantenham movimentos brutos dentro de si e percebe que está perdendo uma batalha pelo controle do seu corpo… Sem acreditar, faz um movimento com o quadril na direção de Jorge… Ele percebe e sorri… fica parado… Decide que agora será ela a assumir estar totalmente subjugada…Nathália quer gozar novamente… a pica imensa em sua vagina e a pica de Jorge entrando em seu cu estão deixando ela louca… mas parados daquela maneira, ela se sente como nos momentos em que Jorge desligava o vibrador… Ela quer mais… começa a rebolar… começa a fazer pressão para a pica de Jorge entrar em seu cu… Joga o quadril para trás, esforça-se para que seja preenchida… Não desiste até sentir as bolas dele batendo em sua bunda… e quando ambas as picas estão atoladas dentro de si, começa a agir como louca… rebola, bate o clitoris na pica de seu estuprador, retorce-se mesmo com as mãos presas às costas tentando gozar… Jorge percebe seu destempero e puxa seu cabelo levantando-a até encostar em seu corpo… Ela sente o corpo gordo de Jorge atrás de si e só quer sua pica… continua rebolando.. quer porra… quer sêmen… Jorge tira sua venda… Ela vê que estava certa, o porteiro está embaixo de si, ele está com os olhos fechados… se contorcendo com os movimentos da sua vítima em sua pica… Jorge sussurra… Vadia… Adorou não é ? Nathália perde qualquer pudor… move-se de maneira insana, até que pouco tempo depois goza novamente e acaba por levar seus algozes a enchê-la de porra… Sim, enchê-la. Nenhum deles usava camisinhas… Eles se levantam, deixam-na na cama, abandonada e suja mais uma vez… algemada pelos pulsos nas costas. O segurança passa um maço à Jorge, diante dela. Ela tenta questionar algo, mas a mordaça não permite. Sente a porra escorrendo e o prazer se esvaindo… o suor daquela noite se acumula e parece se impregnar em seu corpo… É a mais suja das mulheres… a bunda duplamente esporrada, a buceta ralada e vazando porra de um negro que parecia ter despejado um litro de porra dentro dela, após fazê-la beber outro litro. Como olharia para ele novamente todos os dias da semana ? Como ele lhe respeitaria ? E seu noivo ? Sua mãe ? Como beijaria seu pai ? Seus olhos voltam a umedecer quando Jorge fecha a porta atrás do porteiro.Bom.. das fantasias já foi a chantagem, mas está não vai acabar tão cedo… o estupro, que pelo seu corpo e por estes vídeos você adorou, diga-se de passagem. A dupla penetração… Você gostou desta ?Ele olha para ela ali totalmente subjugada. Imóvel… Aguarda um pouco, mas ela apenas chora…Eu te fiz uma pergunta… Eu sei a resposta mas quero que você me diga… e cuidado… se mentir, eu te torturo de novo… Nathália olha para ele com um ódio gigantesco… sua boca com aquele pau de vinil, seu rosto em um misto de lágrimas, suor, prazer e angústia…. Faz um leve movimento que sim com a cabeça… Jorge tira sua mordaça…Como é que é ?Ela movimenta o maxilar, abrindo e fechando a boca tentando reestabelecer sua liberdade… Ele range, dói… sua vontade é de chorar, gritar, chamar por ajuda… Eu disse que gostei… Mas vocês não precisavam ter me machucado… Eu poderia ter feito de outro jeito.. eu…Sei… ( ele a interrompe ) Claro que sim… Além do mais, não seria estupro né ? E você ia abrir as pernas e pedir para nós metermos ? Conta outra… Acho que você está é querendo mais…Nathália se cala… queria ? Não queria… ela já não sabia dizer… com certeza, àquela altura não suportaria… precisava pelo menos de um tempo para se recuperar.Jorge sabia que vencera. Ele solta as algemas e as guarda, recolhe a mordaça… a venda… solta as tiras de couro das suas pernas e as recolhe. Ele se surpreende quando vê que ela fica na cama imóvel… a porra ainda escorrendo de dentro dela. ele guarda tudo em sua mochila, avisa que ela pode pegar um Uber e vai embora.Nathália fica naquela cama esparramada sem saber o que fazer… Quando está sozinha, passa as mãos por seus lábios… por que tinha gostado tanto daquilo ? Como uma violência como esta poderia ter lhe dado tanto prazer ? E Jorge ? Como poderia conhecê-la tão bem ? Ela se arrasta até o banheiro apoiada nas paredes… estava exausta. Toma uma ducha, veste a calça apertadíssima, marcando sua buceta sem calcinha e passa a última vergonha do dia ao chamar o Uber e ir para casa. O que mais Jorge estaria preparando para ela ?Continua…Críticas, sugestões e contatos

1ª Experiência na casa de Swing

Meu nome é Eduardo tenho 45 anos e o de minha namorada é Naiara, 38 anos ,morena. Somos de Taubaté SP, estamos juntos há quatro anos.Já tivemos algumas experiências em Ménage-a-trois masculino, e até relatamos duas nesta conceituada Revista. O fato que passo a contar agora, aconteceu primeiro porque tínhamos há muito tempo, a curiosidade de conhecer uma dessas casas de Swing existentes em São Paulo, inclusive tomamos conhecimento da existência de algumas delas, através da Revista Private. Mas, devido a vários fatores, estava meio difícil de nos deslocarmos até SP. Até que, ao conhecermos um casal de uma cidade vizinha e conversando, eles nos convidaram para um dia irmos conhecer, que seria muito legal pois eles sempre iam. Marcamos para um domingo, devido à disponibilidade de tempo. Chegando em São Paulo, fomos 1º a uma casa que estava meio vazia por ser domingo; o forte deles é no sábado e em outros dias. Era uma casa muito bonita, com seus labirintos na penumbra, ultra-sedutores. Depois formos para outra, onde ao entrarmos, achamos que o bicho ia pegar, pois haviam mais ou menos uns 20 casais e alguns homens sós. Esse casal que nos levou, nos mostrou a casa toda, o labirinto e como a coisa funcionava. Tem um labirinto onde só entra casais e um outro onde pode entrar também homem só. E têm as cabines, com furos por onde se pode enfiar a mão e passar em quem estiver lá dentro e, às vezes, acontece o contrário, para serem notados, e foi isso que aconteceu primeiramente conosco. Ao passarmos por um corredor do labirinto, alguém, que estava em uma cabine dessas, passou a mão na Naiara, que não perdeu tempo e enfiou a mão para conferir e achou o que queria, uma pica que, segundo ela, estava meio mole, mas que não demorou para ficar dura, crescendo em sua mão. Ela masturbou o cara por um tempo e logo era ele quem estava enfiando a mão por dentro da blusa dela, alisando seus peitinhos, dava para ver pela cara de safada que ela fazia, que estava adorando ser alisada daquele jeito. O cara, depois de apalpar os peitos dela, desceu a mão e abriu a calça da Naiara e desceu um pouco para poder massagear sua bocetinha e sua bunda. Ele a virou e enfiou o dedo em sua xaninha, tocou uma siririca para ela que não demorou a gozar. Eu estava ali vendo tudo acontecendo, com o pau que parecia que ia estourar de tanto tesão. De vez em quando passava alguém ali e via tudo, é muito louco. Depois disso resolvemos aceitar a dica dada pelo casal que nos levou, que disse: “se ficar parado não acontece nada, tem que circular”. A Naiara estava louca de tesão e queria que eu a comesse de qualquer jeito, então fomos para uma sala coletiva que, quando demos nossa primeira passeada pela casa, estava com uns três casais, e um deles estava transando bem na entrada. Quando lá chegamos estava vazia, a Naiara se deitou no banco acolchoado que circunda duas paredes da sala e, com uma cara de safada que só ela sabe fazer quando está com tesão, tirou a calça e pediu para que eu a comesse.Ela estava com uma calcinha vermelha minúscula, um tesão. Levantei sua blusa e comecei a chupar seus peitos e passar a mão em sua bocetinha, que estava encharcada. Pedi que ela ficasse de quatro com os pés no chão e se apoiando no sofá, ela atendeu e arrebitou aquele rabo maravilhoso para o meu lado; essa hora foi que percebi que, apesar da sala ser pequena, tinha entrado um casal bem jovem que nos assistia de camarote. Comecei a passar a mão em sua bunda e depois afastei sua calcinha e enfiei o dedo em sua xaninha. Ela se contorcia de tesão. Nisso já haviam entrado outros casais para nos assistir, aí veio um cara que estava com a companheira dele e passou a mão na bunda da Naiara, que é um sinal de que ele queria participar. Como não houve rejeição da nossa parte, Paulo, foi assim que se identificou, foi a diante, ficou na frente dela e começou a passar a mão e a chupar seus peitos. Nessa hora é que eu percebi que haviam duas mãos masculinas enfiadas no buraco existente na parede, que passavam a mão hora nos peitos, hora na bunda, hora na bocetinha enfim, era mão de todo lado querendo tirar uma casquinha. Paulo a virou de costas para ele, enquanto enfiava seu dedo em sua bocetinha e ela se apoiou em mim para arrebitar a bunda para ele. Nessa hora, tinha um segundo cara, Marcos era seu nome, que estava ao meu lado; e tirou sua enorme pica para fora e colocou camisinha, começou a se masturbar; ela não agüentou de ver aquela enorme vara perto de seu rosto e caiu de boca sem cerimônia. Paulo havia colocado camisinha também e a pegou por trás, dando fortes estocadas em sua xaninha sedenta por pica; Naiara já havia gozado várias vezes, enquanto isso ela chupava o pau do Marcos que revezou com Paulo, hora era um que a fodia e o outro dava a pica para ela chupar . Enquanto isso, Paulo me perguntou se ela agüentava dois (DP), eu disse que sim, só dependia dela topar, pois era a primeira vez que íamos ali, então não sabia. Ele cochichou no ouvido dela e ela topou. Então ele chamou Marcos para consumar a DP, mas ele disse já ter gozado e não ia dar. Então ele se sentou no banco e a puxou para sentar em sua pica, o que fez com gosto, ela cavalgou por um tempo e, mesmo já tendo gozado no pau do Marcos, nessa cavalgada gozou feito uma louca no pau dele também. Nisso, eu já havia perdido a conta de quantas pessoas estavam na sala, e era só a Naiara que estava peladinha dando para todo mundo. Eu já havia gozado só alisando o pau de leve para não acabar rápido. Veio um outro cara baixinho, de óculos, e pediu para passar a mão nela. Eu deixei, mas ai, exausta de tanto levar vara, ela pediu uma pausa, e então fomos relaxar no salão e tomar umas cervejas. Só então, enquanto conversávamos, é que nos demos conta do quanto tudo ali é muito louco; é muito tesão no ar, é até difícil de explicar o que se sente….mas tivemos uma certeza que vale a pena, até já estamos nos programando para voltarmos em breve. Essas lembranças nos rendeu para fazermos muito amor com um tesão muito louco. Depois desse momento de descontração, voltamos em outra sala…mas essa parte eu conto em outro relato.                      Eduardo e Naiara   

A história de Joana

A HISTÓRIA DE JOANA – 1No meu estado existe um site erótico que tem me dado muitas alegrias e excitação. O site casadoscontos mudou a minha vida e me deu coragem para me abrir. Vou contar para vocês o que já comecei a contar naquele site, para minhas conterrâneas. Meu nome é Joana, tenho 21 anos e moro com meus pais, um irmão – Lucas – e uma irmã – Vera – em Vila Velha. Crescemos como todo mundo, brincando, se divertindo e aprendendo uns com os outros, principalmente sobre sexualidade. O que vou narrar aqui, são passagens de minha vida, nossa vida e que, às vezes, envolvem outras pessoas de nosso relacionamento.Não lembro a idade, mas a primeira vez que vi um pau duro foi o de meu pai, quando entrei no quarto deles sem bater e flagrei minha mãe chupando o pau de meu pai, duro, grande e grosso. Foi foda, meus pais ficaram desconcertados e até quiseram me bater, mas acabaram simplesmente me mandando ir pra cama. A partir desse dia, foi natural minha curiosidade por essas questões de sexo. Passei a observar mais o meu irmão, olhar entre suas pernas, essas coisas. Um dia, não me contive e, enquanto ele tomava banho, olhei pelo buraco da fechadura, o que vi me deixou atônita: Lucas estava mexendo no pau duro, com a mão pra lá e pra cá, num movimento que eu não entendia, mas sabia que devia ser alguma coisa errada, proibida pra ele e para mim estar vendo. Mas a curiosidade era tanta que fiquei ali, parada, o olho na fechadura, vendo-o brincar com o pau duro, os olhos fechados, as pernas tremendo, até que ele soltou uns gemidos e vi saltar uns jatos de um líquido branco da cabeça de seu pau, enquanto ele ia parando os movimentos que fazia. Não sei porque, mas por traz da porta eu tremia toda, as pernas tremiam como vara verde, meu coração batia disparado, minha boca estava seca e eu sentia uma sensação diferente em meu corpo. Senti vontade de tocar minha bucetinha, mas tinha a certeza de era errado, uma coisa que eu não devia fazer.A partir desse dia, eu aproveitava todas oportunidades que tinha para ver o Lucas tomar banho e brincar com seu pau. Aquilo se tornou um vício para mim, a ponto de ficar agoniada quando tinha alguém por perto e eu não podia observa-lo.Um dia, ouvi que meu irmão murmurava meu nome enquanto brincava com seu pau, o que me deixou muito curiosa. Nesse dia, ele parece que gozou ainda mais forte, enquanto eu tremia do lado de fora.Uma manhã entrei sorrateiramente em seu quarto e vi que ele estava dormindo descoberto. Aproximei-me devagar e pude ver, pela fenda do calção do pijama, o seu pau mole e pequeno. Nem parecia o mesmo que eu via quase todos dias. De perto ele era diferente, não sei explicar. Cheia de medo, mas num impulso que não pude conter, aproximei minha mão de seu pau e, de leve, fiquei tocando-o em suaves movimentos.Logo senti que seu pau estava endurecendo e crescendo em minha mão e, pela primeira vez, pude sentir como era diferente tocar um pau, principalmente duro. De repente, Lucas virou-se na cama e meu coração disparou de susto, me deixando paralisada!… Logo senti que seu pau estava endurecendo e crescendo em minha mão e, pela primeira vez, pude sentir como era diferente tocar um pau, principalmente duro. De repente, Lucas virou-se na cama e meu coração disparou de susto, me deixando paralisada!Larguei o seu pau e fiquei quietinha, a boca seca pelo medo, as pernas bambas e o corpo trêmulo. Felizmente, ele não havia acordado, apenas revirado na cama, para meu alívio. Ao se virar de barriga pra cima, seu pau saiu ainda mais do calção, ficando quase todo do lado de fora, ainda duro, a cabeça volumosa. A vontade pegá-lo novamente era muita mas o medo era maior que minha coragem.Fiquei ali, estática, admirando aquele lindo pau que meu irmão possuía, enquanto mil pensamentos passavam por minha cabeça. Se ele tivesse acordado e me pegado no flagrante, o que é que eu iria dizer? Que loucura eu tinha feito. E se ele contasse para nossos pais? Com certeza eu levaria uma surra pra nunca mais esquecer.De repente o pau de Lucas começou a dar uns pulinhos, como se estivesse vivo. Vi quando ele levou a mão ao pau e, ainda dormindo, começou a fazer a mesma coisa que fazia no banheiro. Vi que seu pau ficou ainda mais duro, a cabeça parecia imensa, reluzente.Baixinho, ele murmurava meu nome e um monte de coisas que jamais pensei ouvir de sua boca. Algumas coisas davam pra entender perfeitamente “gostosa”, “tesão”, “irmãzinha deliciosa” e outras eram inaudíveis.Ficou claro que ele estava sonhando e, mais claro ainda, comigo. Cheguei a conclusão que meu irmão era tarado por mim, que fazia aquelas coisas pensando em mim. Ao mesmo tempo em que fiquei revoltada, senti um calor estranho entre as pernas.Levada por aquela situação, não resisti e enfiei a mão por dentro do pijama e toquei minha bucetinha. Logo vi que estava muito molhada por um líquido diferente, meio gosmento, que fazia meu dedo deslizar gostoso nela. Nesse dia, aprendi, na prática, o que era masturbação. Enquanto meu irmão masturbava-se sonhando comigo, eu me masturbava ao seu lado, com a mão dentro da calcinha, silenciosamente.Logo uma onda de calor veio chegando, uma sensação diferente tomando conta de meu corpo e, pela primeira vez, experimentei o que é gozar. Um gozo gostoso, uma sensação que até então eu nunca havia sentido, que me fez soltar um gemido incontido e abafado pela outra mão. Nesse momento, meu irmão mexeu-se na cama outra vez, virando-se para meu lado e me levando ao desespero.Cheguei a pensar que meu irmão havia acordado de vez com meu gemido e iria me pegar olhando para seu pau. Ainda cheia de tesão, mas momentaneamente satisfeita, resolvi parar de arriscar e sair do quarto antes desse problema. Quando cheguei ao meu quarto, tranquei a porta e tirei minha calcinha para curtir melhor minha bucetinha. Deitei na cama e comecei a esfrega-la outra vez, meus dedos deslizando facilmente na fenda lubrificada por meus sumos. Curiosa, levei um dedo à boca para experimentar que sabor que tinha. Confesso que gostei do meu sabor e até hoje faço questão de saboreá-lo, de vez em quando.Uma noite, acordei de madrugada, senti sede e fui à cozinha tomar água. Ao me aproximar de lá, comecei a ouvir gemidos e murmúrios baixinhos e logo identifiquei que eram meus pais transando. Aproximei-me silenciosamente pela lateral da porta e, na penumbra de onde estava, pude assistir, de perto, a primeira foda de minha vida. Apesar da pouca luz, dava pra ver bem a sacanagem deles. Lá estava novamente minha mãe chupando o pau de meu pai que gemia e murmurava o tempo todo umas expressões que fui incorporando ao meu vocabulário “chupa putinha, chupa gostoso que sua boca tá uma delícia”. Ele estava de pé, apoiado na pia e ela de joelhos, enfiando o pau até onde podia, boca adentro, e depois o tirava todo e ficava lambendo de cima em baixo, rodeando a cabeçona vermelha com a língua, com uma expressão no rosto que eu nunca tinha visto em minha mãe.“hum, que pau gostoso, duro, grosso, do jeito que eu gosto” falava ela entre uma chupada e outra. “chupa mais, chupa mais tesão” dizia meu pai encostado à pia, as mãos pegando nos cabelos de minha mãe, ajudando nos movimentos de sua cabeça para engolir o pau. Minhas pernas tremiam muito, tive medo de cair de tanto que tremiam. Mas eu não conseguia sair dali, de tão excitante que era ver aquela foda dos dois. Ouvi meu pai dizer “agora pára, senão vou gozar na sua boa. Você quer meu gozo na boquinha, quer?”. Minha mãe parou de chupar o pau dele e falou “hoje não, eu quero que você goze dentro de mim, me encha de porra quentinha”. Meu pai, então, pegou minha mãe pela cintura, e colocou-a sentada na beira da pia, de pernas bem abertas. Chupou bastante os peitões dela, dava pra ouvir o barulho dele sugando os bicos, enquanto ela só gemia e repetia sempre “chupa gostoso, mama nos seus peitos, me enche de prazer, gostosão”. Após muita chupação nos peitões dela, ele abaixou a cabeça, abriu as pernas dela ainda mais e enfiou a cara no meio d
e suas pernas escancaradas. “ai que língua deliciosa, lambe ela, lambe. Enfia ela dentro de sua bucetona, enfia seu tarado”. Ser lambida e chupada na buceta devia ser muito bom, porque não demorou quase nada e minha mãe tava gozando, tampando a boca com a mão pra abafar seus gemidos que, mesmo assim, foram muitos e altos.Tão logo ela se acalmou, meu pai ajudou-a a descer e colocou-a de frente para a pia, um pouco debruçada e deu uns tapinhas na enorme bunda dela.Minha mãe pegou o pau de papai, ajeitou-o na entrada de sua buceta e começou a rebolar, ao mesmo tempo em que forçava a bunda para traz, fazendo-o sumir todo dentro dela, enquanto ele brincava com seus peitões, amassando-os, puxando-os. A seguir, meu pai começou um movimento para frente e para traz, metendo o pau grosso em minha mãe que gemia sem parar “ai que gostoso, que tesão de pica, mete fundo, mete”. Tinha momentos que papai enfiava com tanta força que chegava a levantar mamãe do chão, deixando-a na pontinha dos pés.Senti novamente aquele calor no meio das pernas e não pensei duas vezes. Enfiei a mão por baixo da camisola, puxei a calcinha de lado e fiquei alisando minha bucetinha, meu pedacinho de carne macia que depois aprendi ser meu grelo. Era muito gostoso fazer carinho na minha bucetinha vendo a foda de meus pais.Mamãe continuava com sua gemedeira “puta que pariu, que pau gostoso você tem amor, enfia mais, enfia ele todo, me rasga com esse pauzão, vai”. Papai também falava coisas pra ela “você é uma putinha muito gostosa, gosta de minha pica dentro de você? Quer que eu enfie tudo nessa buceta tesuda?”Aquilo estava me deixando louca, minha mão estava completamente molhada de meus sucos, eu enfiava os dedos na boca para lambe-los, tornava a molha-los na buceta, esfregava meu grelinho, uma onda de prazer me invadindo. Na cozinha, mamãe estava praticamente de quatro levando a pica de papai na buceta, seus peitões balançando pra lá e pra cá, enquanto murmurava um monte de sacanagem “fode amor, fode sua buceta, fode gostoso, enfia essa pica nela com força, vai”. De repente, senti a presença de alguém logo atrás de mim, uma respiração quente em minha nuca. Assustada, virei rápido e deparei com meu irmão e pude perceber que ele estava com o pau na mão de olho nos dois fudendo. Devo ter ficado vermelha de vergonha e ele também deve ter se assustado com minha reação. Com medo de que fizesse qualquer barulho colocou a outra mão em minha boca e sussurrou para eu ficar quieta, em silêncio.Voltei minha atenção para papai e mamãe. Ele havia tirado o pau de dentro dela e colocou-a sentada na pia, com as pernas arreganhadas. Logo ele enfiou o pau nela de novo, agora de frente para ela, chupando seus peitões, enquanto mamãe se agarrava nele.Senti a mão de meu irmão tocar a minha, pegando-a e levando-a até o seu cassete duro. Ele fez com que eu o pegasse e fizesse um vai e vem nele, coisa que adorei. O pau dele estava muito quente, impressionantemente duro. Logo senti sua mão procurando minha bucetinha, tomando o lugar da minha. (continua)                                

Irresponsabilidades na Festa da Empresa

Final de ano é época de confraternização, e quem trabalha em empresa média e grande sabe que essas festas de fim de ano são um prato cheio para se fazer besteira. Todo mundo acaba bebendo bastante, esquece que está com colegas de trabalho, chefe etc. e extravasa toda a pressão do ambiente de trabalho. No final se solta mais do que deve.Comigo não foi diferente. A festa foi em um bar-restaurante de comida típica da Austrália. Eu já tinha bebido umas cinco canecas de chope, uma caipirinha e um drink com tequila. Estava bem alegre e conversa num canto da mesa com Maria, uma morena toda gostosinha, de 30 anos, com 1,60 m, bem magrinha, com cabelo bem escuro, liso e comprido, e com carinha de índia. Eu conheci Maria naquela noite, pois trabalhávamos em setores diferentes da empresa. Acabamos sentando juntos na mesa porque um colega meu se interessou por uma morena que estava com a Maria, mas quem se deu bem, no final, foi eu!Em certo momento Maria foi acompanhar suas amigas no banheiro e voltou a sentar ao meu lado mexendo no celular. Olhei de canto de olho e vi que ela estava escolhendo entre três fotos que acabará de tirar de no espelho do banheiro. Me intrometi e apontei: “Essa foto está a mais bonita. Coloca ela no Instagram.” Ela achou graça, mostrou as fotos para mim e concordou com a foto que eu escolhi. A conversa seguiu normalmente, regada a muito chopes, trocas de olhares e sorrisos e pernas se roçando por debaixo da mesa. Ela dizia que estava solteira há pouco tempo, que saía de um relacionamento de muitos anos e que agora queria curtir a vida, ficar livre e que não queria nenhum tipo de compromisso.De novo ela foi acompanhar suas amigas no banheiro e quando ela voltou logo perguntei: “Tirou mais fotos? Deixa eu ver?” Ela não tirou fotos novas, mas começou a me mostrar outras fotos dela. Como é bastante comum, ela tinha dezenas de fotos tiradas no espelho. Fomos olhando as fotos e eu comentando aquelas que ela estava bonita. No meio das miniaturas das imagens vi que em algumas ela estava apenas de calcinha e sutiã. Imediatamente eu apontei e disse: “Gostei dessa. Deixa eu ver melhor?” Ela deu risada e respondeu: “Tenho fotos mais interessantes. Quer ver?” Claro que queria ver e ela começou a me mostrar fotos dela seminua. Primeiro, uma foto com uma blusa tão curtinha que revelava toda a parte de baixo dos seus seios. Depois uma foto dela deitada em sua cama apenas de calcinha, mostrando a sua bunda deliciosa. Finalmente, uma foto de frente do espelho só de calcinha, com o corpinho todo pelado! Fiquei louco! Ela olhou nos meus olhos e perguntou: “E aí, gostou?”. Fui com a boca bem perto do ouvido dela e respondi: “Você é muito gostosa…”Nesse momento eu já sabia que já tinha ganho a garota. Só não sabia como fazer para consumar, pois tem um detalhe, sou casado e não dava para pegar a garota na frente de todo mundo. Evidente que ela sabia, pois eu uso aliança e ela já tinha me perguntado. Sem solução para esse impasse mexicano, e mesmo muito excitados, voltamos a conversar normalmente com as outras pessoas da mesa, mas por baixo dela nossas pernas estavam juntinhas e eu pegava em suas coxas.Toda aquela cerveja estava apertada na minha bexiga e fui me aliviar no banheiro. Não avisei que iria no banheiro, mas percebi que Maria não tirou os olhos de mim, procurando entender se eu estava fugindo para algum lugar. Eu nem sabia, mas o banheiro ficava num canto bem discreto do restaurante e ainda era necessário subir um lance de escadas.Depois de aliviado eu estava abrindo a porta para sair do banheiro quando dei de cara com a Maria, que tinha me seguido. Ela apenas perguntou se tinha alguém lá dentro e bastou eu dizer que não tinha mais ninguém que a garota me arrebatou num beijo me empurrando para dentro do banheiro. Eu aceitei o beijo e logo fui pegando em sua bunda e em sua cintura, apertando o corpo dela contra o meu e esfregando o meu pau duro em seu ventre.Entramos na cabine para cadeirantes, que é bem espaçosa. Aos beijos e lambidas eu passava mão por todo o corpo dela, segurava os seios, por cima da calça jeans passava a mão pela bunda toda indo bem fundo até chegar na bucetinha. Ela segurava meu pau por cima da calça social que eu vestia e puxava a minha camisa para fora.Ela sentou-se no vaso sanitário e olhando nos meus olhos, com cara de safada, começou a desafivelar o meu cinto, abriu o botão da calça social, desceu o zíper e abaixou a calça me deixando ainda de cueca. A safada começou a pegar meu pau por cima da cueca, apertando para ver o tamanho exato dele e começou a mordê-lo sobre o pano. Nessa altura eu estava tão excitado que, quando ela resolveu abaixar a cueca, o cacete até bateu em seu rosto. A safada não pensou duas vezes e abocanhou a minha rola. Engoliu todinha de uma só vez, sempre me olhando nos olhos.Ela lambia ele inteirinho, depois chupava minhas bolas, enquanto punhetava minha rola, então enfiava ele todo na boca e chupava com vigor. Em seguida tirava de sua boca e deixava aquele delicioso fio de saliva escorrendo entre a cabeça do pau e seus lábios. Voltava a lamber a cabeça dele e repetia todo o ritual. Eu estava louco de tesão e pedia para comer ela e ela dizia que não, pois estava sem camisinha.E lá estava ela com minhas bolas de novo em sua boca… O meu pau completamente molhado pela sua saliva… E eu suplicando: “Eu preciso te comer”. Veio mais uma negativa: “Você é casado, louco, imagina se me engravida”. Ela estava de novo com a rola toda dentro da boca quando eu segurei ela pelos cabelos e ordenei: “Então eu vou comer seu cú, sua puta!”.Pegando ela pelos cabelos coloquei ela de 4 em cima do vaso sanitário. De uma só vez puxei para baixo a sua calça jeans e a calcinha (era vermelha) e, sem perguntar nada, comecei a empurrar o meu pau sem camisinha e completamente babado para dentro daquela bundinha deliciosa… Ela também não disse nada, apenas abriu um pouco suas nádegas com a ajuda de uma das mãos.Conforme eu bombava nela o seu cuzinho ia recebendo todo o meu pau. Ela gemia baixinho, abafado, com minha mão em sua boca, e eu socava a rola em seu cuzinho. Tudo foi muito rápido e logo eu recheei aquele cuzinho com o meu leite quente. Nos beijamos nessa mesma posição, enquanto ela sentia os espasmos do meu pau e a porra farta escorrendo pela sua virilha e pernas.Ela se soltou do meu pau, que continuava duro, vestiu a calça mesmo sem limpar a minha porra, me deu mais um beijo e me chamou de louco. Ela saiu do banheiro e eu ainda fiquei mais uns minutos sentado assimilando tudo o que aconteceu. Quando voltou meus amigos, evidente, deram por minha falta: “Você sumiu, cara”, “O que aconteceu?” E eu respondi: “Comi algo e tive que ir no banheiro. Melhor eu ir embora”.

metento tudo na gorda carente

Sou casado, tenho 45 anos e náo dispenso buceta nenhuma. Acontece que conheci numa sala de bate papo uma mulher que se dizia gorda e na sacanagem da conversa, fiquei com tesáo e vontade de fuder a vagabubda, que pareceu estar desesperada por uma pica. Pensei ser essa a minha chance de dar umas porradas e fuder o cuzáo da gordona. Quando nos encontramos, ate assustei, pois alem de feia demais ate pra foder, era muuuuito gorda, daquelas que nem a buceta dava pra ver direito. Como eu ja tava ali mesmo pensei náo ter mesmo nada pra perder e levei a baleia para um motel. Ja no carro ela se mostrou bem vadia tirando meu cacete da cal;a e tocando uma punheta desajeitada. Ela tentava chupar meu pau mas a gordura náo deixava. Eu apeoveitando bastante, no carro mesmo, fui arrancando seus peitóes pra fora da blusa, e como eram imensos e beliscava com for;a pra ela sentir o que a esperava. Quando dava, parava o carro e chupava com força as duas tetas e metis o dedo na buceta. O bom de fuder gorda desesperada [e que a gente nem precisa ter cuidado. Chegando no motel, fui tirando sua roupa pra analisar o monte de carne que eu iria fuder e da forma mais cruel que me desse vontade, pois senti que a gordona era bem vadia mesmo. Ela s[o queria mesmo era ficar com o meu cacetáo na boca e eu fudi essa boca como uma boceta de egua, puxando seu cabelo, segurando a putona pela teta e socando meu cacete na sua boca sem a menor pena. Dava umas pancadas na cabeça da gordae ainda sentava na sua cara pra ela chupar meu cu. De proposito peidei bem na sua cara e a puta nem reclamava. Chegou a hora da primeira esporrada e nem avisei, Meti fundo na goela dela e segurei pelo cebelo ate terminar, fazendo ela limpar meu cacete todinho. Tava táo maluco com aquela foda que nem falava com ela, s[o dava porrada e fodia. Enta;o me deu um tesáo maluco aquelas tetonas ali na minha disposiçáo e me ajeitei pra dar uma chupada bem gostosa. Chupei, mamei, mordi, belisquei, bati nos mamilos tanto que ela quase chorou de dor. Dai dei uma porrada na cara dela e mandei calar a boca chamando ela de vagabunda e que devia agradecer eu estar ali comendo ela.Tinha tanta banha que resolvi sentar em cima dela e fazer ela chupar meu cacete de novo. Me deu vontade de mijar e nem pensei, fiquei de pe e mijei na sua cara. Fiquei muito excitado e gozei de novo na sua cara. Dai entao virei ela de bundaó pra cima e enfiei a máo toda no seu rebo e na buceta. Era um bucetáo e fiquei socando com a máo inteira l[a dentro. Meu pau ja duro de novo, soquei na bunda ate gozar e depois fiz a vadia chupar de novo pra limpar a merda que saiu do cuzao dela. Coloquei minha roupa e fui embora sem dizer nada e ainda deixei a conta pra ela pagar.

Uma ripa na titia

          Bom cheguei em casa, e fui direto pro meu quarto minha mãe conversava com minha tia na cozinha nem perceberam minha entrada. Segui até o corredor e percebi que elas estavam conversando sobre sexo, parei e fiquei escondido só escutando minha tia se queixar do meu tio, pois ele estava com diabetes bem alta e o pau dele não subia mais fazia tempo e ela não sabia mais o que fazer, minha tia ainda tava muito bem uma coroa enxuta com um corpão, minha mãe sugeriu a ela um vibrador, logo descartado por minha tia, que dizia não ter graça que ela queria mesmo era de verdade. E que ela não podia mais ver homem na frente dela, que ela estava a perigo. Fiquei excitado na hora e me lembrei que havia combinado com meu tio de ver uns problemas no micro dele a noite na hora que ele chegasse do serviço, mas cheguei de surpresa a tarde, minha tia atendeu e disse a ela que não poderia vir a noite e tal. E fui pro micro perguntei a minha tia se podia tirar a camisa fazia calor

A prima do Sul de Minas

Eu morava em um sobrado, embaixo as garagens e no primeiro andar meu apartamento e finalmente no segundo e último pavimento morava minha prima, Vanessa, que na época tinha 34 anos. Tinha um terraço em cima do apartamento delaEra herança de família, ela herdou um e eu o outro e morávamos sozinhos, cada um no seu canto e tocando a vida.Eu era solteiro e sou até hoje, já Vanessa era divorciada, havia engravidado aos 15 anos e para satisfazer exigências familiares e/ou agradar a sociedade ou até porque queria mesmo, se casou com o pai de sua filha. Seu casamento foi muito tumultuado até porque ela era inexperiente e o pai de sua filha, 5 anos mais velho que ela, não era o que se poderia chamar de “o maridão”.A separação veio até que tarde demais considerando o que ela sofreu com ele, o que fez com que Vanessa nunca mais se casasse.Vanessa trabalhava em um banco, emprego que conseguiu aos 21 anos de idade, ainda quando era casada. Após largar o marido e criando a filha sozinha fez faculdade de psicologia e embora nunca tenha exercido a profissão isso teve uma grande utilidade para ela…..e como!A filha de Vanessa, Camila, na época com quase vinte anos morava em Belo Horizonte. Muito inteligente havia passado em um concurso público e conseguido um bom emprego, mas isso lhe custou ter que morar longe de Vanessa que não tinha vontade e nem possibilidade de se mudar do Sul de Minas, logo elas se viam com pouca freqüência embora se falassem por telefone regularmente, geralmente era Camila quem vinha visitá-la uma ou duas vezes por mês, sempre em finais de semana ou feriados.Vanessa não era exatamente linda, mas estava longe de ser uma mulher feia. Ela era interessante. 1,65 de altura, 60 quilos, seios médios e firmes, bunda proporcional, cabelos negros um pouco compridos, pele mais clarinha, pernas dentro da média e pés maravilhosos!Vanessa tinha extremo bom gosto para se vestir e mais ainda para calçar. Usava sempre sandálias bem delicadas e de tiras fininhas que deixavam seus lindos pés à mostra. Ela sempre usava esmaltes clarinhos e nas horas informais adorava um chinelinho de borracha sempre de cores escuras que contrastavam com sua pele clara.Já Camila desaparecia perto da mãe, pelo menos para o meu gosto. Era sem graça e para mim desprovida de interesse, meu foco era Vanessa pelo conjunto todo.Eu trabalhava o dia todo e Vanessa também, às vezes cruzávamos nas escadas do sobrado, que para nós era um mundo. Os apartamentos eram grandes espaçosos e com boa privacidade. Nosso relacionamento era o normal entre primos, uma conversa aqui, outra ali e a vida ia seguindo. Vez por outra Vanessa me pedia para consertar uma torneira que pingava ou para trocar um chuveiro e outras coisas afins que estragam em casa.Vanessa raramente recebia visitas e era muito caseira. Trabalhadora como sempre foi, fazia faxina em seu apartamento sozinha nos fins de semana e dividia comigo a tarefa de limpar as áreas comuns do prédio como as escadarias que lavávamos juntos com boa freqüência e também as garagens e a calçada. Nessas ocasiões, sempre em dias de sábado, ela usava um short mais curto, uma blusinha mais gasta dessas de usar em casa mesmo e um par de chinelos de borracha que deixavam seus lindos pés 37 bem à mostra. Eu sempre observava seus pés nessas e em outras ocasiões. Sempre!Num desses sábados terminamos a faxina nas áreas comuns do prédio e Vanessa me perguntou se eu não me importava de ajudá-la a lavar o terraço do seu apartamento. Ela nunca havia me pedido esse favor antes e eu me prontifiquei a ajudá-la, mas achei um pouco estranho mas isso seria mais uma oportunidade de observar seus pés que naquele dia estavam com as unhas pintadas com um esmalte translúcido, lindo!Não só os pés de Vanessa eram lindos como também as mãos não ficavam atrás e eram muito bem cuidadas, mas os pés…..eram demais!Recolhemos os apetrechos e subimos as escadas passando pelo seu apartamento até que finalmente chegamos ao terraço que nem estava com aparência de estar sujo.Começamos a lavar a área e pouco tempo depois Vanessa se voltou para mim disparou:-Pensa que eu não percebo mas você tem um forte fetiche por pés femininos, estou certa?Fiquei pasmo e sem reação, senti meu rosto esquentar e ficar vermelho.Vanessa então não se fez de rogada e disse:-E olha que isso é apenas a ponta do iceberg, tem muito mais coisas por trás disso, sabia?Fiquei pasmo! Ela havia descoberto meu segredo! E agora?Desconversei perguntando se queria que eu esfregasse o chão mas ela foi insistente e disse:-Por que você não se abre comigo? Eu sou sua prima, sua amiga e posso te ajudar. Por que não confia em mim?Fiquei atordoado e disse que precisava ir embora mas ela me segurou pelo braço e disse que eu precisava de ajuda e me puxou delicadamente para descermos a escada que levava ao apartamento dela.Uma força me mandava fugir mas outra me conduzia a ceder.Chegamos na cozinha e ela me mandou sentar.Vanessa então puxou uma cadeira e se assentou na minha frente e disse:-Eu só quero te ajudar. Se você gosta dessas coisas eu sei que não tem como te obrigar a ceder e a rejeitar seus desejos. Você tem que se abrir e só assim será feliz.Ela ainda disse mais:-Eu estudei psicologia e sei que a tara por pés femininos está relacionada com outros desejos também. Por que não se abre comigo?Eu estava sem reação e não dizia nada, nada mesmo e não conseguia encara-la, só olhar para o chão e ironicamente para os pés dela..Vanessa então colocou a mão nas minhas mãos e disse:-Pode confiar em mim, não vou dizer nada a ninguém, juro.Ela ainda foi além:Olhe nos meus olhos, disse ela.Como eu não a atendi ela delicadamente levantou o meu rosto e finalmente eu a encarei. Ela estava com uma fisionomia tranqüila, terna, quase maternal e me disse:-Eu só quero que você seja feliz, só isso, mas não depende só de mim.E ainda completou:-Você quer ser feliz?Eu balancei a cabeça afirmativamente.-Vanessa então me disse quase chorando:Eu posso te fazer feliz, isso não me custa nada e eu estou sozinha e ninguém precisa e nem vai saber de nada.Ela então me perguntou:-Você gosta de pés de mulher?Eu balancei novamente a cabeça mas ela disse que queria ouvir de mim e eu disse em voz baixa que sim.Ainda ela:Você gosta dos meus pés?Respondi que sim, muito.Vanessa então perguntou do que mais eu gostava e disse que só isso.Daí então ela disparou:-Se mentir para mim não vai ter nada. Pode se abrir comigo.Eu nada falei.Vanessa então disse que iria facilitar minha vida. E perguntou:-Você gosta de apanhar de mulher? Gosta?Disse que sim.Ela perguntou se eu gostava que a mulher me obrigasse a usar coisas de mulher e eu disse que sim.-E de ser xingado, humilhado, você gosta?Respondi que sim.Ser dominado pela mulher, gosta?Sim, respondi eu.-E do que mais gosta? Perguntou Vanessa.Só isso, eu falei mas ela disparou que tem homem que gosta disso tudo e também de ser comido pela mulher e perguntou se eu gostava. Demorei a responder mas ela insistiu eu assumi que gostava de inversão mas disse a ela que apesar de gostar nunca tinha feito nada disso com ninguém e que eu tinha vontade de fazer só com mulher.Vanessa então olhou fixamente nos meus olhos e com um sorriso disse:-Você não tem culpa de gostar dessas coisas e pode ser feliz assim e mandou eu me ajoelhar e beijar e lamber os seus pés. Nessa hora meu pau ficou tão duro que quase não agüentei de tão dolorido que ficou.Beijei, lambi seus dois pés incluindo a sola, os dedinhos e fiz isso demoradamente e só parei quando Vanessa falou que já estava bom por hoje e que eu estava lambendo seus pés fazia meia hora. Ela disse isso dando uma risadinha.Vanessa reparou no volume na minha bermuda mas não fez nenhum comentário sobre minha dolorida ereção.Ela então me abraçou com ternura e sussurrou no meu ouvido que ia dar tudo certo entre nós.Vanessa preparou um café e disse que nossa conversa iria longe ainda.Conversamos com mais detalhes sobre as fantasias que eu tinha e sobre as nossas regras de realização que foram
ditadas por Vanessa.. Foi mais duas horas de conversa, agora de forma mais descontraída e com detalhes mais picantes. Ninguém saberia de nada e inclusive trocaríamos o cadeado da garagem pois sua filha tinha a chave e poderia chegar de viagem de surpresa e nos pegar no flagrante.Vanessa então disse que deveríamos terminar a faxina no terraço e assim fizemos. Depois desci para meu apartamento ainda com o pau duro e me matei de me masturbar e ainda sem acreditar no que tinha acontecido naquele dia e no estaria por vir.Passaram-se 3 semanas e a vida seguia na rotina. Eu vez por outra cruzava com Vanessa nas escadas do sobrado e nossa reação era normal mas eu agora olhava para seus pés sem medo ou receio e ela sempre percebia e dava um sorriso.Mais duas semanas e chegou o aniversário de Vanessa e eu lhe dei uma linda sandália de marca com as tiras fininhas que ela adorou. Mas até aquela data nenhuma novidade até porque nas nossas regras não falaríamos mais sobre o assunto.Vanessa então recebeu num final de semana uma rápida visita de sua filha, Camila. Ela chegou numa manhã de sábado e foi embora na noite do domingo. Isso certamente deixou Vanessa mais à vontade pois no sábado seguinte à noite meu telefone tocou. Era ela! Sua voz estava um pouco mudada e ela mandou eu subir para seu apartamento que estava com a porta aberta. Um detalhe: eu deveria subir completamente pelado! E não deveria demorar para fazer isso.Fiz como Vanessa mandou, retirei toda a roupa e subi a escada. Estava um pouco frio e eu sentia um pouco de medo.Entrei na sala e Vanessa estava sentada, de espartilho e cinta-liga e calçando uma sandália de salto médio. Ela estava um pouco diferente e mandou eu me ajoelhar e beijar seus pés e assim eu fiz. Em seguida ela disse:-Jéssica (esse era o nome pelo qual ela me chamaria quando fosse me dominar) sua putinha vadia sem vergonha em siga.Acompanhei Vanessa até um dos quartos e ela me xingava de vários palavrões e olha que seu repertório era vasto.No quarto havia uma calcinha preta sobre a cama e Vanessa me mandou vestir. Fiz o que ela mandou e até que ficou bem em mim, servindo bem. Era um modelo bem putinha mesmo que deixava boa parte da bunda à mostra.Ela então me mandou ficar de pé e apoiar os braços em uma cômoda que havia no quarto.Vanessa então falou:-Jéssica sua vagabunda sem vergonha agora você vai ver o que faço com vadias como você.O interessante é que Vanessa xingava e falava obscenidades com a voz em tom normal e sem se alterar e isso me dava um tesão enorme!Ela então colocou uma venda de tecido preto nos meus olhos, fiquei às cegas e sem saber o que aconteceria.De repente um estalo na minha bunda e mais outro em seguida.Entre uma e outra chinelada e olha que a mão de Vanessa era pesada, ela me xingava e dizia que iria me corrigir pois eu não estava me comportando bem.Foram muitas chineladas, umas 60 ou 70 e cada uma delas com um intervalo para ela me xingar e ela alternava entre uma lado da bunda e outro.Depois disso houve uma pausa e Vanessa me mandou ficar como eu estava e assim fiz e logo percebi que ela se afastou mas logo voltou.Outro estalo na minha bunda e dessa vez logo notei que era uma pedaço de mangueira de jardim. Foram poucas lambadas, umas 6 ou 7 e a dor é diferente do chinelo de borracha. Vanessa tinha em mente que eu era um iniciante e também eu já estava com a bunda toda ardida por conta das chineladas.Vanessa então disse:-Agora a putinha vadia da Jéssica vai ter o que merece.Ouvi o ruído de uma gaveta se abrindo e logo em seguida se fechando. Logo ela retirou minha calcinha e mandou eu afastar as pernas. Nessa altura meu pau já estava duríssimo e até doendo de tão duro.Vanessa então lambuzou a entrada do meu cu com algo gelado e escorregadio e logo em seguida disse:-Agora vou comer o cu da putinha da Jéssica vadia.Comecei a sentir algo na entrada do meu cu e que devido ao lubrificante foi lentamente entrando e provocando uma deliciosa sensação de prazer.Logo percebi de se tratar de um plug anal e que era bem grosso pois Vanessa o enfiou até passar a parte mais larga e depois retirou e enfiou novamente e colocando mais gel para facilitar. Ela fez isso inúmeras vezes num vai-e-vem delicioso e que me deixou com o cu completamente arrombado.Vanessa mandou eu ficar quieto onde estava e se afastou por algum tempo e de repente ouvi sua voz perto de mim novamente sem perceber que ela tinha voltado.Os xingamentos não paravam, sempre com voz calma e sacana. Mas o que aconteceu em seguida foi inesperado.Vanessa mandou eu me virar e me ajoelhar, como eu ainda estava com a venda nos olhos ela me guiou com suas mãos macias e delicadas.Me ajoelhei e então ela retirou a venda e a visão que tive foi maravilhosa! Ela estava completamente nua, inclusive descalça na minha frente!Vanessa então falou:-Jéssica sua putinha vadia lambe sua Dona, lambe vagabunda!Comecei a lamber e beijar seus pés que estavam impecáveis, fui subindo pelas pernas até chegar na sua buceta que estava totalmente depilada e escorrendo um mel doce e perfumado. Comecei a lamber seu grelo e fui descendo até na entrada da sua buceta colocando a língua na entradinha da xana de Vanessa. Eu engolia seu mel delicioso. Ela gemia baixinho mas a intensidade dos seus gemidos foi aumentando até que ela não se agüentou de pé e deitou-se na cama. Eu então continuei a lambe-la sem me esquecer dos seus seios também.Meu pau estava duríssimo e voltei a lamber a buceta de Vanessa até que a intensidade de seus gemidos aumentou e ela explodiu em um gozo alucinante.Eu não me fiz de rogado, não agüentando mais passei e esfregar meu pau nos seus pés até que gozei violentamente entre seus dedinhos e a sola de um dos pés de Vanessa.Após alguns poucos minutos Vanessa se recuperou do gozo e se levantou e me deu um selinho na boca e me puxou para o banheiro onde tomamos um delicioso e demorado banho juntos, logo em seguida ela me levou até a cozinha onde tomamos um delicioso lanche que ela havia preparado e em seguida ela me convidou para dormir com ela e assim entramos debaixo de um gostoso ededron bem quentinho completamente pelados e dormimos abraçados.Após essa iniciação e durante quase 3 anos realizamos as nossas fantasias juntos e sem ninguém saber mas chegou o dia em que ela se mudou e foi morar com a filha e tudo terminou.Procuro mulheres dominadoras, com ou sem experiência, do Sul de Minas, região de Varginha. Tenho 42 anos, solteiro e sem filhos, bem apessoado e sigiloso para amizade, realização de fantasias ou algo mais sério como um relacionamento. Mulheres switcher, ou seja que goste de dominar e ser dominada também serão muito bem vindas. Gentileza escrever.                                

Dona Fernanda, a gostosona do 15 andar

Dona Fernanda era uma dona gostosa que morava no 151, todo mundo olhava ela quando ela passava e ela se exibia mesmo. Morena, 1,71, 62kg, cabelo preto, pele bronzeada pelo sol da piscina de todo o dia. O marido trabalhava muito e os dias dela eram passados na piscina do prédio, de biquíni, levando a loucura os adolescentes que ficavam nas janelas e os porteiros, faxineiros e garagistas que sempre davam um jeito de ir lá olhar a gostosa tomando sol. Um dia, lá pelas 11 horas ela levantou, colocou uma canga em volta da cintura, subiu no salto alto e foi até a garagem. Não tinha como todo mundo não olhar e ela parecia gostar de ser observada atravessando a área social. Desceu a escada e chegou na garagem, suja e escura como todas, foi até seu carro pegar alguma coisa e o ele estava trancado. – Cadê estes garagistas que nunca estão por perto ? ..pensou em gritar por um deles mas resolveu ir procurá-los, atravessando a garagem de volta até a escada. Não achou ninguém e lembrou que o quartinho deles era no fundo da garagem. Atravessou a garagem de volta, entrou no corredor escuro que levava ao quarto dos empregados e viu a luz acesa. Chegou até a porta e encontrou o Jadir, um negão que era o garagista deitado dormindo, sem blusa, só de calção. Ela ficou meio contrariada mas resolveu acordar o homem, bateu na porta com força e ele deu um pulo, cara de sono, assustado: – O dona Fernanda, desculpa, não vi a senhora chegar – Claro, tava dormindo ! Preciso da chave do meu carro, agora.. Fernanda falou com a voz irritada Ele olhou pra ela meio contrariado.. – Espera um minuto, já vou lá. – To com pressa Jadir, anda logo !! – Calma dona, é só eu ir ao banheiro, só um instante.. – e entrou em uma portinha no quarto que deveria ser o banheiro. Fernanda ouviu o barulho do jato de urina na água, alto, forte e sentiu um arrepio correr na sua espinha. Fechou os olhos e imaginou o tamanho do membro do homem que estava no banheiro. Instintivamente levou a mão ao biquíni e sentiu que estava molhada, o movimento repentino soltou a canga e ela abriu os olhos vendo Jadir parado olhando a cena. Ela de biquíni e salto alto, a canga no chão e o homem na porta do banheiro olhando pra ela. Fernanda sem graça não sabia o que dizer e sem pensar falou: – Jadir, hummm, tá quente aui.. tem uma pia ai dentro ? preciso lavar o rosto. – Tem sim dona, entra. Fernanda esqueceu a canga com o nervosismo e atravessou o quarto até o banheiro. Se abaixou e começou a lavar o rosto com sua bundinha deliciosa se mostrando para o garagista. Ela já nem sabia o que estava fazendo e envergonhada ficou lavando o rosto por um bom tempo. Jadir vendo aquela cena ficou excitado e fechou a porta do quartinho. Fernanda ouviu o barulho da porta e saiu do banheiro: – O que é isso Jadir ? porque fechou a porta ? – Dona, a senhora vem aqui de biquíni, deixa canga cair, mostra o rabo assim, deve estar querendo pica, e vai levar !! e avançou em direção de Fernanda. – Tá louco ? sai daqui seu idiota ! e tentou fugir Jadir a segurou e a jogou na cama pequena e suja. Fernanda caiu e começou a gritar por socorro. Ele se aproximou e deu um tapa na cara dela, forte, ela parou de gritar e começou a chorar com as mãos cobrindo o rosto. Jadir subiu na cama e começou a tirar a calcinha, arrancando, puxando, quando acabou de tirar, abriu as pernas de Fernanda que chorava e escondia o rosto com as mãos. – Agora vai levar pica dona, não é isso que queria ? Ele abriu bem as pernas de Fernanda e viu sua bucetinha molhada, encostou seu pau enorme (uns 20cm) e empurrou de uma vez, com força, ela gemia chorava, não conseguia olhar para aquele homem que a estuprava. Jadir metia com força, socava aquele cacete enorme na buceta de Fernanda que não reagia. Ele metia mais e mais, forte, rápido, sentia a buceta molhada, encharcada, a puta estava gostando. Ele parou com o cacete enfiado nela e segurando suas pernas abertas falou: – Olha pra mim piranha, quero te fuder com vc olhando pra mim. Ela não se mexia, chorando baixinho, e ele puxou suas mãos – Olha pra mim porra !! e deu um tapa forte em sua cara. Ela olhava e chorava, tentava desviar o olha e o negro recomeçou a meter em sua buceta. Ela não conseguia controlar o prazer que começava a chegar e começou a gemer, fechava os olhos e no seu rosto já mostrava que estava gostando. Jadir metia com força. Sua pica enorme ia arrombando a buceta de Fernanda que a esta altura já gemia e pedia mais: – Fode negão, fode minha buceta, enfia forte !! Jadir foi a loucura e socava muito, com força. -Fica de 4 dona, mostra este rabo ! Fernanda obedeceu e ficou de 4, levantou bem a bundinha, sabia que levava os homens a loucura com seu rabo perfeito. O homem enfiou de uma vez, a tora negra entrou rasgando e Fernanda gritou alto. Jadir metia com força e rapidamente Fernanda gozou, gritando, gemendo. Jadir metia forte, enfiava, socava na buceta de Fernanda e explodiu num gozo forte, jatos de porra quente inundando a sua buceta, ele metia e gozava, esporrava na buceta da dona. Fernanda tremeu e ao sentir aquela porra quente gozou de novo…. ele saiu de dentro dela e sentou na cama, ela deitou-se de bruços ainda de sutien mas com a bunda linda a mostra. Ficaram em silencio algum tempo, descansando, Jadir passou a mão naquela bunda gostosa e ordenou: – Agora tira o sutien, deixa eu ver estes peitinhos que a gente adora ! Fernanda sorriu e obedeceu, ficou sentada na cama e tirou o sutien revelando seus peitinhos deliciosos. Jadir se ajoelhou na cama e mandou que ela chupasse seu pau até ficar duro. Fernanda obedeceu e começou a chupar, a bundinha pra cima, aquela pica enorme na boca, ela chupava, lambia, estava adorando. De repente a porta abre e Fernanda se assusta. Estavam na porta um dos porteiros, Seu Jorge, um mulato de seus 55 anos e o faxineiro, Quim, um garoto novo que não devia ter mais de 18 anos. Fernanda tentava se tapar mas era inútil, Jadir começou a rir e falou: – Ai rapaziada, a dona Fernanda veio conhecer o quartinho. Ela tentou falar alguma coisa mas os dois já começaram a tirar a roupa, ela olhava e pensava no que fazer: – Gente, calma, não é assim, já to de saída ! Seu Jorge sorriu: – Saída ? calma dona, pode continua o boquete no negão que a senhora não sai daqui tão cedo ! Ela arregalou os olhos e sentiu o tapa na cara de Jadir, forte, estalando em seu rosto. – Não ouviu o Seu Jorge ? chupa minha pica dona ! Assustada, Fernanda olhou em volta e obedeceu, se abaixou e recomeçou a chupar a pica de Jadir. Começou a ficar excitada, sendo observada pelos outros homens, instintivamente começou a rebolar e gemer, chupava com vontade e logo sentiu as mãos de Seu Jorge e Quim a alisando. As mãos e os dedos passeavam por seu corpo e logo sentiu o dedo grosso de Seu Jorge entrando em sua buceta, gemeu gostoso e engolia a pica de Jadir com vontade. Seu Jorge se colocou atrás dela e de uma vez enterrou a pica em sua buceta. Ela gemeu e continou com o pau de Jadir na boca, chupando com vontade, estendeu a mão e pegou no pau de Quim que estava em pé ao lado começando a bater uma punheta para ele. Seu Jorge metia e ela sentia o pau entrando fundo, estava indo a loucura e com um arrepio gozou forte, ela tremia e gemia, gozava feito louca e rebolava na pica de Seu Jorge. Jadir pegou Fernanda pelos cabelos e com um puxão forte tirou sua pica da boca dela. Segurando seu cabelo ele bateu uma punheta e gozou na cara de Fernanda. Os jatos de porra na sua cara, melada, ele saiu e mandou Quim para seu lugar. – Chupa a pica do Quim agora putona ! Ela obedeceu e abocanhou o cacete do garoto, chupava com vontade recebendo Seu Jorge na buceta. – É uma vadia, safada – falou Jadir enxugando o pau com uma toalha – Nunca me enganou, rebolando de biquíni pelo prédio, vadia. Seu Jorge metia gostoso, entrando e saindo, alisando a bundinha de Fernanda quando disse: – Dona, já fizeram este rabo ? gosta de dar o cuzinho ? Fernanda balançou a cabeça afirmativamente enquanto chupava a pica de Quim. – Ahhh então vamos meter gostoso nele também – Disse Seu Jorge tirando a pi
ca de dento da buceta de Fernanda. Ela arrebitou bem a bunda, abriu as pernas e se ofereceu, Seu Jorge encostou o pau no cuzinho de Fernanda que começou a rebolar devagar, sentindo a rola entrar. Fernanda gemia e sentiu o caralho de Seu Jorge deslizando pra dentro de seu rabo. Ela rebolava, mexia, gemia com o pau de Quim enterrado na boca. Os homens riam, chamavam ela de puta, cadela, vadia, piranha e ela rebolava mais, sugava a pica de Quim e sentia seu rabo sendo arrombado pelo porteiro. Ela via estrelas e sugando a pica de Quim gozou de novo, muito, nem sentia mais seu corpo quando sentiu o gozo de Seu Jorge em seu rabo, ele metia e inundava seu cuzinho de porra. Ele tirou o pau de seu cuzinho e foi ao banheiro, só faltava o garoto. Fernanda tirou da boca e se levantou: – Deita Quim, deixa eu montar no seu pau ! Quim obedeceu e Fernanda sentou em cima dele, seu pau deslizou rápido para dentro da mulher que já rebolava e mexia nos cabelos. Jadir chegou por trás dela e acariacva seus peitos, apertava os biquinhos, mordia sua nuca enquanto ela mexia gostoso. Quim segurava os quadris de Fernanda que mexia e gemia, Jadir sussurava em seu ouvido: -Mexe putona, vadia, vai ser a puta do prédio agora, a alegria dos porteiros, piranha. Fernanda arrepiava e gemia: – Sou puta sim, sou uma vadia ! e ria, deliciada.. Jadir empurou Fernanda que se deitou em cima de Quim: – Garoto, segura a vadia, agora vai ter pica no rabo e na buceta ! -Ahhh não ! reagiu Fernanda – Aí eu não agüento, nem inventa ! Quim já estava segurando ela com força, imobilizada, sua pica na buceta da dona Fernanda. Jadir alisou o rado dela esse posicionou atrás. – Por favor ! não…. – Fernanda chorava – isso eu nunca fiz !! – Vai fazer hoje putona ! se não acalmar a gente já chama logo mais uns 3 porteiros..vadia Fernanda acalmou, relaxou, beijou Quim na boca e empinou o rabo, a ameaça de mais homens ali era forte demais, precisava ir embora apesar de estar adorando. Jadir encostou a pica no seu cuzinho, ela parou, tensa, Quim segurava ela com força e ela sentia seu pau pulsando na sua buceta. Jadir começou a empurrar o pau pra dentro do rabo de Fernanda que gritava, a for era grande, o pau dele imenso, até entrar tudo. – Ahhhhh tesão, que delicia !!! mete este cacete na minha bunda negão.. mete !!! – Fernanda gritava, sem controle. – O Seu Jorge, mete o pau na boca dessa puta louca ! daqui a pouco até o sindico tá aqui ! e todos riam muito. Seu Jorge imediatamente colocou o pau na boca de Fernanda que mexia em cima do pau de Quim e recebia as estocadas fortes de Jadir em seu cuzinho. Ela se sentia aberta. Arrombada, sentia dor, prazer, gemia e gozou loucamente, não parava de gozar com aqueles homens que metiam nela inteira. De uma vez, os três gozaram, ela sentia a porra pela boca, no cuzinho, na buceta, melada. Eles tiraram saíram um por um e ela ficou jogada na cama, melada, esporrada. – Dona, cata as suas coisas e vai embora senão já já chega mais um pra fuder sua buceta. Fernanda levantou ainda zonza e vestiu o biquíni, colocou a sandália e pediu a canga que estava na mão de Jadir – Nada disso dona, a canga fica aqui, pra gente lembrar sempre da senhora e a senhora ter uma desculpa pra vir ao quartinho. – E quem disse que eu volto ? disse Fernanda com um sorriso sacana. – Dona, tem 16 funcionários aqui no prédio entre porteiro, faxineiro e garagista e todo mundo vai meter em você, neste quartinho. E se não vier quando a gente mandar, o maridinho vai saber de tudo. Fernanda suspirou e foi embora, de volta pra piscina, sabendo que sua vida ia mudar muito.

dona de casa metendoa dona capitulo 46comendo a amiga da minha maeesposa na siriricaesposa transando com outro na frente do maridobem putinhafudendo minha madrastagrande familia tucotesao de cunhadaporco acasalandocasa do conto eróticocasa dos eroticosincesto cunhadacomeu minha mulhercorno limpadoresposas com negroségua piscando a bucetabuceta da vovoxoxotas teensela adora chuparcoletando sêmen de cavalotesao no cucasa dos cornosfodendo por traszé neto engravida a primacampainha tocando sozinhacorno cucasa dos cobtos eroticosbuceta hemafroditacatinhadedo no cu delarelato eroticossogro safadohomem que se acha espertocomendo a diretoracomeu o cu da mãemata minha sedeseduzindo a sobrinhaquebrando cabacinhotransex em maceiocasadoscontosernovinha molestada no ônibuscachorro comendo a buceta da donaesposas fazendo dpse masturbando com cenourabucetinha da gordinhacasa de swing realcasa contos eróticosfoto de cu morenolouco por calcinhassexo gostoso na praiacu da maetrai e me arrependiesposas exibidasrelato cornocomendo a esposa do pastoraniversário enteadasexo com a minha esposaúltimo contos eróticosbuceta de egua piscandodeu o cu na marrapunheta no elevadorsecretária safadachupou a novinhaandrea fudendocachorro engatado no cu do homemsuper trepadamulher engatada cachorroseduzindo a sobrinhaporra eo cu da cachorralindos pezinhoscasa dos contoa eróticosconto erotico categoriameu marido quer que eu tenha um amanteninfeta de 18incesto pesadocontos eróticos cuckoldverozmentesandrinhajapavovô dotadoviadinho arrombadofoda se meu irmaoenteada gostosinhanos reencontramospezinhos lindosvarios homens chupando uma mulherestoporadagozou na depilacaonamorada exibidacasa contos erfilha rabudavideos bisexuaisxaninha rosachupadeira de picaesposa coxudachupando pepinohomem dando o cu para o cavaloengatada no cachorropeguei meu marido se masturbando