CASAL EM VIAGEM

Eu, magro, alto, bonito de 40, anos e minha mulher, loira , magra de belo corpo de 32 anos, fomos viagem para Santa Catarina no ultimo feriado. Como sempre fazemos um mes antes fazemdo contatos com casais , mulheres e homens só. Minha mulher gosta muito de homens pintudos e eu tambem ja que gosto de mamar num belo cacete. Quando chegamos em Curitiba, ligamos para o Arnando ( nome fictício ), para nos encontrar, fomos para o apartamento dele e assim que chegamos ele arrancou um cacetao ali mesmo na sala e nos mostrou, eu mesmo ja me ajuolhei nos seus pés e enfiei na minha boca, minha mulher tambem fez o mesmo, mamamos e ela deu varias vezes para ele e depois no descanso merecido ele nos convidou para ir a chacara dele onde teria varios amigos dele lá, eu olhei para a Vilma minha mulher e disse juntos Varios amigos ? Claro que vamos. No outro dia, de manha , fomos para a chacara dele, chegamos lá por volta do meio dia e ja tinha 4 homens lá, todos de sunga na piscina nos esperando, eles sabiam quem eram nós. Eu pedi para um deles, o moreno me mostrar bar pois queria tomar um wisk, ele me acompanhou e no caminho me disse: O Arnaldo me contou o que rolou ontem no ap. dele com voces… Eu colocando o wisk no copo disse: _ Contou tudo mesmo ? Ele se encostou atras de mim e senti seu pau duro na minha bunda e falou: Quase tudo, porque voce nao me conta o resto? Entao eu me virei sem olhar para o rosto dele e disse: _ Nao aconteceu nada demais… apenas que a Vilma deu para ele. O safado tirou o pauzao para fora me mandou pegar no pau dele entao, tomei um grande gole de wisk e me ajoelhei e abocanhei aquele pau moreno e fino. Chupei demoradamente, aquele cacete, e só parei quando o Arnaldo chegou e falou rindo : Ah, o corno ja está chupando os cacetes ja é ! e tirou o pau para fora tambem, nao demorou muito e minha mulher chegou segurando na mao de outro rapaz e veio me ajudar entao ja eram eu e ela mamando em 4 cacetes, dois apra cada boca e logo veio o quinto cacete entrando na festa. dalí da sala fomos todos apra o quarto. Arnando foi o primeiro a meter na buceta da Vilma, ela gemia muito e eu no ouvido dela, falava que ela iria dar para npos 5 e ela reposndeu para os 5 nao, para que vou dar para voce ,se tenho 4 cacetes lindos aqui só para mim. Eu disse: _ Porque sou seu corno e corno como por ultimo, esqueceu ? Quero comer essa bucetona arrombada hoje cheia de porra e bem larga, do jeito que um corno merece comer. Minha safada, Minha putona gostosa ! Ela riu e mordendo a linga no canto da boca, se virou e deu de quatro para os outros 3 rapazes, enquanto ela dava eu lambia os sacos dos caras, eles enfiavam o dedo no meu cuzinho. Teve um, o Joao, que quiz me comer, esfregou o pau na minha bunda, me lambeu o cuzinho, mas eu nao deixei ele meter em mim nao, era muito grande o pau dele. mas quando ele estava comendo a Vilma, ele me chamou para perto dele, e muito safado, tieou a camizinha e jorro porra na minha cara me fazendo receber porra na minha boquinha e eu ouvi da boca dele o seguinte: _ Vai seu corno, bebe minha porra, seu viadinho corno, vai bebe, voce nao gosta de chupar pau, nao gsota que s asua mulher leva para dos caras, entao, vai bebe tudo e enfiou o pau na minha boca e me fez lamber tudinho a porra dele, eu morrendo de tesao ouvido aquilo tudo empurrei ele e abrindo as perna da minha mulher , meti na bucetona dela feito frango assado e beijei ela na boca e dividi a porra do cara com ela e ela me chamando de corno querido e de viadinho eu gozei na bucetona arrombada dela. Gozei bem gostoso e gritei muito alto de tanto prazer e nao demorou muito para o Arnando vendo tudo aquilo, veio e meteu na nossas bocas o cacetao dele e gozou tambem nas nossas bocas, nos lambuzando toda a nossa cara safada de muita porra. Ali mesmo eu e ela desmaiamos de tanto cansaço e a tarde seguimos viagem para Florianópolis , e lá nós transamos com um casal , mas aí é outra historia. Beijos a todos.

VAQUEIRO SAFADO

Os fatos que vou relatar acontecerão quando eu era muito jovem, era menino bonito, branco, com corpo forte, mamãe dizia que minha bunda era grande, às vezes quando estava só olhava ela no espelho e passava a mão… Final do ano, férias na escola, fui para a fazenda de meu avo…. Chegamos na fazenda à noite… Estava tão excitado, que quase não consegui dormir, acho que tive pesadelos a noite toda… Pela manha antes do sol nascer já iniciava o movimento na fazenda, levantei e fui para o curral tomar leite do peito da vaca… O velho Zé, vaqueiro de muitos anos na fazenda, ficou feliz em me ver, como esta seu André? Sumiu de nois… No curral outro homem tirava leite, ele soltou o bezerro e veio em nossa direção com o balde de leite na mão, era um rapaz jovem de uns 20 anos, moreno escuro, forte com uma expressão máscula no rosto… Vovô Chico falou: André esse é o Rubens, ajudante de vaqueiro. Ele sorriu sem graça, olhou firme para mim e saiu calado para ordenha outra vaca. Tomamos o leite e voltamos a sede. Andei muito a cavalo, tomei banho de rio… Chegou o natal, o final de ano, já estava na fazenda a mais de quinze dias… Mamãe voltou a São Paulo… Eu fiquei na fazenda ate fevereiro… No inicio de janeiro vovó Julia ficou doente, vovô Chico levou ela para Uberlândia no medico, no dia seguinte ele voltou à fazenda para pegar umas roupas, ela teria que ficar internada. Vovô Chico chamou Rubens e disse a ele: você cuida de André, não o deixa sair a sozinho a cavalo, e vem dormir aqui na sede, faz companhia a ele… Eu e Rubens ficamos dormindo sozinho na sede… Ele veio dormir em meu quarto, minha cama ficava junto à janela e a dele perto da porta… Na segunda noite, estava conversando com a luz apagada, era lua cheia, pela beirada do telhado entrava uma claridade que era quase dia… Falei: a lua esta muito clara, se abrir à janela da ate para ler… Rubens perguntou se queria que ele abrisse a janela… Disse que sim. Rubens levantou e caminhou ate a janela, ele estava colado a minha cama, quando ele abriu a janela entrou um clarão de cheio sobre seu corpo, iluminado ele como se estivesse sobre um refletor… Levei um surto… Rubens estava completamente nu e com o pau super duro, muito próximo de mim, era muito grande, nunca tinha visto uma rola assim, não sei exatamente como aconteceu… Mas pelo impulso peguei na rola dele e fiquei segurando, ele olhava para minha mão…. Tive desejos na hora de chupar aquele pau, de ficar segurando, era grosso e grande, não cabia direito na minha boca… Fiquei com o pau super duro também… Ele ficou em pe ao lado da cama, depois deitou comigo… Ficamos esfregando um no outro, pegando no pau, chupando… Ele só pegava no meu pau batendo uma punheta sem falar nada ate gozar… Do pau dele saiu tanta porá que melou toda cama… Eu segurava o pau dele sem querer soltar… Logo estava duro de novo em minha mão… Fiquei punhetando ele lentamente… Depois chupei de novo… Fiquei um tempo passando a língua na cabeça Ele pegou meu pau e ficou batendo uma também… Ele começou a beijar meu pescoço, depois minha orelha… Eu fiquei quieto… Sentia uma coisa diferente no cu… Deitei de lado colocando meu corpo colado ao dele, ele colocou o pau entre minhas perna e ficou me apertando firme, passando a língua na minha orelha.. Comecei a gozar… Ele gozou de novo… Acordamos já de madrugada, estava com frio, fechamos a janela, ele foi para sua cama… Durante o dia, não falamos nada sobre a noite anterior… Pouco depois de escurecer, já estávamos no quarto para dormir… Estávamos tímidos, ele deitou na cama dele, ficamos conversando, podia sentia a respiração um do outro, levantei e disse que ia beber água, quando voltei pela claridade da porta pude ver Rubens nu e de pau duro… Não fechei a porta, fui direto ao seu pau e peguei, abaixei e o coloquei na boca… Ele fazia carrinho em minha cabeça… Deitei na cama dele… Ficamos abraçados, ele beijou meus lábios devagar, depois ficou alisando meu corpo… Pegando na minha bunda… Eu estava muita tezão… Ele levantou e agachou ao lado da cama… Beijou todo o meu corpo, chupou meu pau… Depois beijou minha bunda, levantou minhas pernas e ficou beijando meu cu… Fiquei tão excitado que gozei logo… Ele continuou a lamber meu cu, depois ficou enfiando o dedo… Ele deitou ao meu lado… Peguei seu pau e bati uma punheta ate ele gozar… No outro dia, depois do almoço saímos a cavalo e fomos tomar banho de rio… Ficamos nus… Entramos num matinho e ficamos chupando o pau um do outro… Ele enfiava o dedo no meu cu… Eu tinha muita tezão… Depois desse dia, passamos a falar abertamente de nossa tezão… Ele dizia que queria entrar em mim… Que eu seria a putinha dele, que ia me comer todo… Eu falava que a pau dele era gostoso e que eu não iria agüentar ele todo… Ele passou a colocar a cabeça do pau contra meu cu e forçar para entrar, doía muito… Uma noite levantei e peguei a manteiga de leite de vovó que era sem sal, ele chupou muito meu cu, depois passou a manteiga de leite no pau e no cu… Estava desejando dele me comer… Estávamos deitados de lado, ele forçou, doía muito… Ficamos parados… Quietinho… Acho que relaxei e a cabeça do pau entrou, ele empurrou mais um pouco e foi penetrando minha carne quente… Comecei a gozar, doía, mas o prazer maior… Ele foi entrando, entrando ate que entrou tudo… Falei para ele ficar parado… Ficamos quietos… Sentindo aquele fogo no cu… Depois comecei a sentir que estava querendo gozar de novo, comei a falar para ele me comer, para não parar… Ele comeu a beijar meu pescoço e a me fuder mais forte, mais forte… Ate gozar… Gozamos juntos… Depois desse dia ele passou a me comer todas as noites, gozava as vezes com ele me comendo, sem tocar o pau… Vovó ficou 22 dias no hospital, Vovô Chico veio à fazenda algumas vezes e voltava para cidade… No meio do mês de fevereiro minha mãe veio à fazenda e me levou embora… No dia anterior a minha partida saímos a cavalo e fomos para o nosso local na matinha perto do rio, ficamos abraçados… Ele me beijou muito, não fizemos sexo… Rubens chorou e disse que já sentia saudade, que me amava… Que não ia me esquecer… Disse que voltaria nas ferias de julho… Partimos para São Paulo na madrugada seguinte… Em julho não voltei a fazenda, só no final do ano seguinte, Rubens não trabalhava mais lá… Vovô Chico disse que ele tinha se demitido logo após nossa partida… Que não tinha noticias dele… Uns cinco anos depois Zé Vaqueiro me disse que ele tinha passado pela fazenda e perguntado por mim, que tinha casado e morava no município de Vazante, perto de Patrocínio… Vinte anos depois, meus avós tinham falecidos, Zé já não era mais vaqueiros, minha mãe e seus irmãos resolverão vender a fazenda, eu era advogado em Belo Horizonte, fui encarregado da venda… Aproveitei um feriado prolongado e fui para fazenda, que estava muito abandonado, sem a energia de Vovô Chico, fiquei só na casa sede… O novo vaqueiro casado de novo pouco aparecia, Na sexta feira a tarde estava sentado na varanda da frente quando desceu uma moto pela estrada, o motoqueiro parou na frente da sede, tirou o capacete, olhou para mim e perguntou: Seu André? Olhei para ele, não podai acreditar era Rubens… Muito mudado, diferente, gordo, com a cara envelhecida… Sou eu e você é o Rubens? Ele sorriu, só ai eu não tive mais duvidas, era meu vaqueiro, meu amante de adolescência, o homem que fazia parte de todo os meus sonhos… 20 anos tinha se passado… Ficamos nos olhando, calados… Depois ele disse o senhor não mudou muito, esta mais apessoado agora… Não me chama de senhor, somos amigos… O tempo não apaga as boas lembranças, as coisas boas da vida… Eu estava muito excitado, sentia o pau duro… Tinha esperado muito esse encontro… Ele disse que queria beber água… Entramos na casa escura já era quase noite, o fogão apagado… Sentamos na cozinha e ficamos conversando, ele acendeu o fogo… Ele tinha casa
do, tinha três filhos, eu também já estava casado com minha segunda mulher.. Depois ficamos relembrando da fazenda do passado… Eu estava um pouco sem graça… Mas acabei perguntando: e você, depois daquela época transou novamente com homem? Ele sorriu sem graça e disse: nada, fiquei muito triste com sua partida… Aquilo foi muito diferente… Ate hoje tenho muita saudade de nossas brincadeiras… Olhei para ele e disse: eu nunca esqueci você, sonhei muito em lhe reencontrar e fazer com você tudo que fazíamos antes… Estou muito feliz de você esta aqui… Ele me olhou e disse: o senhor não me quer mais, sou um homem velho, maltratado já não sou mais jovem… Olhei para seu pau, duro que fazia um enorme volume na calça… Ele olhou para o pau e disse: o senhor me deixa assim, parecendo menino… Levantei, fechei as janelas da cozinha, a porta da sala já tinha fechado… Fui ate ele e abri sua braguilha e tive a grande surpresa de reencontrar aquele pau lindo, maravilhoso, muito maior e mais grosso que nos meus sonhos e lembranças… Chupei ate-o gozar na minha boca… Depois fomos para o banheiro e tomamos banho junto… Fomos para uma cama de casal e amamos a noite toda… Ele era tranqüilo, forte, seu corpo maltratado dava a ele uma energia diferente de outros homens que tinha conhecido, era um macho que sabia tratar um outro com desejo e carrinho, rude e sereno, firme e ciente do que tinha que fazer… Nunca tive tanto prazer em minha vida, nunca fui tão possuído como naquele final de semana… Ele me perguntou se tinha tido outros homens… Tive vontade de falar para ele do Bombeiro (isso eu conto em outro conto) que conhece em São Paulo depois que fui embora da fazenda, de outras transas… Mas achei que seria melhor ficar só eu e ele naquele segredo do passado e presente… Como era sexta feira… Rubens pode ficar sábado e domingo comigo, ficamos em nossa lua de mel particular… Ele foi embora segunda pela manha e nunca mais tive noticias dele. Ainda tenho saudade de sua mão me tocando o corpo, de sua boca e é claro daquela rola maravilhosa… Se você é homem, casado, ativo, dotado e gosta de outro homem casado, passivo, discreto, macho e safado de noticias…

Uma troca de casal inesperada…

Ola! Me chamo Felipe minha esposa Priscila, ambos temos 32 anos e somos casados a 7. Desde antes de casar eu sentia vontade de algo diferente como o sexo a 3 fazendo eu ela e outra mulher ou até mesmo uma troca de casal, mas nunca tinha tido coragem de comentar com ela sobre o assunto. Há alguns meses conheci Fernanda uma menina na internet e ficamos muito amigos… Conversamos sobre tudo, inclusive assuntos de sexo. Ela tem um namorado e já estão tambem falando em casamento… Com o passar do tempo fui me apaixonando por Fernanda e queria a todo custo ve-la, mas nao sabia como isso iria acontecer.Imaginei que se minha esposa soubesse da minha fantasia de fazer a 3 ou uma troca de casal e por um milagre ela topasse, talvez fosse a unica chance de ver Fernanda… Então comecei a imaginar como falaria com ela, achei até que nao conseguiria falar, mas uma determinada noite quando voltamos de um aniversário ja bem tarde da noite decidi não ir ate em casa e dormiriamos no motel ela topou na hora e assim foi, enquanto transavamos muito gostoso passava na tv um filme com sexo a 3 so que com 2 homens e 1 mulher, e decidi puxar o assunto. Amor, tinha coragem de algo assim? mas lógico que com outra mulher e não outro homem, de inicio ela disse não sei! E isso pra mim já foi até bom… continuamos transando. E quando terminamos ainda deitado puxei denovo o assunto… e ela disse, espertinho neh!? So com outra mulher, se fosse outro homem vc não toparia! Ai falei não mesmo… eu até acho q toparia uma troca de casal, pq so assim não iria so ver alguem te comendo… e pgtei a ela se ela toparia assim… e pra minha surpresa e alegria ela disse que acha que sim!Voltando a minha linda amiga Fernanda, contei tudo a ela, e pedi que ela convencesse o namorado e tal, ela achou muito dificil mas ficou animada com a situação e disse q tentaria… Nao queria ser direto com minha esposa e dizer que ja tinha alguém, dai entao pgtei se ela num teria algum casal e tal, ela disse que de jeito nenhum nao falaria com alguem conhecido dela, ai fingi pensar em alguém, disse que conhecia uma menina mas era de outro estado que eu fiz um curso com ela junto em Sao Paulo, nao sabia se ela toparia mas iria tentar… mostrei fotos a ela e ela disse q daria certo, pelo menos era distante da nossa cidade num teria perigo… Quando fui falar com Fernanda a noticia ela me veio com uma agua fria, dizendo q falou com o namorado mas q ele disse q era estranho, que nao conseguiria e tal… Caiu meu chão, mas ainda assim falei q a esposa tinha topado e tal, ela não acreditou ficou bem triste… Ja tinha perdido a esperança quando uns 2 dias depois Fernanda me disse que iria da certo, convenceu o namorado!A partir dai tudo foi se organizando, conversávamos os 4 algumas vezes pelo skype, whatsappp…. marcamos para no mês de outubro irmos na cidade proxima a deles e eles nos encontrariam lá. Ansiedade estava enorme, não via a hora de tudo acontecer… Viajamos e quando chegamos no hotel da cidade combinada eles ja estavam lá… Fernanda lindaaaaaaa de deixar de queixo caído, muito cheirosa e com um vestido cinza bem colado no corpo, abracei ela como se fosse acabar o mundo, e quase esqueço de cumprimentar Marcelo o seu noivo… Conversamos um pouco e combinamos de nos encontrar logo mais, so iriamos desfazer as malas e tomar banho e desceriamos pra piscina do hotel…Assim fizemos uns 1h depois estavamos os 4 na piscina,  minha esposa colocou um biquini bem sensual, tava tão linda que não aguentei, antes de sairmos do quarto chupei muito sua bucetinha, mas decidimos não ir além, não ainda! Fernanda estava deslumbrante, foi lindo ver ela de biquini e ja desejando mais ainda ter ela pra mim… ficamos um tempo na piscina, conversamos bastante até entrar no assunto da troca e tal… O namorado ainda se mostrou um pouco incomodado mas aos poucos na conversa foi se soltando… uma tarde otima mas o que esperar da noite… A noite jantamos todos juntos no hotel e decidimos ir pro quarto… fomos para o nosso, antes combinei com a esposa que ja ia beijar Fernanda e tal e assim que ela visse fizesse isso com Marcelo, pra tipo, não dá tempo de criar clima de ciumes e tal… Assim fiz quando entramos sentei em um sofazinho que tinha no quarto e quando Fernanda passou segurei ela e sentei no meu colo ja beijando a boca dela, logo em seguida minha esposa ao lado de Marcelo ja abraçou ele e se beijaram também… quando vi isso acontecer fiquei mais tranquilo saberia q iria acontecer…kkkk beijei muito Fernanda pra matar toda a vontade e a paixão que tenho por ela… e enquanto beijava fui colocando a mao por baixo do seu vestido, e senti a bucetinha dela ja bem molhada… fui tirando o vestido por cima e quando seua lindos seios saltaram do vestidos beijei eles como se fosse devora-los, ela entao ficou so de calcinha ali e foi abrindo o zíper da minha bermuda, lembrei na hora que ela tinha me dito que queria me chupar na frente dele olhando pra ele para provoca-lo… assim ela fez, tava louco ali sendo chupado por Fernanda e a esse momento Marcelo ja estava chupando a buceta da minha esposa também… Sentei no sofá e pedi que fernanda ficasse em pé nele, tirei sua calcinha e comecei chupar a buceta dela ali também, que delicia!!!! O clima era tão intenso, um tesao enorme tomando conta do ambiente… Minha esposa e Marcelo estavam na cama, e nessa hora fomos pra la também, Fernanda ficou de 4 e pediu que eu metesse na sua bucetinha que ela queria sentir meu pau dentro dela, assim fiz e meio q um copia o outro Marcelo e a esposa fizeram do mesmo jeito, agora estavam ali as duas de quatro e a gente metendo… Ficamos assim boa parte até que Marcelo disse que iria gozar e pra minha surpresa minha esposa se ajoelhou e pegou o pau dele, pra ele gozar na boca dela, ate q nessa hora deu um ciuminho… mas meu tesao em Fernanda tava muito alem disso… ainda ficamos um tempo transando na cama enquanto Marcelo e minha esposa nos assistia, ate que eu também anunciei q iria gozar e Fernanda pra minha alegria fez o mesmo se ajoelhando e colocando na boca pra eu gozar na boca dela… Tomamos banho e conseguimos ainda assistir um filme depois disso. Depois do filme, pedimos comida no quarto e transamos novamente, dormimos todos no mesmo quarto nesse dia. Quando estavamos fora do quarto cada um ficava com a sua mulher, so quando estavamos no quarto ai trocavamos… Foram 4 dias maravilhos, e ja programamos nos encontrar novamente no inicio de 2019.

Descobrindo o prazer com o Sr. Augusto.

Descobrindo o prazer com o Sr. Augusto.   Olá a todos, meu nome é Ângela, morena clara, olhos verdes, 1,65m, 29 anos, 58 kg, médica cardiologista. Meu marido se chama Carlos, 43 anos, moreno claro, 1.75m, 88 kg, executivo de uma multinacional. Desde o início do nosso casamento optamos por um relacionamento aberto e podemos afirmar com convicção que somos muito mais felizes que a maioria dos casais que juram perante Deus amor eterno. Juram de serem fiéis uns aos outros até que a morte os separe, mas, basta surgir uma oportunidade para jogarem por terra o juramento sagrado e viverem num mundo de traições e contradições.   O que passo a escrever a seguir é a história de um casal amigo, Ana Carolina e Marcos que hoje também fazem parte do nosso pequeno e seleto grupo que compartilham conosco momentos inesquecíveis de aventura e prazer. Por ser uma história muito longa, passarei a contar por partes para não ficar muito cansativa a leitura.Ana Carolina a “Carol” como gosta de ser chamada, é uma leitora assídua de contos eróticos, portanto não tive como negar quando me pediu para que contasse sua história. Vou tentar escrever de maneira sucinta e explícita para não tirar a originalidade e veracidade dos fatos. Vamos ao conto:Início:   Quando meu marido chegou em casa radiante de alegria tive esperança que nossos dias de sofrimentos estavam chegando ao fim. Mesmo vindo de uma família humilde nunca tínhamos passado por uma crise tão ruim como a que estávamos atravessando. Não era por falta de procurar o que fazer, pois saíamos cedo todos os dias atrás de emprego, mas por termos pouco estudo e sem capacitação alguma no mercado de trabalho, o não se tornou uma constante em todas as oportunidades de novos empregos. Perdi a conta de quantas vezes tivemos que fazer uma refeição ao dia por não ter nada para cozinhar. Por mim teria desistido de tentar a vida na cidade grande para voltar ao campo, pois lá pelo menos era sofrido, mas tínhamos alimentos para por na mesa, além de estarmos perto de nossas famílias.   A grande experiência que tínhamos na lavoura de pouco valia aqui na cidade grande. Nós vivíamos de alguns bicos que meu marido fazia indicados por conhecidos que sabiam das dificuldades que passávamos, enquanto eu me virava como diarista em casas de famílias, mas o que recebíamos mal dava para pagar aluguel, luz, água e demais despesas pessoais.   Tinha apenas 18 anos e Marcos 28 quando casamos. Desde menina sempre fui apaixonada por ele, minha família no começo foi contra nosso namoro por ele ser 10 anos mais velhos do que eu, mas com o tempo conhecendo melhor o Marcos mudaram de opinião e abençoaram nosso casamento.   Marcos além de ser responsável, trabalhador, também é um homem lindo de morrer. 1,85m, 90 kg, moreno claro, olhos verdes, forte, corpo definido não forjado em academias de musculação e sim pela lida dura no campo. O que mais adorava no meu marido era o censo de humor, Marcos tinha facilidade de me fazer sorrir mesmo quando estávamos atravessando a pior fase da nossa vida. Outra de sua qualidade era lutar por aquilo que queria, nos dois anos que estávamos junto já conhecia o suficiente para saber que desistir de seus sonhos era algo que sequer passava pela cabeça.   Vou falar um pouco sobre mim. Sou morena clara, 1,65m, olhos castanho claros, cintura fina, pernas e coxas bem torneadas, a minha bunda é a parte do corpo que mais gosto, nada a mais nem a menos, a medida certa para a minha estatura. Os meus seios são médios em formatos de peras, e por ainda não ter filhos continuam durinhos, modéstia a parte, me considero uma mulher bonita.   Se fosse uma mulher fácil estaria bem melhor, pois cantadas, elogios e gracinhas ouvia todos os dias, inclusive minha maior dificuldade era lidar com isso. Nas casas em que trabalhei como diarista, os homens bastava uma oportunidade de ficar a sós comigo me cantavam descaradamente, às vezes tinha que ameaçar contar para suas esposas para me livrar dos mais afoitos.   Em uma casa em que trabalhei um senhor já com seus 60 e tantos anos, loiro, alto, cabelos grisalhos, até que bonitão, teve a ousadia de sair do banheiro com um imenso cacete meio duro na palma da mão e na minha frente ficou alisando e apertando aquele trambolho me comendo com os olhos com a maior cara de safado. Por um momento fiquei paralisada sem saber o que fazer olhando para o descaramento daquele velho asqueroso se mostrando de forma tão ridícula, bastou perceber sua esposa se aproximando ele sorriu pra mim e disfarçadamente saiu da sala.   Para uma menina criada no interior educada por um sistema rígido, aquilo era o fim dos tempos, não imaginava que poderia ter alguém no mundo tão cara de pau para agir daquele jeito na frente de uma jovem que tinha idade para ser sua neta, ainda mais com sua esposa a poucos metros de onde estávamos! Passado o susto, dei uma desculpa pra dona da casa e fui embora sem ao menos receber pelo serviço que tinha feito.   Na volta pra casa ia imaginando o que poderia acontecer se Marcos ficasse sabendo, me deu até um calafrio na espinha. Não que fosse ignorante em relação a sexo, pelo contrário, meu marido me ensinou a ser bem safadinha. Dentro do nosso quarto, o céu é nosso limite.   Quando Marcos todo sorridente me abraçou dizendo que nossos dias ruins estavam por acabar, senti certo alívio no coração por não ter que rever aquele velho asqueroso se mostrando para mim de forma tão idiota, nojenta e vulgar.   Fiquei super feliz quando meu marido disse que estávamos prestes a sermos contratados para cuidar de uma chácara nas redondezas de Curitiba, pois um industrial muito rico dono de uma metalúrgica de renome na capital, estava com dificuldade de arranjar um casal jovem, sem filhos que tivesse experiência no campo. Marcos disse que a moça do RH falou que tínhamos o perfil ideal de quem o industrial estava procurando, só faltava à maldita da entrevista para que começássemos a trabalhar, e o melhor de tudo era que eu também teria meu salário para trabalhar na casa do patrão.   Chegou o dia da entrevista, tanto eu como Marcos, estávamos ansiosos e com os corações nas mãos de medo de sermos recusados pelo tal industrial. A entrevista foi marcada no local em que trabalharíamos caso fôssemos aprovados.    Coloquei meu melhor vestido, um pretinho básico pouco acima do joelho que delineava meu corpo. Caprichei na maquiagem cuidando dos exageros, pois não queria parecer vulgar, pelo contrário, queria causar uma boa impressão nos nossos “futuros patrões”. Marcos também caprichou no visual, vestiu um jeans, uma camisa social bege de manga comprida e sapato social, meu marido como sempre estava um gato, quando me viu, pelo sorriso no rosto percebi que também estava agradando.   Chegando ao local ficamos maravilhados pela beleza do lugar. A casa enorme parecia de novelas, uma verdadeira mansão cercada por árvores altas e frondosas. O chão era todo coberto por um gramado que mais parecia um imenso tapete verde e ao lado da casa uma enorme piscina. Pra nós aquilo tudo era um sonho, eles viviam em um mundo totalmente diferente do nosso. Comentei com meu marido, é tudo tão maravilhoso, só falta serem uns metidos a bestas que gostam de humilhar os empregados. Marcos balançou a cabeça concordando, mas ficou em silêncio admirando aquele paraíso.   Fomos recebida por uma senhora sorridente e educada que nos levou até um escritório enorme todo decorado. Atrás da mesa havia uma estante repleta de livros, e na parede vários quadros lindos e de muito bom gosto. Fiquei imaginando o valor de cada um deles.Nossas mãos estavam suadas tamanha o nervosismo tanto meu quanto do meu marido. Der repente entra um casal de meia idade, todo sorridente fazendo de tudo para nos deixar bem à vontade. O primeiro
a se apresentar foi o Sr. Augusto, um senhor da altura do Marcos, mais ou menos 55 anos, branco, corpo atlético, cabelos grisalhos, olhos negros, resumindo, um homem bonito, educado e encantador. No rosto daquele senhor irradiava simpatia, deu pra perceber logo de cara que de ranzinza não tinha nada, pelo contrário, mostrou ser uma pessoa muito humilde em relação aos bens em que possuía.   Dona Lúcia uma senhora loira, mais ou menos 1,70m, olhos verdes, um corpo esculpido em academias, seios siliconado, mas sem exageros. Sua pele bem cuidada combinava com o bom gosto de se vestir. Olhando para aquela mulher, ninguém daria mais que trinta anos, mesmo já tendo passado dos quarenta. Eles faziam um casal perfeito, tanto dona Lúcia como seu Augusto faziam de tudo para que sentíssemos em casa.   Assim que fomos apresentados, percebi de imediato que tinha agradado o Sr Augusto, pois o peguei vária vezes disfarçadamente com os olhos nas minhas coxas e nos meus seios. O decote do meu vestido não era tão cavado, mas dava para ter uma ideia do que estava escondido dentro dele.   Marcos conversava animadamente com seu Augusto e dona Lúcia. Tudo levava a crer que tínhamos caído no gosto do casal. Quando seu Augusto e dona Lúcia disseram que éramos o casal que estavam procurando, não tive como esconder as lágrimas que teimavam em cair dos meus olhos, Marcos me abraçou também felicíssimo. Dona Lúcia toda amável pegou em nossas mãos olhando em nossos olhos disse:   – Meninos, a partir de hoje vocês vão fazer parte desta família, por isso não nos decepcionem, tenho certeza que seremos muitos felizes em nossa convivência. Seu Augusto aproveitando a deixa olhou pro meu marido e falou:   – Nossa política é dar oportunidade a todos nossos colaboradores, aliás, estão substituindo um casal que hoje ocupam cargos de confiança na metalúrgica. Se for de seu interesse temos convênio com o SENAI, à empresa cobre as despesas com o curso que escolher, pense sobre o assunto e se estiver interessado fale comigo.Seu Augusto chamou um vigilante e ordenou que nos mostrassem a casa onde iríamos ficar. Também mandou anotar nosso endereço para que no dia seguinte mandasse um caminhão buscar nossa mudança.A casa era bem aconchegante, com duas suítes, sala, copa, cozinha, e um banheiro no corredor. Ao fundo ficava uma edícula com churrasqueira, mais um banheiro e um quarto que servia como lavanderia. Todos os cômodos eram espaçosos e bem arejados, o acabamento era como tudo naquele lugar, impecável.Marcos e eu andávamos de um lado para outro como criança em um parque de diversão. Falei pro Marcos:   – Não temos tantos moveis para encher essa casa. Marcos falou que aos poucos iríamos comprando, e logo estaria toda mobiliada. Marcos disse que assim que nos instalássemos na nova moradia, iria matricular-se no curso de tornearia e que nunca mais passaríamos por necessidades novamente.No dia seguinte pela manhã o caminhão encostou-se à frente de casa, não tínhamos muito que levar, portanto em pouco tempo deixávamos o barraco em que morávamos para recomeçarmos em um lugar onde nunca teríamos vergonha em receber nossos parentes e amigos. Com certeza nosso novo emprego seria um divisor de águas em nossa vida.Após termos nos acomodados na casa, percebemos que os nossos moveis não combinavam de jeito algum com o padrão do imóvel, mas no momento estávamos com o saldo zerado no banco.Marcos ficou encarregado de manter o terreno sempre limpo, o gramado bem aparado e o mais importante era uma horta gigante com uma variedade enorme de hortaliças que abasteciam a casa e o restaurante da metalúrgica.Eu como combinado fui trabalhar na casa dos patrões. Na casa trabalhava uma cozinheira, duas senhoras que cuidavam da limpeza, eu fiquei como camareira e serviços gerais. Todos me receberam muito bem, sempre amáveis e atenciosos comigo principalmente o Sr. Augusto.Não demorou muito para perceber que o casamento deles era um casamento de fachada, fiquei sabendo que houve muito interesses das duas famílias em juntar suas fortunas.Dona Lúcia vivia mais fora do que em casa, viajava o tempo todo, tinha mês que mal via ela, pois quando não estava viajando, preferia ficar na cobertura que tinham em um bairro nobre da cidade, seu Augusto ao contrário da esposa, adorava a chácara.Com o passar do tempo fui notando que seu Augusto dedicava uma atenção especial a mim. No começo achei normal, pois achava que estava tentando me agradar, mas as mulheres tem o dom de captar algo diferente no ar, então comecei a me policiar para deixar bem claro que era uma mulher de respeito e que amava meu marido, mas mesmo assim as investidas do Sr. Augusto continuavam.Certo dia estava arrumando o quarto do casal e distraidamente me agachei para organizar os chinelos e pegar algumas roupas que estavam espalhadas pelo chão, levei um susto enorme e me levantei rapidamente quando vi seu Augusto parado na porta me observando. Fiquei vermelha de vergonha porque naquele dia estava usando uma saia curta, com certeza ele teve uma bela visão da minha bunda e da calcinha que usava, pois não tinha como ignorar o volume que formou na calça social que ele usava naquele dia.Quando fui sair do quarto pedi licença ao Sr Augusto, mas ele ficou imóvel me observando. Como ele não saía do lugar, mesmo me encolhendo o máximo que podia, não tive como escapar de algo duro espetando minha bundinha. Na hora lembrei-me do velho tarado que se masturbou na minha frente e pensei comigo: “Os homens são todos iguais, pensam que as mulheres são meros objetos de prazer que usam e depois jogam fora”. Puta da vida olhei pra ele e falei:   – Sr. Augusto, não gostei nem um pouco do que acabou de acontecer aqui, o Sr sabe muito bem que eu e o Marcos precisamos demais deste emprego, mas nem por isso vou me sujeitar às safadezas que passam por sua cabeça. O Sr sabe muito bem que sou casada e respeito meu marido, nem quero imaginar o que acontecerá quando ele souber que está dando em cima de mim.   – Sei muito bem o que senhor quer comigo. Seu Augusto me abraçou carinhosamente por trás fazendo questão que sentisse seu membro rígido cutucando minha bundinha. Colou sua boca em meu ouvido e com voz suave quase sussurrando me disse:   – Calma princesa! Não sei o porquê desse escândalo todo, é muito normal um homem sentir atração por uma mulher jovem e bonita como você, seu marido é um homem de muita sorte e o invejo por isso, sabia?   – Sei que gosta do seu marido e isto é muito louvável! Acho bonito o amor de vocês, mas o que quero que entenda é que somos pessoas livres e ninguém é propriedade de ninguém!   – O tempo fará você perceber que a vida será bem melhor quando as pessoas conseguirem diferenciarem amor e sexo.Meu coração disparou e minhas pernas amoleceram sentindo aquele homem todo cheiroso com fala mansa, me abraçando, se esfregando na minha bunda e eu ali completamente indefesa sem saber o que fazer. Ele continuou:   – O mundo às vezes oferece oportunidades que devemos agarrar com unhas e dentes, pois poderá ser a única em toda uma vida.   – O sucesso assim como o fracasso caminha lado a lado, o que definirá entre um e outro são as escolhas que fazemos ao longo do tempo.Antes de me soltar seu Augusto levou as mãos nos meus seios por cima da camiseta apertando os delicadamente, me forçando contra seu corpo falou:   – Princesa, pense bem antes de tomar decisões precipitadas, pois poderá se arrepender no futuro!   – Promete que vai pensar com carinho sobre o que te disse?Um nó na garganta me impedia de responder as perguntas que seu augusto me fazia. Sentia-me como uma fera acuada nos braços daquele homem sedutor que continuava acariciando meu corpo tocando nas minhas partes íntimas como se fosse à coisa mais natural do mundo.    – Fala alguma coisa princesa, não precisa ter medo
de mim, não vou fazer mal algum pra você, confia em mim!Por mais que tentasse não conseguia responder, quanto mais encarar aquele homem que fazia meu corpo arder por dentro, então fiquei imóvel olhando para o chão enquanto flutuava sentindo aqueles braços fortes me apertando de encontro ao seu corpo.   – Princesa, amanhã é domingo, Lúcia está fora e não tenho nenhum compromisso agendado, então farei uma visita para ver como ficou a casa de vocês está bem?   – Vou ficar a noite toda imaginando você todinha nua ao meu lado na cama.    – Agora vai princesa! Vai pra casa cuidar do seu maridinho! Até amanhã.Quando cheguei a nossa casa dei graças a Deus por Marcos já ter saído para o curso, pois não tinha mais lágrimas em meus olhos de tanto que já tinha chorado. Com certeza meus olhos vermelhos me denunciariam e Marcos ia querer saber o motivo por chegar naquele estado.Estava na dúvida se contaria pro meu marido ou não. Demoramos tanto tempo para conseguir o emprego e Marcos estava tão feliz trabalhando e estudando! Estava decidida, com certeza arranjaria uma maneira de lidar com Seu Augusto. Se fosse aos dias de hoje não hesitaria em denunciá-lo por assédio sexual, mas na época achei que não seria uma boa ideia, pois a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, sem contar que ainda poderia sair prejudicada no final daquela história.Sempre quando meu marido chegava, já estava dormindo, mas naquela noite não consegui pregar os olhos. Quando Marcos entrou e me viu acordada, todo feliz me abraçou dizendo que seu Augusto ia liberá-lo na parte da tarde quando fosse fazer o estágio, e o melhor que não descontaria do salário as duzentas horas que o curso exigia.Deu-me uma dor no peito ver meu marido todo feliz fazendo planos para o futuro, mal sabia ele o preço que eu teria de pagar para que ele realizasse seus sonhos.Aquela noite pra mim foi um martírio, me virava na cama e não conseguia fechar os olhos pensando em tudo que seu Augusto me disse. Tinha medo de tomar a decisão errada, mas de uma coisa tinha certeza, não queria voltar ter a vida que levávamos antes de irmos pra chácara, além do mais, não seria tão ruim assim atender os caprichos do Sr Augusto, afinal ele não era de se jogar fora.    Pensei em quantas mulheres não daria tudo para ter um homem como ele aos seus pés, só não sabia se na hora h teria coragem de levar adiante, pois Marcos até o momento tinha sido o único homem em minha vida.Quando me casei não sabia quase nada sobre sexo, pois esse assunto era tabu em casa. Só fui sentir prazer de verdade mais ou menos uma semana após ter perdido meu cabacinho, sentia muita dor, pois o pau do meu marido era um pouco acima da média. No início tinha nojo quando Marcos pedia para chupar seu pau. Rezava para que não pedisse para comer meu cuzinho, pois toda tentativa acabava em desistência por ainda não estar preparada para aguentar aquela tora dentro do meu anelzinho, a dor era quase insuportável, mas o que nós mulheres não fazemos para agradarmos nossos homens não é mesmo? Só eu sei como sofri pra conseguir aguentar 20 cm de pau no meu rabinho, coisa que hoje não conseguiria viver sem. Hoje adoro dar meu cuzinho pro meu maridinho, assim como também adoro chupar seu pau. Quando Marcos goza na minha boca faço questão de olhar pra ele enquanto engulo todinho.Quando dei por mim, estava com os dedos na minha bucetinha me masturbando pensando no Seu Augusto esfregando seu pau na minha bundinha e me dizendo coisas nos ouvidos. Pelo que senti, aquele homem era dono de uma senhora ferramenta. Gozei bem gostoso imaginando seu Augusto arrombando minha bucetinha e nem me senti culpada por trair meu marido em pensamentos, o que mais me preocupava era o que seria de mim se Marcos descobrisse. O que meus pais achariam em saber que tinha uma filha putinha, pois pra eles mulher que trai marido é vagabunda. Dormi com minha bucetinha ensopada pensando como seria o pau do meu patrão.Acordei um pouco tarde no domingo. Quando ouvi a voz do Sr Augusto na sala me lembrei da visita que ele falou que nos faria, aí sim me bateu certo arrependimento e me senti um pouco culpada pelos pensamentos que tive a noite com ele. Enquanto o Sr Augusto esteve em casa evitei o máximo olhar em seus olhos, mas toda hora que meu marido se distraía, ele não tirava os olhos de mim tentando adivinhar o que se passava na minha mente. De uma coisa ele tinha certeza, não tinha contado nada pro Marcos, se não a conversa que estavam tendo seria bem diferente. Marcos fez questão que Sr Augusto almoçasse conosco. Senti um pingo de ironia em seu rosto quando ele olhou para mim e disse sorrindo que não era tolo a ponto de recusar, pois minha comida deveria ser ótima. Já era tarde quando seu Augusto foi pra sua casa. Quando ele saiu, senti um pouco envergonhada por nossos moveis serem bastante usados, mesmo porque ele estava acostumado com tanto luxo.Seu Augusto viajou a negócios e só retornou uma semana depois. Quando o vi chegando senti um calafrio na minha barriga, aquele homem com certeza me perturbava, ainda mais sabendo que não tinha contado nada pro meu marido sobre a conversa que tivemos.Seu Augusto entrou em casa, cumprimentou uma por uma de suas empregadas, e quando chegou a mim disse:   – Tudo bem princesa? Acompanhe-me até o quarto, pois quero que desfaça minhas malas. Sabia que era apenas um pretexto para ficar a sós comigo e não tinha como recusar, portanto o segui com o coração na boca já prevendo o que estava prestes a acontecer. Foi só entrar no quarto seu Augusto fechou a porta e me abraçou me apertando contra seu corpo.Seu Augusto tentou me beijar, mas não permiti que sua língua entrasse em minha boca. Suas mãos passeavam por meu corpo habilmente. Enquanto uma mão apertava meus peitinhos à outra desceu para a minha virilha. Logo senti minha bucetinha sendo empalmada, apertada e eu flutuava no ar sem saber como reagir. Quando senti seus dedos penetrando fundo na minha bucetinha resolvi dar um basta, pois estava perdendo o controle da situação.Empurrei Seu Augusto que estava com a boca nos biquinhos dos meus peitinhos e disse já quase sem fôlego:   – Pare com isso seu Augusto, isto já foi longe de mais!   – Não é certo o que estamos fazendo!   – Se dona Lúcia descobrir ela vai me matar! Como vou encarar meu marido quando ele descobrir nossa safadeza?Seu Augusto angustiado me disse:   – Já falei pra você não se preocupar com a Lúcia!   – Se é disso que tem medo, se acalme! Nós temos um relacionamento aberto, tanto eu como ela, temos total liberdade para escolher nossos parceiros!   – Quando a Lúcia ficar sabendo, será a primeira a nos apoiar, afinal vocês estão trabalhando conosco hoje foi por consentimento dela, pois é ela que escolhe quem trabalha em nossa casa.Com o coração acelerado e também gaguejando disse ao Seu Augusto:   – Mas e o Marcos? Ele não é liberal assim como vocês, ele será capaz de nos matar se pegar a gente na cama.      – Ele só vai saber se você contar princesa!   – Sr. Augusto, pensei e repensei mil vezes em tudo o que o senhor me disse naquele dia. Juro que estou tentando, mas está sendo muito difícil pra mim!   – Prometo que quando estiver preparada será diferente, basta o senhor ter um pouco mais de paciência comigo.   – Princesa, você terá todo o tempo que precisar, mas, por favor, agora você não pode me deixar neste estado. Seu Augusto pegou minha mão e colocou sobre seu pau. Senti em minha mão a quentura daquele pau enorme com a cabeçona vermelha e veias da grossura dos meus dedos em toda a sua extensão. Minha mãozinha mal conseguia fechar em torno daquele mastro. Era a primeira vez que sentia em minhas mãos o caralho de um homem que não fosse o do meu marido. Comparando com o do meu marido, a diferença era a grossura, aquelas veias estufadas e alguns cen
tímetro a mais, olha que meu marido tem 20 cm de pau medido e conferido por mim.Seu Augusto olhando nos meus olhos disse:   – Princesa, claro que te entendo, mas você também tem que me entender!   – Veja meu estado, você não vai me deixar assim, vai?Vendo aquele colosso na minha frente, me ajoelhei e comecei a lamber aquela cabeçona, mas o sentimento de culpa fez que me travasse e não conseguisse de jeito nenhum continuar.   – Me desculpe seu Augusto, não vou conseguir!   – Por Favor, dá mais um tempo pra mim!   – Eu juro que estou tentando, mas não estou conseguindo!Chorando pedi que me deixasse ir pra casa. Naquela hora vi que seu Augusto era um homem descente, pois me abraçou carinhosamente e disse:   – Está bem querida, eu sei que está sendo difícil pra você, prometo que não vou te forçar a nada, mas eu preciso me aliviar veja como você me deixou!   – Só te peço que também ceda um pouquinho tá bom?Fiquei imóvel vendo aquele homem maravilhoso se ajoelhar na minha frente, levantar minha saia e descer minha calcinha delicadamente.Meu coração acelerou seus batimentos, pois era a primeira vez que ficava seminua na frente de outro homem. Após ter tirado minha calcinha seu Augusto ficou algum tempo admirando minha bucetinha inchada e totalmente raspadinha. Vendo-me naquele estado, sem tirar os olhos da minha bucetinha me disse:   – Ela é linda princesa, é do jeitinho que imaginava!   – Me desculpe, mas não vou aguentar ficar só olhando, posso dar um beijinho nela? Deixa por favor!Vendo que continuava imóvel feito uma estátua na sua frente, chegou bem perto e ficou algum tempo sentindo meu cheiro. Antes de se levantar senti sua boca na minha xotinha e sua língua tentando abrir passagem entre os grandes lábios, me afastei rapidamente e disse:       – Seu Augusto, o senhor prometeu que não ia me forçar a nada!   – Pare, por favor!   – Me desculpe princesa, não consegui resistir, você é muito gostosa.Seu Augusto se levantou, me pegou no colo e me sentou na beirada da cama levantando minha saia e abrindo minhas pernas. Eu fiquei ali com minha bucetinha inchada escancarada enquanto ele alisava seu enorme pau com minha calcinha no nariz. Às vezes seu Augusto parava e lambia a parte da calcinha que cobria minha bucetinha, confesso que dessa vez não senti raiva e nem nojo vendo Seu Augusto se masturbando na minha frente, pelo contrário, senti excitação pelo poder que exercia sobre aquele homem poderoso agindo como um adolescente alucinado se masturbando enquanto cheirava minha calcinha.   – Abra mais um pouco as pernas princesa! Como você é linda!   – Que cheiro delicioso tem sua bucetinha!!! Eeeeuuu vou gozar!!!!! Aaaiiii!Vi vários jatos de porra golfar da cabeçona daquele caralho lavando minha calcinha.   – Nossa princesa, sem dúvida alguma foi a melhor punheta que toquei em toda a minha vida, juro que nunca gozei tão gostoso me masturbando.Seu augusto se aproximou de mim, se ajeitou entre minhas pernas, me abraçou carinhosamente beijando meu pescoço. Quase que mandei tudo às favas e deixei ele me comer quando senti a cabeçona do seu pau enorme tocando na entrada da minha bucetinha. Seu Augusto ficou algum tempo abraçado em mim e antes de cair na cama deu minha calcinha encharcada com sua porra.    Levantei-me sem dizer nada e fui ao banheiro do quarto me arrumar. Nossa! Minha bucetinha estava alagada por ter visto aquele homem maravilhoso se masturbando na minha frente. Como já disse antes, adoro quando meu marido goza na minha boca, então vendo minha calcinha completamente ensopada, não resisti e levei a minha boca a parte que tinha mais gala e suguei uma quantidade razoável. Senti que o gosto da porra do seu Augusto era mais adocicado que a do Marcos. Fiquei na dúvida, mas não resisti e acabei engolindo toda a gala que estava na minha boca.Após ter me arrumado saí do banheiro e seu Augusto ainda estava deitado de barriga pra cima com seu cacete meio mole caído sobre sua barriga, aquele treco mesmo mole quase chegava ao seu umbigo. Despedi-me do seu Augusto e agradeci por não ter me forçado a dar pra ele naquele dia e fui pra casa.No caminho ia pensando que aos poucos meus paradigmas estavam sendo quebrados, pois também era a primeira vez que sentia em minha boca a porra de um homem que não fosse meu marido.Naquela noite tomei um bom banho, coloquei meu melhor lingerie, me perfumei e esperei meu marido chegar. Quando abri a porta e Marcos me viu naquele estado, nem jantou direito tomou um banho rápido e fizemos amor à noite inteiro. No outro dia estava com minha bucetinha e meu cuzinho assado de tanto levar rola, mas, no entanto, me sentia uma mulher saciada e feliz por ter dois machos maravilhosos que não mediriam esforço para apagar o fogo da minha bucetinha. Continua…Se gostou comente e deixe seu voto, é muito importante pra quem escreve saber as opiniões dos leitores.

Sandra: fodendo com dois pela primeira vez

    Aquela viagem não tinha sido planejada por Sandra. Sair de Brasília por uns dias e visitar, sem a companhia de seu marido, a irmã em Florianópolis não era sua primeira opção nas férias. Não que achasse indispensável a presença de sua cara-metade. Já havia feito outras viagens sem ele, e nem por isso deixara de se divertir. E, sempre com muita discrição, já experimentara outros homens na cama – na verdade, todos os que quisera, pois seu poder de sedução era uma inquestionável verdade da natureza. Bastava a um homem vê-la uma vez para passar a desejar com toda luxúria aquela mulher deliciosa.         Com pouco mais de 20 anos de casada, 3 filhos, Sandra era uma loura literalmente de cair o queixo. Alta, falsa magra, rosto de uma beleza clássica incomum, cabelos um pouco abaixo dos ombros, seus seios grandes e firmes eram uma tentação que ela sabia ressaltar com decotes generosos. Suas pernas super-bem torneadas, fruto de muito esporte e academia, e um bumbum empinado na medida certa eram o complemento daquele conjunto que nenhum homem deixaria de notar. Era o tipo de mulher que sabia do poder que tinha, mas que só dava para os homens que escolhia, como e quando queria.        Florianópolis, naquele início de verão, pareceu-lhe apenas uma seqüência de belas praias onde ela poderia descansar e colocar em dia o papo com a irmã. Esta, também uma bela mulher, um pouco mais nova e separada há pouco depois de um longo casamento, vivia – Sandra veio a ficar sabendo – uma fase de descobertas. Sua primeira surpresa foi se dar conta que a irmã, antes tímida e e adepta de maiôs comportados, agora usava biquinis bem reveladores – ficou imaginando que outras surpresas ainda lhe estavam reservadas. Solidária, colocou também um dos menores modelos que trouxera, e foram ambas à praia da Joaquina. Antes de escolherem um local para ficar, resolveram caminhar um pouco pela areia. A visão daquelas mulheres juntas, particularmente de Sandra, numa canga quase transparente, chamou a atenção dos homens do lugar, a maioria de jovens universitários. Conversas foram interrompidas e surfistas e jogadores de futebol deixaram por um momento suas pranchas e bolas, olhares magnetizados por aqueles corpos em pleno vigor. Na hora em que escolheram um lugar para ficar, ambas despiram as cangas quase simultaneamente, provocando o silêncio momentâneo dos que estavam nas proximidades. Sandra acostumada àquele tipo de reação dos homens, deu um risinho safado para a irmã, que, mesmo enrubescendo, correspondeu. Mas, naquele momento, ambas queriam basicamente aproveitar o sol.        Como estavam próximas a uma barraca de praia, Sandra eventualmente se levantava para se refrescar no chuveiro ou para comprar uma água de coco. Reparou em dois jovens, na casa dos vinte e poucos anos, que jogavam frescobol ali perto. Estes logicamente prestaram ainda mais atenção naquela mulher que ofuscava as garotas mais jovens ao redor, mas o contato foi apenas visual naquela hora.         Depois de um dia nublado, em que optaram por outro programa, Sandra – agora num biquini preto com detalhes verde-limão e lacinhos nas laterais – e a irmã foram outra vez à praia, desta vez à praia mole, naquele dia um pouco mais vazia. Não foi sem alguma surpresa e prazer que Sandra viu aparecer, quando o sol estava a pino, os dois jogadores de frescobol que tanto a haviam observado na Joaquina. Notou que eles também gostaram da coincidência, particularmente um, o mais alto. E foi justamente esse, de nome Fred, que, tomando coragem, começou a puxar papo com as duas irmãs. Acostumada a cantadas as mais variadas possíveis, Sandra conteve o riso ao ouvir a conversa de que a repetição daquele encontro era mais que coincidência, que o cosmos havia planejado aquilo, e outras tantas abobrinhas. Na verdade era ela, caçadora hábil, quem já começava a escolher sua presa, particularmente depois de prestar atenção no volume que cresceu sob a bermuda do jovem quando ambos arriscaram entrar na água rapidamente. Fred insistiu para que se encontrassem à noite, numa das casas noturnas mais freqüentadas no verão. Sandra nada prometeu, mas disse que tentaria dar uma passadinha por lá. Mais tarde não foi difícil convencer a irmã, que passara um bom tempo conversando com Ricardo, o outro rapaz, a se juntar a ela naquele programa.           À noite, com um vestido branco de alcinhas levemente justo, com detalhes floridos, Sandra estava ainda mais provocante. Aquela peça, com um sutil decote, ressaltava ainda mais seu corpo dourado. Por baixo, do jeito que ela adorava, nada … Gostava eventualmente de usar vestidos e saias sem calcinha, e sabia que os homens ficavam loucos quando ela contava esse detalhe ou, mais raramente, quando eles o constatavam in loco. Sua chegada, com a irmã, à casa noturna repetiu o impacto inicial da praia. Olhares masculinos, mesmo dos acompanhados, passaram a saborear aquela rara presença de mulher.        Depois de tomar uma caipiroska e recusar gentilmente dois convites para dançar, Sandra conseguiu localizar Fred e Ricardo do outro lado da pista. A excitação destes ao encontrá-la era visível. Foram, os quatro, para uma mesa mais afastada e conversaram muitas amenidades. A mesa era pequena e, sentada entre os dois admiradores, Sandra sentiu suas pernas serem roçadas, ora alternadamente, ora simultaneamente pelos jovens. Houve mesmo uma mão mais ousada que se arriscou acima de seu joelho, sendo suavemente afastada. Era visível que aqueles homens de pouca experiência estavam hipnotizados pela beleza e pela sensualidade daquela fêmea impressionante, que, sabendo-se dona da situação, sentia mil idéias passarem por sua cabeça. Uma de suas fantasias mais recorrentes estava pedindo para ser realizada. Queria, e sabia que teria, dois homens para comê-la juntos… Sua decisão foi tomada quando a irmã, ainda pouco acostumada a beber, disse que iria para casa de taxi, deixando o carro com ela. Sem dar tempo para despedidas, Sandra chamou os dois rapazes para dançarem com ela. A pista estava bem cheia, e ela constatou que a excitação dos jovens só havia aumentado com os drinks que haviam tomado. Fred segurava-a pela cintura e beijou seu pescoço mais de uma vez. Ricardo, um pouco mais contido, apalpou seu bumbum demoradamente, na confusão de pessoas dançando bem próximas.         De volta à mesa, enquanto Ricardo foi ao banheiro, Sandra olhou para os olhos de Fred demoradamente e perguntou o que ele achava da idéia de irem – não só eles dois, mas também seu colega – para um lugar mais calmo, mais especificamente para o apartamento que a irmã tinha na praia, mobiliado e desocupado no momento. O rapaz quis esboçar ciúmes, dizendo que queria ir só com ela, mas Sandra soube impor sua vontade, apalpando seu pau sobre a calça e dando-lhe na boca o demorado beijo que ele havia querido desde o início da noite. Se havia uma arte que Sandra dominava era a de, com um beijo na boca, passar a controlar um homem. Nenhum se contentava em prová-la apenas em parte, passando a fazer de tudo para levá-la para a cama. De volta à mesa, Ricardo abriu um largo sorriso assim que ouviu a proposta. Não havia como dizer não àquele convite. Nada foi dito explicitamente, mas os olhares já prenunciavam o que poderia ocorrer. Dirigindo, Sandra sentia os dois comendo-a com os olhos. Estacionado o carro na garagem subterrânea do prédio, os três subiram, trocando poucas palavras.        Na sala, senhora da situação, Sandra ordenou aos rapazes que sentassem no sofá e, ligando baixinho o aparelho de som que lá havia, começou a dançar. Não chegou bem a fazer um strip-tease, talvez porque fossem poucas as peças de roupa a retirar. Sensualmente se desfez do soutien, ainda sem
retirar o vestido de alcinhas. Sentiu a respiração dos dois expectadores ficar mais forte quando dançou praticamente colada a eles sem permitir que a tocassem. Aproximando-se de Fred, pediu a este que abrisse o ziper às suas costas. Depois de dançar mais um pouco, levantando seu vestido e transformando-o numa micro-saia, terminou a música deixando-o cair por completo e chutando-o para o lado. A visão daquele corpo espetacular, com seios desafiando a gravidade acabou com o que poderia restar de timidez nos rapazes. Fred mergulhou naquele colo, enquanto Ricardo passou a beijar as coxas e o bumbum daquela rainha provocante. Controlando os dois machos famintos por sexo, Sandra os fez retirar as roupas e sentar novamente no sofá, agora só de cuecas. Suas ordens foram claras: ambos tinham, naquele momento, de ficar imóveis, e somente ela comandaria as ações. Durante toda a noite também seria ela a decidir o quê e como fazer. Ajoelhou-se em frente a Fred e libertou, com mãos ábeis, uma pica cujo tamanho e calibre ela já adivinhara. Enquanto massageava o membro pulsante, passou a beijar o peito daquele jovem homem, prosseguindo com a língua até sua boca sedenta. Simultaneamente, esticou a mão direita para tocar pela primeira vez o membro de Ricardo. Seu tato a fez pressentir a surpresa que se confirmou em seguida. Ao fazer saltar aquele pau completamente duro, Sandra não conteve uma expressão de admiração: era o maior que ela já tinha visto, com uma grossura que lhe inspirava ao mesmo tempo medo e desejo. Perguntou quanto media e ouviu a resposta: 21cm! Ela sabia que queria aquela pica enorme – e também a outra – e tinha certeza que teria ambas dentro de si quantas vezes e por quanto tempo quisesse. Sentada ou deitada no sofá, passou a beijar as bocas de Fred e Ricardo alternadamente, enquanto os masturbava bem devagar. Não havia pressa para quem havia esperado tanto tempo para realizar aquele antigo sonho.        Satisfazendo uma de suas maiores vontades, colocou os dois jovens de pé, lado a lado, e, novamente de joelhos, passou inicialmente a lamber e depois a chupar aqueles paus completamente rígidos. Fazia isso enquanto olhava nos olhos aqueles homens, vendo em seus rostos desejo puro. Maravilhada com o prazer que estava dando e sentindo, tentou e conseguiu colocar as duas cabeças rubras simultaneamente na boca… Sentiu o líqüido seminífero escorrer de uma dos membros e apressou-se em recolher tudo com a língua. O pau de Ricardo a impressionava: engoliu o máximo que pôde daquela vara, mas mesmo assim conseguiu alojar pouco mais que a glande em sua boca. Mas ela tinha outros planos para aquele instrumento que tanto a fascinava. Notou que, apesar de seus avisos, Fred insistia em receber mais atenção que o colega e resolveu puni-lo exemplarmente. Levantou-se, fez os dois se sentarem novamente no sofá – agora mais afastados – e disse para Fred: Agora você vai apenas olhar. Ato contínuo, sentou-se de frente no colo de Ricardo e foi fazendo aqueles 21cm de pica sumirem completamente dentro de seu sexo completamente encharcado de tesão. Sentindo-se empalada viva, com aquele membro penetrando suas entranhas, Sandra beijava seu dono como uma possessa. Em dado momento, virou-se para o lado e falou: Está gostando do show, corninho?. A pergunta foi apenas retórica, pois ela podia ver que, sem se tocar, Fred estava prestes a gozar. Mas ela não queria perder nada daquele espetáculo … sem deixar de cavalgar Ricardo, mandou que Fred se voltasse para seu lado e, inclinando-se em direção a ele, passou a chupar aquela pica dura feito rocha. Sentindo o climax do rapaz se aproximar, Sandra ainda teve tempo de dizer: Goza, enche a boca de sua putinha de porra quente. E assim ele fez, ejaculando profusamente. Sandra não se permitiu desperdiçar uma gota, fazendo trabalhar com eficiência sua língua experiente até engolir tudo. Observador de tudo aquilo, Ricardo continuava bombeando fortemente dentro dela. Segurava aquela mulher pela cintura deliciosamente fina e a fazia subir e descer em sua pica. Não demorou até ela atingir um clímax incontrolável. Sandra segurou os ombros do macho que a comia, crispou os dentes e gemeu alto ao gozar com aquela vara imensa dentro de si. Àquela altura, Ricardo não conseguia se conter mais e avisou que também iria gozar. Mais uma vez Sandra não quis desperdiçar nada e rapidamente se posicionou para receber na boca um rio de esperma. Não se decepcionou com a quantidade, a maior que já tinha visto sair de uma pica, e engoliu o máximo que pode, deixando escorrer um pouco pelo canto da boca.        Exauridos depois daquela primeira sessão de sexo, Fred e Ricardo tombaram no sofá. Mas a fêmea em comando queria mais, muito mais, e os chamou para tomarem banho junto com ela. Com massagens bem aplicadas e beijos quentes, Sandra deixou novamente rígidas os dois paus. Saindo do box, enxugou-se e ficou de quatro na ampla cama de casal da suíte, oferecendo seu corpo tentador. Fred não perdeu tempo em se posicinar atrás dela, ajoelhando uma das pernas e segurando Sandra firme pela cintura. Ele, que ansiara por aquele momento, penetrava-a com todo o desejo que um homem pode ter, mas devagar, como ela pedia agora. Sabia que estava fodendo uma mulher que poderia escolher qualquer homem, e adorava a oportunidade rara de ser um desses pivilegiados. Ricardo colocou seu mastro em frente ao rosto de Sandra, que, dando um sorrisinho safado, passou a percorrê-lo demoradamente com a língua antes de abocanhá-lo de novo. Ter duas picas à sua disposição parecia tão natural para Sandra que ela se perguntava como tinha demorado tanto tempo para experimentar aquela sensação. Sabia que nascera para ser uma puta devassa, e lamentava todos os momentos em que reprimira essa sua vocação natural. Adorava uma pica, de preferência grande e grossa, e sabia que o momento por que passava estava fadado a se repetir muitas e muitas vezes no futuro.       Passados alguns momentos em que desfrutou com calma do pau de Ricardo em sua boca, voltou-se para trás e disse a Fred: Como você se comportou bem depois de sua punição, vai ganhar um prêmio agora. Mandou Ricardo se deitar na cama e, com o tronco ereto, sentou-se sobre ele, engolindo o avantajado membro com seu sexo em chamas. Em seguida, reclinou-se lentamente para a frente, empinando a bunda para trás e expondo   seu cuzinho rosado para Fred. Este entendeu perfeitamente a mensagem. Meio agachado, meio de joelhos, aproximou-se por trás, o pau já naturalmente lubrificado. Teve de se controlar na hora em que viu seu membro avançar dentro daquela bunda gulosa, primeiro a cabeça rombuda e depois todo o resto, até sentir o saco roçar aquelas nádegas simultaneamente firmes e macias. Sandra delirava … Tinha duas picas dentro de si pela primeira vez na vida, e queria que aquele momento durasse para sempre. Começou a cavalgar a vara de Ricardo enquanto mandava Fred lhe enrabar cada vez com mais vigor. Em determinado momento os dois sincronizaram os movimentos, seus membros penetrando completa e alternadamente os orifícios daquela devoradora de homens. Sandra não resistiu e gozou sozinha, contendo parcialmente um gemido de prazer que vinha das profundezas de seu corpo plenamente explorado. No entanto, não queria parar … Mandou que Ricardo e Fred continuassem a fodê-la como se ela fosse a última mulher do mundo. Suada e quase delirando, ainda conseguia beijar os dois machos que a possuíam. Mas estes chegavam a seus limites. Iam gozar dentro dela, o que foi o bastante para aproximá-la também de novo orgasmo. Bombeando cada vez mais depressa, os dois despejaram dentro de Sandra o que lhe pareceu litros de sêmen. Ela urrou de prazer, o mais alto que pôde.       Naquele momento Sandra sentiu-se plenamente realizada. Realizara sua mais desejada fantasia. Tinha, porém, total consciência de que muitas outras picas ainda foderiam aquele corpo permanentemente sedento de sexo. Não havia mais tem
po a perder …                                

O Retorno de nossa prima do interior, a Juliana. (CONTINUANDO)

O Retorno de nossa prima do interior, a Juliana. (CONTINUANDO)Fiz questão de mostrar a foto da Juliana para mostrar que trata-se de pessoas normais, simples, que também tem suas necessidades e dificuldades, que vou explicar agora, e conseguimos ajuda-la unindo o útil ao agradável.Quando a Juliana veio pela primeira vez em nossa casa, eu e o Thiago “degustamos” ela, e era virgem não tinha experiência nenhuma, e agora que retornou, o meu Thiago fez dela uma mulher de verdade, e uma coisa me chamou atenção, “ela tem talento e gosta”, puxa, que maravilha.A Juliana é de uma família numerosa, lá do nordeste, onde todos esperam ansiosos o seu resultado positivo profissional na grande cidade de São Paulo. Mas sem currículo, sem experiência e sem formação profissional, tudo é muito difícil, e acredito que todos que estão lendo isso sabem e acreditam no que estou dizendo.Falei dela com minhas amigas, que curtem o swings, sexo a três, e ai a Sônia, que é uma grande empresária, e a Marcia quem tem muitos contatos confiáveis, me deram uma ideia, e me perguntaram, porque ela não se especializa e trabalha por conta, vamos utilizar nossos contatos.Resumindo, arrumamos para ela um curso de maço terapeuta, massagista corporal masculino e feminino, e para complementar, massagem erótica, com massagem tailandesa e outras do gênero.   Consulta com uma psicóloga, aliás a minha que me aconselhou a escrever todos esses contos reais, nada de fantasia. Além disso tudo, conversamos eu minhas amigas e ela, e demos umas dicas, que ela achou interessante: como deixar as pessoas que querem uma companhia para sexo a 3 e futuramente troca de casais a florir a intimidade livre, como deixar as pessoas a vontade, e ai dei uma dica.Juliana, para você chupar um homem, todos sem exceção, gostam que a mulher chegue bem na cabeça do pau, com a boca, chupando com a boca bem molhada e sugando bem devagar para entrar na boca toda a cabeça do pau, sem colocar as mãos em nenhum lugar do corpo, só com a boca, essa sensação se dá pela vontade de estar comendo um cuzinho, se você chegar e já colocar tudo de uma vez na boca, seria como ele estivesse metendo da boceta, e da esposa sem muita cerimonia, acredite homem ejacula, poucos gozam. Kkkk rimos muito, acreditem.Ai minha amiga complementou, Juliana, cu é luxo filha, não é para ser curtido todas as vezes, tem que ser conquistado, menina, se um dia você estiver com um casal, novatos no assunto, e você está os ajudando, nunca se entregue totalmente, o homem pode estar com o maior desejo porque você ali é a visita, a outra é a esposa que ele já conhece, mas se o pau dele está meio duro, tipo “borracha” não vai comer cu nenhum, e ele vai ficar numa situação muito ruim, e ai nunca mais vão querer te ver, pela vergonha que aconteceu, então você tem que saber como evitar situações que constringe quem está iniciando.Não tenha barreiras para utilizar alguns brinquedinhos com eles, ajuda muito a perderem a vergonha.Escolha o local com cuidado para que vocês não sejam interrompidos.Garanta que todos estejam afim um do outro.Fique preparada para se sentir um pouco de lado durante algum momento. Isso acontece.Não exija que toda a atenção fique concentrada em você.Converse sobre sexo seguro com antecedência. OU SEJA, quais métodos de proteção vocês estão pensando em utilizar, quem vai providenciar, como a ~finalização~ será lidada caso exista um pênis envolvido, como evitar gravidez etc.Quando estiver com uma mulher e o homem olhando, seja a mais carinhosa possível, sem presa, primeiro ela tem que gozar na frente dele, você conseguindo isso, eles vão te querer sempre, você é nova, linda, gostosa, tem que se aprofundar nisso, seja uma profissional, entendida profundamente em massagem de todos os tipos, a transa com o casal sempre tem que fazer parte do pacote, nada fora do combinado, assim todos ficam a vontade, e você proporciona isso, e vai se dar muito bem na vida, só acreditar e conte com a gente.Juliana, nos contou que gozou quando o Thiago comeu o cuzinho dela, e achou uma boa ideia, assim ela pode ajudar sua família, fazendo o que gosta e sendo apresentada só para amigos de amigos, onde tudo será mais respeitoso, e confiável.Mas não vejo a hora dela conhecer a Sheila, aquela travesti muito experiente, vai ser o maior barato, resolvi escrever esse papo nosso, porque acredito que pode ajudar até muitos leitores aqui, gostaria de saber de ter depoimentos a respeito, obrigado bjs a todos.Ela está fazendo alguns cursos que arrumamos para ela, mas a ideia é bem essa.

Marido bom esse meu…

Boa noite, me chamo Roberta Batista, sou casada, tenho 37 anos, meu marido tem 51, somos um casal liberal, meu marido é corno bem submisso, ama ver eu dando para outro, ele também come umas safadas por ai, não temos problemas com isso, adoramos troca de casais, grupal, tudo hehehe. Sou branquinha, fofinha, bunda grande, CU GULOSO, safada. E hoje inicio aqui contanto as nossas aventuras, decidimos nos abrir mais, contar mais o que fazemos, para ver se achamos mais homens ou mulheres ou casais para transarem com a gente. Então vamos lá.Nós somos casados a 12 anos, somos liberais a 9 anos, e sempre que dá a gente faz algo, sempre que dá não, SEMPRE FAZEMOS ALGO hehehe… Nessa vez não foi diferente, eu e meu marido estávamos já planejando fazia mais de 20 dias de uma transa com um moço do mercado aqui perto, esse moço gordinho, 26 anos, com carinha de nerd, e meu marido ficou com tesão de ver ele me comendo, nisso eu topei.Fomos em um sábado fazer umas compras no tal mercado, na saída pedimos para entregar em nosso apt, e quem faz a entrega é justo esse moço…. Já chegada a hora, ele chamou no interfone, desci para atender, eu estava de vestidinho bem safada, meu marido estava no banho, levei o moço, eu não iria falar o nome dele, mas vou falar, existe muitos com esse nome, só não gostaria de denegrir a imagem dele, é Adilson o nome dele, fica até mais fácil, nisso o Adilson entrou em casa, não parava de olhar meu rabo, é grande né pessoal… Nisso ofereci água para o Adilson, ele aceitou, falei para sentar no sofá que eu iria buscar… Na volta, fui bem safada, virei em mim a água, e na hora de me limpar mostrei um pouco meus peitos, ele ficou vidrado olhando…. Pedi mil desculpas, busquei mais água, e nisso sentei do lado dele, foi então que ataquei ele, passei a mão na coxa dele e disse: EU SEI QUE TU ME QUER, ESTA DESDE LÁ DE BAIXO OLHANDO MEU RABO E AGORA POUCO OLHOU DIRETAMENTE MEUS PEITOS, Adilson então responde; NÃO DONA ROBERTA, NÃO ESTAVA NÃO, ENGANO SEU… eu respondi> EU SEI SEU ADILSON QUE TU ME COME COM OS OLHOS, MAS FICA TRANQUILO MEU MARIDO JÁ SABE DISSO, E ELE ACEITOU EU TE DAR UM TRATO… NÃO PRECISARAS MAIS ME COMER COM OS OLHOS… Adilson: DONA ROBERTA ISSO É ERRADO… Eu: ADILSON, APENAS DEIXA DISSO, E VAMOS BRINCAR… JÁ ESTA AQUI MESMO, JURO QUE É RAPIDO… Adilson, MAS SEU MARIDO ESTA ALI NO BANHEIRO… Eu: AMOR, ELE JÁ SABE E DEIXOU… ELE NEM VAI VER… Adilson: MESMO? Eu: SIM MEU BEM… Já fui botando a mão na rola dele, já estava duro o safado… mandei levantar, ele fez isso rapidamente… tirei a calça dele, e saiu pra fora uma rola de uns 14cm bem dura, feito pedra, grossinha, delicia… cai de boca mamando feito uma vaquinha… botando tudo na boca, Adilson chegava virar os olhos, quase perdendo os oculos hahahaha… e meu marido só ficou no banheiro, ele sentiu que o Adilson era envergonhado e decidiu não aparecer para o showzinho… Nisso eu chupando o Adilson, ele falou: NOSSA DONA ROBERTA, QUE BOCA TU TEM…. MAS MEU TEMPO É CURTO… POSSO DAR UMA BOTADINHA NA SUA XOXOTA? Eu falei: É CLARO ADILSON VEM CÁ…. botei a camisinha nele, levantei o meu vestido, botei a perna em cima do sofa e mandei socar… só que eu peço mesmo grito SOCA CARALHO, SOCA TUDO, COM FORÇA, ME BATE… ENFIA O DEDO NO MEU CU… ESFOLA, SOCA e nisso Adilson parecia apavorado hahahah sou puta mesmo… mandava mete… e o Adilson metia que parecia que iria botar tudo pra fora, ele suava muito, tadinho heheheh , sou gulosa tanto cu, como boca, buceta tudo… não demorou tanto eu falo muita besteira, fiz ele gozar rapido é claro hehehe…. encheu a camisinha de porra… o delicia, virei ele e disse só mais um chupadinha, tirei a camisinha chupei a rola dele deixando bem limpinha e mandei ele embora hahahaha…. nisso meu maridão saiu do banheiro e disse: PRIMEIRO ME DIZ, ERA GRANDE? E SEGUNDO, ACHEI QUE TU IRIA MATAR ELE DE TESÃO HEHEHEHE …. é isso ae amores….Em breve mais… e SE POSSIVEL, AMO TROCAR FOTOS, MANDEM FOTOS DA ROLA DURA que eu vou devolver o presente…Beijokas                                                                

Comendo a mulher com o Corninho

Depois de ter enviado um conto (Comendo a Casada carente de Taubaté) recebi alguns contatos por e-mail e iniciei o contato com um casal de São José dos Campos, inicialmente Carlos (Fictício) entrou em meu MSN e me contou que era casado a seis anos com Vivian (fictício) e o relacionamento começava a esfriar, me perguntou se eu topava transar com a esposa na presença dele, eu confirmei meu interesse caso houvesse um interesse mútuo entre nós.Combinamos em um barzinho aqui em Taubaté e nos encontramos nós três, Vivian era muito sensual tinha 30 anos, 165mts, 68 kilos + ou -, cabelos e olhos pretos, um sorriso sensual, seios grandes, um pouco gordinha, mais muito gostosa Carlos era mais jovem tinha 28 anos, 170mts, uns 70 kilos, moreno com cabelos e olhos pretos, sentamos em lugar discreto, nos conhecemos melhor tomando choop até nos desinibirmos e entrar do assunto que nos interessava sexo. Carlos disse que a mulher era muito fogosa e ele possuía a fantasia de vê-la com outro, também me contou que Vivian se mostrou retraída no início da confissão do marido mais depois passou a se excitar imaginando a cena, a tesuda ouvia toda a história do corno atentamente e ao final perguntou se eu aceitaria participar da tara do casal. Olhando aquela tesuda ali disse que só se fosse louco para negar, mais trocamos telefone nesse dia e o casal precisou ir embora pois, o filho do casal estava com a mãe de Carlos. No dia seguinte por volta de 4 horas da tarde meu celular toca, era o casal perguntando se poderíamos nos encontrar, marcamos em um supermercado onde guardei meu carro e seguimos os três até um motel, chegando próximo o Carlos me pediu para dirigir seu carro que ele iria para o porta malas do carro, quando sentei no banco do motorista beijei Vivian enquanto seu corninho devia estar alisando seu pau dentro do porta malas. Vivian foi esfregando minha pica e me dizendo o que queria de mim, tipo “gatinho quero que você me foda devagarzinho, quero sentir a pica entrando devagar em mim”, chegando no motel abri o porta malas do Siena de Carlos e baixei a cortina da garagem o casal foi entrando no quarto e em seguida eu entrei e vi Vivian beijar seu marido, ela conduzi-se até a cama tirando sua roupa enquanto Carlos veio até a mim e disse “ela é toda sua”, ele se sentou em uma poltrona no canto do quarto, Vivian já estava com um conjuntinho preto de joelhos na cama me esperando, começamos a nos beijar e a safada foi logo tirando meu pau de dentro da cueca, me punhetava sutilmente e lambia meu ouvido, tirei minha camisa e ela começou a mordiscar meus peitos e logo caiu de boca na minha jeba, chupava como se fosse o último pau do mundo, o deixava todo molhado com sua saliva, chegava a engasgar quando tentava socá-lo todo na boca. Deitei-a na cama tirei toda minha roupa e me deitei sobre ela iniciando um delicioso 69, coloquei de ladinho sua calcinha e lambia sua bucetinha enquanto sentia a putinha enfiar todo meu pau em sua boca, em certo momento Vivian tira minha rola e diz: “Amor que pau gostoso, tem gosto de pica de macho”, quando olhei pra Carlos ele estava com seu pinto de fora socando uma punheta. Me sentei na cama e Vivian tirou seu sutien colocando seus seios fartos em minha boca dizendo” chupa essas tetas safado, chupa”, Carlos se levantou e veio até Vivian que estava de frente pra mim, puxou dela lado sua calcinha e começou a meter os dedos na sua buceta e a chupá-los, sentei-me na cama e vi aquela morena ficar de joelhos para chupar meu pau, o marido se sentou ao meu lado e ficou aguardando Vivian chupar sua pica também, no entanto antes que ela o chupasse ele me pediu para que eu me levantasse o que fiz prontamente ainda com meu pau na boca da morena.Ela continuou a me chupar mas, logo viu o marido tentar enfiar sua rola junto a minha na sua boquinha, ele gemia engasgado com nossos paus na sua boca, e dando momento começamos a bater na cara dela com nossos paus. Após a sessão chupeta Carlos me deu um preservativo para encapar minha piroca, quando me deitei na cama Vivian sentou na minha pica que apontava para o céu, era tudo novo pra mim, sentir aquela bucetinha enquanto via aquela putinha chupar o pau do marido corno.Não se contendo em ouvir a putinha dele gemer Carlos foi até bunda dela e ficou assistindo ela subir e descer no meu pau, logo ele abriu sua ancas dela e começou a chupar o seu cuzinho e sua bucetinha, pude sentir sua língua resvalando em minha pica enquanto a penetrava. Ela me beijou na boca e pediu pra trocar de posição, disse “arregaça essa buceta pra esse corno ver como se fode”, comecei a penetrar aquela buça no papai e mamãe, Carlos ficou de lado novamente assistindo os olhos de Vivian fechados enquanto ela gemia deliciosamente, o corninho delirava assistindo a cena.Apertei o ritmo da penetração, senti meu gozo se aproximando, Carlos se punhetava ao meu lado quando tirei meu pau me debrucei sobre Vivian e gozei nos seus seios e esfreguei meu pau melado na sua boquinha, Carlos não agüentando mais também veio e gozou no seu rosto enquanto ela me chupava.Foi minha primeira experiência com um casal, adorei ter realizado a fantasia deles, espero que tenham gostado.

MINHA VIZINHA O GENRO COMENDO E O IRMAO JOÃO TAMBÉM

O CANALDOSCONTOS TRÁS PARA VC ESTE MARAVILHOSO CONTO PARA VC , TENHA CERTEZA QUE ESTE CONTO É MARAVILHOSO , VOU RELATAR O QUE ASSISTI , ALIÁS EU VI POR MAIS DE UMA VEZ E FOI COM CARAS DIFERENTES , BOM EU MORO DO LADO DE UM CASAL , ELES SEGUEM UMA VIDA RELIGIOSA , ELA É A MADA TEM UNS 47 ANOS , CABELOS COMPRIDOS PRETOS , PEITOS MÉDIOS , RABUDA DEMAIS , MUITO GOSTOSA , MORENA CLARINHA 1,70 M 60 KG , NO CONTO 18604 EU FALEI SOBRE O GENRO ,AGORA FALAREI DO JOÃO, IRMÃO DE FÉ , BOM    COMECEI A DESCONFIAR DELE PORQUE , ELE SUBIA DA CASA DELE PRA EMPRESA DELE POR UMA ROTA FÁCIL, ELE COMEÇOU A PASSAR MUITO NA NOSSA RUA E PARAR ,OPA A MULHER FICA SOZINHA , O CARA PASSA DIRETO , PARA , AS VEZES QUE NÃO PARA DA UMA BUZINADA , BOM O MARIDO TRABALHANDO , EU ENTÃO, DE OLHO, ELA APARECEU E ELE ENTROU EU OUVIDO ABERTO COMECEI A CONFIRMAR A DÚVIDA, ELE FALOU QUE RABO DELICIOSO IRMÃ, EU OUVI , ENTRARAM EU , COMO TODO HOMEM FICARIA DOIDO , O CARA BARRIGUDO CARA , FDP CALÇA AZUL SOCIAL , SAPATO , CAMISA BRANCA , COLOQUEI MINHA ESCADA NO MURO E OLHANDO ELECCOMEÇOU DAR UNS AGARRÕES NELA NA COZINHA , EU TINHA QUE VER , ENTÃO ARRISQUEI E DESCI NO QUINTAL DELA , ELES PASSAM PELO CORREDOR DO OUTRO LADO , FUI DEVAGARINHO ,ELES TOMAVAM CAFÉ DE PÉ , ELE PASSAVA S MÃO NOS CABELOS LONGOS DELA , ELA SORRIA , DERAM BEIJINHOS , EU IMAGINANDO PORRA OS 2 CASADOS , APESAR DA BARRIGA DELE DAVA PRA VER O PAU ERGUENDO AS CALÇAS , ELA FOI COLOCAR A XICARA NA PIA ELE GRUDOU POR TRÁS, A RABUDA DE SAIA , ELA SÓ USA SAIA OU VESTIDO ,CARALHO ELA SE DERRETEU , ELE TIRANDO O PAU PELA BRAGUILHA , ERGUEU A SAIA DELA , A CALCINHA NORMAL , ELE BEIJOU O BUNDÃO DELA , EU LOUCO DE TESÃO, ELA PARECIA COM PRESSA , ELE TIROU A CALCINHA DELA COLOCOU NO BOLSO , ELA COM AS MÃOS NA PIA , ARREBITOU O RABO , ELE DEU UMA LAMBIDA NO RABO DELA , ABRIU AS PERNAS DELA , ENTROU MEIO POR BAIXO E XUPOU A BUCETA DELA , A SAFADA DAVA UMAS GEMIDINHAS , ELE SE LEVANTOU A CALÇA CAIU AOS PÉS DELE , ELE SE LIVROU DE UMA PERNA E SEGURANDO O CACETE GROSSO , PROCURAVA O BURAQUINHO , ATÉ QUE ACERTOU , ELA GEMEU NO PAU ELE GRUDADO NA CINTURA CHAMANDO NO PAU , PORRA CARALHO ELA GEMIA E FALAVA IRMÀO JOÃO VOU GOZAR , VOU GOZAR , ELE CHEGAVA A BUNDA SUMIR DAS CHAMADAS DE VARA Q DAVA ELA GOZOU , ELE FALOU VOU VOU GOGOGOZAAAAR , EU GOZEI JUNTO COM ELE , PORRA CARA , MUITO TESÃO, AS VEZES ELE VEM COM A ESPOSA , FICAL TROCANDO IDÉIA AQUI , MAS A ESPOSA DELE E O MARIDO DELA NEM SABE , ELE , PAROU DE COMER , MAS COMIA DIRETO , ELE E O GENRO DELA.LEIA OS CONTOS DESTE CANAL , VC VAI GOZAR MUITO.

Dando pro irmão depois de um filme de terror

Olá, meu nome é Carol, tenho 17 anos, sou morena clara, tenho cabelos negros e lisos até o meio das costas, tenho 105 de quadril e 100 de busto. Tenho a bundinha redondinha e os seios bem duros e pontudos. Tenho o corpo violão e sempre mexem muito comigo na rua. O que vou contar aconteceu há um tempo atrás. Era uma sexta feira à noite, como não tinha nenhum lugar legal pra eu ir resolvi ficar em casa e aluguei um DVD de terror. Meus pais e meu irmão já tinham ido dormir apesar de ser umas 10:30 da noite. Meus pais dormem cedo mesmo e meu irmão acorda cedo pra ir trabalhar. É ridículo, mas o filme começou a me dar uma sensação estranha, um medinho. Desliguei a tv e fui dormir. Como durmo peladinha, tirei minha roupa e deitei, mas mesmo com o abajur ligado eu não conseguia dormir, então resolvi ir dormir com meu irmão. Vesti só uma camisola minúscula e bem fininha que era pra eu não dormir pelada com meu irmão, e fui pro quarto dele. No corredor escuro me deu um pânico e saí correndo pro quarto do meu irmão que acordou quando eu entrei, só que eu estava tão apavorada que nem deixei ele falar nada, entrei debaixo das cobertas e o abracei. Nisso eu me toquei, ele também dormia nu e quando deitei minha camisolinha subiu e a cabeça do membro do meu irmão estava bem no comecinho da minha rachinha toda depiladinha. Eu fiquei muito sem graça e excitada ao mesmo tempo. Como ele dormia numa cama de casal eu me afastei e disse que iria dormir longe, mas que não queria dormir sozinha por causa daquele filme idiota. Meu irmão me deixou dormir ali e se deitou de barriga pra cima pro poder dormir. Quando olhei, vi um volume imenso embaixo do lençol e percebi que ele também ficou muito excitado com o toque. Meu irmão é moreno como eu, tem 19 anos, olhos cor de mel e um corpo espetacular, o que pude confirmar quando encostei nele, mas nunca imaginei que seu pau era tão grande. Como estava com tesão perguntei a ele se poderia tirar a camisola com a desculpa de não conseguir dormir de roupa, pois me incomodava e prometi ficar longe dele. Ele disse que tudo bem, então levantei e tirei a camisola o mais sensual possível porque percebi que o Paulo (meu irmão) me olhava. Me deitei o mais longe possível e de costas pra ele, mas desejando encostar nele novamente e sentir seu corpo. Me acabei numa siririca silenciosa imaginando o Paulo me comendo e acabei dormindo logo depois de gozar. Então acordei com alguma coisa quente tocando minhas costas. Fingi que estava dormindo e fiquei quietinha só sentindo. Era a mão de Paulo me acariciando. Ele passava a mão do meu ombro até o finzinho da minha bunda, chegando a minha coxa. Eu já estava muito molhada e ouvia a respiração do meu irmão aumentar cada vez que chegava perto do meu cuzinho e da minha bocetinha sem pelinho nenhum. Num movimento como se fosse no sono, eu me virei de bruços a abri as pernas de forma que meu cuzinho e minha xoxota ficassem livres pra ele fazer o que quisesse. Ele se assustou com o movimento e até chegou a se deitar pra fingir que dormia, mas logo recomeçou os carinhos. Agora ele estava mais ousado, ele passava o dedo no meu reguinho e ia descendo, passava pelo cuzinho e colocava a pontinha do dedo na minha xota. Ele então levantou devagar e foi por cima de mim e começou a beijar a minha bunda, nessa hora eu não agüentei mais e disse: – Me chupa, por favor! O Paulo se assustou e levantou, eu me virei de barriga pra cima e arreganhei as pernas o mais que pude pra ele me chupar. Ele olhou pra mim completamente envergonhado e enquanto isso eu olhei seu pau, ele era enorme, devia ter uns 23 cm, estava cheio de veias e pulsando de tanto tesão. – Olha como tá duro, eu sei que vc quer, me chupa!!! – Mas vc é minha irmã!! – Mas primeiro eu sou mulher! Essa foi a senha, ele então não se segurou mais e veio me beijar desesperado. Saindo dos seus lábios eu me virei na cama e começamos um maravilhoso 69. Enquanto ele chupava, mordia e enfiava a língua em mim, eu lutava pra chupar aquele cacetão que mal cabia na minha boca. Algum tempo depois gozamos nós dois juntos e eu chupei cada gota de gozo que saiu daquele pau maravilhoso. Meu irmão estava tão excitado que seu pinto não amoleceu. Então voltei a lhe beijar a boca e ele acariciava a apertava meus peitos com toda a vontade do mundo. Então eu pedi pra ele me comer. – Você quer que eu te coma? Então vai ser do meu jeito! Então ele abriu minhas pernas e sentou na minha frente. Pegou seu pau enorme e começou a esfregar na minha boceta inteirinha, mas não me penetrava. Aquilo estava me deixando louca e implorei pra ele me foder. Antes que eu terminasse a frase ele estocou tudo de uma só vez. Senti seu pau batendo no meu útero e ouvi ele gemer junto comigo. Ele começou o vai e vem, por vinte minutos ficamos ali, ele me fodendo com as pernas arreganhadas enquanto segurava meus peitos e eu só sabia agarrar o travesseiro e colocar na boca pra abafar meus gritos de tesão. Depois de muito segurar ele gozou e eu fui junto, depois de ter gozado pelo menos quatro vezes. Agora sim seu pau amoleceu e ele caiu exausto na cama. Eu comecei a chupa-lo e ele logo correspondeu, ficando no ponto de bala de novo. Eu então abri bem as pernas dele e sentei. Aí foi a vez dele gritar. Ele esperava que eu colocasse o pau dele na minha xota, mas eu tinha apontado pro meu cu. Enquanto sentava eu fui enterrando cada centímetro daquela pica gigantesca no meu rabo e era ele que estava com o travesseiro agora. Quando parei de me movimentar pro meu buraquinho se acostumar com aquele cacetão, meu irmão tirou o travesseiro do rosto e disse que nunca tinha comido um cu antes e que não sabia que era tão bom e eu disse que ele nem tinha sentido ainda como era comer um cu de verdade. Falando isso eu comecei a cavalgar e ele gritava abafado pelo travesseiro enquanto eu lutava pra não gritar também. Como eu, ele não agüentou muito e gozamos juntos de novo. Depois disso, toda sexta feira à noite eu alugo um filme de terror, fico com medo e vou dormir com o meu irmãozinho. Se gostaram do que contei me escrevam. Na próxima eu conto como conheci o melhor amigo do meu irmão e como foi a festa em que ele também participou. Beijos, irmãzinha.                                

UM CASAL DE CLIENTES TRANSA COM MINHA ESPOSA

O CANALDOSCONTOS TRÁS PARA VC ESTE MARAVILHOSO CONTO , BEM MORO NO INTERIOR DE SP , EM UMA CIDADEZINHA PRÓXIMA A DIVISA COM PR , ME CHAMO ALDO SOU MECÂNICO, TENHO 36 ANOS , CASADO COM A IZADORA DE 27 ANOS , LOIRA 1,76 M , 58 KG , SEIOS FARTOS E BUNDA MÉDIA ,CABELOS CURTOS , USA ÓCULOS , LINDA , CONSERTO CARROS DE MUITOS CARAS RICOS E POBRES , MAS UM DOS MEUS CLIENTES É O DR PEDRO , UM SENHOR DE 60 ANOS , ELE TEM 03 FAZENDAS , UMA AQUI NO PARANÁ, CONSERTO CARROS PRA ELE , NO MÊS DE MARÇO ELE VEIO AQUI TRAZER UMA PICK APE , CABINE DUPLA PRA MIM DAR UMA OLHADA EM UM DEFEITO , POR ACASO MINHA ESPOSA CHEGOU NO MOMENTO EM QUE ELE ESTAVA , ELE NÃO AH CONHECIA , EU OCUPADO OLHANDO A CAMINHONETE , ELA PAROU O CARTO DESCEU E FICOU ME AGUARDANDO O DR DISSE , ATENDE ESTA DEUSA , DA UMA OLHADA NO QUE ELA QUER , EU DISSE VOU ATENDER JÁ , ELE SE ACHEGOU A RLA E COMEÇOU A CONVERSAR , ELA DISSE SER MINHA ESPOSA , MAS COMO SE DIZ O AMOR É INSTANTÂNEO, ACHO QUE ELE GAMOU DE PRIMEIRA , ELE FDZ CONVITES A ELA PARA IR A FAZENDA COMIGO , O CARA ME ENCHEU O SACO PRA IR A FAZENDA , FOMOS , EU ELE MINHA ESPOSA A ESPOSA DELE , MAIS UNS AMIGOS , TEM UMA SEDE MARAVILHOSA , PISCINA , CURRAL , TUDO DE BOM , MUITO GOSTOSO MESMO ,MAS ELE ESTAVA MESMO NA MINHA ESPOSA , MINHA ESPOSA BRANQUINHA DE BIQUINE ROSA , LINDOS PEITÕES , RABO DELICIOSO , A ESTER , ESPOSA DO DR PEDRO COLOU NELA , UM BOM PAPO ENTRE AS DUAS , TODOS FORAM EMBORA   SÓ O CASEIRO E A ESPOSA DELE ARFUMANDO AS BAGUNÇAS , MINHA ESPOSA E A DONA ESTER ENTRARAM PRA DENTRO DA CASA O DR PEDRO ENTROU UM POUCO DEPOIS , IMAGINEI COISAS , FUI ATRÁS, PORRA NA SALA MINHA ESPOSA PELADINHA , DONA ESTER E O DR PEDRO CHUPANDO PEITOS BUCETINHA E CUZINHO DELA , MINHA ESPOSA SE CONTORCENDO , EU PAREI FIQUEI OLHANDO , DR PEDRO DISSE VAMOS PRO QUARTO , FOI QUANDO ELE SE LEVANTOU , ME VIU E DISSE NÃO FICA PARADO AJUDA LEVAR A IZADORA PRA CAMA , EU AJUDEI E DEITAMOS MINHA ESPOSA NA CAMA ELA BEIJAVA A DONA ESTER NA BOCA , BEIJAVA O DR PEDRO , EU NÃO AGUENTEI AQUILO EA BEIJEI TB , ESTER CHUPAVA A BUCETINHA E O CUZINHO DA MINHA ESPOSA , PORRA ME DEI POR CONTA A ESTER NUA , DELICIOSA MADADE , MAS TENTEI ALISAR ELA E O DR PEDRO DISSE , DEIXA ELA , ELA ESTA COMENDO SUA ESPOSA DEPOIS VOU COMER TAMBÉM, DEPOIS DE ESTER CHUPAR E MINHA ESPOSA GEMER MUITO O PEDRO CHUPOU ELAJUNTO COM DONA ESTER , ELE BEIJAVAM A BOCA , MAMAVAM OS PEITINHOS   CHUPAVAM BUCETINHA E CUZINHO , ADMIREI MESMO QUANDO , MINHA ESPOSA ABOCANHOU O PAU DELE E MAMOU PAU E BOLAS , CHUPOU A BUCETINHA DA ESTER , CHAMOU DR PEDRO PRA CHUPAR A ESTER COM ELA , EU ASSISTINDO , DR PEDRO PEGOU MINHA ESPOSA DE 4 FUDENDO ME DISSE ENTRA EMBAIXO PRA VC VER , EU ASSISTINDO E A ESTER ACARICIANDO OS OVOS DELE , ELE MONTOU A ESTER EM CIMA DA MINHA ESPOSA , FUDEU AS DUAS ,MINHA ESPOSA GOZOU NO PAU DELE , ELE TIROU DA BUCETA DA IZADORA E COLOCOU NA BUCETA DA ESTER FUDEU E OUVI A ESTER GEMER GOZANDO , ELE RETORNOU O PAU NA BUCETA DA IZA , TIRPU E COMEU O CUZINHO DA MINHA ESPOSA E DA ESPOSA DELE , MAS GOZOU NA MINHA ESPOSA , EU ASSISTINDO TUDO , AGORA VAMOS SEMPRE A FAZENDA DELES , MINHA ESPOSA É NAMORADA DELE E NAMORADA DA ESPOSA DELE.

comendo a mulher na frente do marido

Interessante afirmar que meu relato é real, nada de floreamento……Estava lendo uma revista e vi um artigo que se tratava de cornos….não gosto muito dessa matéria mas, comecei a refletir…como será essa situação….tanto pro marido, pra mulher e tanto para o comedor…gostaria de passar por isso, então contatei com um casal num site e programas, um encontro….já no motel…. cheguei lá, encostei meu carro e subi para o apartamento e fiquei esperando as visitas….uns dez minutos seguintes ligaram da portaria, que tinha um casal a minha espera…mandei subir….abri a porta e de relance deparei com uma mulher fantástica, violão, morena clara, devia ter uns 25/30 anos…..lindona….vestido branco colante….adorei, mas, quando olhei para o marido dela…aí me deu arrepio…um cara de uns 1.90 m de altura, forte, um galã….e ai pensei até em recusar o encontro, porque ele muito mais forte que eu, poderia comandar a trepada e até me socar de porrada….por eu ser mais fraco que ele…mas quando ele falou, me tranquilizou, disse que não tocaria nem nela nem em mim e permaneceria sentado ao lado da cama….queria apenas apreciar sua esposa fudendo…. tivemos uma conversinha, os três, e me senti seguro…ela foi pra cama e começou a tirar a roupa mesmo deitada…e eu me deparei com um corpo de uma linda mulher…..deite-me o seu lado e ela tirou a minha roupa e fez um chupada, que daria uma nota 8…..depois abriu as perna e queria vara…lá vai eu, já de pau duro…..meti sem pestanejar….uma boceta gostosinha….Isso, sem camisinha……gozei com cerca de uns 3/5 minutos…enchi ela de porra…..tanto ela como eu fomos ao banheiro se lavar…ela lavou meu pau….e voltamos para a cama…eu já estava ficando de pau duro de novo, porque ela com aquela mãozinha fina, deliciosa, me deixou com tesão de novo….dei-lhe outra trepada….. .e, novamente fomos nos lavar…daí o marido disse…tá bom vamos embora…e foram…..nunca mais vi o casal…

Minha irmã e meu cunhado

Recentimente, fui passar uns dias na casa de minha, devido a praticidade profissional. Poxa, uma pessoa na casa de outra, mesmo sendo irmã, fica uma situação constrangedora. Bom. Outro dia, cheguei do trabalho, cansado e já por volta das 22:00hs. Cumprimentei o casal e fui para o quarto, tomar meu banho. Voltei até a sala eles ainda estavam assistindo televisão. Fui até a cozinha beber água. Voltei para meu quarto. Peguei um livro e começei a ler. Um tempo depois, escuto os dois no maior love na sala. Fiquei quietinho para não atrapalhar. No outro dia, minha irmã perguntou se eu tinha ouvido alguma coisa. Gesticulei que sim, sorrindo. Ela disse que precisava falar comigo. Nos sentamos à mesa para o café. Já que o marido tinha saído, ela ficou mais à vontade para conversar. Ela reclamou que ele era de uma gozada só e que ela ficava ainda com muita tesão e ele nada. Orientei que ela tivesse paciência e trata-se com mais carinho quem sabe poderia resolver. À noite ao voltar para casa, notei um clima diferente em casa. Ela estava de camisola preta transparente e com uma minuscula calcinha, também preta, sem sutiã. Ele só de cuieca. Ambos na sala deitados no tapete, abraçados e tomando vinho. Fiquei sem jeito. Ia já passando direto para o quarto quando o meu cunhado me chamou para tomar um vinho com eles. Retornei, me sentei perto deles. Peguei meu vinho começei a beber e eles mais ainda. Quando de repente, minha irmã, pegou se dirigiu para mim para me dar um beijo na boca. Eu ao me afastar acabei deitando no tapete. Quanto o meu cunhado leva a mão ao meu ziper. Diante da situação, assustado, deixei que rolasse para ver o que ia acontecer. Minha irmã me beijando e o seu maridão botando o meu pinto para fora. Ele pegou o meu caçete colocou na boca enquanto a minha irmão continuava a me beijar. Coisa de doido. Fiquei com o maior tesão. No beijo da minha irmã, parecia que era para eu não me mexer. Quando senti que ele já estava se sentando no meu caçete. Desceu tão fortemente que meus ovos encostaram em sua bunda. Só então que minha irmã parou de me beijar. Virou para o maridão que estava sendo enrabado e foi chupar o seu pau que estava endurecido. Com aquela situação não resisti, gozei enquando ele também gozava. Ela sorriu, disse já que estamos entendidos, vamos fazer a coisa direito. Se deitou. Pediu que eu comer a sua buceta. Parei olhei para ela, por instantes não ví ali a minha irmã. Pois, ela é linda, uma bucetinha aparadinha, seios durinhos. Esfreguei a cabecinha no seu grelinho e fui enfiando devagarinho, ela se contorcia. Afinal era uma situação totalmente diferente. Quando eu já estava todo enfiado na sua buceta, ela num gesto rápido virou de posição, ficando com aquela rabeta para cima. O maridão se excitou ao ver eu comendo a sua esposa e abaixou em cima de sua bunda dolocando no seu cuzinho. Assim, fomos nós e em muitos movimentos acabamos gozando. Ela descobriu uma maneira de excitar o marido. Dando para o seu irmãozinho querido. Mas, ainda tem algo diferente no ar. Este maridão, não sei não !!! Acho que vou descobrir hoje.

Marcelo & Sonia 011 – Amante do Casal

Marcelo & Sonia 011 – Amante do CasalEm casa, no nosso quarto, me beijando e segurando meu pau duro, Sonia contou tudo que aconteceu na casa de Alda, como Alda usou o envolvimento dela com Cléia para comer ela, que ela sentiu uma atração louca por Alda, como Alda fez ela dar para o marido, Sonia falou do tamanho do pau do Neiva, que teve que chupar e que ele comeu a boceta e o rabão dela na frente de Alda.Sonia estava com medo deles comentarem com alguém. Eles conheciam vários amigos e parentes nossos. Apesar da situação delicada, falei que eles não iam contar. Sonia falou que era melhor eles não saberem que eu sabia de tudo e concordei com ela.Naquela noite metemos gostoso até tarde. Sonia estava cheia de fogo, chupou com vontade, pediu pica, oferecendo o rabão, dava para ver que ela tinha sido comida, Neiva tinha deixado ela larga, meu pau entrava todo, eu provocava, falando que ela estava arrombada, Sonia gemia falando que o Neiva que tinha deixado ela daquele jeito. Que ela estava assim, porque eu deixava ela dar para qualquer um. Que eu fiz ela virar puta. Que eu era corno. Eu metia forte nela. Gozamos gostoso aquela noite.No dia seguinte, Sonia me ligou no trabalho cedo, falou que Alda tinha chamado ela para ir na casa dela. Eu e Sonia sabíamos o que ela queria. Aquilo me deixava doido e eu sabia que Sonia estava doida para ir. Vai querida, falei, doido para ela ir. Eu vou, ela disse. Você vai me contar tudo? Perguntei. Vou amor, eu não escondo nada de você, eu conto tudo que eles fizerem comigo.Sonia se arrumou, colocou uma sandália, uma calcinha pequena e um vestido muito justo e curto. Chegou na casa de Alda no horário combinado e subiu. Alda abriu a porta nua com um sorriso. Sonia olhou o corpão dela. Ela entrou e Alda fechou a porta, abraçando e beijando Sonia na boca, sentiu Alda segurar sua bunda por cima do vestido. Alda olhou ela nos olhos, estava com saudade, falou. Só então Sonia viu Neiva, nu, segurando o pau duro e olhando as duas, Ele viu que Sonia olhava para o pau e se aproximou encarando ela. Passou a mão no rabo grandão dela, Sonia segurou o pau grosso, Ta com saudade da pica, ele falou, tô, Sonia disse. Neiva beijou ela na boca, Sonia se entregou ao beijo, abraçando o pescoço dele. Alda a abraçou por trás, encostando toda na bunda dela, Sonia ficou no meio do casal. Alda tirou o vestido dela, ela ficou só de calcinha, Neiva continuou beijando os lábios grossos dela, Sonia segurava a pica grossa, ela não resistiu, ajoelhou e beijou a pica. Alda segurou os cabelos dela, fazendo ela engolir a pica, o pau invadiu a boca, Sonia foi engolindo a pica, chupando com vontade, Alda ajoelhou do lado dela e as duas chuparam a pica juntas, esfregando os lábios. Neiva exigia a boca das duas no pau, Alda mais acostumada engolia mais que Sonia. Neiva exigia que Sonia colocasse a pica toda na boca. Chupa, Engole tudo Sonia, ele mandava. Neiva olhou para a mulher. Olha como tua amiga gosta de pica, olha como ela chupa. Eu disse para você que ela tinha cara de piranha, que ela era igual a você, Neiva falou rindo. O Neiva sempre falou que você tinha cara de piranha. Sonia beijou Alda na boca, Vocês que me deixam assim, Alda riu, agora você é nossa piranha, não é, ela provocou, Sou Alda, você sabe que eu sou. Sonia disse. Alda e Neiva levaram Sonia para o quarto deles. Ele beijou a mulher na boca. Alda segurava a rola grandona do marido. Neiva levou a mulher para cama, ela deitou toda aberta e Neiva deitou em cima metendo o pau na boceta, meteu com brutalidade nela, castigando a boceta da esposa. Aaai ai Sonia olha como ele mete, ta arrombando minha boceta, ele mete assim desde que casou comigo. Aai aaai amor, mostra para Sonia o que eu aguento na cama. Alda falava descontrolada sendo comida com força. Sonia beijou Neiva. Me come assim, pediu. Neiva sorriu, você quer levar pica assim, quero, Sonia disse. Neiva saiu da boceta da mulher e fez Sonia deitar toda aberta com a boceta arreganhada e montou nela, Sonia abraçou o corpo dele, a pica grande e grossa invadiu o bocetão, ele meteu com força, Sonia gemeu levando pica; chorou dando pro Neiva, sentia a boceta aberta e a pica toda dentro. Neiva castigou a boceta dela. Alda mandava o marido não ter pena dela, rasga a boceta dessa piranha, enfia tudo, amor, ela ta querendo pica.ela mandava. Sonia soluçava e gemia dando a boceta. Alda mamava os peitos dela, deixando ela ainda mais louca. Sonia implorava para ele botar tudo. Neiva botava com força. Sonia gozou com o pau atolado na boceta. Ficaram abraçados, Sonia beijava Neiva, ele tirou a pica e Alda beijou a boceta dela e fez ela ficar de bruços, abriu as nádegas, Sonia empinou o bundão, Alda beijou o cu, Sonia gemeu, Alda chupou o cu, deixando Sonia desesperada, sentiu os dedos de Alda espalhando creme no cu, sabia que ia tomar no cu. Neiva montou nela, sentiu o cacetão forçar, gemeu alto quando o pauzão entrou. Põe tudo, Neiva, acaba comigo, me arromba toda, como você faz com a tua mulher, Sonia pediu. Neiva meteu a pica toda. Sonia chorou aguentando o caralho grosso dele, gemia alto, sendo comida sem pena. O pau entrava todo no cu, deixando ela larga. Alda beijava ela na boca. Neiva foi bruto, enfiava forte, Sonia tomou no cu para valer. Neiva cravava tudo no rabão dela. Sonia se entregava toda, ai ai Neiva ai mete tudo no meu cu, você mete gostoso demais, enfia tudo, por isso que a Alda é louca por você, você come gostoso demais, eu quero tudo Neiva, me castiga, não tem pena, acaba comigo, eu quero fica arrombada, Sonia estava desesperada. Eu meto melhor que o Marcelo, ele provocava. Mete, você mete mais gostoso, teu pau é maravilhoso. Sonia falava sem pensar. Ela gamou na tua pica amor, Alda falou para o marido, puxando Sonia para cima dela e beijando Sonia na boca. Gostou da pica do meu marido, Alda provocou, gostei,eu adoro vocês dois, Sonia falou para Alda. Neiva continuou com o pau enterrado, comendo Sonia. Ela gozou tomando no cu, Neiva continuou comendo, ele acabou gozando enchendo o rabão dela de leite. Ficaram na cama a tarde toda, Sonia e Alda se beijavam, trocando caricias e sendo comidas por Neiva. Sonia voltou para casa acabada.Uma manhã Alda ligou para Sonia e falou que um casal amigo deles que morava em Florianópolis veio visitar eles e ela queria que Sonia os conhecesse. Sonia não queria ir, Alda ficou insistindo e Sonia acabou cedendo. Ela me ligou apreensiva. – Vai só pra conhecer, falei. Você acha que eles vão querer só me conhecer. Se eu for eu vou ter que dar. A Alda ta me chamando porque vai ter sacanagem. Ela disse. Eles devem ser de confiança, senão a Alda e o Neiva não iam deixar eles frequentarem a casa deles. Vai e vê o que acontece. Ela riu, eu vou, Sonia falou que ia na casa dela de tarde.Minha mulher foi na casa da Alda de tarde, chegou as 15 horas, ela foi à vontade, com um vestido estampado muito curto. Alda abriu a porta para ela, usava um vestido de alça bem curto, decotado, mostrando as coxas grossas, Sonia entrou e Neiva veio falar com ela, Alda abraçou Sonia dando um selinho nela, Sonia esse é o Gilberto e a esposa dele Fabiana, Gilberto tinha 29 anos, 1.71 altura, 96 kg, era branco, cabelos curtos, rosto largo, gordinho, simpático. Fabiana tinha 25 anos, branca, 1.67 altura, 57 kg, cabelos pretos lisos nos ombros, rosto fino, olhos escuros, lábios grandes, seios pequenos, cintura fina, usava um vestido justo de malha. As pernas eram compridas e roliças, a bunda era redonda e empinada, Eles sorriram, Fabiana ficou olhando Sonia, bem que você falou Alda, ela é linda. Ela veio onde Sonia estava e beijou ela no rosto bem perto da boca, Sonia correspondeu ao beijo. Neiva levou todos para os sofás, Gilberto sentou no sofá e Fabiana sentou abraçando o marido, Neiva fez Sonia sentar entre ele e Alda no outro sofá em frente ao deles. Ficaram conversando, Fabiana ficava olhando para Sonia o tempo todo. Sonia percebeu que Fabiana olhava pra ela com desejo. Alda não perdeu muito tempo e falou para todos escutarem. A Fabiana já agüentou a pica do meu marido igual você, Sonia. Gilbert
o sorriu, A Alda também já deu pro meu marido, Fabiana disse para Sonia. Alda beijou Sonia na boca na frente de todos, ela correspondeu. Neiva pegou a mão de Sonia e fez ela segurar o pau por cima da calça, Fabiana levantou e foi até Sonia e abaixou, colocando a mão nos joelhos dela e olhando Sonia nos olhos, Fabiana beijou Sonia na boca, se beijaram de um jeito apaixonado, as línguas se esfregando. Fabiana beiju o pescoço de Sonia, sua boca desceu beijando os peitos por cima do vestido, Alda ajudou abaixando o vestido, deixando os peitões grandões nus. Fabiana esfregou a cara neles, colocando o bico grandão todo na boca, ela mamou os peitos de Sonia, fazendo ela gemer. Sonia olhou para o sofá e Gilberto tinha colocado o pau para fora e se masturbava, O pau dele era menor que o do Neiva, tinha 18 cm e era bem grosso. Sonia ficou olhando ele se masturbar com a esposa dele mamando os peitos dela. Gilberto viu que ela olhava e acariciava a pica encarando Sonia, Neiva tinha colocado a pica enorme para fora, Sonia segurou e ficou masturbando a pica. Alda fez Sonia levantar e tirou o vestido dela, deixando ela com uma calcinha pequena que mal tapava a boceta. Ela sentou no sofá com as pernas abertas e Fabiana acariciou a boceta, sua boca desceu até a boceta e beijou a calcinha, esfregando a cara no bocetão de Sonia, que gemeu quando sentiu a boca da garota na boceta. Fabiana puxou a calcinha deixando Sonia nua, Ela ficou olhando fascinada para a boceta grandona de Sonia, Alda sentada do lado delas olhava tudo acariciando a própria boceta. Tinha tirado o vestido e estava só de calcinha. Fabiana olhou para Alda, A boceta dela é gostosa demais. Alda beijou Fabiana na boca, chupa meu amor, você ta doida para chupar a boceta dela, Fabiana não disse nada, sua boca procurou a boceta, ela enfiou a cara no meio das pernas de Sonia e chupou com vontade, Sonia segurou os cabelos dela enterrando a cara de Fabiana na boceta dela, chupa querida, falou gemendo. Fabiana chupou Gilberto e Neiva tinham tirado a roupa. Gilberto ficou se masturbando, olhando a mulher chupar. Alda fez ele chegar perto. Sonia ficou olhando a pica grandona e dele, Gilberto encarou ela, Sonia encostou os lábios grossos na pica, ele segurou os cabelos dela e fez ela engolir a pica, Sonia chupou a pica dele, Gilberto enterrava a pica toda até o talo na boca dela, Alda incentiva ela a chupar, Fabiana tirou a boca da boceta dela e ficou olhando, Sonia olhou para ela, Fabiana beijou os lábios de Sonia, Gilberto segurou a cabeça da esposa e trouxe sua boca pro pau, ela chupou a pica do marido, dividindo com Sonia. Neiva levantou com o pau duro. Fabiana abocanhou a rola e mamou de um jeito apaixonado. Neiva fez ela levantar e ficar de joelhos no sofá, apoiada no encosto, ele veio por trás e encostou a pica na boceta delicada dela, os lábios grandes se abriram, ele foi botando, Fabiana gemeu alto, Neiva foi enterrando, a boceta da garota foi engolindo o pirocão grosso, Neiva botou tudo na boceta dela, Fabiana falava para ele meter tudo na boceta dela, Neiva não teve pena, foi bruto com ela, meteu para valer, deixando Fabiana fora de si, ela gemia muito, de um jeito sofrido, mas, dava pra ver que ela gostava de sofrer numa pica. Gilberto se aproximou de Sonia e fez ela deitar no sofá com as coxas abertas e montou nela, metendo na boceta, Sonia sentiu a pica grossa invadir a boceta, gemeu, abraçando Gilberto, pedindo pica. Alda ajoelhou no sofá do lado dela e beijou Sonia na boca, Gilberto passou a comer Alda e Sonia, metendo na boceta das duas, Fabiana gozou dando a boceta, Neiva continuou comendo, castigando a boceta da garota. Gilberto não agüentou e encheu a boceta de Sonia de porra. Neiva chamou Alda, pegaram Fabiana pelo braço e levaram ela para o quarto. Foram todos para o quarto. Neiva fez Fabiana ficar de joelhos na cama. Alda pegou o pote de creme e abriu a bunda dela, passando creme, Fabiana gemeu quando o dedo de Alda invadiu o cu, sabia que ia tomar no cu. Neiva montou nela e encostou a pica grandona no cuzinho, foi forçando, Fabiana gemeu quando sentiu o cabeção entrar, Neiva a segurou com firmeza e foi metendo o pau grosso no cu, Fabiana gemeu mais ele enterrou o cacetão todo, deixando ela doida, Fabiana tomou no cu chorando, Neiva arrombou o bundão dela, deixando ela larga, Ela gemia desesperada com a pica grande e grossa toda no cu. Gilberto pegou Alda fazendo ela ficar de joelhos do lado da esposa e montou em Alda metendo a pica no bundão dela, Alda gemeu agüentando a pica toda no cu. Sonia subiu na cama e beijou Fabiana na boca, ela correspondeu, Alda abraçou Sonia e beijou ela na boca. Eu to doida para dar a bunda. Alda sorriu safada pra ela. Fabiana gozou gemendo alto com o pica enterrada na bunda. Neiva tirou o pau e encarou Sonia, ela viu que ele queria ela e abraçou Neiva, beijando ele na boca, ele levou ela até a parede e fez ela virar, passando a mão no bundão dela, Sonia sabia que ele queria o rabão dela e se apoiou na parede com as duas mãos, abrindo as pernas e empinando a bunda enorme para ele, Neiva abriu as nádegas fartas dela e encostou a pica grossa no cu, Sonia gemeu quando o pau entrou, Neiva segurou ela e meteu com força, botando tudo, Sonia chorou agüentando a pica grande e grossa. Neiva castigou o rabão dela, metia de um jeito bruto, Gilberto na cama continuava comendo Alda, Fabiana olhava o marido comer. Sonia gozou com o pau grosso todo no cu. Neiva continuou metendo deixando Sonia larga. Ela gozou de novo dando a bunda para ele, só então Neiva encheu o rabão dela de leite. Fabiana veio até ela e beijou Sonia na boca, ficaram abraçadas roçando as bocetas, Sonia deitou ela na cama, abriu as pernas dela e chupou a boceta, deixando Fabiana louca, ela se abria toda para Sonia oferecendo a boceta, esfregando a boceta nos lábios grossos de Sonia, Gilberto continuava comendo Alda que chupava o pau do marido. Fabiana gozou na boca de Sonia, Já era mais de 22 horas, quando Sonia foi embora, Alda levou ela na porta, se beijaram na boca, Sonia a olhou nos olhos, depois eu quero ficar só com você, Alda sorriu, vem amanhã que eu estou sozinha. Sonia sorriu, eu venho. Sonia foi embora satisfeita.Sonia e Alda se tornaram amantes. Alda comia ela na casa dela. As duas nunca foram tão amigas quanto agora. Neiva quando estava em casa comia Sonia junto com a mulher.Sonia uma noite me confessou que sentia falta da minha companhia, ficava excitada me contando tudo que fazia, só que gostava de me ver olhando tudo, gostava de dar na minha frente. Falei que sentia vontade de ver ela com Alda e Neiva. Ela falou que ia dar um jeito.Continua.

eu e o jovem casal evangelico

Esses tempo atrás um jovem casal entrou em contato comigo, segue os emai, Olá Dog201515, meu nome é Ticiane e meu marido Lucas, somos evangélicos de família evangélica por isso casamos cedo tenho 20 éo Lucas 22, mas devido a falta de experiência do meu marido o rigor da religião e um fogo que só aumenta em mim aconteceu o seguinte um a noite estávamos em uma pizzaria esperando a pizza para levar e entrou um homem mais velho mas bem bonito com cara de safado homem do mundão como dizemos na igreja, eu estava sentada em uma banqueta destas altas e apoiada no balcão nisso deixava minha bunda estucada pra trás ,o coroa olhou minha posição como se eu tivesse pronta pra ser comida fiquei nervosa e exitada cheguei a mexer e olha lo ele muito safado sem nem se importar com o Lucas que estava ao meu lado me comeu com os olhos . apuzza veio e eu na saída dei mais uma olhada para aquele coroa com cara de comedor e ele na maior cata dura meu deu um oi e sorriu fiquei doida coloquei um braço bo Lucas e sai rebolando sou uma magra com bunda e seio, vcs homens me chamam de ninfeta gostosa… Chegamos em casa e fomos transar direto, na transa o meu marido falou que se o coroa te pegasse ia comer minha bunda, gemi e falei e vc meu corninho o que ia fazer? O Lucas tremendo de tesão gozou sussurrando ia deixar. Resolvemos ler os sites e a historia em que dois negros em minha vida nos pirou, o Lucas disse escreve pra le Amorzinho…. Eu respondi que no meu caso eu sempre desejei ser corno mas que minha mulher me traia e contava detalhes quando transavamos foram muitas vezes e anos ate chegar ni conto em questão, mas o caso dela era diferente na minha opinião o Lucas já nasceu um corninho pronto e vc uma putinha evangélica retraída pela religião , mas vai dar muito e seu corno limpa lá. Sugiro que pricurem fazer no começo com homem mais velhos e de preferência casado para manter a reputação ,pois a fantasia sexual não pode entrar na vida social… Passou uma semana outro email, oii Dog, eu e meu marido gostariamis de bos encontrar ctigo, depois de outro contatos combinamos o dia e foram me buscar em um local na minha cidade mandei rumarem para outro end, já havia combinado com o tio macho da minha esposa ele tem 54 anos e um pau bem grande e muito safado, no camiho o Lucas estava tenso e a Tico apenas falou amor ele vai só me comer e sorriu… chegamos e o tio no s recebeu apenas de calção a jovem evangélica me olhou e perguntou se era o tio do cpnto eu faleu sim, ela enteou rebolando aquela bundinha hovem casa a dentro seu marido um rapaz bonito nao tinha voz pra nada , eu vi que era corno e viadinho certo!!! Entrou atrás o safado do tio tava tomando uma ceva e Ffoi brincando e descontraindo , já com um volume no calção armado, puxou a menina e a fez ajoelhar em seguida abaixou e saltou aquele caralho enorme que já conhecia bem de perto na cara da jovem esposa e socou guela a dentro e mandou chupa putinha, ela gemeu e foi tentando engolir o que podia, o rio chamou o corninho e o pegou firme pelos cabelo e falou ajoelha e ajuda a putinha da tua esposa , o guri meio sem jeito se ajoelhou e o tio tiro da boca dela e foi socando no rapaz ele engasgou éo negão forte e com suas maos grande seguraram firme o jovem corno e fudeu a boca dele enquanto isso a Tici lambia as bola, deu do do Lucas e um pouco de inveja pois o tio era um safado esxpwriente e fez aquele jovem casal evangélico chuparem ele ate ele começar a gozar um mar de porra na boca do guri e cara da Tici foi uma cena muito sexi queria que fosse eu e minha esposa no lugar daquele casal, o tio ainda pegou o seu pauzão e bateu na cara do Lucas pra mostra o seu lugar esfregou na cara da Tici e falou vou comeu dois cu hj, o Lucas bem eapocou reação, aquele casal era perfeito. Nisso Tici sentou no pau do tio e entrou tido a garota chegou a gritar pois era acostumada pelo pau normal do seu corninho, o safado do tio judiou daquela delicia fez sua bucetinha virar um bucetão de tanto socar nela enquanto isso mandou o Lucas lamber suas bolas o jovem engolia as bolas do tio fazendo o tio encher sua esposinha de porra a jovem delirava e gritava Lucas ele gozou dentro da minha buceta, o Lucas enlouquecido sorvia a porra que escorria da mulher dele , o tio fez o guri limpar o seu pau e passar vaselina no cu da mulher dele, em seguida socou seu pau no vizinho da guria, ela chorou e resmungou mas o tio foi com calama e ela não recuou em pouco tempo ele socava com forca na Binda daquela menina linda eu estava doido e pau doendo, ele ficou metendo nela por uns 20min, e o Lucas chupando meu pau gozei na boca dele e o viadinho engoliu tudo com gosto. quandoo tio tirou nem acreditei estava um cuzao, o safado virou pro guri e jogou ele no braço do sofá e mandou a Tici passar vaselina no cu dele , e foi forçando o Lucas tentou sair mas o tio é forte e grande o segurou firme e continuou comendo o jovem eu peguei sua linda evangélica e comecei a comer seu cu ela dizia pra mim obrigado nunca gozei tanto, eu falava tu é uma deliciosa Putinga e teu marido olha ele ali dando o cu para um pau enorme, ela gemeu e disse sussurrando eu sempre soube que ele era viado, vou dar pra vcs quando quiserem, eu apenas disse cala boca puta , tirei meu pau e gozeo em seu jovem e lindo rosto espalhei poderá por tudo, enquanto osso o tio arrebenyava o corninho fez o guri virar mulherzinha mesmo, comeu com gosto e agarrou as anca dele e e batia muito em sua bunda gozando em seu cu falava alto toma viado porra de Negrão dentro de ti, vai viciar em dar o cu pra mim seu corno o Lucas gemia e gritava goza goza goza no meu rabo, o tio puxou ele pelos cabelos deu um beijo no o rosto dele e depôis um tapa, falou senta lá corninhp que agora eu e o Dog vamos comer tua esposinha assim fizemos durante mais uma HR comemos ela de dois , eu não tinha mais po4a mas sempre que gozava vinha o menino limpar, apos isso o casal foi tomar banho e o tio me olhou dizendo vem me chupar seu corno, gelei mas fui beijei sei peito e cai de boca naquele pau lindo esfreguei na cara e engoli sua s bolas , quando gozou foi no meu rosto e disse mostra pra minha puta em casa e traz ela aqui essa semana que to com saudade dela e de sua boca corno!! Eu apenas disse sím. Fomos embora e no caminho eles me agradeceram e a jovem disse quero vir outras vezes , agora sei o que é homem de verdade, neh Lucas , ele falou meu cu ta ardendo amor mas tu pode vir sozinha também ou comigo.ficamos amigos já levei eles outras vezes faz 3meses que levo ela lá pro tio detona a menina e claro acabo chupando aquele pauzudo safado também. ate

Fetiche da Esposa com Marido

Conto Real, vou me apresentar me chamo Ricardo vou usar um nome fictício, tenho 35 anos moreno e tenho uma estatura baixa de 1,69 com um corpo esportivo, tenho uma esposa linda que se chama Carla uma morena clara, baixinha 1,64 cabelos escuros com um lindo corpo modelado, um rabo de parar o transito, onde passo com ela homem e mulher olham de canto dos olhos disfarçando.Somos um casal que sempre fantasiamos inúmeras aventuras e já fizemos algumas e cada vez que podemos fazemos para sair da rotina, com tempo iremos escrevendo todos nossos contos aqui e quem sabe não aguça a imaginação e curiosidade de outros casais, sempre conversamos e entendemos que é melhor do que trair, então faça junto.Carla estava com uma fantasia de transar com mais um rapaz, de fazermos um ménage eu ela e outro na cama, eu propus a ela isso e ela já havia comentado que tem curiosidade, então combinamos de fazer, procuramos em alguns sites e alguns outros com perfil fake para não atrapalhar e muito menos prejudicar nossa relação.Conseguimos um rapaz do perfil que ela queria outro moreno, por mim esta ótimo apenas fiquei preocupado se ele teria um equipamento maior que o meu, homem é assim preocupado com pequenos detalhes, e então combinamos de se encontrar em uma cidade distante da nossa 300KM, para não correr o risco de difamar o casal.Chegamos na sexta feira chegamos um dia antes do combinado, para conhecer a cidade e eu e ela se aventurar por lá, o assunto estava deixando Carla com muito tesão mais do que o normal, eu colocava o dedinho na buceta e já estava molhadinha me dando agua na boca para chupar, saímos a noite na sexta bebemos e fomos para hotel transamos como nunca e já fantasiando que iria acontecer no outro dia, eu colocava a Carla de quatro com aquele rabo enorme e lindo pra mim, enquanto eu penetrava fundo eu falava “Imagina ai amor, você chupando o novo amigo do casal”, ela se molhava muito lubrificava cada vez mais, um tesão incontrolável tanto para mim e para ela, que estava ansiosa para acontecer, transamos muito nessa noite e tomamos banhos e ela ainda falando no amanhã.Já no sábado já era por volta das 19 da noite nós já estávamos em um bar esperando o rapaz que havíamos conhecido no aplicativo nome dele vamos usar “Pablo”, chegou um rapaz bonito mais alto que eu! Um pouco diferente do aplicativo, alto provavelmente 1,80 com massa muscular a mais do que eu… Pronto… Eu já estava bebendo comecei a beber mais pra tirar o FRIU ! Da minha barriga, homem que é homem nessas hora treme na base, puta que pariu esse cara vai foder minha mulher, a minha linda mulher! Mas tudo bem, já havíamos realizado algumas fantasias e eu não poderia dar pra trás né, a única que poderia fazer isso era a Carla que novamente puta que pariu! Estava com os olhos brilhando já imaginando aquele cara pelado na frente dela pra ela foder uma noite toda liberada pelo marido que esta ao lado! Pablo sentou ao meu lado normalmente como se fosse um amigo de longa data do casal. Bebemos um pouco mais próximo das 20:30 da noite, já estávamos bem minha linda esposa Carla estava ótima bem soltinha, falei no ouvidinho dela “E ai amor vamos?”, não sei por que falei o friu na barriga voltou, eu com sonho da Carla falar “Vamos pra casa mor dormi”… Mas não foi essa palavra que ela disse, e foi um “Sim vamos amor para o motel que eu quero é fuder com vocês dois”. Então paguei a conta como um bom marido já estava dando minha esposa pro Pablo foder e ainda paguei a bebida ai ai ai ai, então fomos saindo, minha esposa linda já esperta foi para o bando de trás, e eu pedi para o Pablo ir com ela no banco de trás enquanto eu dirigia para o Motel, foi ai que Pablo entrou em ação mostrou para que veio na aventura, colocou os peitos da minha esposa para fora e começou a chupa-los que é uma maravilha e eu assistindo tudo pelo retrovisor e Carla minha esposa como uma boa mulher, foi tirando a roupa e colocando Pablo para chupar, eu dirigindo louco de tesão com pau duro que estava rasgando minha calça de tanto tesão tive que tirar pra fora e dirigir batendo uma punheta enquanto o cara chupava minha esposa no banco de trás. Ela olhava pra mim e soltava aquela frase amor ele esta me chupando olha só ta vendo isso morrrrrr… Ta gostando…. ta outro cara me chupando… Eu estava era babando olhando aquilo tesão estava muito maior do que qualquer ciúmes, consegui chegar no motel antes dela tirar a roupa dele dentro do carro UFA!Peguei uma suíte para nos três, estacionei o carro no motel, ele desceu do carro e já foi pro quarto junto com ela, eu como um bom marido assistindo a minha esposa tão a vontade que eu não estava acreditando, mas eu dei razão para ela por que o tesão estava exalando dela, amo minha esposa puta, entramos no quarto ela tirou a roupa do Pablo que estava de pau duro, e convenhamos que pau, o rapaz era bem dotado e fiquei feliz que se for pra ser fodida que seja bem! Minha esposa quando tirou a cueca do Pablo ela deu um sorrisinho nossa será que eu vou aguentar vocês dois, dois pau enorme para mim, Carla começou a chupar o pau enorme do Pablo enquanto eu estava deitadinho na cama assistindo a cena dela de joelhos e Pablo ganhando aquele boquete gostoso que só ela sabe fazer, ela chupava que babava.Carla colocou Pablo na cama e veio em minha direção amor! To amando isso, olha a baba do pau do Pablo e me deu um beijo, minha esposa sempre foi filha da puta pra isso, como bom marido e amo uma putaria beijei ela muito, quando passei a mão na bucetinha dela estava jorrando agua de tão molhadinha, Carla tirou minha roupa e começou a chupar meu pau, ficando na posição de quatro, Pablo estava deitado do meu lado observando ela e dei o sinal pra ele penetrar naquela buceta linda que estava aguardando ele a dias. Quando Pablo colocou e deu a primeira bombada as pernas da minha esposa tremeu e soltou um gemido do caralho, que enquanto chupava meu pau me olhando, loucamente dizendo amor ta gostoso eu não imaginava que era tão bom assim, Pablo começou a bombar mais e mais na bucetinha da minha esposa que me olhava e falando amor ele ta me comendo mor, ele ta comendo a sua esposa, nesse momento eu segurei pra não gozar por que foi de mais! Imagina só realizando o fetiche da esposa, queria e queria mais e mais, foi um prazer enorme, invertemos Pablo levantou e colocou o pau na boquinha da minha esposa e colocou ela para mamar enquanto fui chupar aquela buceta que estava muito molhada fora do comum, enquanto eu chupava ela ela estava chupando outro e cada vez mais molhadinha que escorria, então eu fui meter naquela buceta molhada e já lubrificada por outro pau enorme ela delirava e ainda assim me atentando, dizendo amor eu to chupando ele enquanto você me fode gostoso, nisso eu bombava mais forte, até que falei amor vamos fazer uma DP “Dupla Penetração”, Carla estava com tanto tesão que não pensou duas vezes, toda babada me beijou de novo eu já vi que ela estava me zuando e levei na esportiva e claro dava um tesão da porra, Carla sabia a regra que o Cuzinho era meu e de mais ninguém! Então ela foi sentando no pau do Pablo que estava trincando de tesão de ver aquela mulher casada linda e gostosa pra ele foder muito, começou a meter enquanto Carla cavalgando empinou o rabão para mim e pediu pra mim meter de vagar no cuzinho dela, fui colocando e de vagar comecei a bombar e Pablo bombando por baixo, Carla mesmo dizia que nunca gozou tanto como estava naquela noite eu imagino até hoje que se tivesse mais uma rola para aventura ela daria conta, e nisso fizemos uma deliciosa DP, inesquecível por sinal, Pablo não resistiu e gozou bem rápido por sinal, não o culpo, a Carla é fora do comum na cama, saímos do motel deixei Pablo no hotel que ele estava e voltamos para o nosso, ainda transamos mais uma vez por que o fogo estava de mais, e cada vez que tocamos no assunto nos da muito tesão. Fizemos e faremos novamente.                     &nb
sp;          

3) Meu Vizinho Tímido e Ex- Virgem e Comandando a Madura

Continuação de:1) Meu vizinho tímido ensinei o prazer2) Meu vizinho timido aprendendo com a maduraTenho 41 anos mulata gostosa, com um apetite sensual bem aflorado me envolvendo com um jovem de 25 anos branquinho e muito tímido, sem experiência mas ótimo aluno. Depois que tivemos nossos jogos e primeiro ato sexual descansamos, me sinto realizada pelo envolvimento sensual dele.Ele me surpreende:-    Agora somos namorados ?Pergunto:-    Você quer?Ele:-    Amaria …Me acomodo nos seus braços e ficamos nos curtindo, de repente ele me pedi com os olhos de menino desamparado. Murmura:-    Vista uma roupa bem sexo como vejo nos filmes e dance para mim.Dou um sorriso e proponho que podemos nos encontrar lá em casa assim que eu chama-lo pelo celular. Em casa arrumo minha cama com pétalas de flores do jardim, um leve aroma de jasmim e vou ao banheiro. Uso hidratante e estreito mais o bigode da xoxota e tomo banho. No quarto escolho uma calcinha mínima preta de renda e um corselete tambem preto de renda coloco uma meia de arrastão, e uma fita numa perna. Uso sapato de salto alto e coloco batom vermelho.Me olho e pareço uma mistura de prazer e sedução … um verdadeiro convite ao amor. Ele vai amar e se deliciar. Ligo para ele que vem em seguida, entra e me encontra na sala com as janelas abertas mas as cortinas fechadas… um cenário convidativo, seguro-o pela mão e o sento.Ele está hipnotizado… sem fala … me posiciono na sua frente ele tenta me segurar .. me livro e ele me segue com o olhar. Danço sensual e segue o diálogo:-    Quer que tire minha roupa? Eu.-    Sim sim. Ele.-    Quer ver tudo ? Eu.-    Sim tudo. Ele.Passo para a ação e tiro os sapatos, tiro uma meia … jogo nele que pega e amassa … tiro o fita da perna … jogo ele segura … tiro a outra meia … calço o sapato … o cerco no sofá e coloco uma perna no seu colo … ele segura cheira … tiro e danço um pouco … ele tenta se levantar … o coloco no lugar … sento no seu colo. Peço:-    Amor solte meu corselete…Ele com as mãos desajeitada vai desamarrado … me levanto … tiro e jogo no seu colo … fico com os peitões duros e bicudos … ele segura e cheira com vontade. Fico só de calcinha e salto.Falo:-    Agora não quer me ajudar a tirar o restante?Ele se levante rápido … mas o afasto.Digo rosnando:-    Me siga sem me tocar…Ele me segue me comendo com os olhos e eu transpirando sexo, entramos no quarto e o coloco sentado na cama. Eu com as mãos ofereco meus peitões ele chupa chupa e eu sem fala só ofegante e ele mamando… chupando..Rondo na sua frente e pergunto:-    Será que pode me ajudar e me livrar da calcinha?Ele se levanta e fiz:-    A cachorra quer me torturar, mas sei o quer quer.Murmuro:-    Agora sou sua e faça o que tem vontade.Ele nada fala e parte para a ação. Me puxa para si e me beija com vontade me deixando louca … suga minha língua … morde meus lábios e a bocarra desce para os peitões chupa os bicões com fúria gemo nas mãos de um homem sem experiência mas que aprende rápido. Aperta meus peitões com as mãos firmes e enquanto chupa um aperta o outro. Tenho espasmos de gozos e ele chupando … mordendo … lambendo e sugando deixando minga calcinha molhada.Vai pa a calcinha e puxa com vigor rasgando-a e murmura:-    Cachorra gostosa, me deixa sem pica dura, sempre desejei te comer quando passava me torturando.Eu:-    Sim meu potro de raça me coma.Me joga na cama e tira sua bermudas e se posiciona na minha boca e coloca a rola na minha boca e crava sua boca na minha xoxota a chupa … sinto os dentes mordiscando os lábios sugando o mel do gozo e gemo com mansidão e chupo seu pênis ja ereto e gostoso abocanho e ele urra.Fala alto dizendo:-    Safada putinha gostosa e minha como queria.Ele sente que vai gozar e eu me coloco de quarto na cama e coloco almofadas e ele vem trêmulo e me escancaro para ele ter acesso.Ele consegue alcançar… se posiciona e mete grito de tesão … vai entranto e começamos a dança do acasalamento … o ritmo em conjunto … metendo … tirando … pleno … cadência e vai comendo com palavras obsenas … me delicio … come … come e gooozo … ele demora e sinto seu gozo também. Seu esperma desce pela minha pernas e descansamos na cama …Ele foi um aluno brilhante, e agora um amante de primeira estamos namorando e com fantasias das mais variadas possíveis…COMENTEM…VOTEM…

SURUBA COM A NAMORADA DO AMIGO

Ano passado comprei meu tão sonhado carro importado e combinei com mais três amigos (todos com 26 anos) para viajarmos para o litoral numa praia aqui em SC onde tem muita mulher gostosa para dar em cima. Porém um deles, o Pedro estava namorando Andréia, uma garota muito gostosa, de 24 anos, morena “cavalona”, super bronzeada, peitos avantajados, um bundão estilo “Sheila Carvalho” que deixava todo mundo alucinado. Ela também era muito puta. Eu e meus outros dois amigos não nos metíamos, porque ela dava para Pedro à vontade, porém eu sabia que ele não dava conta dela sozinho. Já tinha ouvido algumas histórias do que ela aprontava por aí, mas ficava sempre na minha. Andréia estava louca para dar uma voltinha no meu carrão, mas havíamos combinado de não levar mulher junto, até porque teríamos que ir em dois carros, e o objetivo era “pegar” mulher diferente na praia. Andréia ficou puta da vida e disse que Pedro não poderia viajar sem ela, pois não tava a fim de ganhar um par de chifres. Tudo desculpa para poder ir junto e estragar (ou não) os nossos planos. Achei que a companhia dela limitaria nossa liberdade e nossos prazeres, mas, felizmente a história não foi bem assim. Chegamos a Garopaba uma praia de muito agito com inúmeras pequenas praias isoladas. Alugamos um chalé com dois quartos e sala. Andréia e Pedro se alojaram num quarto. Eu e mais os outros dois amigos em beliches no quarto ao lado. Na tarde de nossa chegada, voltei da praia com uma vontade danada de fazer xixi, mas o banheiro estava ocupado. Era Andréia quem estava tomando banho. Gentil, ela abriu a porta para mim. Fiquei louco de tesão ao ver a silhueta, através do Box, do corpo daquela delícia de garota embaixo do chuveiro. Meu pau ficou tão duro que não consegui acertar o vaso. Propositalmente, passei em frente a cortina semi transparente sem recolher meu pinto para atiçar também o tesão de Andréia. Saí do banheiro e fui para o quarto. Andréia chegou pouco depois enrolada apenas numa toalha. Minha vontade foi de bater uma punheta naquela hora. Ficamos todos paralisados com a beleza daquela garota. Até Pedro ficou visivelmente constrangido ao ver sua namorada somente com a toalha na nossa frente. Muito à vontade, ela vestiu a calcinha sem derrubar a toalha e, virando-se de costas, colocou a camiseta. Que delícia de garota. Todos por mais que tentassem não conseguiam disfarçar a excitação. Menos Pedro, que, claramente irritado, puxou Andréia pelo braço até o banheiro para repreendê-la, mas ela rebateu: “Mas eles já me viram de biquíni, que diferença faz?” À noite bati uma gostosa punheta, enquanto o casal trepava no quarto ao lado. No dia seguinte, fomos a uma praia isolada com o objetivo de surfar, mas o mar estava calmo, sem ondas e decidimos então caminhar pela praia. Andréia estava com seu minúsculo biquíni branco. Andamos tanto pela praia que chegamos a um lugar completamente deserto sem nenhum sinal de casa ou gente por perto. Propus um nudismo. Pedro por razões óbvias foi o único a recusar a idéia. Eu e os dois outros amigos nos aproximamos da água e tiramos nossa bermuda e, em seguida, a sunga. Embora um pouco envergonhados, já que nossos pintos estavam todos apontados para cima, ficamos os três pelados. Fui o primeiro a virar de frente para o casal e sugeri que Andréia nos acompanhasse tirando a parte de cima do biquíni. Apesar da contrariedade de Pedro, ela concordou em exibir e nos brindar com aqueles peitões maravilhosos. Ela realmente era uma puta, e eu estava disposto a desmascará-la na frente de todos. Pedro ficou todo embaraçado mais uma vez, e completamente sem ação vendo também três caras com o pau duro na frente da “namorada”. Continuamos nossa caminhada pela praia e sugerimos que Andréia ficasse totalmente nua. Pedro ficava apenas de marcação. E foi vencido mais uma vez, porque Andréia ignorou novamente o namorado e tirou o biquíni, exibindo sua linda bocetinha. Ela correu em direção ao mar e passou a brincar com a água. Mas não ficou sozinha por muito tempo, porque nós três fomos fazer-lhe companhia. Pedro permaneceu distante aparentemente ainda sem entender o que estava ocontecendo. Na água, as brincadeiras, como do tipo “joga ela que eu pego” rolavam soltas e animadas. Não demorou muito e os três, embalados pelo movimento das águas, estavam se aproveitando da situação para dar gostosas passadas de mão na garota. Numa dessas, Andréia pegou meu pau duro e me abraçou para dar um beijo delicioso. Mas a surpresa maior, até mesmo para mim, foi quando ela se abaixou e meteu meu pau na boca, sem nenhuma cerimônia. Ela disse: “não agüento mais de vontade. Deixa-me mamar esse pau gostoso…”. Confesso que foi uma das mais deliciosas chupadas da minha vida. Fiquei paralisado, sentindo e desfrutando o prazer que os lábios quentes de Andréia proporcionavam com suaves massagens na minha vara. Meus amigos também não acreditavam na cena que ocorria na frente deles. Soltei jatos fortes de porra naquela boquinha gulosa, que acolheu todo o líquido. Peguei Andréia pelas mãos e caminhamos em direção à areia. Virei a ninfeta de frente para meus amigos e nisso um deles se aproximou, abriu as pernas dela e meteu a rola, sem cerimônia, naquela bocetinha depilada. Ele deu estocadas fortes e gozou rapidamente dentro dela. Andréa fechou os olhos e gozou gemendo feito uma cadela. Pedro permanecia onde estava, mas já havia arrancado o short e batia uma alucinante punheta. Meu pau endureceu novamente, e, antes de um outro se ocupar dela, sugeri voltarmos à areia, para mais perto de Pedro. Andréia sentou-se sobre a vara do meu amigo, deitado na areia, e me coloquei atrás dela, para estrear aquele lindo rabinho. Pedro ainda tentou interromper a transa dizendo que ela nunca tinha dado o cuzinho antes. Mas Andréia me segurou pelo braço, curvou seu corpo para frente e me ofereceu escancaradamente o cuzinho. Olhei para Pedro, como se quisesse dizer, provocativamente: “Tá vendo, cara, ela é uma puta mesmo, e está a fim de dar a bunda…”. Encostei meu cacete no buraquinho rosado e quente, que ao tentar penetrar encontrou bastante resistência. Ela mentiu para Pedro quando disse que seu rabinho era virgem. Pode ter enganado ele, mas não a mim. A dificuldade estava porque ela nunca tinha feito uma dupla penetração, mas que ela já dava o rabinho à vontade isso era certo. Ela parou por alguns instantes de cavalgar no pau do meu amigo, para que eu pudesse penetrá-la. Dei umas palmadas naquele bundão gostoso e empinado onde meu pau foi deslizando sem problemas. Andréa soltou uns gritinhos quando começamos a fodê-la simultaneamente. Pedro não acreditava no que estava vendo, e juntamente com meu outro amigo batiam punheta sem parar, enquanto meu pau rasgava o cuzinho de Andréa, e meu outro amigo atolava seu caralho grosso na bocetinha dela. Fizemos um sanduíche super gostoso, porém meu amigo não agüentou muito tempo e gozou rapidamente. Aproveitei a pausa dos amigos e a coloquei de quatro, só para mim. Andréia ficou a minha inteira disposição por livre e espontâneo tesão. Lubrifiquei meu pau e o cuzinho dela com saliva, meti novamente até meu pau desaparecer inteiro no rabo dela. Andréa gemia e rebolava como uma verdadeira puta na minha vara. Eu não me continha de felicidade pelo prazer de estar comendo o cuzinho dela na frente de todo mundo, e principalmente do namorado, que, ao que tudo indica, nunca tentou saborear aquele rabo. Minhas bombadas eram fortes, a dedilhando seu grelinho deixava Andréa estremecida de tesão. Seu corpo estava totalmente arrepiado, e numa seqüência de reboladas gozou gritando em alto e bom tom: “Que pau mais maravilhoso você tem. Não tire ele daí”. Gozei em seguida, inundando completamente seu cuzinho com minha porra quente, que transbordava e escorria pelas coxas dela. Andréa demonstrava estar muito feliz, com os olhos fechados e respiração ofegante. Pedro a essa altura já se havia juntado a nós e, em companhia dos outros dois amigos, estava à espera
de sua vez para foder a namorada. Andréa olhou para ele, sorriu e virou a boceta convidando Pedro para transar com ela, na frente de nós todos. Por essas e outras, aquela tarde foi maravilhosa e nossa viagem a apartir daí, inesquecível: muito sol, ondas e sexo. Trepamos no quarto, na praia, no carro e em muitos outros lugares, durante o feriadão de 4 dias. O melhor é que Pedro aceitou numa boa e dividia Andréia sem problemas, até porque ele não mandava mais nada, e sim ela. De todos os quatro, eu fui o que mais trepei com ela. Os outros além de não tirem pique para outras rodadas, saíam para o mar para surfar. Eu ficava fazendo companhia para ela na cama e no chuveiro. Fazia tempo que não comia uma garota tão puta, e isso me deixou com muito tesão. Mas além de puta era muito interesseira também, e quando voltamos para nossa cidade, ela queria sair comigo direto para passear no meu carro importado. Mas eu não ligava, pois sempre depois de um passeio íamos a um mirante onde comia seu cuzinho, e depois ela ia para casa de Pedro dar a sua boceta, pois ele só conseguia comer o cu dela nos finais de semana, quando nós quatro (os namorados dela) nos encontrávamos para fodê-la em conjunto, e aí sim sempre terminava em dupla penetração. Trepava com ela durante a semana (normalmente no carro) ou no meu apto. Ela deixava eu fazer o que bem entendesse, pois sempre dizia que eu era o mais tesudo dos namorados e que só comigo ela conseguia gozar no cu. Comi aquela puta até que ficou grávida e lógico não sabia de qual dos 4 namorados podia ser. Ela encarnou comigo, mas o exame revelou por incrível que pareça que era de Pedro. Eles estão juntos até hoje e eu e meus amigos decidimos que não iríamos mais fodê-la até porque eu pelo menos já tinha enjoado de fodê-la no meu carro durante 3 meses, e das surubas no fim de semana. Outra gata se apegou na minha pica e a vida segue. Quando eu e Andréia nos cruzamos dá pra perceber o quanto ela sente falta de nossas trepadas, mas estou a fim é de novas aventuras que pretendo publicar em breve. Quero agradecer a todas as garotas e mulheres que me escrevem. Fico feliz de poder trocar algumas experiências, responder a dúvidas sobre sexo e até aconselhar algumas mulheres que enfrentam algum tipo de problema ou preconceito.

Comendo a esposa e dando pro marido

Olá , Moro em São Paulo ,Tenho 33 anos e sou casado,adoro mulher,mas vou contar uma fantasia que eu adoro.Após um dia cansativo de trabalho,fui para um barzinho beber um pouco e relaxar antes de ir para casa,estava em pé no balcão bebendo minha cervejinha quando de repente ,vejo uma Mulher ,cabelos compridos,com uma bunda maravilhosa e se dirigia a uma mesa nos fundos do bar , não consegui tirar os olhos dela,ai me surpreendi com o Rapaz acenando para mim,até que escutei ele me chamar pelo mnome,então o reconheci ,era um amigo que tinha estudado comigo no ginasio e naquela epoca tinha sido um grande amigo. Me dirigi a sua mesa e o comprimentei e fiquei sabendo que aquele monumento era a sua esposa. Me Sentei com o casal e começamos a conversar. O tempo foi passando e achei que deveria ir embora ,então para minha surpresa ,aquela bela mulher pede para que eu fique mais. Olhei para meu amigo que sorriu e disse para que eu fizesse o que ela mandasse ,então aceitei e voltamos a conversar.As vezes ela me pegava olhando para suas pernas ,não podia evitar,meu amigo tambem me pegava olhando para a sua deliciosa esposa,então ele começou a falar de sexo repente me pergunta se eu gostei da sua esposa,eu disse com todo respeito do mundo que a tinha achado muito Bonita,ele instantaneamente me perguntou se eu queria comer a bucetinha dela,Fiquei mudo e a olhei,ela apenas sorriu, voltei a olhar para meu amigo que disse que se eu quisesse o momento era agora e me convidou para ir para o apartamento deles. Ao chegarmos ,meu amigo disse para que eu ficasse a vontade , me sentei na poltrona enquanto ele preparava um whisky para nós ,a esposa dele tinha ido para o quarto,então bebemos e ele ligou a tv e colocou uma fita porno para assistirmos,ele tirou o pau para fora e começou a bater uma punheta e fiquei olhando ,então ele disse para que eu fizesse o mesmo.Quando a esposa dele voltou,apenas de calcinha ,estavamos assistindo uma cena em que uma loira era duplamente penetrada,ela sentou ao lado do marido e pegou no pau dele e começou a punheta-lo,eu apenas olhava e me masturbava tambem,então ela se levanta e vem na minha direção ,fazendo eu me levantar e me beija.Ja totalmente excitado ,ela começa a acariciar o meu pau,meu amigo se levanta ,vem até nós e se posiciona atrás dela e começa a acaricia-la e tira a calcinha dela, a deixando totalmente pelada. Ela se ajoelha e começa a acariciar o meu pau e o do marido,então sinto o meu pau sendo deliciosamente engolido pela esposa dele ,que tambem retribui o carinho no marido,ora ela chupava meu pau,ora ela chupava o do marido,as vezes tentava colocar os dois na boca,era sensacional,ela chupava com maestria. Então o meu amigo vai por trás dela ,ela abre as pernas e começa a fodida pelo marido enquanto fazia uma deliciosa chupetinha para mim.Ela me fez sentar na poltrona e sem perder tempo senta encima do meu pau e começa a cavalgar deliciosamente ,me beijando como se fosse engolir a minha lingua,então meu amigo se aproximou de nós e colocou o pau bem perto do meu rosto,então ela começou a chupa-lo,eu sentia o cheiro do pau dele e junto veio uma vontade de chupa-lo tambem, eu não conseguia tirar os olhos dela chupando aquela vara enquanto cavalgava no meu pau.Ela me olhou e tirou o pau do marido da boca e me beijou,Senti o pau dele bater no meu rosto,fiquei sem reação,ela viu ,e segurando o pau do marido fez com que encostasse no meu rosto e começou a passa-lo em mim,me olhou de maneira bem maliciosa, e disse :-põe na boca.nisso ela começou a cavalgar mais forte,eu fiquei totalmente entregue e aceitei o pedido,então ela sorri e aponta o Pau do marido para a direção da minha boca, eu olho para o meu amigo que com um sorrisso sacana me pede :-pode chupar . Então eu aproximo meus labios daquele pau e passo a lingua na cabeça do pau dele,ela suspira e diz:-Coloca na boca. Então eu abro minha boca e abocanho o pau do meu amigo e começo a chupar,eu comecei a gostar e passei a chupar com mais vontade ,enquanto aesposa dele praticamente pulava no meu pau.Acabou que tanto eu quanto ela ficavamos chupando o pau do marido. Após um tempo o marido com o pau todo lubrificado pela minha saliva e a da esposa,posicionjo-se atrás dela e começa a come-la tambem,era o meu primeiro DP . Mudamos de posição ,onde agora eu comia o cuzinho dela. Meu amigo veio atrás de mim e começou a acariciar a minha bunda,eu ja não ligava,aceitaria tudo que pudesse acontecer, então sinto um dedinho no meu rabo, continuei fodendo a esposa dele ,mas sempre empinava a minha bundinha para sentir ainda,ja sabia que eu seria enrabado,então ele se posiciona atrás de mim e começa a me penetrar,sinto a cabeça entrando,e junto uma dor enorme,ele sabe o que fazer e para ,até eu me acostumar,sinto mais carne dentro do meu cuzinho,não consigo nem comer a esposa dele,que saia e senta na minha frente e pede para eu chupar aquele bucetão,bem devagar ele vai penetrando,até que ele tinha colocado o pau inteiro no meu rabo e passou a me comer bem devagar,mas deliciosamente,eu passei a chupar a buceta da esposa com mais vontade enquanto era penetrado por um belo cacete.A esposa dele queria mais e pediu para o marido dela me comer num frango assado,assim ela poderia me chupar e lá estava eu com as pernas abertas ,sendo enrabado enquanto a esposa dele me chupava,era a sensação mais deliciosa do mundo então anunciei que ia gozar,ela aumentou os ritmos da chupada e eu gozei dentro da boca dela,então ela vem e me beija fazendo com que eu sinta o gosto da minha porra,então o marido dela aumenta as estocadas no meu cuzinho e diz que vai gozar,ele se levanta ,vem bem proximo ao me rosto e goza na minha cara,a esposa dele começa a lamber meu rosto e me beijar,ele coloca o pau a nossa disposição e tanto eu quanto a esposa ,voltamos a chupa-lo ,e assim termina uma das melhores trepadas que eu gostaria de dar.

Minha mulher está ficando safada e sem vergonha..

Puta que pariu..!! Minha mulher está de mais..Está me deixando doido de tanto tesão…Depois dos 40 ela ta cada vez mas safada…Olham só..Antes ela tinha vergonha, até de ficar pelada na minha frente….andar sem calcinha, nem pensar..Transar de luz acesa nunca…Depois que a nossa filha de 20 anos foi morar em outra cidade pra estudar nos deixando sozinhos e muito avontade …Ai eu começei a falar um monte de bobagem na hora da transa, dizendo que eu estava comendo o cabacinho dela, e ela chupando outro pau, chamava ela de vadia gostosa..Ai ela começou a se soltar.Pois cada vez que eu começava a falar um monte de coisas safada, ela se matava de tanto gosar ….Agora de uns tempo pra cá ela fiocu sem vergonha…Quer transar em qualquer lugar, anda pelada dentro de casa de janela aberta e nem liga se alguem fica vendo…comecou a gostar de nao usar calcinha…!!vai pra todo lugar sem calcinha e sem sitiañ..So veste um vestido e mais nada por baixo….teve um domingo que saimos pra almoçar ela vestiu um vestido que se abria na frente e foi sem calcinha..No almoço ela sentada e o vesido todo aberto e com os pentelhos aperecendo todo.Eu ainda falei!! Amor vc está com boceta aperecendo..Ela so respondeu assim!!!..Não to nem aí, pois eu estou adorando mostar….Confesso que fiquei o tempo todo de pau duro..O pior de tudo e que cada garçon que chegava ficava olhando para os pentelhos dela…Em outro dia fomos ao cinema e ela cismou de bater uma punheta pra mim..O pior de tudo que varias pessoas estavam vendo…Comecou com esta mania a pouco tempo, quando a um tempo atraz estavamos a noite jogando conversa fora e olhando a a cidade da sacada do nosso Ap..quando avistamos outro casal em um predio em frente se beijando..Ela então começou a pegar no meu pau deixando duro…Ali mesmo na sacada, ela me fez come-la..Ela e se segurou a mureta de ferro e ergueu abunda eu lasquei o pau por traz.. ela gosou igual uma égua….Acho que foi isso que o deixou ela com esta mania…!!!mesmo pq ora ou outra ele me faz come-la na sacada a noite…..Outro dia estavamos numa maior transa, quando ela veio com uma que o sonho dela era transar com 2 homens de uma vez só…..Ai falei,, meu amor!!!. 2 homens vai ser dificil..Agora mas uma mulher junto com vc eu topo…sabem qual foi a resposta??? Ela falou!! Eu topo….Agora e conseguir outra mulher que não seja profissional…!!..Ela falou que talvez convença alguem que ela não quiz me falar o nome…agora e esperar pra ver…!!!…ha !!! ela tambem pegou mania de me dar a bunda..Antes nem morta ela dava a bunda, agora ela mesma me oferece.!!..me manda comer o cuzão dela que por sinal e muito apertadinho e gostoso…!!..Comecou a me dá a bunda quando certa vez eu aluguei um filme de sacanagem que um cara com caralho enorme enterrava no cu da mulher, e ela ainda pedia mais….Ela ficou com tanto tesão que Nesse mesmo dia ela me ofereceu o cuzão.Eu quaze morri de tesão… e dai em diante a sem vergonha fica me oferecendo o tempo todo…!!!! …Agora vou esperar ate onde ela vai. Espero que não cisme em dar a boceta pra outro cara….!! Mostar ela mostra..Ate ai tudo bem..ate gosto..!!

Marcelo & Sonia 14 – Alberto Comendo Minha Esposa

Marcelo & Sonia 014 – Alberto Comendo Minha EsposaDepois que todos foram para seus quartos, eu e Sonia ficamos conversando na cama, ela estava só de calcinha, cheia de fogo, doida para ir ao quarto de Lenita. Olhou-me e pediu, posso ir querido. Beijei os lábios gostosos dela, pode, falei. Ela sorriu e foi andando para a porta do quarto, rebolando com a calcinha enterrada na bunda enorme, abriu a porta e foi para o quarto do casal só de calcinha, entrou sem bater. Viu Lenita deitada nua na cama toda aberta acariciando a boceta, esperando por ela e Almeida nu do lado dela. Sonia olhou o pau grosso e duro. Almeida levantou e beijou Sonia na boca levando ela para a cama, Sonia subiu de joelhos na cama, beijou os pés de Lenita, sua boca procurou a boceta da amiga, Lenita segurou os cabelos de Sonia e enterrou a cara dela no meio das coxas. Sonia esfregou os lábios na boceta, sentiu a pica grossa por trás. Almeida segurou os quadris dela, cravando com firmeza na boceta. Sonia gemeu, ele meteu forte, comendo a boceta. Sonia continuou mamando o bocetão de Lenita e dando a boceta para o marido dela, Almeida metia tudo, Lenita gemia, se esfregando na boca de Sonia. Você chupa gostoso demais, mete tudo na boceta dela Almeida, ela veio aqui para isso, fala pra ele que você quer pica, Lenita falava para ela. Sonia olhou para ele, mete tudo na minha boceta, Almeida, eu quero pica, me fode, pediu. Lenita gozou gemendo, seu corpo tremeu todo. Ela levantou e fez Sonia deitar toda aberta, Almeida montou nela, metendo a vara na boceta, Sonia abraçou ele, querendo tudo dentro. Ele meteu tudo, Lenita chupava o pau quando ele tirava, Sonia sentia a pica entrando. Lenita guiou o pau para o cu, Sonia sentiu a pica grossa forçar e o cu se abrir, a pica foi entrando, Almeida botou tudo, Sonia gemeu, sentiu um prazer louco, soluçou, tomando no cu, bota tudo, fode meu cu, me rasga toda, Sonia implorava, Almeida não tinha pena, metia forte no rabão dela, Sonia gozou abraçada nele com o pau enterrado no cu. Almeida gozou, enchendo o rabão dela de leite, ficaram na cama, Sonia se entregava toda para os dois, o pau endureceu, Almeida agarrou Sonia de novo e fodeu a boceta dela, Sonia gozou de novo com o ferro enterrado na boceta, Sonia se abraçou ao corpo de Lenita, beijando ela na boca, sua boca desceu procurando o corpo dela, beijando ela toda, chupando os peitos fartos, mamando demoradamente cada bico, sua boca desceu pelo ventre, até chegar na boceta, Lenita se abriu toda, oferecendo a boceta grandona, Sonia chupou, esfregando o rosto, chupando, beijando, lambendo. Lenita gemia se entregando toda, Sonia virou o corpão dela, fazendo Lenita ficar de bruços com as pernas abertas, ela beijou o bundão e abriu as nadegas enormes dela, beijando o cu, Lenita ficou fora de Si, quando sentiu a boca gostosa de Sonia chupar o cu. Pedia para Sonia chupar, aaai chupa sua cachorra você sabe que eu gosto assim. Aii Assim eu gozo. Lenita gozou de um jeito descontrolado. Sonia se abraçou ao corpo dela, sua boca procurou a dela, se beijaram de um jeito bruto, Sonia ficou montada no corpo dela, as bocetas se esfregaram, Lenita puxou as coxas de Sonia, deixando ela arreganhada, Almeida abraçou Sonia por tras, encostando a pica na boceta, Sonia gemeu sentindo a pica grossa invadir a boceta, Almeida entrou todo nela, metendo forte na boceta, Sonia se entregou aos dois, sua boca procurou a de Lenita aguentando a pica do marido. Sentiu o cacetão grosso sair da boceta e forçar o cu, Almeida foi metendo, ela sentia a pica abrindo suas carnes, seu cu apertou o cabo grosso da pica, com o pau todo enterrado. Sonia rebolou, empurrando a bunda para trás, querendo tudo, Almeida metia forte nele, Sonia chorou, bota tudo Almeida, pediu quase sem voz. Seu corpo estava quente, ela gozou mais uma vez sendo enrrabada por Almeida. Sua boca procurou consolo no corpo de Lenita. As duas se beijaram de um jeito apaixonado. Ficaram abraçadas namorando. Antes de Sonia ir embora, Almeida encheu a boceta dela de leite mais uma vez. Passava das 3 da manhã, quando Sonia voltou para o quarto, nua, cheia de leite na boceta. Ela me beijou, peguei na boceta e senti o leite grosso escorrendo, Sonia se abriu toda, me oferecendo a boceta inchada e vermelha, beijei sua boceta e meu labios colaram nos labios dela, chupando, sentindo o gosto do macho na boceta dela. Sonia gemia se esfregando na minha boca. Ela me puxou e nos beijamos. Ai amor. Ele deixou minha boceta larga, to cheia de porra. Aqui me deixou mais doido. meti a vara na boceta, meu pau entrou com facilidade. Sonia deu com gosto toda esporada, ela gozou no meu pau, não consegui aguentar mais e gozei no bocetão dela. Deitamos abraçados e dormimos felizes.Sonia e Lenita ficavam se agarrando o tempo todo, toda hora sumiam, Entravam no quarto nosso ou no dela e se chupavam. Nem sei como Renata não percebeu nada. As duas estavam num fogo e Sonia estava doida pela pica do marido dela, Um final de tarde, Estavamos todos na sala, Renata assistia um filme com o marido, Lenita e Almeida estavam no computador e Sonia na cozinha, vi quando Lenita levantou e falou algo com Sonia e foi para o quarto dela. Fiquei olhando de longe. Sonia saiu da cozinha, me olhou sem graça. Ela usava só um short bem fino e curto, estava sem calcinha e uma blusinha de alça acima da barriga.Da sala vi minha esposa entrar no quarto de Lenita, fiquei receoso de Renata perceber. Logo em seguida Almeida levantou e entrou no quarto, ficamos eu, Renata e o marido na sala. Sonia me contou depois que Lenita foi na cozinha e falou baixinho. Estou esperando você no quarto. Sonia foi e quando entrou Lenita já estava nua esperando por ela, Lenita acariciou a boceta oferendo para ela. Sonia ajoelhou e chupou a boceta dela, ficou beijando se deliciando com o bocetão dela. Almeida entrou no quarto, fechou a porta e já chegou pegando Sonia e passando a mão no rabão dela, foi abaixando o short, até as coxas, deixando o rabão dela nu, fez ela virar a bunda para ele e encostou ela na parede.Sonia se apoiou na parede com as duas mãos, abriu as pernas e empinou o bundão, Almeida abraçou ela por trás, Abrindo a bunda, Sonia sentiu a pica encostar no cu, Almeida forçou e a pica foi entrando, Sonia chorou aguentando. Ele botou tudo, metendo forte, castigando o rabão dela, Lenita olhava acariciando a boceta, vendo o marido fuder minha esposa. Sonia empinou a bunda, deixando ele meter tudo, Almeida enfiava sem pena, entrando tudo nela. Sonia gemia choramingando. Seu corpo tremia. Ela gozou sentindo a pica grossa dele encher ela com o caldo grosso dele. Sonia saiu do quarto e me olhou assustada do corretor, estava com o rosto vermelho. Vi que ela tinha acabado de ser comida pelo marido de Lenita. Por sorte Renata e o marido estavam distraidos vendo o filme e não perceberam nada. A semana inteira Sonia foi ao quarto deles de noite. Lenita e Almeida a comeram todas as noites. Sonia voltava para o nosso quarto toda fudida, chupada por Lenita e arregaçada por Almeida. Eles voltaram no fim de semana. Sonia ficou de visitar Lenita quando fosse a São Paulo. Foi uma semana inesquecivel.Depois que Lenita foi embora, minha esposa voltou a frequentar a casa de Alda. Fui com Sonia várias vezes. Neiva metia a pica nela na minha frente. Aquilo de certa forma fez Sonia se acostumar com a ausencia de Lenita e Almeida.Num fim de semana, falei com Sonia para passarmos alguns dias num hotel numa região de praia. Ela adorou. É só para descansar ou você quer ir para ver se aparece algum macho para me comer. Falou rindo, não disse nada, nos beijamos. Fiz reserva num hotel com piscina. Sonia comprou dois biquínis indecentes. Ninguém conhece agente, posso usar, não posso? Ela perguntou me mostrando, sabendo que eu ia deixar. Pode, falei. Saímos cedo de carro, chegamos no hotel era baixa temporada e estava vazio. Paramos na recepção e acertamos tudo. Um senhor grandão parou do nosso lado, tinha 54 anos, 1,90 altura, 97 kg, negro, calvo, rosto redondo, braços muito fortes, peito largo, usava uma camiseta e uma calça bege, vi como ele ficou olhando para
Sonia com insistência. Ela usava uma blusa lilás fina e uma calça de malha colada no corpo mostrando o exagero de bunda que ela tem e a boceta avantajada. Ele percebeu que ela estava acompanhada e puxou assunto comigo. Perguntou se eu conhecia o hotel, falei que era a primeira vez que me hospedava, ficamos conversando, ele se apresentou se chamava Alberto, falei meu nome e apresentei Sonia para ele. Ela sorriu, me abraçando. Ele procurou ser discreto mais olhava disfarçadamente para a boceta dela. Despedimo-nos e subimos para o nosso quarto, Era uma suíte grande, Sonia comentou que Alberto era grandão, gostou dele, perguntei, ela riu, gostei do tamanho dele será que é tudo grande, ela disse, tomamos banhos juntos, Sonia estava cheia de fogo, mamou em baixo do chuveiro e virou o bundão querendo pica, o pau entrou todo, meti forte no rabão dela, fomos para cama, ela gozou tomando no cu, continuei metendo até gozar, enchendo ela de leite, ficamos abraçados e acabamos dormindo.Às 13 horas, almoçamos e subimos. Sonia queria ir à piscina, ela colocou o biquíni novo que mal cobria os peitos grandes, a calcinha minúscula mostrava mais do que escondia. Ela estava toda depilada, a boceta enorme ficava exposta e a bunda exagerada toda de fora só com uma tira enterrada entre as nádegas fartas. Ela me olhou de um jeito safado, perguntando se estava gostosa, olhei o corpão dela, esta indecente. Ela riu, falando que eu gostava de ver ela assim. Colocou uma saída de praia, branca e curtinha que disfarçava um pouco, vesti minha sunga e descemos para a piscina, estava vazio, deitamos e vimos Alberto próximo a nós, Ele veio nos comprimentar, usava uma sunga bem pequena, era forte com certa barriga, o corpão escuro brilhava, a sunga mostrava um volume que não dava para esconder, olhando dava para ver que o pau dele era muito grande, ele parecia não se importar. Era simpático e educado, Sonia deitou e fiquei conversando com ele, perguntei se ele não queria ficar com agente, ele abriu um sorriso, falou que seria um prazer, pegou sua toalha e veio para nossas cadeiras e deitou do meu lado, ficamos os três conversando e tomando cerveja. Alberto falou que era divorciado e tinha uma filha casada, era advogado, parecia que nos conhecíamos há muito tempo. Ele foi à piscina, deixando eu e Sonia, sozinhos. Ela comentou que achou ele simpático, só simpático, provoquei. Ela riu, ele é gostoso, viu o tamanho do volume na sunga, deve ser enorme, eu ri, vi, gostou. Ela riu, gostei muito. Ele voltou e deitou do meu lado. Sonia levantou e foi para a piscina, Alberto ficou olhando o bundão dela, não dava para não olhar. Ficamos de papo. Sonia voltou molhada e ficou se enxugando com o rabão todo virado para ele. O volume na sunga estava maior, ficamos conversando, Sonia era comunicativa e ele apesar dos olhares que trocávamos era respeitador e sabia conduzir as coisas. Chamei Sonia para conhecer o hotel, ela preferiu aproveitar o sol, Alberto se ofereceu para ir comigo, demos uma volta na sauna e na quadra de tênis, estava tudo vazio, falei que ia ao banheiro dar uma mijada e ele veio comigo, falando que estava precisando também. Entramos no banheiro vazio, abaixei a sunga tirei o pau para fora, ele parou do meu lado botando uma pica preta, mole, enorme e muito grossa para fora, era do tamanho do meu pau duro, fiquei impressionado com o tamanho do pau dele, maior que o pau dos machos que tinham comido minha esposa, ele mijou demoradamente e balançou a pica, viu que eu olhava, não disse nada, voltamos para a piscina e continuamos conversando bastante. Sonia quis subir para descansar e combinamos de jantar juntos, marcamos às 20 horas no restaurante. Subi com Sonia. No quarto ela tirou o biquíni e ficou nua. Sentou no meu colo, me beijando gostoso, contei para ela que tinha ido ao banheiro com Alberto e mijamos juntos. Ela ficou doida, quando falei que o pau dele era grande e grosso demais, ela disse que pelo volume sabia que o recheio era grande, a boceta dela estava melada. Pelo jeito que ele olha para você, ele ta doido para te comer, aquilo deixou ela mais acesa. Você quer que eu dê para ele, não quer? Perguntou. Quero, disse beijando ela na boca. Só de você falar que o pau dele é enorme, me deixou com vontade de dar, ela confessou, falei que o pau dele era maior que as picas que tinham comido ela, Sonia falou que eu estava deixando ela doida. Arrumamo-nos e descemos às 20 horas para encontrar Alberto. Coloquei uma bermuda e uma camiseta e Sonia uma blusa branca de alça decotada exibindo os seios fartos, dava para ver os mamilos grandões sob o tecido muito fino da blusa. O short de malha, bem curto e colado no corpo que ela usava, mostrava as coxas muito grossas, a boceta grande e o rabão exagerado. Ela, onde morávamos não se vestia de forma tão indecente, ali longe de casa não vi nenhum problema. Alberto nos esperava no restaurante numa mesa no canto. Ele levantou quando nos viu, usava uma bermuda justa e uma camisa de manga, me abraçou e minha esposa beijou o rosto dele. Sentamos e Sonia ficou entre nos dois, pedimos cerveja e ficamos conversando. Procurei deixar a conversa mais intima. A Sonia gostou muito de você, Alberto. Ele sorriu. Sonia o encarou e segurou nas mãos dele em cima da mesa, cheia de intimidade. Gostei mesmo Alberto, eu e o meu marido gostamos demais de conhecer você. Ele envolveu as mãos dela, Eu também adorei conhecer vocês, coloquei a mão na coxa grossa da minha esposa, ele viu, eu acariciando a coxa dela. Sonia continuou segurando as mãos dele e vi que eles trocavam olhares, ela apertava a mão dele. O garçom veio e fizemos os pedidos. Sonia levantou e falou que ia ao banheiro, nos deixando sozinhos. Ele me olhou e sorriu, sua esposa é linda, disse. Ela gostou de você, eu contei para você, porque sei que você é uma pessoa confiável, ele sorriu entendendo o modo sutil que eu falava, eu sou muito discreto Marcelo, pode confiar em mim. Sonia chegou e sentou entre nós. A comida veio e jantamos calmamente. Alberto nos chamou para irmos à praia e sentarmos perto do mar, disse que sempre fazia isso. Sonia gostou da idéia, acabamos de jantar e fomos. A praia ficava perto, fomos andando, Sonia abraçada comigo e ele do lado, ventava e fazia um pouco de frio, tiramos nossos calçados e fomos descalços com Sonia entre nós, ela perdia o equilíbrio na areia e segurava em nos dois, a praia estava escura com alguns grupos espalhados, uns pescando e outros conversando, sentamos bem perto do mar num lugar afastado, Sonia entre nós. Ficamos conversando, estava frio e ficamos abraçados, coloquei a mão na coxa dela, senti a pele dela gelada, ela brincando e provocando, pediu para esquentarmos ela, pegando na mão dele e colocando na coxa dela, puxando ele para perto dela, Alberto me olhou e viu que eu não disse nada, Sonia encostou-se ao peito dele e colocou a mão na coxa dele, a mão dela ficou perto do pau dele, ela me olhou e sorriu, me beijando na boca na frente dele, Sonia encarou Alberto e deu um selinho nele, ele me olhou sem graça e percebeu que eu estava gostando. O vento só piorava e Sonia tremia mesmo protegida por nossos corpos. Ela me olhou, Amor, agente podia ir para o nosso quarto e ficar bebendo e conversando, você vai, não vai, Alberto. Ele sorriu, vou, estou adorando a companhia de vocês. Quando vim para este hotel descansar não achei que ia encontrar uma companhia tão gostosa como a de vocês, ele disse. Sonia o beijou no rosto, levantando, voltamos andando abraçados, Sonia segurava no braço de Alberto, pegando nele, se encostando. Ele já tinha percebido que nós queríamos mais que amizade. O jeito que Sonia estava vestida e o modo cheio de intimidade que ela tratava ele na minha frente, mostrava claramente que ela estava se oferecendo. Ele não tomou nenhuma iniciativa, foi deixando as coisas acontecerem. Voltamos para o hotel e subimos para o nosso quarto com ele.No próximo conto, vou contar tudo que aconteceu no quarto entre Sonia e Alberto.

A Família do sexo 3ª parte

Estou de volta para continuar a contar para vocês as minhas aventuras com esta família muito louca e de bem com a vida. Para entender bem esta história, é melhor ler os contos anteriores: A família do sexo 1ª e 2ª partes. As descrições de todos os envolvidos estão na primeira parte, onde começa essa viagem que me rendeu boas trepadas. No último conto eu falei que estava em Porto de Galinhas à noite com a Aline, seu irmão, sua irmã e a namorada dela. O Alex havia desaparecido com um rapaz para namorar um pouco enquanto a Alice e a Patrícia não se desgrudavam uma da outra. Sua irmã e eu tirávamos o maior sarro na pracinha principal de Porto, onde bebíamos vinho barato. Vale lembrar que nem ela nem a irmã estavam usando calcinha e só por saber disso já me batia um tesão daqueles. A única que ainda usava a tal peça de roupa era a Paty que após algumas garrafas de vinho tirou a calcinha na frente de todo mundo e jogou pra galera, causando frisson na cuecada de plantão, fazendo com que houvesse disputa para ver quem ficava com aquele prêmio. Resolvemos sair dali por estar chamando muita atenção e poderia ficar perigoso. Fomos procurar o Alex na praia para voltarmos pro hotel encontrando-o perto de umas jangadas, de 4, dando para o cara que ele havia conhecido na praça. Ficamos ali olhando aquela cena e eu fui ficando excitado. A Aline notou e abaixou-se tirando meu pau pra fora abocanhado-o com vontade. A praia não estava deserta, e apesar de ficarmos meio no escuro, dava para as pessoas que passavam nos verem fazendo sacanagens em público. Como o Alex e a Aline não ligaram, também relaxei e curti aquela boca maravilhosa. Gozei naquela boquinha, que engoliu e deixou bem limpinho meu pau. Seu irmão também gozou e engoliu o gozo de seu macho. Saímos dali correndo direto para o carro, para encontrar as meninas que tinham ido na frente e estavam cochilando no interior da van. Chegamos no hotel e fomos dormir, eu com a Aline no quarto dela, onde transamos gostoso antes de dormir, e os outros no outro quarto. Pela manhã alugamos uma lancha grande e todos nós fomos passear na praia dos Carneiros. Durante o percurso seu Jorge me contou como tinha sido a noite anterior com o casal que conhecemos na piscina do hotel: Dona Sara já havia bebido um pouco quando o Carlos e a Sandra chegaram ao chalé para a festinha particular, e já dançava alegremente se mostrando para seu marido e seu genro que a tudo assistiam bebericando whiskie e petiscos de queijo sentados no sofá da sala. A Sandra já se sentou no meio dos dois para bater um papinho informal, enquanto o Carlos foi dançar com a esposa de seu Jorge. Papo vai, papo vem, as coisas foram esquentando, pois o Fred já beijava a esposa do Carlos que por sua vez percorria com as mãos todo o corpo de dona Sara, seu marido já mamava nas tetas da Sandra enquanto tirava devagar suas roupas e as dela. O genro também estava ficando pelado e levantou-se indo na direção da sogra agarrando-a por trás e tirando de vez seu vestido, mostrando pra todos que não usava mais nada além dele. A Sandra por sua vez estava vestida com uma linda langerie vermelha que seu Jorge teve pena de tirá-la, só afastando pro lado para chupar sua bucetinha que mais parecia de uma adolescente, depiladinha em forma de um triângulo. Seu marido comia dona Sara deitado no chão da sala com ela por cima e o Fred comendo seu cuzinho numa DP incrível. Logo a Sandra foi ao seu encontro dando um beijo no marido e ficando de quatro para que seu Jorge vestisse uma camisinha e novamente afastasse sua calcinha e comesse sua xana por trás enquanto ela beijava sua esposa. Foi uma noite bem gostosa onde o Fred teve que dar conta de comer o sogro e as mulheres, sendo ajudado por Carlos. Seu Jorge me contava isso em voz alta para que todos ouvissem, arrancando comentários e risos de todos. Até o piloto da lancha deve ter ouvido a história. A Alice estava novamente estonteante e provocante com seu bikininho, que na parte de cima só escondia os mamilos, na parte de baixo um pequeno triângulo mal cobria sua rachinha inchada e atrás um cordãozinho mostrava toda sua bundinha linda e arrebitada. Sua irmã vestia o fio dental do dia anterior e sua mãe o asa delta que vestiu em Maceió. A Patrícia estava com o sukini branco e a Sandra com um bikini de tamanho normal não muito provocante. Todos os homens estavam de sunga, exceto o piloto que vestia uniforme. Ao chegar na linda praia dos Carneiros, que estava bem movimentada, nós desembarcamos e fomos nadar e mergulhar para depois almoçarmos e desfrutar daquele pedacinho do céu. Como sempre, a Alice chamou a atenção de todos pela ousadia de seu minúsculo bikini, sendo incentivada pelo pai orgulhoso. Pegamos a lancha e partimos para um banco de areia próximo ao alto mar para ficarmos mais à vontade e curtir um banho de mar mais ao natural. Assim que chegamos o primeiro a tirar a sunga e pular na água foi o Alex, sendo seguido pelo pai, pelo cunhado, por mim e Carlos. Das mulheres somente a Sandra, dona Sara e sua filha mais velha ficaram peladas e também pularam na água. A Alice e sua namorada queriam se bronzear e deitaram de bumbum pra cima na frente da lancha, fazendo com que o piloto também fosse dar um mergulho no mar (acho que para esfriar a cabeça). Na água fazíamos todos os tipos de brincadeiras, sempre tirando uma casquinha, mas a que mais gostávamos era briga-de-galo, onde colocávamos as mulheres sentadas nos nossos ombros e elas tentavam derrubar umas as outras. Era divertido mas cansativo, por isso me sentei na borda da lancha para descansar e beber umas cervas. A Sandra veio em minha direção e puxou um assunto qualquer ficando com sua cabeça bem próxima da minha virilha que devido a essa proximidade fez meu pau dar sinal de vida chamando a atenção da Aline que disse:- Se você não quiser esse pinto gostoso, eu e a mamãe queremos. Na mesma hora a esposa do Carlos pegou nele e começou a lamber e dar beijinhos de cima a baixo, sendo incentivada pelo marido que já atacava a Aline por trás mordiscando seu pescoço e apalpando seus volumosos seios. O Alex mamava nas tetas da mãe enquanto o Fred era chupado pelo sogro. Eles saíram da água e foram para uma pequena faixa de areia que havia ali perto. A Aline puxou a Sandra pra si, beijando-a com vontade e iniciando uma transa lésbica digna de cinema, enquanto o Carlos conseguia uma camisinha para comer dona Sara que estava chupando o pau do marido e do filho e do genro ao mesmo tempo. Eu fui pra cima daquelas gatas no cio que se atracavam, mas fui posto pra correr sem dó nem piedade ficando ali de pau duro a ver navios, então resolvi bater uma punhetinha e apreciar o show quando notei que o piloto também se acabava numa bronha. Enquanto a mulher de seu Jorge dava pro Carlos, ele e seu filho e seu genro se juntavam a Aline e a Sandra oferecendo seus mastros para que fossem chupados e em seguida engolidos por elas, para logo em seguida o irmão pôr uma camisinha e enfiar na xana da Sandra, enquanto seu pai comia a buceta da filha que mamava no pau do namorado. As meninas que estavam tomando sol e vendo aquilo tudo de perto só davam risadinhas safadas e tomavam cerveja para se refrescar. Nos recompomos e seguimos para o hotel, só que no caminho de volta, dona Sara e a Sandra, que resolveram ficar de topless, quiseram ver o tamanho do pau do piloto, pois se tratava de um baita negão, e foram apoiadas pelos maridos que solicitaram a ele que mostrasse seu mastro. Confesso que me espantei, pois se tratava de um belo exemplar. Não preciso nem dizer que eu que tive que pilotar pelo resto do caminho, enquanto ele era praticamente devorado pelas duas que chupavam e lambiam aquele pauzão até que ele derramasse seu líquido viscoso naquelas bocas taradas. No hotel nós jantamos e eu fui dormir cedo porque iríamos partir pela manhã em direção ao Recife, nossa próxima parada. Bem pessoal, espero que escrevam para trocarmos idéias a respeito das minhas aventuras e saber se alguém já passou por isso. Até o próximo conto, onde falarei de
como foi nossa estada em Recife e Itamaracá.

Dei suporte ao computador e à patroa…

Olá amigos, o que vou contar é real e aconteceu comigo ha 06 meses… Sou branco, 1,90m, cabelos curtos e olhos castanhos, trabalho no Vale do Aço, em Minas, com suporte a computadores, vou às vezes na casa de um e de outro, sempre resolvendo os problemas das máquinas, mas neste dia, tive que resolver o problema da máquina do casal que me contratou!Bem, tudo começou quando me ligaram, uma mulher que vou chamar de Chiquinha, para arrumar o seu computador, pois bem, como de costume eu marquei um horário e fui à casa da mulher, chegando lá foi ela quem me recebeu, uma morena de causar inveja, olhos cor de mel, cabelos pretos lisos quase até a cintura, uma bunda maravilhosa, até então, tudo bem, pois fora ela quem havia me ligado, fui então ao quarto, onde se encontrava o computador, ela dizia que o mesmo não estava conectando à internet, fiz minha análises, e resolvi o problema, fui então testar o computador para ver se o mesmo ia realmente conectar e navegar, conectei e quando abrir o IE para testar a navegação, ele já estava configurado para abrir uma página da web: contoerotico.com, fiquei meio sem graça, afinal aquilo tudo do meu lado e uma página de sexo (muito boa por sinal) abriu, logo fechei aquela janela, e disse que estava resolvido, Chiquinha percebeu que eu ficara sem graça e então pediu para que abrisse o IE novamente, pois aquela página poderia estar disponível off-line, eu abri e ela pediu para que eu atualizasse a página, assim o fiz, ela foi pedindo para eu navegar nos links da página, só nas fotos que ela já sabia que seriam de sexo entre casal, é claro que fui ficando com o meu pequeno pau de 19cm duríssimo, ela percebeu e começou a passar a mão em minha perna, minha pica quase rasgava a minha calça, então eu perguntei pra ela: Por que você não sobe um pouco mais a sua mão e tira logo a minha pica pra fora?Ela mais que depressa o fez, e além de tirar já o abocanhou chupava como se fosse a última coisa que chuparia na vida, conseguiu engolir toda a minha pica, eu a fiz parar, tirei toda a minha roupa e a sua roupa, a joguei na cama e comecei a chupar a sua xoxotinha, Chiquinha dava gritos de tesão, ela gozou só comigo chupando aquela coisa maravilhosa, pedi então que ela me arrumasse uma caminha, para que eu pudesse comê-la, pois também queria mais prazer, ela trouxe uma caixinha de camisinhas, pedi para que ela colocasse, ela colocou, com a boca, deu mais uma chupada e eu a coloquei de quatro na cama e comecei a bombar em sua bucetinha, e que bucetinha, bombei até gozar, e ela novamente gozou, dessa vez junto comigo! Conversamos um pouco, e logo estava ela lá chupando o meu pau novamente, ela queria mais, quando ele ficou durinho novamente, ela colocou a caminha e começou a cavalgar, enquanto cavalgava, teve uma idéia, ela ligou para o marido dela, e começou a contar a história, até chegar no momento em que estávamos, ela disse que eu ainda estava em casa comendo-a, ele desligou na hora, e foi para casa, quando chegou, eu tinha acabado de gozar novamente, ele entrou no quarto e ficou olhando a cena, ela o chamou para a cama, dai ele tirou sua roupa e veio para a cama, ele começou a chupá-la, e então começou a transar com ela também, ela então me disse que ele gostava de ser corno, e que era um otário, que gostava de ser mandado, então eu comecei a dominar a situação, ordenei que ela o chupasse, e que ele me chupasse, foi o que eles fizeram, depois eu fiz com que um chupasse e deixasse o cu do outro bem lubrificado com saliva, coloquei os dois de quatro lado a lado, comecei por ele, comi um pouco e depois fui para ela, fiquei intercalando até o meu terceiro gozo quase chegar, dai eu os coloquei deitados na cama, e gozei na cara dos dois…Depois disso, eles me pagaram a consultoria e eu fui embora para outro atendimento, se vc precisar de uma consultoria tb e estiver próximo ao Vale do Aço, em Minas, é só entrar em contato.                                

contos eróticos topsuper trepadaana trepandocontos eróticos categoriascasadosvontoseu gosto no curelato cornomamae chupandotesao de cunhadacasa de contos gaychupando o pedreirominha mulher sem calcinhacomendo a mae no banheiromaduras com novinhocomendo a minha mulherrabudas de saiacontosincestoswing mistura finacasa dos cornossidmacpunheta cruzadafesta transexmetendo na madrastasobrinha seduz tioedson e hudson porteirotransando no sitioevangelica fodendoesposa do meu amigosexo gay pastorbuceta da sobrinhabucetinha marcadacomadre de casamentocomi minha irmacontos reais de cornosaniversário da minha primacomendo a fisioterapeutabundudinhacontos eróticos topcasa conto eróticowjnetedson e hudson porteiropezinhos lindoscasadosvontoscontos eroticos baile funkninfetinha putacomendo a mae gostosa do meu amigoesposa na punhetahomem comendo cu de cavalosonhar com dois homens transandopunhetas ao vivopunheta mata?casados contos eroticoscachorro lambendo xoxotacomadre de casamentopauzao negrocomendo a mulher do policialburro comendo éguaminha mulher me comeupeguei meu marido se masturbandohomem engatado com cachorrocasa de swing realesposa nuaesposa exibidacasa dos comtos eróticosmulher com a maior bunda do mundotem uma mulher na nossa camaalemão pauzudocomeu a safadatrans rabudachupada neladois pau na mesma bucetagozo na bundadando pro sogrocomendo a nora gostosamãe gostosa do amigocachorro comendo meninacheirinho de bucetaputaria rjcontos eróticos crossdresseresposa mamandocomendo a mae bebadacavalo comendo gayburro comendo éguacachorro comendo o cu da mulhergozando no cu da irmã