Fudendo Teens Parte3

Depois dar comer a Barbara aqui em casa , foi uma rapidinha mas deu pra matar a vontade…bom agora eu vou contar o que aconteceu 3 dias depois, eu fiu na casa da Barbara para nois ´´conversar´´ denovo. Ai chegei lah e ela me disse que uma amiga estava pra chegar , mas nao me disse quem. Eu parti pra cima da Barbara , nesse dia eu nao estava muito inspirado, eu fiquei de pe e fiquei beijando na sua boca , ficamos ali por uns 15 minutos , eu sentia aquela lingua dela na minha garganta, muito gostosa, minha mao corria pelo corpo interinho dela. As vezes eu levantava a sua sainha e colocava nu cuzinho dela, ela dava umas arrepiadinhas q me dechava louco. Ate que ela me levou pro seu quarto, nos deitamos e continuamos a nos beijar, ate que toca a campainha da sua casa, eu fiquei morrendo de medo que fosse o pai dela ou algo assim , olhei pela janela e vi quem era, era a Vanessa , loirinha, 13 aninhos , peitos meio grandes perfeitos, e uma bundinha muito arrebitada, ela era muito gostosa so de olhar pra ela o cara ja se goza todo. Barbara atendeu a porta e a Vanessa entrou, eu tava na cama deitado, as duas entraram no quarto, Barbara estava so de calca e Vanessa me comprimenta e fala bem assim ´´posso participar?´´ e eu ´´claro´´, ai Vanessa se ajoelhou e beijou a barriguinha da Barabara, e subia , ate chegou nos peitos dela e chupou os, eu tirei minhas calças e fiquei peladao e tocando uma punheta , e vendo aquelas duas ninfetinhas. Ate que Vanessa saiu dos peitos dela e beijou a Barbara , de lingua, elas duas faziam uma meleca com aquelas linguas, me deixaram louco, em algum momento elas davam uma risadinha. Acho que as duas calçaram daquilo , e a Vanessa caiu de boca no meu pau, e Barbara ficou do meu lado , passando a mao na bunda de Vanessa e na minha. Bah , Vanessa engulia todo meu pau, nunca tiva visto nada igual, as vezes passava so a linguinha na cabeça e depois engolia, depois chupava minha bolas. AI do meu Lado Barbara tirou a calcinha e começou a se masturbar, ai eu falei´´ quer ajuda?´´ ai ela falou´´ vem gato´´ Meti na bucetinha bem devagarinho, ate entrar todo meu pau, quando chegou lah nu fundo ela deu um gritinho, ´´aaaaaaaaaa´´ > Vanessa chegou a seu lado e deu uma chupada nus peitos de Barbara , eu tirei meu pau de Barbara e e disse´´ vem Vanessa´´ ela caiu de boca, eu pegei a cabeça dela e apertei contra mim com meu pau na boca, ficou ali por uns 3 segundos, ate que ela deu uma tocida. E deu uma risada , como tivesse gostado. Ai ela me fala, ´´agora quero que vc me foda gostoso´´, eu colocquei ela de barriga pra cima , deitada, estilo mamae papai. estava pronto pra colocar e ela me fala´´ e a camisinha?´´ ai eu falo´´ vc é virgem?´´ e ela ´´ sim´´ entao eu falei ´´ pra prede a vringindade tem q ser sem camisinha´´ ai ela fez uma carinha lah que iria se fazer ,mas acabou aceitando. AI Vanessa abriu aquelas pernas, e que coxas muito gostosas , grossas, coloquei meu pau na xoxotinha dela , era mais apertadinha que a da Barbara, era bem depiladinha , quando eu meto jora sangue pra fora , ainda bem que nao na cama mas sim na perna dela. Ai eu pegei minha cueca e linguei toda a perna dela, acho que ela se excitou com aquilo e meti meu pai nela. Comecei a socar meu pau na xoxota dela e ela gemia muito´´ ai ai tesao vai mete ´´ ai eu nao parava de meter, elho pra Barbara du meu lado e ela pega uma sacolinha que tinha enbaixo da cama dela , ai ela tira uma deles penis de borrcha , ai me veio na mete o porque ela sabia fazer um boquete, ai ela comecou a bricar com aquilo, mas eu continueu ali com a Vanessinha, ela começa a gritar´´ vai gatinho, soca na minha buceta´´ ela me deixou maluquinho, e obedeci as suas ordens, soquei com muita força, ela gemia como se estivesse sendo estuprada, ela começou a se debater na cama, a cama genia como a propria Vanessa. Ela ate batia nu meu rosto, dava tapas em todo meu corpo, eu estava quase todo vermelho porcausa de seus tapa, a Vanessa era mais irada, falava mais coisas do que ficar so gemendo. Ate que el gozou . Ai olhei pra Barbara e ela estava de 4 , tirei meu pau da xana da Vanessa e coloquei na xoxotinha da Barbara. Meti bem forte, e Vanessa chega do meu lado e fala nu meu ouvido´´ mete na minha miguinha bem forte´´ eu socava tao forte ,e acho que a Barbara nao aguentou e gozou muito. Ai a Vanessa me chamou e ficou 4 quatro de pediu pra meter bem forte, nao obedeci, chegei na sua xota e eu esfregava so a cabeça ma xana ela, ele ficava loka porque tava doidinha pra sentir meu pai lah dentro, ate que sim mais nem menos soquei pra dentro e ela ´´ahhhhhh, isso tesao, mais mais mais mais nao par nunca´´ eu ficava naquele vai e vem, nunca parava. Vanessa se apoia nois braços da cama e começa ´´ vem meu cachorro guloso, mete na sua putinha vem´´ eu nao aguenteva mais aquela guria me deixava louco, mas meti lah pra dentro. Tirei meu pau e deu uma mordida naquele bubda durinha e branquinha dela, deixei uma marca dela deu um grito ´´aaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiii´´ e soquei mau pau na bucetinha novissima dela. Ai falei que eu ia gozar, as duas putinas vieram pra me chupar, elas chupavam como se fosse um pirulito, ate brigavam porque queria mais. Elas batiam ma punheta juntas ate que eu gozei tudo nelas , fiz uma meleca , as dias limparam suas carinhas se lambendo, que lindas, as duas cheias de gozo. ai se limpamos, e nos vestimos. Ai por final quando estavamos quase saindo , beijei a Barbara de lingua , coloquei minha lingua lah dentro de sua boca , e depois fiz a mesma coisa com a Vanessa e apertei minha mao na bunda da Vanessa , ela chegou a pular pra cima de tanta força. Ai sugeri pra nois fazermos uma brincadeira. NOis beijassemos os 3 juntos, elas duas ficaram bem lokinhas pra fazer isso, ai coloquei minha lingua pra fora e ela tbm, e ficamos esfregando nossas 3 linguas juntos, bah que meleca que deu, mas muito gostoso. ai largei pra casa. É isso , na proxima eu conto outra dessas minha farras, na proxima vai ser cum uma guria de cabelo vermelh muito gostosa.

karente

Numa madrugada fria de junho, eu estava rodando com o táxi pela cidade já fazia algumas horas e não aparecia uma alma viva precisando dos meus serviços. Desanimado, pensei em ir para casa mais cedo, mas, como a esperança é a última que morre, resolvi fazer mais uma tentativa dando uma passada pela região dos bares, nos jardins. Tudo vazio ou quase fechado, as poucas pessoas que eu via na rua estavam dentro dos carros que passavam. Lá fora ventava muito e, pelo visto, devia estar uma geladeira. Uma daquelas noites para ficar debaixo das cobertas, de preferência fodendo gostoso, coisa que eu não fazia há algum tempo. A patroa andava cansada e eu, que nunca neguei fogo, também andava sem tesão. Estava trabalhando demais, o trânsito de São Paulo acaba com os nervos de qualquer um, além do mais, nove anos comendo a mesma boceta não é fácil. E olha que eu, apesar de ser um cara sério, dou minhas puladas de cerca porque ninguém é de ferro. Mas casamento tem mesmo essas fases.Estava perdido nessas filosofias quando um vulto atravessou a rua, uns cinqüenta metros à minha frente, e me fez sinal. Chegando mais perto vi que era menina, devia ter no máximo uns dezoito anos. Alta, loira, cabelos longos bem lisos, toda vestida de couro, jaqueta, minissaia, e umas botas que chegavam até o joelho. Só as coxas ficavam de fora, e que coxas! Compridas, grossas e muito brancas. Uma delícia.Parei. Abri a porta do carro. Ia levantar o banco mais ela foi logo entrando e sentando na frente. O cheiro do couro misturado com cigarro e um perfume delicioso tomou conta do ar.– Tio, por favor, me leva pro alto de pinheiros. Vai indo reto que eu indico o caminho.A voz dela, meio rouca, meio grave, me arrepiou. Senti um frio na espinha e minha pica começou a dar sinal de vida.– Você manda, respondi, pisando no acelerador.Quando paramos no primeiro sinal, percebi que ela estava sem o cinto de segurança, usei essa desculpa para puxar conversa e poder olhar para ela com mais atenção.– Ai, eu tenho mesmo que pôr isso? Perguntou, bicuda.– É bom, né? Posso ser multado, respondi olhando dentro de seus olhos, dois faróis verdes que me deram palpitação. Fiquei sem graça. Pra disfarçar, liguei o rádio. Tocava uma música romântica, dessas de preto, com uma batidinha lenta e uma neguinha sussurrando. Meu pau latejava.– Se o senhor não se importa, prefiro ficar sem som. Eu tava numa boate até agora, meus ouvidos tão detonados, disse irritada. Mais sem graça ainda, desliguei o rádio.Desapontado com minha iniciativa malsucedida, me concentrei no barulho do motor para ver se o tesão diminuía, quando senti que ela olhava para mim.– O senhor é casado? Perguntou quebrando o silêncio.– Sou, respondi surpreso.– E não usa aliança? Que moderno! Achei que ela estava sacaneando comigo, o que me deixou meio cabreiro, vir com esse papo de aliança…aí devia ter alguma coisa. Decidi entrar no jogo, qualquer coisa que rolasse seria lucro. Meu cacete a essas alturas devia estar dando a maior bandeira, pois quando eu respondi olhando para ela, vi que estava de olho na minha mala.– E você? Tem namorado?– Até ontem eu achava que sim. Depois de hoje…vamos mudar de assunto? Olha, pode virar na próxima à esquerda.– Quantos anos você tem? perguntei.– Dezessete. E o senhor ?– Quarenta e dois. Você parece muito madura para sua idade.– Madura? Ah, ah, ah tá tirando uma na minha cara, tio?– É sério. O que você faz? Trabalha? Estuda?– Sou bailarina e estou fazendo cursinho, vou prestar educação física… gosto de coisas mais concretas, sabe?…mais físicas mesmo. Sou boa nisso. Disse ela me varrendo com aqueles olhos de gata.Senti a cueca úmida de melação, meu tesão era tanto que até meu cu piscava, minha boca secou. Eu não aguentava mais. Estava resolvido, ia foder essa menina nem que fosse para ir preso por estupro ou corrupção de menores.– Estou meio fora de forma, mas sempre gostei de esporte. E, modéstia à parte, sou muito bom de bola. Falei malicioso.– Dá para perceber que o senhor tem as pernas fortes, respondeu ela. — E um pinto bem grande também, completei, na maior cara de pau.Ela esticou o braço e encheu a mão, envolvendo meu caralho que quase rasgava a calça.– Isso é tudo que eu preciso hoje. Um cacete bem grande no meio das pernas. Me fode? Pára esse carro e me fode agora! Exigiu apertando meus bagos.Já estávamos no alto de pinheiros e cruzávamos uma rua larga, tranqüila e muito arborizada. Parei o carro debaixo da maior árvore que encontrei, num canto escuro da rua. Olhei para ela na penumbra e disse:– Se tem uma coisa que eu sei fazer é uma mulher feliz.Enfiei a mão sob a minissaia preta até tocar sua bocetinha quente. E não é que a safada estava sem calcinha?! Fui metendo o dedo a procura do grelho que encontrei inchadinho e pulsante. Comecei a foder a prexecona com os dedos numa gostosa siririca.– Me fode, cara. Põe o caralho dentro de mim. Me fode gostoso que hoje eu tô carente, gemeu.Reclinei o banco, arranquei a minissaia e caí de boca naquele buraco perfumado, chupei aquela chana com uma fissura louca até ela ficar ensopada. A mina gemia cada vez mais alto, cravou as unhas no meu couro cabeludo, puxando meus cabelos com força.– Chupa, chupa assim, ai, ai, shh ah!A certa altura, me deu uma chave de perna com aqueles coxões, que quase me esmaga a cabeça. A prexeca babava. Ela estava gozando. Eu estava quase, queria meter logo, antes que todo o tesão dela passasse. Logo entendi que me preocupava à toa, ela tinha fogo para umas dez horas de foda. Era uma máquina!Eu nem bem acabava de tirar a boca da sua boceta, ela veio louca pra cima de mim, procurando meu pinto. Abriu o zíper, puxou minha calça pra baixo e tirou meu pau, que estava todo melado, pra fora, caindo de boca, lambendo saco, zíper, tudo. Eu não aguentei, esporrei naquele rosto de menina. Ela parou de chupar e gritou desesperada: — Não, não goza ainda….Tarde demais. Eu já tinha melado até a direção.– Não se preocupa, minha filha, eu te prometi uma coisa e vou cumprir.Meu pau, que não é pequeno, estava na meia bomba, mesmo assim despertou sua admiração.– Que pintão delicioso, tio! Quero isso tudo em mim. Põe, põe?!Antes de botar o bicho dentro dela, abri sua jaqueta procurando pelos seios que embaixo da camiseta estavam com os bicões duros me esperando. Sutiã ela também não usava. Tirei as tetas pra fora e comecei a mordiscar a pele rosada. Ora um bico, ora o outro. Me afastei um pouco para ver direito aquelas duas maravilhas da natureza. Eram dois melõezinhos perfeitos. Como era bom poder ver uma mulher daquelas de frente, nessas horas a gente entende que a vida é muito boa, e porque tanto homem perde a cabeça e se fode por causa de uma mulher bonita. Eu daria tudo que eu tenho pra ter uma boceta dessas todo dia.Meu mastro já tava totalmente duro de novo. Abri o porta luvas, peguei uma camisinha e vesti meu cacete com cuidado.Agora, prepara a chaninha que você vai receber a maior pemba da sua vida. Ela ficou de quatro arrebitando a bunda redonda, tinha uma bocetona carnuda, os pelos loiros e nervosos escapavam entre os coxões . Começou a rebolar devagar chamando meu pau .– Vai, vai. Mete logo. Não me deixa assim…Mete!Fui enfiando por trás devagarinho, só pra deixar ela mais doida. Punha a cabeça e tirava, punha de novo e tirava. Ia assim, aos poucos. Ela começou a endoidecer e mexia mais rápido, gemendo baixinho. De repente, meti tudo de uma vez, bem fundo. Com uma mão nos peitos e outra no grelho, comecei um vai-e-vem violento. Ela urrava.– Ai, filho da puta! Ai…ah, ah,ah!No auge do tesão, mordia o encosto do banco enquanto eu dava beliscões nas suas coxas e amassava suas tetas com força.Gozamos como dois alucinados. O carro cheirava a sexo e os vidros, a essas alturas estavam tão embaçados que faziam uma cortina natural contra qualquer curioso que passasse por ali. Nos desgrudamos, descansamos um pouco e pusemos as roupas.Em silêncio, fizemos o resto do percurso até a porta da casa onde ela morava, um casarão chique qu
e devia ser dos seus pais. Eu não quis cobrar a corrida mas ela insistiu em pagar. Nos despedimos e ela pediu pra nunca mais procurá-la. Claro que eu não iria fazer isso pois sou casado e amo minha mulher, eu respondi pra ela. Mas, tenho de confessar que uma foda dessas não se esquece fácil. Nunca mais vi a garota, mas toda vez que passo naquela rua, fico ligado. De repente, uma loira de couro preto pode querer meus serviços e eu, apesar de ser um mero taxista, sou, acima de tudo, um profissional.

comendo a secretaria virgen

meu nome e jom tenho 28 anos sou loiro bem jeitoso tenho uma pequena empresa e estava contratando uma secretaria e foi quando apareceu a bela vou chama de tata ela uma moreninha muito bunitinha e gostosa pra caramba tem 1,70 de altura cabelos longos no meio das costa seios pequenos e duros bundinha empinada e muito gostosa ela começou a trabalhar toda seria. A esqueci de mencionar 17 aninhos.

Minha primeira vez

Oi,eu sou a claudia e venhoaki contar um/um facto que aconteceu na realidade,eu tenho 17anos kuase 18 sou baixinha tenho 1.56,peso 53kilos,tenho os cabelos loiros(é natural)bem compridos e encaracolados,olhos esverdiados e um corpo acho k bonito (pelo menos quando vou pa praia ninguem diz o contrário.pesicologicamenet sou divertida,gosto muito de sair a noite,mas sou muito tímida por isso n tenho muitos relacionamentos com muitos rapazes,pois n sei porque nunca consigo me descontrair o suficiente ate mesmo a beijar fiko muito timida e sem jeito e isso nota s logo pois fiko bastante vermelha no rosto.

Confissões de uma virgem na faculdade

Ano passado foi um ano cheio de mudanças. Tirei carta, terminei o cursinho, entrei pra faculdade, o que fez desse ano, um ano cheio de expectativas.Me mudei pra Botucatu, consegui um quarto em uma casa com mais duas meninas. As duas se chama Ana, Ana Luiza e Ana Marina.Eu nunca namorei ninguém, fiquei com alguns meninos na época de escola, e acabei ficando ano passado com um amigo do meu irmão, que, por ser amigo do meu irmão, me respeito até demais. E por mais que eu fosse provocativa, ele por me conhecer há muito tempo, me deu a impressão de que me enxerga como uma menina pra casar. Antes de ir pra Botucatu, ele me pediu em namoro e eu não aceitei. Não queria ir pra facul amarrada em um relacionamento com alguém por quem eu nem sou completamente apaixonada, com a falta de iniciativa dele, tudo o que ele conseguiu foi me fazer perder o interesse inicial.Eu sempre gostei de me masturbar, desde pequena. Quando descobri que era gostoso demais quando o jato de água da piscina pegava entre minhas pernas… minha primeira sensação sexual foi essa, na piscina, eu tinha uns 6 ou 7 anos, e naquele verão tudo o que eu queria era ficar na piscina. Do jato dágua para aprender que o havia um lugarzinho ali que se eu tocasse era uma delícia foi um passo. Eu realmente me encantei por essa sensação. Mas fui repreendida muito cedo também, então percebi que era algo que eu tinha que fazer escondida. Passei boa parte da infância me masturbando das mais diversas maneiras. Aos 09 minha prima que tinha 14 me falou sobre virgindade, que ela havia deixado de ser virgem, e eu não sabia, até então que isso era uma coisa que se fazia a dois. Minha mãe é ginecologista, então eu morria de medo de me penetrar e ela descobrir, porque sempre foi de fazer exames periódicos. Meu pai também é médico, mas é ortopedista. E eu estou inciando meus estudos pra ser também, mas me interesso mais ainda não sei que área específica pretendo seguir. Mas sei que Botucatu é um lugar maravilhoso para se ter experiências sexuais.O campus está cheio de garotos e garotas ávidos por novas vivências. E alguns professores encantados com as alunas novas que chegam o tempo todo. Embora eu não tivesse experiência até o início do ano, eu sempre pensei em sexo o tempo todo. Eu sou apaixonada pelo meu clit, ele não é grande, mas não é aquela coisa minúscula e sem graça… acho ele lindo, rosado e dá pra perceber demais quando ele fica durinho. Quando conheci as meninas que moram comigo, eu já fiquei imaginando que ótimo que seria ter alguma coisa com uma delas. Luiza é tímida, meio gordinha, seios pequenos, quadril largo, e muito bonita. Mas Marina tem uma coisa que me atraiu, ela tem aquele jeito de, não chega a ser jeito de lésbica, mas ela não é feminina como eu e Luiza, ela é prática, calça jeans, camiseta e tênis, rabo de cavalo. Luiza tem cabelos curtos e sempre bem estilosos, usa brincos grandes, pouca maquiagem mas é bem feminina. Eu sou o estereótipo da patricinha. Adoro maquiagem, roupas, acessórios mas sou bastante intelectual também. Pelo jeito da Marina, achei que a gente fosse ter alguma coisa bem rápido. Mas o que tivemos mesmo foram grandes conversas que nos aproximaram bastante. Ela me disse que já ficou com meninas e meninos.Marina dorme na suite, eu e Luiza dormimos cada uma em um quarto mas dividimos o mesmo banheiro. Luiza notou que Marina e eu nos aproximamos com mais facilidade uma da outra, Eu confesso que o tempo todo fui muito provocativa com as duas, deixando que vissem eu me trocando, seminua, e até dormindo de porta entreaberta pra ver se alguma delas vinha até meu quarto. Porém foi Luiza que deu mole antes. No banheiro, com os seios a mostra. Eu pensei que do mesmo jeito que eu estava sendo provocativa, que ela também estaria, e que talvez só estivesse esperando por uma iniciativa… elogiei os seios dela e perguntei se podia tocar, porque ela tem aqueles mamilos diferentes, acho que chamam de puffy nipples, são inchadinhos, e quando você toca eles ficam durinhos e normais. Peguei nos seios dela e passei meus dedões neles… imediatamente eles ficaram durinhos, e ela pediu pra me beijar. Foi a primeira vez que eu beijei uma menina. Eu estava toda excitada e ela também. Foi uma pegaçãozinha e entramos no box já ligando o chuveiro. Já vi muitos filmes a net, e como disse me masturbo constantemente, tinha uma coisa que eu morria de vontade de fazer e adoro ver vídeos assim. Virei ela de costas pra mim, coloquei minha mão direita entre as pernas dela e fui subindo até a bucetinha dela, pressionando meus seios nas costas dela e meu quadril contra a sua bunda, e com a mão esquerda pegando nos seios dela e fazendo carinho subindo até o pescoço… ela virou a cabeça e nos beijamos assim… fiz ela gozar… e me senti muito bem numa situação de domínio sobre ela… eu estava mandando, eu estava fazendo e ela ali adorando. Depois que ela gozou comigo masturbando ela ela se virou e ficou me beijando e me masturbou até que eu gozasse também. No mesmo dia mais tarde ficamos de novo, e foi a primeira vez que fiz oral em alguém, nos beijamos muito, nos masturbamos, gozamos uma chupando a outra. E nos dias seguintes não foram diferentes, ela me mandava mensagem pedindo pra vir ao meu quarto a noite. Marina não percebeu, e em uma conversa contei pra ela. Senti que Marina, apesar de não ter tomado iniciativa nenhuma, também achou que fosse ficar comigo. No dia em que eu contei pra ela, na mesma noite ela me mandou mensagem, perguntando se eu queria beber, rum com Coca-Cola. Eu aceitei e ela veio pro meu quarto, bebemos, demos risada, e tanto eu quanto ela sabíamos que era um pretexto até que nos beijamos. Sugeri que a gente chamasse a Luiza, para beber… Luiza veio, e não tinha muita bebida, não o suficiente pra ela ficar bêbada. Mas foi o suficiente pra ela se permitir entrar na brincadeira. Beijo a três, e dai em diante foi uma pequena orgia a três, Marina tem um corpo perfeito, embora esconda aquilo tudo nos jeans e camisetas. Nas semanas que se seguiram a gente tava parecendo um trisal. E acho que somos. Mas eu gosto de homem, e sempre deixo bem claro pras duas que eu não quero ser namorada de ninguém, mas que quero que continue assim, nós três. A coisa que eu mais gosto é de chupar uma delas com a outra chupando junto… a gente se beija e lambe ela. Eu nunca deixei que me penetrassem nem com os dedos, nem com os brinquedinhos que tomamos coragem de comprar nos dias que se seguiram. Luiza era virgem, não é mais. Enfiamos os dedos nela pra romper o hímem, e depois brincamos muito com ela com os brinquedinhos. Marina não é virgem, e gosta muito de penetração, gosta de ser ativa e gosta de ser passiva. Gosta de anal, e eu fico maluca de poder enfiar o dedo no cuzinho dela. Luiza é mais encanada com isso e não deixa, mas ainda vai deixar. A gente teve dias de dormir juntas, tomar banho juntas, tudo juntas. Ao mesmo tempo estava rolando um lance comigo.Conheci o Isaías, eu sou bichete dele. Não demorou muito pra ele dar em cima de mim. Ficamos em uma festa do meu curso. As meninas não fazem o mesmo curso que eu. Luiza não curte festas, e Marina não larga Luiza um segundo.Diego é um gostoso, um lindo, todo perfeito. Quando descobriu que eu ainda sou virgem, não me comeu. Acho que está tentando me respeitar porque quer algo sério. E eu aqui ardendo de vontade dele transar comigo logo. Já rolou oral, e muita pegação, mas ele ainda tem um pé atrás comigo, por causa da virgindade. Desde que fomos obrigados a voltar pras nossas casas, só nos falamos pela net. Já nos masturbamos juntos. As meninas também não vejo desde março.Mas somos um triozinho ainda. Esse ano prometeu demais… e começou muito bem.Mas a covid veio pra estragar tudo. Eu tenho descoberto muitas coisas quanto a mim. Adoro ser ativa, adoro ser passiva também, mas não gosto de ser submissa, eu adoro pegar as meninas por trás, adoro fazer tribbing. Adoro gozar usando conta e comendo elas. E estou imaginando demais se um dia vou poder fazer isso com o Diego
.Adoro contar as coisas que ando fazendo, que fiz, que descobri.Adoro contar para pessoas estranhas, é uma sensação que me excita. Depois conto mais sobre as coisas que fiz nos primeiros meses desse ano. Agora tudo que eu quero é conhecer gente.Vivenciar as fantasias que tenho. Mas por hora o que eu posso fazer é me masturbar.Até a próxima.A. Rangel.

os arrepios de lurdinha 3

….da cabeça vermelha,senti que gostaram,a mão de Ricardo,já pousava na minha bundinha,seu dedo explorava meu reguinho,estava arrepiada,Luis se abaixou ,e,começou a lamber minha bocetinha,eu fiquei com o pau do Ricardo,agora colocava as duas mãos,queria senti-lo mais,ele,me ensinou a punhetar,eu obedeci,Luis me lambia divinamente,afastei minhas perninhas,me abri mais,a lingua explorava minha fenda,estava entregue,os dois então me fizeram ajoelhar,e,mandaram chupa-los um pouco de cada,obediente,e,excitada,chupei meus picolés de carne,olhava para o alto via a expessão de prazer nos seus rostos,passei a mama-los mais forte,então Rcardo tremeu,e,soltou porra na minha boca,e,dizia:

Minha prim e verdade experiên sexual PARTE V e provavelmente a ultima

Minha primeira e verdadeira experiência sexual PARTE V acredito ser a ultima. (quero lembrar que trata-se de uma experiência verdadeira que aconteceu comigo, e eu só resolvi escrever essa estória a pedido da minha psicóloga que me ajudou muito)Nessa ultima parte tenho duas imagens que tinha combinado com a Sonia para mostrar para meu ex. o Thiago.Ao longo dessas experiência que passei, convivendo com casais cabeças, confesso que me peguei com inveja deles, das convivências e relacionamentos livres, porém sempre juntos.Quando contei a eles que meu ex. estava me procurando, e até jurando que ia mudar, e aceitar tudo que eu queria, foi o que chegou a contar para minha mãe, ele não imaginava o que eu já tinha aprendido a curtir na vida, e já me considerava uma outra mulher. Bati um longo papo com a Sonia e o Flávio sobre a minha possível volta, e eles me alertaram de alguns fatos que podiam rolar para dar certo ou já de inicio cortar a possibilidade de vivermos juntos, afinal a questão é, o Thiago me aceita hoje como eu sou e com minhas amizades que não abro mão? Seguimos uma ideia do Flávio, que me surpreendeu, marcamos um encontro, um jantar na casa deles, onde o Thiago iria conhece-los e logo de cara saber o que rola, e se fosse com o Pedro e a Marcia não daria certo, já havia cicatrizes da nossa primeira tentativo proposta pelo Thiago, diga-se de passagem. Combinei com o Thiago que encontraria ele lá na casa deles, porque eu e a Sonia iriamos fazer compras e adiantar o nosso jantar de sábado a noite.Ficamos os três, eu a Sonia e o Flávio esperando o Thiago e já fomos saboreando um bom vinho, o que me deixa corajosa kkkkk, verdade, e o Flávio me pediu um beijo de boa sorte, mas foi um beijo demorado, e quando a Sonia viu a gente se beijando, brincou, nossa já esta pegando fogo, que bom e as mãos começaram a explorar, o tesão já rolando, afinal o Flávio sabe muito bem como provocar uma mulher, e eu me sentia a vontade perto da Sonia, já tinha ultrapassado a barreira da timidez. O Flávio me pegou no colo e me levou para cama deles e a porta ficou entreaberta,E ele me disse no ouvido bem baixinho vai ser uma rapidinha, afinal tinha um convidado para entrar, mas eu estava já elétrica com a situação do meu ex. para chegar, esse clima me deixou ao mesmo tempo com um puta frio na barriga, mas, afinal o que ele poderia fazer? Ir embora?, sei lá. A Sonia ficou de prontidão para receber o Thiago, até que ele chegou, e segundo a Sonia, ele ficou estranho tipo alguma coisa esta acontecendo que eu não sei e ela foi logo tentando deixar ele a vontade, dando de entender que ali não se tem barreiras, e que eu estava na parte superior da casa. A Sonia o parou numa sala de leitura e pediu para ele ouvi-la por uns instantes, onde ela disse não estrague a experiência que a Roberta esta tendo na vida, foi uma mudança radical, proposta por você mesmo, já que você a quer de volta, saiba que deverá aprender a dividi-la com quem ela curti e com quem curtem ela, é uma garota fantástica, cheia de vida, e de vontades, e que você poderá aprender com a gente a servi-la. E perguntou, você esta afim de dar um tempo para pensar nisso? Podemos marcar um outro dia, não queremos eu e meu marido, deixar você sozinho com ela para decidirem, mesmo porque um momento da vida de vocês , você a ameaçou, lembra? E foi ai que ela decidiu seguir seu rumo.De bate pronto, ele disse SIM, eu a quero de volta não me importa os seus pensamentos ou o que decidiu na vida.A Sonia não perdeu tempo, o levou para cima e com a porta entre aberta, ele pode ver de longe, do meio da sala o Flávio me pegando bem gostoso, que alias fiz questão de deixar registrado essas duas posições das quais o Thiago me viu com o Flávio. Para variar estava com um bom vinho na cabeça e toda entregue, e a Sonia não deu trégua, o pegou pela mão e o fez sentar na sala e disse baixinho, deixa eles terminarem eles estão curtindo, isso pode acontecer com a gente. Tentando o deixar mais a vontade , segunda a Sonia, que pena que não tinha uma câmera para registrar a cara dele, quando viu o Flávio encima de mim.Saímos do quarto, e eu vou ser bem sincera, acho que eu estava com a maior cara de puta possível kkk, mas pensei foda-se ou ele me aceita ou vamos terminar antes de começar. O Flávio já foi logo brincando com ele, puxa vocês estão ai nos espiando? O que acharam? E ai me disse, vai lá de um abraço nele uma pegadinha, quem sabe rola um beijinho na boquinha, afinal foi o único lugar que não gosei, e deu risada, nunca vi o Thiago tão desconcertado na vida, e me perguntou, como você esta? Eu estou com saudades, ai a Sonia emendou… Tem cama por ai para vocês colocarem a saudade em dia, desde que nos deixe ver essa trepada atrasada kkkk riram todos. O clima estava bom, para nós todos, só o Thiago que sentiu uma surpresa inimaginável, sentamos na varanda, só nos dois, e ai eu disse a ele, não quero te esconder nada, tudo que você me perguntar vou contar, porque daqui para frente será assim, e não abro mão disso, afinal foi sugestão sua lembra? E ai ele riu e me perguntou, lembra daquele casal que tentamos sair a primeira vez? Nunca mais tive contato com eles, quem sabe um dia a gente se encontra para desta vez dar certo, e eu o perguntei : posso te contar uma coisa? Aquele casal foi o ponto de partida foi com eles que gosei pela primeira vez, foi com eles que aprendi a gozar dando a bunda que tanto você queria, mas não sabia comer e ai eu ri muito e ele também, e me disse nossa, não sei porque mas achava que tinha alguma coisa por ai, e eu contei tudo dês do inicio.Para mostrar que eu estava feliz, com a aceitação dele, passei a mão nele e fiz um sexo oral, bem gostoso eu estava com tesão por aquilo, e mostrei que agora eu curtia deixar que gozasse na minha boca, sem barreiras, nossa ele gemeu muito. Comecei a redescobrir o Thiago, como marido e mulher, não demorou muito a Sonia nos chamou para jantar e como ela é bocuda, foi logo me perguntando: e ai Roberta, ele esta ou não de pau duro por você? Se não estiver lembre-se, um dedinho no cu dele ajuda muito, e todos riram principalmente porque o Thiago ficou vermelho. Vamos ver no que vai dar, eu sei que eu vou dar, mas dependendo do resultado e do que acharam disso tudo, os comentários e votos, vou escrever a nossa possível experiência que teremos todos juntos, imagino.

abusada no aniversario do filho pelos seus amigos

Ola!O meu nome e Rosa, tenho 37anos, sou casada e tenho um filho de 10anos, vivo em lx.Sou baixinha, morena c cabelos curtos, pelo tamanho dos ombros, tenho uma bunda k deixa os homens doidos apesar d ja ter um filho mas o k chama realmente a atençao em mim sao os meus seios, muito grandes!O meu filho fazia anos que calhava a um dia d semana nas ferias do verao,meu marido tava a trabalhar e eu organizei a festa no nosso apartamento k era um pouco pequeno, os amigos do meu filho começaram a xegar antes do almoço,eram 14amigos mas todos dois e tres anos mais velhos k o meu filho,amigos da escola e da zona alguns eu axava k eram ma influencia para ele!Eu tava c uma calcinha fio dental branca, c uma calça de lycra azul e c um top branco, s sutien!durante o almoço alguns meninos n tiraram os olhos d mim, c sorrisos sacanas, eu n liguei e ate axei graça.A meio da tard eu tava na cozinha e o meu filho veio dizer k ele e os amigos keriam jogar ao quarto escuro, mas k n tinha espaço e por ixo tinham d utilizar as outras partes do apartamento, eu deixei, fexei as precianas das janelas pa ficar escuro foi kuando um dos meninos mais velhos dixe k eu tb tinha d jogar, se era o apartamento td tinham d ser todas as pexoas, os meninos confirmaram todos c cara d sacanas e o meu filho concordou, aceitei pa n o desiludir!O primeiro a axar os outros foi o meu filho!no meio da escuridao eu eu fugi po armario do meu kuarto mas fui seguida por tres meninos mais vehos k entraram cmg, ficamos apertados no armario e aproveitando ixo e a escuridao eles começaram no maior descaramento a passar as maos nas minhas mamas e na minha cona por cima da roupa n kis fazer xcandalo pa n estragar a festa de anos!Na segunda vez k jogamos foi ainda pior,eu fui para a arrumaçao e fui seguida por 6meninos k me comessaram a passar a mao mas desta vez um deles baixou o meu top e todos eles xuparam os meus seios apesar d eu os ter tentado contrariar, apos isto arranjei a desculpa k o meu marido estava quase a xegar pa m conseguir livrar dos meninos e impedir k eles abusassem mais d mim,nem o meu filho nem o meu marido sabem o k aconteceu…!

Cecília e Tomás – 7. Contato

Quase um mês depois de perder o contato com o Tomás, recebo uma mensagem enquanto estava na cama vendo alguma coisa no celular. Oi Cecília, como você está?Um misto de alívio por voltar a ter notícias dele com apreensão. Aquela frase não era a que eu estava à espera, tão seca, como se fosse de uma pessoa que você não tem muito contato nem muita intimidade. Oi…tou indo e você?Também, ele respondeu, perguntando se eu não queria falar mais com ele. Eu? Ele foi quem bateu com a porta na cara da escoteira, lembra? Foi quem disse que achava que não devíamos continuar e isso parecia incluir tudo: viagens, telefonemas, mensagens. Eu ainda queria tudo. Eu não tinha certeza de onde isso tudo iria levar, mas nunca duvidei do que sentia nem do que eu queria. E queria continuar o que tínhamos. Sentia falta do Tomás de há 23 anos e do Tomás de há 2 meses. Esse era outro Tomás que não queria me incluir mais na sua lista de contatos quanto mais da sua vida. Como está a sua mãe? Melhor do que eu, respondi-lhe. Afinal ele queria saber da minha mãe. A minha mãe tinha uma doença grave. O que podia ser feito, estava sendo feito. A minha doença era emocional. O que poderia ser feito não estava sendo. Eu já não me alimentava direito, o meu alimento era ele, o seu corpo e alma. Eu era o seu câncer, ele não me queria mais se espalhando na sua vida. Fico sem saber se eu faço bem ou mal entrando em contato com você, ele disse. Os efeitos colaterais do seu sumiço, distância e frieza é que eram muito maus.Trocamos mais uma vez algumas confidências mais ligeiras sobre como tinham sido aqueles longos dias, quase um mês na verdade, sem nos falarmos. Tenho pensado muito em você, disse-me. Eu já não conseguia acreditar. Os seus atos diziam o contrário. Eu só tinha essas palavras agora manchadas por dois episódios de consciência dele. Eu queria acreditar, mas ele não me dava provas concretas disso. Já eu acabei dando provas sem querer. Postei uma foto minha com um amigo que me acolheu num dia em que eu não aguentei e disse estou uma merda. Ele prontamente disse bora sair. Foi uma das poucas fotos que postei nos últimos tempos, uma forma de agradecer por estar aqui quando eu mais precisei. A foto não cortou completamente a pulseira verde que ainda usava no braço. Ele disse ter visto a foto, reparado nessa falha e que chorou como uma menina. Que escutou a playlist que eu tinha feito ainda nos primeiros dias juntos, quando ele queria conhecer o que eu gostava de ouvir atualmente. Tínhamos até uma música. Era uma música que falava num encontro onde dois corpos se encostam e uma dança arranca mas sem final feliz. Depois da nossa primeira despedida o Tomás sugeriu arranjarmos outra música mais esperançosa para nós. Você e eu juntos podemos fazer qualquer coisa, arrume a sua mala e vamos sair pelo mundo. Era a nossa pré-lua-de-mel no Peru. A nossa vontade de fugir da nossa realidade.Agora não sabia que música nós tínhamos, se é que ainda tínhamos. Algumas me surgem na mente mas nenhuma tem a letra que queria.Eu estava voltando a ser aquela pessoa discrente. Eu queria acreditar no que ele dizia…que não conseguia passar pelos lugares onde estivemos, que estava pensando muito em mim… mas parecia que ele estava descrevendo apenas o que eu sentia. Queria muito uma oportunidade de poder viver o que eu queria ao seu lado. Eu também queria. Quantas vezes não me questionei as decisões que tomei na minha vida. Vivo sempre num What if, mais um título de um filme que agora me faz lembrar dele também. Já não bastassem todas as músicas de amor, agora eu me lembrava dele em filmes. Também em placas de carro que param à minha frente no trânsito. Dos 26 estados brasileiros, apenas 2 de fora da minha cidade parecem surgir à minha frente nessas placas: onde ele mora e de onde ele é. Eu, mais uma vez, não escondia o que sentia. Disse-lhe que tinha saudades da ligação de bom dia, das mensagens antes de almoçar, depois de almoçar, até as conversas safadinhas. Essa foi a deixa para que a conversa aligeirasse e se prolongasse madrugada afora…Depois dos episódios de consciência do Tomás, as conversas, por vezes tomavam um rumo tenso, desagradável, com os questionamentos inerentes à nossa situação. Eu evitava, mas quando via já tinha ido praquele caminho. A vontade que dava era, vamos voltar à conversa a partir do minuto x? Pra que questionar e analisar racionalmente a nossa situação, ainda por cima por mensagem? Odeio mensagens para conversas sérias. Odiava essas conversas sérias. Pra que sermos sempre racionais? Às vezes temos que nos permitir a apenas sentir. Viver. A confissão da saudade das conversas safadinhas revelada já em horário para adultos soltou-nos mais um pouco. Aligeirou a conversa que teve o seu início pesado pelos dias de silêncio. A vontade de nos vermos novamente parecia ainda mútua. Mas ele disse mais uma vez. Os assuntos foram surgindo e isso ficou em stand-by. Contamos os sonhos que tivemos um com o outro e ficamos tentando analisar o que poderiam significar. O sonho do Tomás era recorrente. Já devia ser a terceira vez que acontecia e o perturbava. Ao mesmo tempo deixava-lhe excitado. O seu sonho consistia basicamente em eu transar com outro homem na sua frente, humilhando-o ao ponto de forçá-lo a transar comigo depois jogando na sua cara que outro tinha acabado de estar ali dentro de mim. Agora é a sua vez, eu diria. Eu não me imagino tendo esse comportamento na vida real, apesar de que a sua recorrência, a excitação e ciúmes que provocaram nele me deixaram intrigada. Em parte, qualquer desejo que ele tenha quase que se torna automaticamente meu ou, no mínimo, eu deixo na gaveta para consideração. O Tomás é o meu dono. Eu tenho um lado nativo de submissão ao lado dele. Esses papéis em breve iriam se alterar temporariamente, pelo menos.Enquanto isso, contei-lhe sobre o meu sonho. Os meus sonhos geralmente têm uma carga simbólica muito grande, mas por vezes consigo decifrá-los. O sonho que tive e que partilhei com ele naquele dia era ele com ela, representados fisicamente por outras pessoas. Isso eu tinha mais nitidamente certeza no caso dele. A pessoa encarnada naquela cena era um ex meu que, resumidamente, tinha me iludido, levado pra cama e depois sumiu. Ele também era um amigo antes de nos envolvermos mas não tínhamos uma história como o Tomás e eu. Não tinha, da minha parte, o desejo que eu tinha do Tomás. Mas éramos amigos há uns 4 anos, achei que acima de tudo ele iria respeitar a amizade que tínhamos. Estava eu a compará-los por conta do seu sumiço? Eu conscientemente não queria compará-los até porque não achava que o Tomás faria uma coisa dessas. A nossa amizade era de décadas, mesmo com um interregno no contato, era longa. Havia um passado mal resolvido, um futuro por resolver. E eu queria que aquele presente não se assemelhasse ao que já passei com outra pessoa que se dizia minha amiga. Ao partilhar uma das poucas fotos que tiramos juntos, a de São Paulo, ele comentou que estaria em Santos no fim do mês. Eu estaria em São Paulo no fim do mês! Sem combinarmos nada, o universo parecia querer conspirar ao nosso favor. Não só iríamos estar em São Paulo na mesma altura, como também outra viagem programada para Brasília era quase coincidente. De São Paulo para Santos é 1h de ônibus. Em Brasília a diferença seria de dias. Acho que posso dizer que é bem plausível. Se o destino queria dar uma mãozinha, por que não esticarmos a outra? Tudo é uma questão de vontade. Quando se quer, arranja-se uma maneira. Quando não, dá-se uma desculpa. O Tomás não conhecia esse ditado, mas já o tinha visto e utilizado na prática antes.

Comendo a vizinha e a professora de matemática

Ontem estava em casa tranquilo,quando ouvi alguem batendo palmas .Éra minha vizinha com um shortinhocolado e uma mini blusa ,e minha professora de matemática com uma calça de fazer caminhada e uma blusinha decotada.lógicamente mandei as duas entrarem,logo que elas entraram elas ja foram tirando minha roupa e lambendo o meu caralho,e eu só prestando a atenção em suas bucetas que ja estavão todas molhadinhas de tanto tesão.Eu abaixei a calcinha da minha vizinha viviane e comecei a lamber o seu grelinho que ja estavo molhado,e enquanto isso eu tirava a roupa da minha professora denise e comia sua xoxota virgenzinha.Nós ficamos ali mais ou menos uma s 5 horas só metendo.as duas gozaram na minha boca e eu gozei na buceta da professora .

A filha da minha funcionaria 2

A filha da minha funcionária – II        Como prometi, voltei para relatar e completar o conto anterior, para os que não leram vá até “A filha da minha funcionária”, pois este é o seguimento do texto.        Como relatei anteriormente, estava quase de saída e a Luciana não quis que eu fosse embora, como estava todo mundo que participou da festa estava dormindo ou tinha ido embora, a Lú queria algo mais, nesta sua primeira vez, primeira transa, primeiro conhecimento como mulher completa.        Fomos à cozinha para fazer um lanche, pois a última vez que eu tinha comido foi o churrasco da tarde, e já iam lá pelas 22:00hs, conversamos muito, sobre a vida sobre o que tinha ocorrido conosco, etc……..        Estava uma noite daquelas, com um luar espetacular, e como não poderia deixar de ser a temperatura estava muito alta. – A gente podia tomar um banho de piscina, ainda estou toda meladinha.- Será que sua mãe e a amiga dela, não vão acordar.- Se estiverem acordadas, não é hoje que saem daquele quarto.- Ela costuma desmaiar, deste jeito.- Vem comigo, vou te mostrar que não seremos incomodados hoje.        Passamos pelo lado de trás da casa e fomos dar na janela da suíte principal da casa, antes de chegar, já se ouvia alguns rumores e gemidos, pelo canto da mesma dava para vislumbrar o que ocorria na parte de dentro, da janela onde estávamos conseguia-se ver a banheira da suíte, quase que inteira, estava borbulhando cheia de espuma, numa borda estava Aurora semideitada e a amiga completamente enterrada na espuma, com a boca no meio das pernas dela, lambia, chupava, mordia, enfiava o dedo naquela bucetona, enquanto Aurora massageava o bico dos seios elevando até a boca e mordia-os alucinadamente. Aí pude ver que a coroa (se dá para chamar uma mulher de 43anos de coroa), que sempre usa roupas largas e fechadas, tinha um corpo escultural, roliço, com uma marquinha diminuta de tanga, altamente bronseada sema a marca da parte de cima, e que peitões, pareciam dois melões maduros, nunca tinha percebido, também levo sempre aquele ditado à risca; “onde se ganha o pão não se come a carne”, mas naquela hora, por aquela mulher, questo ditado foi por terra. Enquanto apreciava aqueles dois corpos deslizando um no outro, meu tesão foi crescendo, já estava com meu mastro, quase arrebentando o zíper da bermuda e eu estava estático, boquiaberto e viajando na cena, pois nunca tinha presenciado algo assim ao vivo espiando por uma janela. A Lú estava com uma das mãos dentro do shortinho e a outra massageando os biquinhos dos peitos. Eu viajando na cena na banheira, de repente a Lúzinha ajoelhou no gramado abriu minha bermuda, tirou meu pau para fora, que quase explodia de tanto tesão, começou lamber a cabeça e mordiscar logo abaixo dela passava a língua com uma maestria, que antes (de tarde) não tinha mostrado, e o meu tesão aumentava, olhava sua mãe que agora na cama com a amiga, caia num 69 espetacular, as duas de posse de brinquedinhos sexuais, se penetravam, chupavam, lambiam, gemiam de puro prazer. No meu caso já estava partindo também para um 69 com a Lú, aquela gatinha não parecia que tinha sido descabaçada no mesmo dia…. “dá leitinho pra sua gatinha”, ela já tinha gozado mais uma vez, aquele seu néctar agridoce estava invadindo minha garganta não agüentei mais e gozei, estava arfando e gemendo tão alto que fiquei com medo de alguém estivesse escutado. Desflecemos ali mesmo no gramado, atrás da janela da suíte de sua mãe, ela veio por cima e deitou no meu peito dizendo, “não sabia como era bom ser possuída por um macho, carinhoso e tão gostoso, queria ter te encontrado antes”. Levantamos e fomos para a piscina, tanto eu quanto ela, precisávamos relaxar. Dentro da piscina ela veio de ao meu encontro se jogou no meu pescoço e ficou me beijando, sua língua quase tocava minhas amigdalas, ficamos longo tempo nos beijando, foi quando ela disse, “já transei com uma amiga de minha mãe, e ela sabia pois foi ela que arrumou, que prometeu que meu cabacinho só iria ser estourado por quem eu escolhesse e não por um brinquedinho, e ao contrário de minha mãe, que gosta dos dois sexos, eu só gosto de um, gosto mesmo é de homem, e hoje vi que só um macho pode me satisfazer, e estou muito feliz por ter escolhido você”, disse me beijando ternamente, “agora eu sou só sua, e enquanto este tesão durar só quero você, meu amado”.        Sabia eu que era apenas tesão de pica, e que quando saísse dali, poderia acabar tudo, pois era lógico que aquela gatinha não seria só de um, e que também deveria ter um monte de gatinhos em sua volta, mas fui o primeiro homem da sua vida, e isto já era o melhor e meu último delírio, será que eu acordaria, não queria pensar nisto, bastava estar recebendo aqueles lábios carnudos unido aos meus, ainda com o gosto de todo o seu néctar não mais virginal, mas quase…..        Quarta feira seguinte, batem a porta, fui abrir……. OOOiii, Luciana…..Mas este é um outro momento………..

Eu e a irmã do meu colega de faculdade!!!!

-Olá para todos!! Eu sou facinado por contos eróticos, leio sempre as histórias contadas aki. O que vou relatar, aconteceu no final do verão, aí pelo fim de março. Deixe eu me apresentar, tenho 25 anos de idade, moreno claro, olhos castanho médio, uso óculos, tenho 1,77 de altura, 68 kg, tenho muitos pêlos em todo o corpo, faço faculdade no Rio Grande do Sul. Estava eu em uma festa com meus colegas de faculdade em um bar muito badalado aki nessa cidade, estávamos em 4 homens e 5 mulheres. Todos os homens com namorada, e mais a irmã de um dos meus colegas, que vou chamar de Ana Paula. E que irmã ele tem……..nossa, fico excitado de pensar naquele corpinho todo durinho….19 anos recém feitos, morena clara, 1,75 de altura, 58 kg, olhos verdes penetrantes, pele levemente bronzeada do verão com marquinha de biquini aparecendo no ombro devido a blusa que estava usando mostrando a barriguinha malhada de academia e do ballet, seios médios para pequenos, muito durinhos, daqueles q cabem direitinho na palma da mão, uma xaninha, que descobri mais tarde ser totalmente depilada, apertadinha e muito quente……um tesão de mulher. Vamos ao acontecido, estavamos todos benbedo e dançando muito, Ana Paula, já estava bem alta na bebida. estava tocando música variada. Aí por 4:30, começa a tocar forró, tudo o q eu queria, como minha namorada não gosta de dançar este tipo de música, e ela sabe que eu adoro, falei que iria convidar Ana Paula para dançar cmg, convidei-a e ela disse que adoraria, olhou para minha namorada, que fez sinal positivo com a cabeça. Fomos para a pista de dança e começamos a dançar eu e Ana, 2 dos meus colegas já dançavam com as namoradas, ficaram na mesa a minha namorada, um colega e a namorada dele bebendo e conversando. Durante a dança fui conversando com Ana, falando q ela já estava um pouco alta de bebida, que não devia beber tanto assim, pois poderia chegar um cara esperto e aproveitar-se do estado que ela estava.Ela falou-me q estava bebbendo pois tinha acabado a pouco um namorro de 3 anos com o seu único namorado até o momento, q queria esquecer, pois ainda gostava muito dele. Eu falei que o alcool não a faria esquecer, poderia até amenizar na hora, mas depois poderia aumentar o sofrimento, pois com o alcool a gente começa a pensar nos nossos erros, e blá..blá…blá…. Entre a conversa e a dança eu fui apertando ela contra meu corpo, até q ficamos com os corpos colados um no outro. Derrepente, ela olha fundo em meus olhos e pergunta, o que tu estás querendo fazer, me apertando contra teu corpo desse jeito. Dei-lhe a desculpa de que estava muito cheia a pista de dança, que se não fosse assim, ela poderia se bater com alguém e até machucar-se. Ela me olhou novamente nos olhos, e falou: Aham, então o que é isso duro que estou sentindo próximo a minha bucetinha heim?. Eu fiquei corado e disse que era uma consequência de ter um corpo tão gostoso colado ao meu. Ela chegou-se ao meu ouvido, e perguntou-me se eu estava gostando de sentir os seus seios em meu peito, eu pertguntei se ela ainda tinha essa dúvida de algo, depois do que estava acontecendo comigo. Ela me disse que estava molhada só de pensar em meu pênis, no que estava passando em minha cabeça. Eu disse q estava com um tesão danado, que se estivéssemos só nós dois ela saberia na carne o que eu pensava. Ela perguntou onde eu iria depois de sair dali do bar. Respondi que iria para meu ap. foder minha namorada a noite toda, imaginando q fosse ela. Então ela perguntou: e se eu disser que meu irmão irá dormir na casa da namorada, pois os pais dela estão viajando, e só voltará para casa amanhã de tarde, e que tu poderias me visitar logo depois q formos embora, consigo que vc mude o seu roteiro? Com certeza!!!!!!!! eu respondi. Ela falou, então tá, fica combinado assim, ok? Calma, tenho que despistar minha namorada antes né….. Ela disse pediria para o irmão dela levá-la embora logo, falou tbém que me esperaria. Parou a música e nos dirigimos para a nossa mesa. Chegando lá, já estavam todos conversando e bebendo. Rolou papo por mais alguns instantes e Ana Paula pediu ao irmão dela para levá-la embora, pois o álcool tinha dado muito sono. Os três foram embora, Ana, o irmão e a namo dele. Ficamos mais meia hora e convidei minha namo para ir embora, pois estava cansado e tinha trabalhos da faculdade para fazer. Ela disse que era boa idéia, pois tbém estava com sono. Nos despedimos dos que ficaram, e saímos. Fomos até o estacionamento, entramos no carro dela, pois eu não tenho e fomos embora, no caminho ela perguntou o que iríamos fazer agora, eu disse q estava cansado, que como havia falado, tinha trabalhos da faculdade para terminar, ela disse então vamos cada um para nossas casa sozinhos? Eu falei q alguma coisa rápida até poderia acontecer, mas não devíamos demorar muito. Ela disse que não, que iria me deixar em casa, e iria dormir,. Chegando em frente ao meu ap., ela disse que de tarde iria para meu ap. e faríamos tudo que não havíamos feito na noite. Eu disse para ela só falar o que iria fazer, e não ficar dando corda e depois desistir. Ela disse que iria na minha casa lá pelas 15 hs. e foderíamos até anoitetcer………..Eu suspirei e disse que não veria a hora de acontecer isso, dei-lha um beijo muito quente e demorado e desci do carro dela, entrando no meu prédio. Vi ela sair de lá, e fui para a casa do meu colega, chegando perto ligo para o cel. da Ana e digo que estoou chegando, ela fala que eu estava demorando muito, que deveria ir mais depressa. Apressei o meu passo, cheguei na frente do prédio e toquei o interfone, ela abriu a porta e eu entrei. Ao chegar no ap. dela, vejo a porta semi-aberta, vou entrando, fecho a porta a chave e coloco o pega-ladrão para o irmão dela não entrar e nos pegar desprevinidos. Vou entrando em direção ao quarto dela e ouço o barulho do chuveiro, ela diz para eu entrar e tomar um banho tbém. Tiro minhas roupas e me dirijo ao banheiro sem roupa alguma. Ao abrir a porta, fico estagnado, a admirar o corpo feminino mais lindo, que meus olhos já viram até hoje. Ele assustuda, me pergunta por que estou parado na porta com a barraca armada e não entro no chuveiro para fazer-lhe companhia, pois ela estava com frio e precisaqva aquecer-se…………..eu não acrediei no que estava acontecendo, eu ali, nu na casa dela, tomando banho com aquele momumento de mulher, e logo depois da ducha, iríamos fazer sexo a noite inteira…………. de repente, eu caio na real e entro no banheiro, fecho a porta e me dirijo até o box, onde ela está……ela abre a porta e estende os seus braços em minha direção, entro no chuveiro e ela me dá um beijo muito quente e um abraço deveras apertado, no qual eu pude sentir o quão firmes são seus seios, pareciam duas pedrinhas contra o meu peito………..eu fui a loucura com isso, qdo ela levou a mão e segurou o meu pau que já estava duro, e com o que estava acontecendo agora, parecia um rocha…….ela abaixa-se coloca aquela boquinha linda, aqueles lábios carnudos em volta do meu pau, abocanha até onde consegue, faz a melhor chupeta que já recebi na minha vida, ela olha para meus olhos e diz que é para eu gozar na boquinha dela, pois queria o gostinho de porra, já que seu ex-namorado nunca quis saber de sexo oral, e que ela ouviu falar que é o melhor creme para pele q pode existir…….aí eu não seguro mais e gozo na boquinha dela……….ela não desperdiçou uma gotinha…..colocou td na boca tudo e depois passou a mão na boca e espalhou a minha porra em seu rosto, com aquilo meu pau não quis nem dar sinal de descanso, seguiu firme como antes estava, ao ver isso ela levanta e me beija novamente dizendo que é para eu sentr o meu gostinho……encosto ela na parede, coloco uma de suas pernas em meu ombro, e vou com minha boca em direção a sua xaninha totalmente depilada, coloco a minha língua fundo na sua rachinha…..ela delira com isso e começa a gozar com o que faço, passo a çlíngua no grlhinho dela, nos pqs. e grds. lábios até fazê-la
gozar uma…..duas vezes em minha boca até que ela me pede para eu parar com a tortura, e penetrá-la logo, coloco sua perna no chão, viro ela de costas para mim, levantando um pouco a sua bundinha para facilitara penetração e vou ao encontro do seu corpo, com meu pau na mão acariciando a glande…….ela de costas me olhando com um olhar muito safadinho……..ai ai…….coloco meu pau na entrada da sua xaninha e fico passando ele para cima e para baixo até ela dizer que não está mais aguentando, para eu meter logo……isso era o que eu esperava para penetrá-la…….coloco uma impulsão no meu corpo e entro na xaninha, totalmente ensopada com uma estocada só…….ela dá um gritinho e começa a gemer muito alto…….até fiquei preocupado devido aos vizinhos, mas ela diz que não tem problema…….sigo metendo e tirando frenéticamente…….às vezes com estocadas lentas….outras vezes rápidas……fazendo ela gozar mais duas vez, e nada do meu gozo, ficamos ali metendo uns 10 minutos nessa posição e ela me coloca encostado na parede do box, e como ela tinha fazia ballet e possuía uma elasticidade tremenda, levanta sua perna até meu ombro e eu me abaixo um pouco e coloco dentro da rachinha dela sem dificuldade alguma, devido a sua lubrificação extrema em que ela se encontra, ficamos metendo mais uns 5 minutos, até que sinto que vou gozar e digo a ela, que me diz para gozar dentro, pois ela toma pílula……eu explodo em gozo dentro daquela maravilha de mulher……digo a ela que nunca tinha gozado tanto assim, o que ela estava fazendo cmg., nenhuma namorada, tinha feito até aquele dia, ela me diz que nunca o seu namorado tinha feito oral com ela e nem deixado ela fazer nele, pois ele achava mto. nojento……..eu perguntei então se eu tinha tirado o cabacinho da boca dela e tive a resposta afirmativa, ela me olhou nos olhos com aquele olhar safado que só ela tem, e diz que não será o único cabacinho que tirarei dela, que ele nunca quis fazer anal tbém, eu deliro com essa história, e a abraço por trás, beijando sua nuca com o pau em ponto de bala novamente, ela diz para me acalmar, que será na cama dela………daí tomamos um banho delicioso, um lavando o corpo do outro e nos dirigimos ambos nus, em direção ao seu quarto. Mas isso é história para outro conto……..

A 1ª vez de Karlinha

Meu nome é João, tenho 19 anos sou moreno 1,80, 70kg abdômen trabalhado e meu pau mede 20cm.Karla tem 18 anos, é uma morena MARAVILHOSA tem seios fenomenais, pernas grossas porém definidas.Vamos ao relato que é verídico e aconteceu a um ano atrás.

RODOVIÁRIA DE TAUBATÉ

Vou relatar mais um fato incrível que aconteceu comigo… No dia do Feriado de São Paulo, eu fui para Taubaté, visitar meus primos, tios e amigos. Estava muuito clor aquele dia e eu havia chegado em Taubaté as 11 horas da manhã. Ninguém foi me buscar e lá eu fiquei esperando. É impossível não reparar em mim, negro, 1.82m, forte, camiseta vermelha, bermuda longa e branca, óculos escuros, enfim… Eis que vejo uma morena alta, 175m, magruina, com uma bundinha maravilhosa, calça jeans e uma blusinha fininha, de alcinha, sem sutien e com SEIOS DE PARAR QUALQUER TRÂNSITO !!! Ela passou por mim, mas eu fingi que não a notei, pois todos na rodoviária estava olhando para ela e eu de óculos escuros, disfarcei. Ela foi comprar uma passagem para algum lugar no Rio de Janeiro e ficou me olhando, mas eu permaneci irredutível. Eis que ela passa por mim e subtamente me convida para almoçar, pois não gostava de almoçar sozinha. eu aceitei de imeiato e fomos almoçar na frente da Rodoviária. Conversamos, nos flertamos e saimos de volta á rodoviária. Logo que sentamos, eu a puxei para mim e a beijei e ela disse que ali não, pois as pessoas olhariam… E sugeriu de irmos até um parque, logo ali, atrás da Rodoviária de Taubaté e lá fomos nós… O parque estava vazio, era uma quarta feira, um sol de matar, e paramos em um quiosque abandonado, deixei minha mochila no chão e a beijei, segurando aqueles seios maravilhosas em minhas mãos, até que eu desci uma das alcinhas e começei a chupar um dos seios dela, que por sua vez, o biquinho ja estava muuito duro e ela apertava meu pau (com uns 20cm e grosso… ), que a esta hora já estava duro feito aço, muuuito duro e melado, porém ainda por cima da bermuda. Eis que ela me diz: Quero ver você gozando pra mim !!! Bate pra mim, bate… Deixa eu ver !!! Nossa, aquilo me alucinou de uma forma que eu fiquei louco, e nada mais importava, se alguém nos flagraria ou não. Saquei me pau duro pra fora e ela ficuo ao me lado e ali mesmo, começei a tocar uma punheta generosa, me exibindo para aquela morena maravilhosa, ao meu lao, com uma cara de safada, olhando pra mim, com os seios pra fora, as vezes olhava fixamente para meu pau, como se estivesse se sentindo uma puta, muito safada, vivendo aquela situação… Bate seu safado, quero ver sua porra saindo… Que delícia seu pau !!! Ela disse. Foi quando eu anunciei que estava perto de gozar e ela cuspiu na cabeça do meu pau, segurou ele e bateu uma punheta pra mim ainda mais forte e mais rápido… Deu uma deliciosa lambida na cabeça do meu pau, que estava latejando, tirou o outro seio pra fora, ficou de joelhos e disse: Goza, seu safado… Jorra sua porra em mim !!! Me suja… Vai seu filho da puta, goza !!! Goza !!! Lembro como se fosse hoje. E gozei !!! Gozei tanto… Fazia uma semana que eu não transava e nem batia uma então eu gozei muuito mais do que normalmente, que por sua vez, é sempre muuito. Jorrei todo meu gozo nos seios dela, ela passou a lingua na cabeça do meu pau, deixou ele limpinho e eu o guardei. Ela, ainda de joelhos, ficou brincando e gemendo, passando o meu gozo nos seios dela, espalhando-o… Colocou a blusinha de volta, ficou em pé e disse: Vamos, gostoso ?! Preciso pegar meu ônibus. Já esta na hora… E foi assim. Nos despedimos, não trocamos telefones e ela entrou no ônibus e foi embora. Eu ganhei meu dia, minha semana. Fui para casa dos meus primos, mas no dia seguinte voltei para São Paulo, pois pra mim, a viagem já havia valido muito a pena. Realizei a fantasia dela e nada mais. Seu nome… Fernanda ! Mulheres que gostam de conversar sobre, me escrevam ou me adicionem…        

Comi a filha de um amigo.

Tenho 39 anos sou moreno, cabelos já ficando grisalhos, uso cavanhaque, e como já joguei futebol, aliás jogo até hoje, tenho minhas pernas bem definidas. Bom vamos ao que interessa. Sou casado e vivo muito bem com minha mulher, mas você sabe como é homem né, não agüenta uma tentação de mulher que cai dentro, e foi isso que rolou comigo e uma vizinha filha de um amigo meu. Ela se chama Claudinha ( nome fictício), uma gatinha de 15 aninhos linda uma bundinha durinha e impenadinha mas ou menos a sua altura, cabelos ruivos e lisos e um peitinho rosadinho que cabe na minha boca inteirinho.

MALHAÇÃO IV – Assisti o Cabeção e a Myiuke transan

        Olá gente! Sou a Drica da Malhação! Imaginem o que aconteceu comigo! Eu sou branquinha, baixinha, corpinho legal, cabelo curto, moro numa república bem legal, onde divido o quarto com uma amiga, a Myiuke, moram ainda na República o Vinícius, dono da república, e os rapazes Cabeção, que é namorado da Myiuke, o Rafa e o TDB, que dividem um quarto. A Myiuke sempre me conta suas aventuras com o Cabeção, e como infelizmente estou sozinha ultimamente, fico ouvindo ela e imaginando as cenas! Mas semana passada aconteceu algo que me deixou completamente molhada e que preciso relatar! Eu já sabia que a Myiuke havia perdido a virgindade com o Cabeção. Mas ela me dizia sempre da dificuldade que os dois tinham para encontrarem um local pra transar! Há noite, o Vinícius preparou um jantar para nós e como tava chegando o fim de ano, foi permitido bebermos umVinho que ele tinha lá guardado. O Vinho estava delicioso, mas os ânimos começaram a ficar exaltados! rsrs…. O Vinícius foi dormir , e nos colocou todos no caminho dos nossos quartos. Ao chegar no quarto, dando risadas por causa do álcool, eu e Myiuke arrumamos nossas camas, e nos deitamos pra dormir, fazia muito calor e eu resolvi dormir só de calcinha, enquanto a Myiuke tb fazia o mesmo. Apagamos as luzes e o silêncio tomou conta do quarto. Mas não sei se foi por causa do Vinho, mas eu não consegui pegar no sono, e fiquei ali deitada esperando o sono chegar. Quando percebi a porta do quarto se abrir vagarosamente, como uma pouca claridade no quarto, notei um corpo de homem entrando no quarto, ele vestida apenas uma cueca, e deu pra mim perceber claramente que se tratava do Cabeção. Minha maior surpresa foi que assim que ele entrou no quarto a Myiuke se levantou da cama e os dois se encontraram em pé a dois palmos do meu rosto e se abraçaram e começaram a se beijar…. notei que as mãos do Cabeção apalpavam o bumbum da japonesinha, enquanto ela dava gemidinhos deliciosos. Em pouco tempo ele se agachou bem ali na minha frente e descendo a calcinha da Myiuke beijou o seus peitinhos e foi descendo lambendo ela até chegar na xotinha peluda da Myiuke. Eles colocaram o colchão da Myiuke no chão do quarto para não fazer muito barulho, ficando ali pertinho dos meus olhos… a Myiuke se deitou e o Cabeção enfiou a língua na bucetinha dela chupando com força, enquanto a japonesinha se deliciava e gemia baixinho, depois de deixar a xota da Myiuke bem meladinha o Cabeção foi lambendo ela e subindo por cima dela até chegar em sua boca, suas línguas se cruzaram, e ele apertou seu corpo contra o da Myiuke, que apertando o bumbum do Cabeção desceu a cueca dele, soltando aquele pau maravilhoso que eu nunca imaginei que o Cabeção tivesse! Não deu pra ver direito por causa da pouca luz, e porque ele estava por cima da Myiuke, mas deu pra ver que era bem grande e grosso! Deitado sobre a Myiuke ele se levantou um pouco, ela encaixou o pau na sua bucetinha, e ele enfiou sem dó. Nossa! Quando consegui sem me mexer muito colocar minha mão dentro da calcinha, percebi que estava toda molhada olhando aquela cena! Eles deitados ali no chão, a pica do Cabeção entrada rasgando a xota peluda da Myiuke, enquanto ela arranhava as costas do Cabeção com as unhas e gemia gostoso, mas se esforçava pra ser baixinho pra não me acordar. Depois de alguns minutos, a Myiuke deitou o Cabeção na cama e foi por cima dele, montou sobre a sua pica e deixando ela escorregar pra dentro da sua bucetinha completamente melada começou a cavalgar gostoso sobre aquele macho. Eu, nesse momento já com um dedo na minha xota, apenas olhava aquilo e sentia calafrios de prazer….dava pra escutar perfeitamente o barulhinho (… ploft….ploft….) da xotinha subindo e descendo sobre a pica dele. Após algum tempo ela ficou de quatro, apoiando-se na minha cama, e ele começou a meter nela com força, ela se apoiava na minha cama, e tanta era a força que minha cama até se mexia. Ela pediu pro Cabeção ir mais devagar pois poderia me acordar! Ele disse que era bom assim mesmo! Que o perigo dava mais excitação, e continuaram com força mesmo. Ele socava nela e puxava seus cabelos, enquanto ela trancava os dentes para não gemer alto. Após um bom tempo nessa posição o Cabeção anunciou que iria gozar! Ela pediu pra ele gozar na sua boca. E ela sentou-se no chão recostada na minha cama, fazendo com que nossos rostos ficassem próximos! O Cabeção começou a bater uma punheta gostosa até que a porra espirrou pra todo lado, melecando o rosto da Myiuke todinho! E pra minha surpresa respingando em mim! O Cabeção pegou a calcinha da Myiuke e limpou o seu pau, em seguida limpando o rosto dela, os dois se levantaram e deram um beijo delicioso. O Cabeção vestiu sua cueca e saiu do quarto rapidamente, demorou um pouquinho a Myiuke foi ao banheiro, deve ter ido se lavar, quando voltou deitou e deve ter dormido. Eu ainda estava molhada de tesão e resolvi levantar pra ir ao banheiro, quando pisei no chão notei que eles haviam esquecido a calcinha dela no chão! Nossa que delícia! Peguei a calcinha toda melada de porra e fui pro banheiro, lá senti o cheiro de porra na minha boca primeiro e depois comecei a esfregar a calcinha na minha xota! Gozei feito uma vadia melando ainda mais a calcinha da minha amiga! Fiquei ali por quase uma hora! Depois me levantei, voltei pro quarto, bastante saciada de prazer, joguei a calcinha dela debaixo do colchão onde ela estava dormindo, e fui dormir. Quando acordei a Myiuke já havia se levantado! Eu me levantei, ainda lembrando do que havia acontecido! Aproveitei que estava sozinha no quarto, e descobri que ela já tinha pegado a calcinha! Ao encontrar os amigos todos acordados, percebi uma cara de ressaca em cada um! Mas ninguém sabia que eu tinha gozado durante a noite! Sozinha, mas gozei muuuuuuuuito!

a safadinha da web cam !! veridico!!!!!

Bom , meu nome é felipe ( nome ficticio ) não sou um deus grego mais faço algum sucesso c as meninas …oq eu vou contar hoje aconteceu semana passada .. dia normal , estava no msn tc c uma guria q sempre me dava moral.. ela estava na casa de uma tia .. la tinha cam , pedi q ela enviase o convite!! ate ai tudo normal.

Um passeio surpreendente

Aproveitei o convite das meninas da faculdade para sair um pouco, dar uma volta e me distrair, curtir a night, ver gente bonita, aquelas coisas, sabe, né. Estava super gostoso, estavam todos lá, o pessoal de sempre da faculdade, e não podia faltar os meninos.

TORTURA INTRIGANTE – PARTE 02

Fui para casa naquele dia pensando em tudo o que havia acontecido; uma coisa me intrigava muito: a razão pela qual Verônica havia feito aquele comentário com sua mãe? Seria apenas uma dica para uma fêmea necessitada, ou haveria algo mais …, algo além do que eu pudesse supor …, ou imaginar. Era uma curiosidade intrigante e, ao mesmo tempo, torturante … A semana transcorreu modorrenta e sem qualquer sobressalto. No fim de semana seguinte ao meu “encontro” com Alberta, Verônica foi para minha casa, pois ela e minha filha haviam combinado de divertir-se em um barzinho novo que fora inaugurado nas imediações e também ir ao cinema no domingo. Ela me cumprimentou amavelmente, e durante todo o fim de semana não fez qualquer comentário acerca do meu envolvimento com sua mãe.Nas semanas seguintes nada aconteceu, exceto em uma quinta-feira que Alberta veio me procurar para pedir informações sobre alguns processos. Ela estava atraente como de costume e não foi capaz de esconder a excitação e estar próximo de mim mais uma vez; e, a bem da verdade, eu também não consegui ocultar que sua presença me causava um tesão e tanto. Ela prolongou sua visita ao meu trabalho e depois de algum tempo “cercando o galo”, perguntou se eu não estaria interessado em tomar um café com ela. Fui obrigado a declinar do convite, já que minha mulher tinha um compromisso marcado para aquela noite.Alberta foi embora, incapaz de esconder sua frustração ante a minha negativa ao seu convite e eu fui para casa me achando um perfeito idiota!Na tarde de sexta-feira, fui surpreendido pela aparição fora de hora de minha filha, dizendo que precisava do carro emprestado para encontrar-se com algumas amigas que haviam combinado um happy hour em um shopping recentemente inaugurado. Fiz cara de chateado, mas acabei dando-lhe as chaves do carro e pensando em como eu voltaria para casa naquela tarde.Quando o expediente, finalmente, chegou ao fim, desci para a rua pensando em caminhar até o ponto de ônibus e voltar para casa como uma sardinha em lata. Repentinamente, fui tomado pela surpresa de um cumprimento esfuziante de alguém que vinha em minha direção …, era Alberta! Ela colou seu corpo ao meu e seus lábios procuraram os meus em um beijo sedento, o qual foi plenamente retribuído.Depois desse delicioso cumprimento ela perguntou-me para onde estava indo; respondi-lhe contando a aparição de minha filha e minha intenção de tomar uma condução para casa. Alberta fez uma expressão de esgar e recusou-se a aceitar minha decisão, oferecendo-se para me levar até em casa, já que ela estava de carro. Topei de imediato, pois a mera ideia de tomar um coletivo me deixava com náuseas (me perdoem aqueles que utilizam transporte coletivo, mas é o que sinto quando tenho que fazê-lo).Em poucos minutos estávamos no carro de Alberta rodando em direção à minha casa; mal sabia eu que as intenções de minha carona eram bem outras. E não demorou para que eu percebesse que o caminho que Alberta estava fazendo não tinha como destino a minha casa. -Para onde você está me levando, hein? – perguntei com um tom de voz bem safadinho.-Ah, apenas um lugar tranquilo! – respondeu ela com o mesmo tom de voz – um lugar para uma “rapidinha” …, o que você acha?-Acho que você é uma gostosa muito da sapeca! – respondi com uma risada solta.No momento em que Alberta estacionou o carro em frente a um sobrado localizado em um bairro bastante residencial e distante do caminho de minha casa, fiquei sem saber o que pensar. -Mas, espere um pouco! – exclamei – eu conheço esse lugar …, é onde fica a empresa de seu filho Humberto.Humberto era o filho mais velho de Alberta, irmão de Verônica que eu também conhecia muito bem. Há alguns anos ele abrira uma empresa no ramo de tecnologia da informação e aquele sobrado foi o presente dela e seu marido para o novo negócio do filho.-Mas eu disse a você que era apenas uma “rapidinha! – disse Alberta enquanto sua mão pousava sobre minha virilha – Ah, mas tem uma condição: eu vou subir e depois de uns dez minutos você me segue, o.k.?Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, Alberta deu-me as chaves do carro e desceu entrando no sobrado. Fiquei ali, olhando para o relógio e pensando na loucura que estava prestes a fazer: minha mulher me esperando em casa e eu pronto para foder com a mãe da amiga da minha filha! Foram os dez minutos mais longos de minha vida e assim que eles acabaram, desci do carro, acionei o travamento automático, e subi as escadas em direção ao que me esperava.A sala de entrada se parecia com qualquer recepção de empresa moderna, funcional, aconchegante e com poucos móveis. Fechei a porta e fiquei pensando onde Alberta poderia estar. Foi nesse instante que ela desceu as escadas, nua e exuberante. Meus olhos faiscaram, minha boca salivou e meu pau pulsou ao ver aquela fêmea deliciosa vindo em minha direção, apenas de sapatos de salto alto.Alberta veio até mim a ajoelhou-se, abrindo o zíper de minha calça e procurando avidamente pela rola que saltou pulsando e de cabeça inchada; ela começou a lamber a glande com a ponta da língua, enquanto seus olhos fitavam os meus sinalizando o enorme tesão que tomava conta de ambos.Acariciei seus cabelos e não resisti quando ela enfiou a rola dentro da boca sugando-a com movimentos de vai e vem, que eram alternados com longas lambidas que desciam até as bolas e voltavam. Deixei que ela se divertisse com a rola, pois Alberta tinha uma habilidade inigualável em chupar e lamber.Depois de algum tempo ela se levantou e, segurando minha rola com uma das mãos caminhou em direção aos fundos da casa, onde havia uma outra sala que mais parecia uma espécie de sala de descanso com um enorme sofá de tecido marrom, televisão de plasma, um pequeno bar e uma cozinha improvisada. Nos aproximamos do sofá e Alberta largou a rola, ficando de quatro sobre o assento macio, exibindo seu traseiro bem delineado com suas nádegas firme e roliças.Fiz menção de me despir, porém fui imediatamente interrompido pela reprovação de minha parceira.-Não faça isso! – disse ela em tom autoritário – eu não lhe disse que era uma “rapidinha” …, vem logo …, vem me foder …Parti para cima da fêmea sem discutir. Segurei-a pelas ancas e depois de me certificar que sua boceta estava no ponto, enfiei a rola com uma única e potente penetração, afundando a pica nas entranhas da minha parceira que, imediatamente, gemeu alto dizendo que aquilo era muito bom.Comecei a estocar com vigor, fazendo movimentos de vai e vem curtos e profundos, enquanto me deliciava ouvindo os gemidos e suspiros de Alberta que retribuía meu assédio, jogando sua bunda para trás em movimentos que aperfeiçoavam a penetração da rola dura.Fiquei hipnotizado com a visão do traseiro bem fornido da minha parceira e também pelo fato insólito de sua nudez em contraponto com meus trajes de trabalho, que davam uma aura de algo deliciosamente proibido, obsceno e, ao mesmo tempo, excitante. E foi nesse instante que meus olhos fixaram-se no cuzinho dela. Era um anelzinho levemente amarronzado com as preguinhas contraídas, denunciando uma incolumidade provocante.Meti meu indicador na boca e depois de deixá-lo bem úmido, procurei tocar aquele pequeno orifício, primeiro tangenciando-o com suavidade e, a seguir, pressionando-o de forma ameaçadora. Alberta olhou por cima do ombro e fez uma carinha de menina safada.-Ei, o que você pensa que está fazendo aí? Você é mesmo um tarado, hein!-Eu sei que você está gostando, sua putinha! – respondi eu, enquanto pressionava ainda mais o orifício – e acho que você quer mais!Num gesto arriscado e impensado, tentei enfiar o dedo médio, arrancando um gritinho assustado de minha parceira. Hesitei e recuei …, imediatamente, ouvi uma reclamação acompanhada de uma provocação.-Porra! Não faz isso! Ou você não é macho suficiente para comer meu cu!Alberta não teve tempo de dizer mais nada. Eu tirei a rola lambuzada de sua boceta e segurei as nádegas entre as mãos, abrindo-as
o máximo que podia, apontando a glande na direção do seu cuzinho intocado. Enfiei sem dó, forçando as pregas e rasgando a primeira resistência com a invasão da glande inchada que acomodou-se após alguns instantes.Alberta sufocou um grito entre as almofadas, rebolando seu traseiro numa clara tentativa de evitar a continuidade daquela ação. Eu não hesitei, apenas prossegui, enterrando minha rola aos poucos em seu cu que, agora, era todo meu! A medida em que a rola avançava para dentro de minha parceira, ela gemia e sufocava seus gritos, respirando de forma ofegante e buscando suportar minha investida.Foi simplesmente delicioso sentir meus pelos pubianos roçarem o vale entre as nádegas de Alberta, alertando que a penetração fora concluída com êxito. Sem dar chance de Alberta se recuperar do baque, comecei a fazer movimentos de vai e vem, que começaram lentos e longos, provocando resmungos e suspiros por parte de minha parceira que tentava, por todos os meios, resistir à dor que aquela aventura estavam lhe causando.Eu prossegui, apertando as carnes firmes das nádegas de Alberta entre os dedos e ampliando a velocidade de minhas estocadas, até que eles se tornassem rápidos, cadenciados e vigorosos. Demorou um pouco, mas Alberta sentiu a dor ser substituída por um prazer que ela comemorou com gemidos, gritinhos e frases escabrosas sobre a virtude do sexo anal.Fodemos por muito tempo e eu resistia, saboreando cada penetração e cada movimento retribuído por ela, até que senti meu esforço cobrar seu preço. -Puta que pariu, minha puta! – gritei quase à beira da derrota – não dá mais! Preciso gozar …, agora!-Goza, seu safado! – exigiu ela, entre gemidos e arquejos – mas quero sentir essa porra quente escorrer em cima do meu cuzinho que você rasgou!Estoquei com fúria, até que senti o primeiro espasmo percorrer meu corpo, seguindo-se uma onda interior que explodiu na minha rola …, ejaculei como um animal selvagem, retirando a rola ainda pulsando de dentro do cuzinho de Alberta e deixando que a porra fosse depositada sobre ele, segurando a glande com firmeza e impedindo que os jatos de sêmen fossem lançados em qualquer direção.Senti minhas pernas bambearem e precisei desabar sentado sobre o sofá, segurando a rola e vendo o traseiro melecado de minha parceira que rebolava assanhada, divertindo-se com a porra quente que começava e escorrer entre suas nádegas. Alberta levantou-se e correu até o banheiro que ficava nos fundos, voltando de lá com algumas toalhas descartáveis que me estendeu gentilmente para que eu pudesse me limpar da melhor forma que fosse possível.Ela sentou-se ao meu lado, vindo a deitar sua cabeça sobre meu colo, com o pinto amolecido roçando seu rosto. Depois de alguns minutos, cogitei que precisávamos ir embora; Alberta voltou o rosto na direção da rola e beijou-a ternamente; em seguida, levantou-se e correu para o andar de cima, retornando de lá já devidamente trajada.Entramos no carro dela e fomos para minha casa; alguns quarteirões antes, ela estacionou, olhou para mim e me deu mais um beijo quente e molhado. Segurei-a pelos ombros e aproveitei o beijo como um prêmio muito recompensador. Agradeci pela oportunidade que ela havia me proporcionado, dizendo que estava muito feliz.-Feliz estou eu, meu querido – respondeu ela com um sorriso – você me fez mulher outra vez.

cunhadinha cabaço

Neste último ano, minha cunhadinha, que era somente uma guria que corria pela areia e grama, transformou-se em uma tremenda mulher. Seus seios apontavam para o céu e sua bundinha era de alucinar. Sempre reparei que a menina ficava olhando-me de forma esquisita, mas, de forma alguma tomaria a iniciativa. Começaram a visitas de garotos com carros e motos, todos com certeza tentando descabaça-la. Em um final de semana, minha esposa acompanhando seus pais foram até casa de parentes em um sítio, deixando a casa sozinha. Alertado que minha cunhada viraria-se sozinha, não preocupei-me com almoço, preferindo pedir comida em restaurante. Para minha surpresa, percebi que minha cunhada estava tomando banho, e fiquei quieto almoçando. A menina desceu as escadas enrolada em uma micro toalha, que mal dava para esconder suas nádegas. Ao encontrar-me na cozinha, a menina soltou um pequeno grito de susto. Perguntei se ela queria que eu fosse embora, mas ela virando de costas, disse que não. Abriu a geladeira, e a luz que emanou de dentro mostrou suas curvas. Perfeitas!! Quinze aninhos da mais pura potranquinha. Ela deu um sorriso maroto, e virou de costas e começou a cantar. Não suportei mais. Levantei-me e abracei-a. Ela apenas suspirou. Virou e deu-me um beijo alucinado. No ato tirei sua toalha e começei a babar naqueles peitinhos durinhos. Foi demias. A menina tremia toda!!!!! Sem perder os peitinhos, fui tirando minha calça e camisa. Ela sem saber o que fazer, pediu apenas: Faz com carinho que é a primeira vez. Levei a minha ninfa para o sofá e dei um banho de lingua daqueles. Lambi tudo, principalmente seu cuzinho que piscava sem parar. Ela quase desfalecida no sofá, assustou-se com a proximidade de meu cacete ao seu rosto. Visando melhorar o clima, falei que era para ter cuidado que era a primeira vez. Ela riu e abriu a boquinha. A glande ficou entre seus lábios por algusn instantes, até que incentivada por minha mão, começou um delicioso entra e sai. Quase gozei quando ela engasgou com a própria saliva que sai abundante de sua boquinha. Detei a guria e apontei meu ferro de 20 cm na direção. Senti que ela estava com medo, e dei-lhe um beijo apaixonado que foi retribuido. No mesmo instante deixei o corpo cair. Ela deu uma pequena mordida nos meus lábios. Senti o hímem rompendo e exalou o mesmo cheiro quando tirei o cabaço de sua irmã, minha esposa. Olhei e ela estava com os olhos fechados e mordendo os lábios. Bombei sem dó. A menina gritava e arranhava-me as costas. Senti o melado correr pelas pernas, sendo que parece que seu gozo foi prolongado. Virei a moça, e postei a guria de quatro. Lambi profundamente sua xana e seu cuzinho. Ela rebolava na minha língua e pedia mais cacete. Pedi que ela apoiase-se em almofadas e enfie apenas a cabecinha. Ela gritava e pedia para enfiar tudo rápido. Dei várias estocadas, e a menina gozou gostoso. Percebendo que iria gozar, tirei o pau da bucetinha melada e botei na boquinha da ex-virgem. Senti um arrepio na espinha que percorreu todo meu corpo. Nunca tinha gozado tanta quantidade de esperma. Ela tentou não abrir a boca, mas a porra vazou pelos contos. Ela engoliu tudo e lambeu a cabeça até brilhar. Depois, como se quisesse compartilhar minha porra deu-me um beijo. Nossa!! Foi demais!!! Hoje trepo com minha cunhada pelo menos duas vezes por semana, as vezes até mais vezes que com minha esposa. Os familiares estão achando que ela é homossexual já que não entendem como uma princesa não arruma namorado fixo. Depois conto como tirei o cabaço do cuzinho dela dentro do banheiro da churrasqueira com todos no quintal. Gostaram? Mandem comentários.

vim para casa de minha tia

olá meu nome é talita hoje dia 17/11/03 tenho 17 anos estou sozinha na casa da minha tia que fica no bairro do tatupé zola leste de são paulo,vim morar aqui pos meus pais queriam que estudasse aqui em são paulo sou de 3 coraçôes estado de Minas.Bom tudo ocorreu no ano passado vim para aqui como ja relatei para estudar e cuidar do filho da minha tia(meu sobrinho lucas,4 anos) estou só minha tia levou lucas para passear no shopping que fica aqui perto do apartamento dela do analha franco para quem mora daqui da para ver da janela o shopping e estou aproveitando que ela saiu e estou entrando em sites que ela proibe de eu entrar como esse por exemplo mas ela vai demorar.ela é professora em uma escola paraticular da qui de São paulo e também da aula na faculdade da mesma escola que fica em um bairro proximo da qui na mooca(escola e univesidade São judas tadeu por isso tenho direito a bolsa).Minha tia etá separada do ex marido dela à tres anos, bom minha história ´um pouco longa mas gostaria de contar porque estou ficando confusa,sou virgem nunca transei com ninguem ainda, tenho 17 anos, sou loira natural , tenho 51 kg pelo menos da ultoma vez que me pesei estava com esse peso, tenho 1,66 de altura.olhos verdes claros, meus seios são médios cabelos longos que não ha quem me faça corta-los pos amo meus cabelos. minha tia também é loira tem 33anos, é mas alta que eu é mas pesada,tem olhos também verdes claros e tem seios grandes mas,ñ são naturais colocou prótese de silicone, ficaram lindos. Bom tudo começou há um anos atraz quando estava voltando da ecola era para minha tia esta dando aula aquela hora e a babá que estaria em casa mas não sei o que houve e ela estava em casa,com uma amiga dela lá e o lucas mas a babá ñ estavam, achei estranho pos ela nunca fica em casa de semana amenos que esteje doente e sem o lucas que é o que segundo ela o que mas ama. cheguei estava um silêncio em casa achei que lu( a babá estava lá em baixo com o lucas) e fui tomar um banho e fiquei em meu quarto mas sem querem escuto uns gemidos achei estranho e fui olhar o que era estava minha tia com sua amiga no quarto dela, bati na porta e disse tia vc esta bem??? ela falou estou meu amor ja saio, eu falei ñ pode ficar esta tudo bem com a senhora então tudo bem,ela saiu e com ela sua amiga é professora de yoga dela e disse estava xerelando com a sandra, vc quer apender,perguntou-me ela?? eu disse aprender o que?ela disse yoga? não, não, sou preguisosa para exercicios fisicos, mas fiquei observando e é estranho a forma como essa mulher sandra pega em minha tia mas tudo bem é problema dela. depois disso minha tia ficou estranha comigo quando já era de noite ela veio me perguntar o que eu tinha visto eu disse que nada porque?? ela não é que estava me trocando de roupa e a sandra tamb estava lá achei que vc estivesse visto nós quase sem roupa para que não fique pensando bobagem( até então não estava pensando em nada mas quando ela me falou isso lembrei dos gemidos, e de como elas ficaram desconfiadas comigo lá olhando) minha tia falou vem dormi comigo heje? eu sempre fiz isso achei normal e fui,durante anoite vi minha tia falar sozinha dormindo dizia coisa estranhas do tipo não para , vai e falava o nome da sandra pessoal ai desconfiei logo minha tia estava transnado com essa mulhar só podia ser, deste dia em diante temtei dar vários flagas em minha tia chagando mas sedo, olhando pelo buraco da fechadura abrindo seus arquivis eletronicos como estou fazendo agora pos tem varios sites gls nos aquivos dela para mim ela coloca senha em tudo para navegar mas no dela hoje como ela esqueceu o pc ligado estou aqui. Em um belo dia quando ela me chamou novamente para dormi com ela fui mas estava louca para só ter a certeza do que já imaginava que minha tia a pesar de ser linda feminina ela gosta de mulher, e resolvi de forma discreta dar em sima dela estava curiosa e tmab confeço com um tesão em ver-la com a sandra vi uma vez ela tocando nos seios da sandra mas na yoga se toca essa era a desculpa,e fui dormi com uma calcinha de renda branca que tenho linda e sem soltiem só de camiseta por sima para ver no qe daria e quando ela já estava dormindo resolvi atacar, deixando minha mão tipo sem quere por nos seios dela para ver e qual minha surpersa ela a cordou asuastada eu fingindo dormi mas abri o olha bem pouquinho para ver o que ela estava fazendo e ela simplesmente quando viu que estava dormindo disse pena que vc é minha sobrinha e tirou minha mão, mas ficou a cordada e disse nossa não havia reparado coo a tata(ela me chama asim) esta uma mulhar já, e disse olha que seios lindo ela tem dariam tudo por uma chupada neles, meu coração disparou fiquei super nervosa mas ao mesmo tempo com tesão, ela em tão colocou sua mão em minha barriga e ficou alisando bems suave tirou sua camirola e disse minha linda vou a proveitar que esta dormindo e tirar uma casquinha e ficou rosando seus seios em mim, aquilo já estava indo longe d+ vingi me espreguiçar foi pior ela a proveitou e colocou a mão em minhas pernas e começou a beijar bem suave e deu um beijo no meu um bigo eu resolvi acordar estava asustada e vi ela semi nua e disse tia o que isso?? ela disse esto com calor ja que acordou passa esse hidratante em mim para me refrescar??? ai meu Deus foi pior, cada toque que dava nela ela arrepiava os seios dela pareciam uma flexa de tão duros que ficarma os bicos quando eu a tocava, ela disse vou passar em vc nem pediu ja foi logo pasando o sem a menor vergonha pos a mão em meus seios e disse nossa vc tem ums seios lindos hem tata! eu fique nervosa ela lógico que percebeu e disse fica tranquila porque esta com o corão querendo pular e deu uma risadinha .disse tata vc comfia em mim??? eu disse claro tia porque?? ela disse posso vendar seus olhos? pra que?? disse a ela. ela falou é uma brincadeira vai gostar prometo. e deixei, ela vendou meus olhos deitou-me e tirou minha camiseta deixando meus seios a mostra e passando aquele hidratante pessoal eu a essa altira estava toda molhada, em sopada na verdade minha xala ficava cada vez ma latente a cada toque então ela ficou de joelhos na minha barriga tirou toda roupa dela ficando nua e disse tata vou fazer algo se não gostar paramos por aqui, e me deu um beijo na boca começou a chupar minha lingua bem gostoso e tirou minha venda e perguntou-me vc gosta??? eu não conseguia responder nada só falei tia sou virgem ainda ela disse mas é isso que me deixa com mas tesão em vc, posso te tocar de verdade?? e começou a chupar meus seios como uma louca, beijava-me, e disse olha não vou tirar sua virgindade mas quero te chupar toda e não deu outra colocou sua lingua toda em minha xana que estava toda melada e gozei super rápido quando ela chupou meu grilo ei não aguentei e gozei na boca dela ela pediu-me para eu chupar ela mas falei que nãi estava preparada que tudo era muito novo para mim ela então disse então só coloca sua mão em meus seios e apete eles, isso eu fiz, e dei um beijo nela ela beija super melhor que o vinicios o garoto em que estou ficando na escola, peduime para que ficase boliando seu grilo para ela gozar tamb e fiz ela gozou gritava gemia ai então eu disse tia naquele dia vc estava transando com a sandra?? ela disse estava mas de agora em diante só com vc sempre tive tesão em vc só tinha medo de reagir de uma forma diferente olha vc pode mamorar com garotos fazer o que quiser mas me deixa transar com vc todas as noites que te dou o que vc quiser, eu falei tia isso foi uma loucura, temos de parara com isso foi só isso mas não quro mas ela mostrando meu gozo e o dela disse só momento loucura e isso o que chama vc tamb esta com tesão e não quer asumir, nossas brigas hoje em dia é porque disse a ela que quero transar com um homem e deixar de ser virgem ela esta sangada de mim estamos sem nos falar já fazem duas semanas mas vcs não acha que tenho direito de experimentar novas relações afinal ela mesma foi quem disse que eu podia namorar fazer o que queria ela esta me ameasando me levar de volta para tres corações
só porque não transamos mas mas confeço estou louca para tranarmos novamente só que não vou falar com ela ela que tem de vir falar comigo vcs ñ acham?? bom vou desligar vai que ela chaga beijos a todos olha não sei se essas histórias que estão aqui são veradeiras mas são laguais e a minha é verdadeira beijos a todos ou todas não sei quem visita esse site?????

FINGI QUE ESTAVA DORMIDO E DEI O CU

EU SEMPRE TIVE UMA VONTADE MUITO GRANDE DE DA O CU, MAS NÃO TINHA CORAGEM, POIS TINHA MEDO QUE ALGUEM SOUBECEM, SEMPRE QUE IA TOMAR BANHO EU GOSTAVA DE INTRODUZIR ALGUM OBJETO DENTRO MEU CU E FICAVA BATENDO PUNHETA PENSANDO EM ALGUEM ME COMENDO. UM CERTO TEMPO FUI COVIDADO PARA FAZER UM TREINAMENTO PARA A EMPRESA QUE TRABALHO, FIQUEI EM UM HOTEL, NO APARTAMENTO QUE FIQUEI FICOU TAMBEM OUTRO RAPAZ DE UMA OUTRA EMPRESA, COMBINAMOS PARA SAIR A NOITE PARA CONHECER A CIDADE E TOMAR UMA CERVEJAS, SAIMOS A NOITE E FICAMOS TOMANDO ALGUMAS CERVEJAS E BATENDO PAPO, EU DISSE QUE ERA CASADO E QUE A MINHA UMA ESPOSA BONITA, FALEI DO MEU TRABALHO E COISA E TAL ATÉ UMAS 11 HORAS, FOLTAMOS PARA O HOTEL FICAMOS BATENDO UM PAPO, LOGO EM SEGUIDA EU FUI PARA O BANHEIRO E TIREI A MINHA ROUPA E FUI ME DEITAR SÓ DE CUECA, PASSADOS ALGUN TEMPO EU TIREI MINHA CUECA E FINGIE QUE ESTAVA TORMIDO ME VIREI PARA O LADO DA PAREDE DEIXEI MINHA BUNDA AMOSTRA, PERCEBI QUE O RONALDO ( ERA O NOME DO RAPAZ QUE ESTAVA COMIGO ) OBSERVOU ESSE MOVIMENTO, PASSADO ALGUNS MINUTOS ELE LEVANTOU-SE DE SUA CAMA COMEÇOU A PEGAR NA MINHA BUNDA, FIQUEI TODO ARREPIADO E ELE COMEÇOU A MIM ALISAR, EU FINGIE ME ACORDAR MAS ELE CONTINUOU FAZENDO OS MESMOS MIVIMENTOS, EU JÁ ESTAVA COM O PAU MUITO DURO DE TESÃO, BAIXEI A CUECA DELE E FIQUEI ALISANDO O CACETE DELE QUE ESTAVA MUITO DURO, ERA UM CACETE GRANDE E UM POUCO GROSSO, ELE COLOCOU O PAU EM DIREÇÃO A MINHA POUCA E PEDIU PARA EU CHUPAR, COMECEI A CHUPALO E PEGOU EM MEUS CABELOS E FICOU FAZENDO MOVIMENTOS DE VAI E VEM, QUANTO MAIS EU CHUPAVA MAIS MEU DESEJO DE SER ENRRABADO EU TINHA, ELE GEMIA DE PRAZER, LOGO EM SEGUIDA RONALDO ME VIROU DE COSTAS E ME COLOCOU COM A BUNDA VIRADA PARA CIMA EU SENTI QUE ELE COLOCOU CUSPE EM MEU CU, COMO A PICA DELE ESTAVA LUBRIFICADA DE TANTO EU CHUPAR ELE COMEÇOU A INTRODUZIR NO MEU CUZINHO NO COMEÇO DOEU UM POUCO MAIS COM A TESÃO QUE EU ESTAVA NEM ME COMODEI, O CACETE DE RONALDO ENTROU TODINHO NO MEU CU, ELE COMEÇOU A DA UMA ESTOCADAS COM MAIS FORÇA E ME XINGAR ME CHAMADO DE VIADO GOSTOSO E DIZENDO QUE CUZINHO GOSTOSO VOCE TEM, VOU ARREBENTAR ESSE CUZINHO, REBOLA PORRA REBOLA, DE REPENTE ELE COMEÇOU A BATER NA MINHA BUNDA, EU MORRIA DE TESÃO E PEDIA PARA ELE BATER COM MAIS FORÇA, EU URRAVA COM TANTA TESÃO QUE EU ESTAVA, RONALDO COMEÇOU A DIZER EU QUERIA DEPOIS DE TE FUDER, FUDER TAMBEM COM TU ESPOSA AQUELA GOSTASA QUE A ESSAS HORAS DEVE TA FUDENDO COM ALGUEM, AQUILO ALMENTOU MAIS MINHA TESÃO E COMECEI A TOCAR UMA PUNHETA, EU PEDIA XINGA MAIS, ELE FALOU REBOLA ESSA BUNDA SEU CORNO E VIADO, PENSA QUE EU ESTOU FUDEBDO COM TUA MULHER CORNÃO E DAVA PALMADAS NA MINHA BUNDA E ELE COMEÇOU A GOSAR DENTRO DO MEU CU, EU SENTIE A ESPORRADA DENTRO DE MIM E COMECEI A GOSAR TAMBEM. FORAM OS CINCO DIAS MAIS GOSTOSO DA MINHA VIDA… ESPERO REPETIR DE NOVO COM ALGUEM… UM ABRAÇO

comemos nossa vizinhas

Oi galera meu nome e Italo estou do lado do meu amigo Paulo. tudo aconteceu em 12-12-2004 estavamos na frente da casa de nossas amigas Pratricia e da irmã dela Juliana.elas estavam sozinhas ,os pais delas tinham ido para um churrasco na casa de uns parentes em sobradinho DF,elas nos chamaram para fazer compania .chegando lá dentro da casa dela elas.começaram a fazer um estrip nos começamos a passar a mão na bunda delas elaspegaram em nossos pênis e chuparam eu levei a paty p/ cama da mãe dela e comi lá mesmo ,o paulo comeu a juju na sala depois nos trocamos de parceiras tomamos banho com elas lenbi a xota das duas foi a melhor de todas elas agora todas vez que ficam so elas nos chama para trepar. a Paty tinha 17 e a Juju 15 mas só a Juju era virgem e quem tirou a virgindade dela foi o Paulo.e aPaty ne ensino comer uma mulher de verdade

paumartporcos acasalandominha esposa com outraclub das mulheres sexoconto erotico categoriaminha mulher com outrofantasia da esposameu pinguilimcumpricidadecasa dos contos eroticosfudeu a gordinhachupa a cabeça da minha pica vem me dar uma mamadapau gozando no cucasal bi na surubacontos eróticos heterorelatos eróticos por códigocontos incestos com fotostrepando com a enteadacoroas gynmulheres mal amadascachorro engatado mulhertop contos eróticosfaxineiragostosacasa doa contos eróticosvelho fudedortranza a trescunhada se masturbandocomendo o amigo do filhocontos eroticos ultimos contospunheta na aulaboca veludobatendo punheta pro cunhadoesposa corneandoencoxando dormindonovinho comendo maduratrepando com a vizinhaconto de incesto com fotospicas de coroaspunheta para o maridosenhora do destino capitulo 48boa gozadahomem comendo cu do cavalomendigo dando o cucarnaval putariaultimos contos eroticos publicadoscomeu a irmã bebadacomi o cu da minha filhacomi um cuzinhoaguceiesposas cuckoldsandrinhajapaevangelica safadamassagem no maridomasturbando o cachorroirma sedutoracontosincestocontos eroticos sobrinha novinhabatendo punheta na salacaaa dos contos eróticosdeus de ébanomae boquetecasa dos contos eroticos com fotossexo com a propria maecontos eróticos topcadeirante peladocasa do contos eroticossexo anal bio cachorro precisa grudar para engravidarcomendo o cu da eguamae e filha lesbicas transandoultimoscontos eroticoscatinhacasadoscontos.comcontos cuckoldcasa de massagem maceiónene da grande familiahomem engatado com cachorromamãe gostosasmulher sendo abusada no onibuscomendo a amiga da mãequem não dá assistência abre concorrênciaesposa na punhetamoleques transandopastor everaldo peidouchuva e sexomaldito o homem que confia no outrocomi minha vizinha coroacontos pornvizinhas rabudasesposa mamandocasa dos contos heroticoscunhada batendo punheta pro cunhadoesposas fazendo dpcasa dos contos eroticiscoroa cacetudomendigo dando o cufudendo com a mamãedando o cu em publico