Minha Terceira vez usando legging

Olá! Venho contar agora como aconteceu a minha terceira vez. Se você leu os primeiros relatos, viu que a minha primeira foi vestido de mulher para um cara que eu conheci na net e minha segunda foi vestido de mulher para o namorado da minha ex. Nunca tive real interesse em homens, quando me excito eu fico com vontade que termina no momento em que eu gozo. Bom, eu fiquei desempregado por alguns meses e não achava emprego em lugar nenhum. As contas chegaram e meu dinheiro acabou. Até que surgiu um emprego a uma cidade a 250km da minha, onde tive que morar sozinho, longe de amigos e família. Fiquei por 3 meses hospedado no hotel de um tio, que tinha uns quartos e me alugou um com banheirinho sá pra eu dormir. Trabalhava de manhã e tarde e a noite ia pra academia. No caminho da academia, passava por lojas de roupas e via aqueles manequins vestidos de legging e me chamou atenção uma em especial dourada e preta, bem de puta mesmo. Passava todos os dias nessa loja fechada a noite e ficava encarando esta calça, imaginando eu nela, uma puta de classe! Sá que eu não tinha dinheiro e imaginava que uma calça dessas custaria uns 70,00 e minhas roupas de homem já não eram das melhores, não poderia gastar dinheiro com roupas do meu fetiche caras né. Então descobri que essa loja, todos os produtos eram no máximo 10,00! Ou seja, eu compraria aquela calça legging dourada por no máximo 19 reais! Pesquisei na net e achei por no mínimo 30 reais, então eu deveria mesmo comprar alí, mas eu tinha vergonha. Até que em um dia eu não aguentava mais de tesão, entrei na loja com o coração na boca, mas fui diretonas bermudas masculinas. Chegou uma vendedora simpática e eu falei que estava olhando as bermudas masculinas e ela me deixou a vontade. Escolhi duas bermudas e fui até a legging dourada brilhante. A vendedora chegou com uma cestinha e eu perguntei se teria aquela calça no tamanho P, ela disse que sim, logo falei que queria levar mas pra ela fazer pra presente aquela calça. Ela disse que OK e eu disse que era sá aquilo. Fiquei com vergonha e nem quis ver ela fazer o papel de presente e paguei a conta, 30 reais. Agradeci e quis sair correndo da loja, mas peguei a sacola com as bermudas e a calça com papel de presente, agradeci e sai. Cheguei correndo no hotel, fui pro meu quarto e tirei aquela beleza do papel, pois era um presente a mim mesmo!!! Fiquei em pé e coloquei na frente do meu corpo ela e tinha um tamanho perfeito! Meu pau ficou duraasso na hora! Aquela calça tão sonhada estava nas minhas mãos! Tratei logo de tirar a minha calça, tenis e meias e fiquei sá de cueca. Sentei na cama e fui vestindo aquela calça. Ficou um pouco apertada mas nada que me impedisse de fazer todos os meus movimentos. Fiquei linda! Uma verdadeira putinha! Tratei de tocar uma punheta passando as mãos nas minhas coxas e gozei loucamente. No outro dia, acordei pensando em voltar já do trabalho e vestir novamente. Pensei até em usar ela por baixo da calça jeans, mas achei arriscado demais. E assim foi, todos os dias eu chegava em casa, tirava a calça e usava a legging, pra ver tv, pra arrumar o quarto do hotel, me dava uma mobilidade incrível. Comprei pela internet um plug anal pequeno, onde retirei nos correios pra nao gerar suspeitas aos meus parentes. Colocava ele no meu rabo até o talo pra dilatar, usava a calça por cima do plug e ficava me deliciando com aquilo no meu cuzinho e usando legging.rnCerto dia, eu estava com o plug e com a calça vendo tv de pau duro e bateram na minha porta! Eu levantei desesperado, meu pau ficou mole, vesti rapidamente uma calça jeans por cima do plug e da legging dourada e preta e fui atender. Era o meu primo, de 19 anos que foi falar comigo sobre o chuveiro do meu quarto, perguntou se estava tudo ok, achei estranho o papo, mas ele disse que poderia ter problema porque havia chovido uns dias antes e deu problema em alguns de uns quartos, por causa de raios. Então depois de perguntar isso, ele correu os olhos em mim e perguntou se estava tudo bem, eu falei que sim, então ele perguntou o que eu estava fazendo usando uma leg. Fingi que não sabia o que estava acontecendo e ele disse que havia me visto pela janela do quarto dele, que dava de frente pro meu. Fiquei paralizado e ele disse que não iria contar pra ninguém, mas que eu teria que fazer algo pra ele. Falei que não era aquilo que ele estava pensando de mim, mas ele me empurrou pra dentro do quarto, trancou a porta e disse pra eu ficar quieto. Me segurou forte na parede, de frente pra mim, onde eu tentei sair, mas ele me segurava forte e mandava eu ficar quieto. Comecei a gostar da brincadeira e fingir que minhas forças acabaram, ele me virou de costas pra ele e de frente pra parede e me encoxou com força, mas muito delicioso. Fechei os olhos e ele mordeu a minha orelha. Soltei um leve gemido e ele disse: tá gostando minha putinha? Tira a calça pra eu ver você de suplex. Falei pra ele tirar, ele arrancou a minha calça e disse que eu era delicioso, que minha bunda era muito linda! Ficou passando a mao e me encoxando até que notou algo no seu pau, era o plug. Quando entendeu o que era falou: ah então a minha putinha está dilatando o rabinho hein? Vou te mostrar pra quê você fez isso! Me jogou de bruços na cama, montou em cima de mim e foi beijando as minhas costas e foi descendo. Chegou na minha bundinha beijou, mordeu, lambeu e abaixou a leg. viu o plug e ficou brincando de por e tirar. Falei pra pegar o ky que eu usava pra colocar ele. Ele tirou o plug, colocou o ky e recolocou no meu rabo. Entrou lubrificando tudo e eu adorei. Ele tirou toda a roupa e ficou sá de cueca boxer, amo homens assim. O pau dele estava com a cabeça pra fora e parecia ser normal pra grosso. Falei que queria ele mas sem tirar a leg, e ele log entendeu. Fez um pequeno corte bem no meu cu com os dentes e dedos, onde eu fiquei com a calça e assim ele poderia me comer. Brincou mais um pouco com o plug e mandei ele deitar. Montei em cima dele, 69 com o plug na sua cara e comecei a morder e alisar a cueca dele. Retirei de leve e vi que era um pau lindo, cabeça quente e macia. Abri bem o pau dele e comecei a mamar. Ele logo me elogiou, disse que minha boca era deliciosa, parecia veludo. Lambi as bolas, prepúcio, cabeçona, tudo o que tinha direito. ele ficava brincando com o plug e lentamente eu abaixava pra que meu pau ficasse perto da boca dele, pra induzir ele a me chupar tambem. Ele não esbanjou reação abaixei um pouco a leg e, para minha surpresa, ele pegou meu pau e começou a mamar! Eu não acreditava naquilo! Estava delicioso e tinha a sensação de queree gozar a cada instante! Quando estava quase gozando, falei pra ele e falei que se continuasse eu iria gozar na boca dele. Ele parou e eu falei que o pau dele estava lubrificado pra me penetrar. Ele vestiu a minha calça, me colocou de quatro, e quando ele foi retirar o plug disse que ele poderia me comer, mas teria que usar o plug enquanto me comia (golpe de marketing, hehe). Ele disse que nunca tinha usado um plug, disse que era bom e que ele deveria experimentar. Ele topou, tirou do meu cu, lavou, passou ky e eu peguei o plug, botei ele de 4 na cama e fui penetrando no cuzinho dele. Entrou com facilidade e quando terminou, ele disse pra eu ficar de 4 que ja tinha feito a parte dele e era de eu fazer a minha. Fiquei de 4, dei uma chupada no pau dele de novo, passou ky no pau e encostou aquela cabeça quente, macia e dura no meu rabinho, pelo furo da calça! Ele perguntou se eu tava pronto, eu disse que sim. Ele pois tudo de uma vez e não doeu, por causa do plug. Ele entrou tudo e parou pra esperar eu me acostumar. Era grosso o pau dele, e mais comprido que o plug. Fiquei sentindo o saco dele roçando nas minhas bolas e eu adorava tudo. Ele ficava mordendo minha nuca, orelha, e eu não via a hora daquele macho relinchar na minha bunda. Então ele começou a se mexer, devagarinho e foi acelerando. Me pegava pelas ancas e me puxava com força! me comia muito rápido e eu estava adorando ouvir aquele macho me comendo, aquelas estraladas! me elogiava muito, elogiava meu
cuzinho, falava que era apertado mas que ia me arrombar, que aquela calça era linda, que eu era uma putinah verdadeira, falei que estava me arrombando, pra me comer com vontade. Perguntei se ele tinha gostado do plug, disse que sim, que roçava na prástata dele e estava dando cada vez mais tesão nele. Falei que ele não iria se arrepender se tivesse usado e ele concordou que é muito bom. Então ele acelerou as estocadas e em alguns segundos anunciou que iria gozar. Saí dele pra que ele não gozasse, mandei ele ficar de quatro, tirei o plug dele, coloquei em mim, abaixei um pouco a calça pra comer ele de 4 e ele pediu pra usar a minha calça! Não acreditava!!! Ele vestiu, passei ky no meu pau e começei a comer ele. Ele não esbanjou reação nenhuma e meu pau entrou fácil naquele cu. Ele estava louco, não aguentava mais de tesão e eu não acreditava no que estava acontecendo! Eu comecei a comer ele, ele de 4, com as bunda mega empinada, pernas bem abertas, rabo no furo da calça bem exposto, plug no meu rabo e ele ali deitadasso com as mãos pra frente. De repente ele começou a se contorcer e seu rabo começou a morder meu pau. Ele estava gozando sem pegar no pau e dentro da minha calça!!! Quando perdebi que estava gozando acelerei o ritmo e quando ele parou de gozar, eu falei que queria fazer o mesmo, pois estava louco pra gozar! Ele tirou a calça toda melada, vesti ela com o gozo dele no meu pau, coloquei o plug nele, e o pau dele tinha porra que entrou facinho no meu cu, de 4 tambem. Ele não ficou mole e começou a me comer de novo, com vontade. Ficamos assim por uns 20 minutos e eu não gozava dentro da calça sem as mãos por nada. Estava difícil, mas eu estava disposto. Certo momento ele disse que iria gozar, isto acendeu um pavio de tesão em mim, fiquei louco, ele acelerou e seu pau crescia, quando eu senti o primeiro jato na minha prástata e ouvi um gemido dele, eu desfaleci e comecei a jorrar porra dentro da minha calça! Ele gozou quente e bem fundo e disse que aquele plug era muito bom! Concordei, caimos mortos na cama e minha calça precisou ser lavada no chuveiro, pois o que mais tinha era porra nela.

Minha Primeira vez e vestido de saia e bota

Olá! Meu nome é Carlos (fictício) e vou contar a vocês como minha primeira vez (com um cara) aconteceu. Eu tinha 25 anos, 1.70, 78 kg, moreno, sarado, sempre gostei de malhar, sempre procurei cuidar da minha saúde, comer coisas saudáveis e tal. Namorei duas vezes, a primeira a 5 anos que fiquei um ano com ela e realmente gostava dela, fizemos altas coisas loucas juntos. No segundo namoro ficamos 8 meses juntos, nao curtimos muito, mas fui bacana, sempre curti namorar, ficar junto com alguém, alianças e tal. Bom, faziam 3 anos que eu estava solteiro e estava na seca absurda e somente uns beijinhos na boca não me satisfaziam mais, porém não conseguia levar mulheres para a cama. Aos poucos fui me tornando fechado demais para ao mesmo chegar em alguém. Já que não pegava ninguem tinah vergonha de chegar em alguém, medo, receio. Fui me fechando e cheguei a ficar por 5 anos sem comer ninguém. Não aguentava mais tocar punheta mas não conseguia comer ninguém, a não ser pagando. Não sei o porque, mas comecei com uma tara de usar um tubo de desodorante como penis para aumentar o meu tesão. Lubrificava ele com KY, cuspe ou condicionador e colocava ele aos poucos no meu cuzinho. Quando ele entrava até o final eu costumava colocar a cueca de novo e uma calça jeans minha normal e ia no mercado, lavar a louça por exemplo, e aí ficava com ele inteirinho socado no meu cuzinho e eu fazendo as coisas do dia-a-dia normalmente. Depois de um tempo descobri um meio de prender ele no tapetinho do banheiro e aí ninguem mais me segurou. Prendia ele, passava lubrificante e cavalgava como uma louca. Um dos meus maiores desafios foi colocar um filme pornô e sempre que o cara enfiava o pau na bundinha da atriz eu sentava no meu, ou seja, um ator de filme pornô me comendo. Porém sempre na metade eu sentia dores e acabava dando mais atenção ao meu pau e me gozava que nem um louco, esporrando no meu peito, pescoço e queixo. Isso quando não virava de ponta cabeça e ficava de nuca no chão para gozar e cair direto na minha boca e tomar tudo. Amava tudo aquilo e aos poucos começei a gostar de me vestir de mulher. Comecei vestindo absorventes e me sentia bem, não retirava a parte que inutilizaria o absorvente, mas somente colocava entre meu corpo e minha cueca e saia desfilando pela casa, com aquele barulhinho de plástico e eu achava o máximo. Quando ia devolver na embalagem sempre estava de pau duro. Pesquisava na net as coisas que as mulheres mais usavam na moda, calças, saias e ficava louco quando via uma na rua e tinha a maior vontade do mundo de usar! As coisas foram evoluindo e eu amava tocar uma quando havia uma calça de academia no cesto de roupa suja porque eu colocava e me sentia a mais das putas. Mas tinha uma coisa que eu realmente AMAVA vestir: botas de salto alto. Minha irmã tinha uma, minha cunhada outra e minha mãe outra. Quando alguém viajava eu me destruía, vestia a bota (sempre apetava no pé e pra fechar o ziper então) me sentia uma deusa, desfilava em frente ao espelho de bota de salto alto e tocava uma e gozava um monte. Isso quando eu não fazia isso com calça jeans (como eu sempre malhei tenho coxas grossas e vestindo calças jeans femininas ficava ainda mais apertadas). Colocava aquelas calças apertadinhas e usava a bota por cima da calça, como fala a moda (me sentia muito linda assim, na moda, show). Minha irmã tinha um shortinho jeans minúsculo e apertadíssimo que eu vestia e sentia a rainha das putas, mas infelizmente ela doou ou jogou fora o shortinho porque nunca mais vi o shortinho no seu guarda roupa. Aos poucos as coisas foras aumentando e eu vestia maiô e até mesmo espartilho da minha irmã (ela tinha acabado de terminar o namoro e estava bem sapeca). Tem um vídeo até em um site de vídeos compartinhados na net em que eu estou vestindo uma bota de salto alto e sentando no tubo, que prendi no chão e filmei tudo, e no final do video eu gozo um monte. Esse dia foi um dia que eu cheguei bebado em casa e tava sozinho e decidi vestir a bota da minha cunhda e sentar gostoso no meu tudo de desodorante. Com o tempo as posições foram variando e eu gozava sentando em cima, de quatro, por baixo e eu enfiava e tirava com a mao e tal. Tinha uma que eu amava fazer que eu prendia o tubo no tapete do banheiro e prendia o tapete na porta do armário do quarto, do lado de fora. Daí na dobradiça interna eu colocava um caderno, de forma que se fosse fechada com força a porta ela voltaria com força tambem, Assim eu colocava o tapete bem preso pelo lado de fora e ficava dando bundadas na porta do guarda roupa, fazendo com que o tubo de desodorante saisse da minha bundinha e entrasse com tudo, graças ao caderno na dobradiça. Quantas gozadas absurdamente prazeirosas eu tive desta maneira! E juntamente com este prazer anal e com a tara de usar roupas femininas começa a minha histária. Via muitos videos pornôs com travecos e achava o máximo, aquelas mulheres praticamente porem com penis aguentando aqueles paus imensos e que não paravam mais de meter, videos que fariam qualquer mulher morrer de inveja. Um dia que eu me realizei totalmente foi um dia que la por 9 da noite eu lavei bem o meu anus para não restar mais fezes e la por meia noite tratei de esstar bem bebado. Quando fiquei neste estado, vesti a bota da minha sobrinha, preparei um colchão no chão com o meu tubo de desodorante lindo e lubrifiquei bem ele. Tratei de colocar o notebook na frente e escolhi um filme em que uma loira trepa com um cara por uns 20 minutos. Decidi tentar imitar este e sentei no tubo e fiquei esperando eu me acostumar com o intruso enquando eu arrumava as configuraçoes do video e audio. Quando eu achava que estava ok com a minha bundinha eu dei play e quando o cara metia na loira eu sentava com tudo no meu penis. Quando ele parava no filme eu tambem parava. Uma hora no filme e na vida real o cara meteu muito e em seguida ele parou e eu tambem, afinal estava fazendo igual. Quando isso aconteceu, eu senti uma necessidade imensa de cavalgar de novo no cacete e acabei sentando nas horas em que ela estava parada tambem. Quando eu descobri que o cara havia gozado dentro dela enchi o peito de orgulho, ou seja, eu havia aguentado vara de um cara por mais de vinte minutos e havia feito um macho gozar. Me realizei completamente tocando uma punheta , sentado com tudo no desodorante e de bota de salto alto. Delícia mesmornPorém tudo isso acabou enjoando e fiquei cada vez com mais curiosidade de experimentar um cara. Como ia para a academia reparava em caras sarados, porém nada mais, apenas admirava um bom corpo. E quando eu comecei com estas taras assim que eu admirava um belo corpo eu imaginava eu chupando ele, ele me comendo, me segurando de jeito, não deixando eu fugir, com mãos grandes, fungando em meu cangote, esfregando a barba na minha nuca, suando nas minhas costas, dentre outros. Foi com esta vontade que eu estava sozinho no meu ap e entrei num bate papo de sexo do uol e decidi entrar em gays. Entrava com o nick de popozuda e amava os machos ficarem correndo atras de mim. Neste dia eu entrei com o nick de Cristalzinho e um cara me chamou a atenção, da mesma cidade que a minha, por ser carinhoso, atencioso e tal. Falei que eu era homem, tinha curiosidade e tal mas morria de vergonha. Expliquei a situaçao pra ele e ele entendeu perfeitamente. O nome dele é Marcelo (fictício) e ele perguntou se eu queria ver o pau dele pela cam. Morri de vergonha mas decidi que sim, desde que ele não me visse. Ele topou e mostrou seu pau, que não era nem pequeno nem grande, nem grosso nem duro. Cabeça linda, rosa e cheia de sangue. Ele puxou assunto porque viu que eu fiquei calado, e tive que elogiar aquela beleza. Comecei a elogiar ele e ele se masturbava as vezes, e eu achava o máximo. Amava quando ele gozava, aquela cabeça se enchia de sangue e jorrava jatos de porra em um jornal que ele colocava na mesa. Me sentia estar fazendo um homem gozar de verdade, afinal, não era filme, era realidade! Depois de um tempo, decidi perder a vergonha e exibir o meu pau também, sempre sem mostrar o rosto
nem meu nem dele. Ficamos sempre nos masturbando somente observando o pau um do outro. Era lindo ver ele gozar somente vendo meu lau e elogiando o pau dele. Num sábado que fui em uma festa cheguei meio bebado em casa e acabei achando ele no bate papo. Ele me convidou pra me conhecer pessoalmente e sabia que eu era virgem, mas eu estava embalado com a bebida e acabei aceitando. Ele passaria me pegar no meu apartamento e iriamos dar uma volta. Não sei o que me deu, mas achei aquilo normal e apesar do receio sento que aquela era a hora de levarmos tudo mais adiante. Tomei um banho e esperei ansiosamente ele. De repente parou um carro prata do outro lado da rua, desceu um moreno alto, musculoso, cabelos ralos e interfonou no meu ap. Meu coração veio na boca, estava tremendo, deixei tocar algumas vezes para fazer um charmindo e resolvi atender. Uma voz grossa chamou meu nome, e eu respondi falando que estava descendo. Estava a mil, meu coração estava saindo pela boca mas decidi ir até o fim para ver onde aquilo tudo acabaria. Desci no elevador e a cada andar parecia durar cinco minutos. Abri a porta e dei de cara com o Marcelo. Estava de camiseta baby look para mostrar seus músculos, calça jeans surrada mas limpinha e botina lustrada. Me deu um abraço apertado (e que aperto) e me convidou para entrar no carro. Entrei meio receoso mas me deliciando com toda aquela situação, sempre com vergonha, receio e medo. Marcelo começou a tratar de me descontrair, com um papo legal, as vezes colocava a mão dele na minha coxa (e eu amava um lindo daqueles fazendo isso), as vezes pegava no meu braço e tal. Papo vai, papo vem, paramos em um posto de gasolina onde ele comprou um vinho para a gente e duas taças e continuamos a andar de carro porém agora tomando um bom vinho. Fiquei mais alegrinho e me soltei mais e o Marcelo entrou com o carro dele no motel. Meu coração veio na boca quando vi, mas estava meio bebado e decidi contnuar. Ele pegou um quarto especial, inteirinho espelhado que tem aqui na cidade, muito lindo mesmo. Chegamos com o carro e Marcelo retirou do porta mala uma maleta, que ele falou que era surpresa, me deixando ainda mais louco de curiosidade. Subimos para o quarto, onde era um quarto apenas e um banheiro. Havia pétalas de rosas em cima da cama e em todo o quarto e banheiro. Ele me deu um abraço me passando mais segurança e foi pro banho. Liguei a televisão e havia filmes de todos os tipos passando. E estava lá: eu, a tv, a maleta dele, a cama, tudo coberto com pétalas de rosas. Morri de curiosidade para abrir logo a mala dele, afinal, meu cuzinho piscava de tesão somente ao ver aquela maleta vermelha. Fiquei vendo um filme em que um traveco cavalgava em outro cara e acabava gozando sem ao menos pegar no práprio pau. Fiquei abismado tamanho era o tesão do cara por chegar a tal ponto de gozar pela prápria bundinha. Logo ele saiu do banho e convidou para tomar, porém falou que não era pra eu trancar a porta. Logo concordei e fui ao banheiro. Entrei no box nu e tratei de lavar bem o meu pau e minha bundinha, afinal, não estava ali para ficarmos conversando. A ansiedade era grande mas eu mantive tudo sob controle. Fui ao banheiro, fiz a lavagem anal direitinho para não haver imprevistos como ensinava a internet. Quando estava no meio do banho, pecebi que Marcelo entrou no banheiro, conversou um pouco comigo para me deixar relaxado e falou: vou deixar a sua roupa aqui em cima da pia e quero ver você bem linda pra mim e saiu do banheiro. Terminei o meu banho e quando me deparei com a minha roupa eu não acreditei. Depois que eu me enxuguei, eu comecei a me vestir. Agora sá imaginem: primeiro uma meia calça arrastão linda , com uma faixa de latex preto brilhante em toda a volta da coxa, um espartilho preto e vermeho, que apertavam meus peitinhos de academia um contra o outro e deixavam juntos e volumosos, uma sainha de latex preta meio durinha que ficava na metade da minha coxa e o melhor: uma bota de salto alto e um saltinho plataforma na frente, de cadarço que ia até a metade da canela, preta, brilhante! Meu pau ficou duríssimo na hora e eu quase gozer sá de olhar para aquele sonho de roupas! Comecei vestindo a meia calça, daí o espartilho, daí a sainho e por último a bota, onde tratei de amarrar bem forte porque queria sentir que aquilo fizesse parte de mim. Quando estava 100% pronta decidi sair do quarto, sem antes dar uma boa respirada bem fundo, pois estava linda e meio bebado a essas horas por causa do vinho. Assim que abri a porta, Marcelo que estava deitado na cama apoiado pelos cotovelos e com lençol no corpo todo me comeu com os olhos, de cima até embaixo e disse: você está linda! Me achei a mais linda das putas, dei uma volta na cama ondejá havia aprendido a andar de salto alto então não fiz feio na frente do Marcelo. Ele pedou pra eu dar uma voltinha, onde obedeci prontamente e ele elogiou minha bundinha, coisa que somente as meninas elogiavam quando eu usava calça apertada e agora era um macho falando isso pra mim. Me senti nas núvens e marcelo ficou de joelho na cama, com o lençol pendurado em seu pau. Me convidou para subir na cama de joelhos, onde fiz um charminho, falei que não, mas ele pediu de novo e eu aceitei. Ficamos de joelhos na cama, eu de salto e ele com o pau sei duro na minha frente, coberto com o lençol ainda. Ele me deu um abraço e senti de leve o pau dele na minha coxa, quando eu estremeci e fiquei um pouco com medo. Ele percebeu e falou que se eu quisesse desistir poderia a qualquer momento. Pelo espelho que eu via atras dele, como o quarto era inteiro espelhado, vi sua bundinha linda, musculosa e logo ele me abraçou de novo e decidi apertar a sua bundinha, com as duas mãos, uma em cada nádega, ele fez o mesmo, por cima da sainha de latex preta que cobria somente até a metade da minha bundinha e acabamos dando um selinho, qua logo se tornou um beijo de lingua. Nunca havia dado um beijo de lingua em um homem, mas naquela situação, como eu estava, não tinha como negar. Estava totalmente entregue a ele e a situação. Vestido como uma puta, meio bebado, com um cara no quarto, não havia escape (e nem queria). Terminamos o beijo e ele desceu com a mão, encostando o dedo indicados no meu cuzinho. Eu estremeci, nunca ninguém havia tocado alí, abracei Marcelo forte e me entreguei. Ele fazia movimentos circulares e eu de olhos fechados amava tudo aquilo. Ele então foi até a maleta dele e pegou um tubo de KY, passou um pouco no dedo e ficou novamente de joelhos, mas agora com o dedo lubrificado foi enfiando em mim, bem devagarinho. Eu nem respirava de tanto tesão, nossos paus estavam durissimos, o meu saia para fora da sainha e o dele ainda coberto pelo lençol. Eu gemia devagarinho no ouvido de Marcelo, que penetrava fundo aquele dedo cheio de lubrificante. Logo ele iniciou o segundo dedo e eu cedendo todas as minhas entranhas aquela maravinha musculosa. Me apertava com o braço esquerdo junto a ele, de joelhos na cama e a mão direita me explorava. Quando ele colocou o terceiro dedo eu senti um pouco de dificuldade, mas ele passou mais KY e começou a falar que eu tava gostosa, que meu cuzinho era lindo e apertadinho. Como ninguém resiste a esses elogios eu passei a me abrir mais, afastei as pernas naqueles saltos maravilhosos e decidi me entregar aquela situação. Nossos paus se encostavam completamente duros e não havia mais o que crescer no meu pau. Estava latejando, explodindo para fora da saia, enquanto o pau dele ainda coberto. De repente ele vai até a maleta e retira um dildo azul, passa KY e vai me penetrando. Nem respirava de tanto era o tesão e de repente eu sento que havia chegado na base, ou seja, estava tudo dentro de mim. Fiquei me acostumando com aquilo dentro de mim, me alargando enquando ele me elogiava, ambos de joelhos na cama e me beijava muito. Ele falou que era pra eu sentar na cama e sentir todo o dildo dentro de mim. Sentei na cama e fiquei com os pés no salto alto no chão, panturrilhas contraidas porque o salto era alto. Sentia todo aquele plug anal dentro de mim, rebolava de leve, de olhos fechados e não acredita
va que aquilo tudo era tão bom. Marcelo se levantou, com o lençol no pau e chegou até a minha frente, de pé e disse pra eu tirar o lençol. Tirei bem devagar e dei de cara com o pau que sempre havia visto pela net. Nem grosso nem fino (mais grosso que meu desodorante), nem comprido nem curto, cabeça grande, rosa, perfeito para a minha iniciação. Ele falou pra eu pegar, fiquei meio sem jeito, mas segurei a base do pau dele. Quando estiquei a pele no pau dele vise formando na pontinha do pau dele aquela babinha do pré-gozo. Foi lindo. Punhetei meio sem jeito ele mas continuei sobre os elogios dele. Ele disse que minha boca deveria ser muito deliciosa, doi quando eu abocanhei com tudo aquele pau. Bem devagazinho comecei a chupar aquele pau, com gosto de homem, Marcelo gemia e me elogiava um monte. Enquando chupava seu pau segurava e brincava com suas bolas, babava um monte no seu pau assim como via as meninas dos filmes. Ele pegava minha cabeça e fazia com que minha garganta fosse penetrada também. Amei chupar um pau, nunca havia chupado apesar de sempre ter vontade. Depois de um tempo Marcelo disse pra eu parar e me colocou de quatro na cama, com espartilho, sainha na metade da bunda e salto alto. Meu dildo ficou a mostra pra ele, que tirou bem devagarinho e eu pensei: é agora! Depois que ele tirou fiquei com uma sensação de vazio na bundinha e logo marcelo tratou de abrir com as duas mãos deixando meu cuzinho a mostra para a cara dele, que foi quando começou a enficar a lingua. Quando ele colocou a lingua eu dei um salto e quase cai deitado na cama, porque nunca ninguem havia lambido meu cuzinho. Quando eu entendi o que se tratava, Marcelo me acalmou, me relaxou e disse que iria brincar um pouco com a lingua no meu cuzinho. Voltei a ficar de quatro e Marcelo colocou a sua lingua na minha bundinha de novo. Ele fazia movimentos circulares, enfiava e tirava, meu pau estava letejando de tesão e saia babinha de pré gozo. Ele disse: Vejam sá, a minha putinha está gostando, está quase gozando sá com a minha língua, imagine com o meu pau. A essa hora eu há estava jogando a minha bundinha contra a cara dele, segurava a cabeça dele por trás e apertava contra minha bunda. Logo ele falou que era pra eu chupar de novo ele e eu de quatro na cama sá girei e ele ficou de joelhos na cama e eu chupando de novo. Ele perguntou: Quer perder o cabacinho minha linda? Sá olhei pra ele sem tirar o cacete da boca, fiz com a cabeça que sim e dei um sorrizinho e continuei mamando. Ele ficou louco, passava a mão no meu corpo, dava tapinha na minha bundinha de leve e deixava marquinhas. Ele falou: agora chegou a hora e foi na mala pegar a camisinha. Fiz questão de vestir com a minha boca (a essas horas já havia perdido a timidez e vergonha). E virei de costas para ele, para desvirginar meu cuzinho. Respirei fundo, eu de quatro, todo exposto e ele de joelho na cama, com o pau apontado para meu cuzinho. Essa visão eu nunca vou esquecer, vi pelo espelho do quarto. De repente sinto a mao dele sob a minha lombar e mepuxava. Quando senti o pau dele encostando no meu rabinho estremeci: Eu de espartilho, sainha na metade da bundinha, meia calça de latex, bota de salto alto amarradinha na canela, uma perfeita puta com um macho atrás de mim com um cacete turo apontando para minha bundinha e meu rabinho já dilatado. Meu pau estava muito duto. Quando ele encostou a cabeça eu estremeci e pensei: é agora! Enfiei a cabeça no travesseiro e Marcelo passou mais KY. Foi lento, mas firme e me elogiava sempre. Foi entrando, entrando, entrando e quando passou a cabeça senti que meu cuzinho abriu rapido demais, fiz uma cara de dor e falei pra ele esperar, segurei a coxa grossa dele e ele parou. Nessa hora meu pau ficou mole. O que eu queria era que ele continuasse, mas eu estava com dor. Depois de uns minutos fui soltando a perna dele e ele entendeu o recado. Foi colocando bem devagarinho, devagarinho, me passando a mão até que senti suas bolas no meu saco. Nás dois demos uma suspirada de dever cumprido e ele ficou um pouco nesta posição. Fiz questão de olhar pro espelho e estava eu lá de quatro vestido que nem uma puta. Geralmente eram as meninas que estavam nesta posição, mas naquela ocasião era eu! Quando Marcelo viu que eu relaxei, ele tirava bem pouquinho e colocava bem pouquinho. Foi assim até aumentando devagarinho o ritmo das estocadas e a velocidade. A dor havia passado praticamente e eu estava ficando louco vestido como uma puta e dando de quatro para aquele macho. Assistia meu cuzinho sendo arrombado pelo espelho como via minhas namoradas sendo fodidas por mim. Senti uma gota de suor cair nas minhas costas, e Marcelo estava vermelho de tanto tesão. Bombava forte e comentava que a minha bundinha era muito linda, que eu estava maravilhosa de sainha e salto alto, que ele estava louco. Eu amava tudo aquilo, estava deixando um homem louco com a minha bundinha. Quando ele parava de bombar eu que continuava com a minha bunda, assim como nos filmes e quando eu sentei no meu desodorante. Aquilo era melhor, tinha vida, era quentem muito melhor que o meu dildo caseiro. Sentia seus pentelhos batendo na minha bunda e sabia que quando isso acontecia era que ele estava dentro de mim, totalmente. Pedi pra ele me comer de frando assado na camam ele me pegou e num sá golpe me virou e sem sair de dentro me colocou na beirada da cama e ficou ajoelhado no chão. Quando eu olhei pro teto eu não acreditei: Eu de espartilho, sainha, botas lindas, e um cara musculoso me comendo. E eu via entrando e saindo tudo! Meu pau resolveu dar sinais de vida sem eu encostar pelo fato de que de frango assado a cabeça dele raspava na minha prástata. Eu sentia um tesão diferente, um homem estava ali me comendo, quase relinchava na minha bundinha até então virgem. Ele segurava minhas ancas e nessa hora metia forte, falava que meu cuzinho era lindo, gostoso, apertadinho, que eu estava uma puta daquele jeito. Isso sá me enchia de orgulho e prendi com o salto ele perto de mim, entrelacei os saltos para não deixar ele escapar e ele quando olhou pelo espelho adorou. Deu um sorrisinho enquando bombava e falou que eu era uma safadinha. Deitou sobre o meu corpo, me abraçou e metia forte. A essa hora meu cuzinho estava dilatado e recebia com louvor aquele homem. Eu comecei a sentir tesão e me pinhetava as vezes. Nessa hora eu lembrei do filme da tv, que o cara gozou sem tocar no pau e eu pedi pra ele que queria cavalgar ele. Ele disse que ia sugerir isso mesmo, queria ver se eu era uma menina completa. Ele deitou em cima de mim, me segurou, levantou no seu pau e sem tirar deitou na cama me deixando mandando na situação. Pedi mais lubrificante que começava a sentir necessidade e ele me alcanco. Saí de cima, segurei o mastro com a mao esquerda e com a direita despejei em cima daquele cacete. Joguei no canto do quarto o tudo, empurrei ele na cama(estava sobre os cotovelos e subi nele, com a mao direita alinhei no meu rabinho e daí soltei. Coloquei as maos dele atras da cabeca dele e as minhas em cima da minha e, sem sentar ainda, perguntei: posso sentar no seu pau? Ele tirou as maos de tras pra pegar minha cintura e forçar pra entrar o pau e eu mandei deixar atras. Ele tentava me penetrar levantando a cintura mas eu levantava junto. Eu falei de novo: posso sentar? Ele disse que sim. Eu falei: quem que manda aqui? Ele disse: é você minha linda. Mandei ele repetir mais alto. Ele repetiu (nesse momento nos dois estavamos loucos, mas eu não sentei ainda). Dei um tapinha na cara dele e disse: eu não ouvi. Ele disse é você minha linda! Nessa hora eu sentei bem devagarinho naquele pau recem lubrificado. Foi lindo ver ele virando os olhos com a boca aberta e soltou um gemido quando eu cheguei até a base. Quando eu sentei tudo eu disse: eu é quem mando aqui e comecei a cavalgar de joelhos na cama. Cavalgava forte e meu pau cada vez que entrava tudo batia na barriga dele fazend um som que não devo esquecer tão cedo. Depois coloquei meus pés em cima das coxas dele e os saltos se cruzaram, cena linda que eu vi no teto do motel, eu cavalgava mais e mais, meu ritmo
era frenético e há havia dado mais do que as mulheres dos filmes. Cansei desta posição e acabei passando os pés para a frente e me apoiando nos saltos altos cavalgava naquele mastro grande e cheio de veias e lubrificante na camisinha. Falei que queria gozar sem pegar no pau e ele entendeu o que eu queria. Colocou algumas almofadas atrás das costas e ficou um pouco inclinado. Eu continuei cavalgando e meu pau estava durasso feito pedra e sentia o maior prazer do mundo em cavalgar meu macho. Me olhava no espelho e sentia mais prazer ainda. Marcelo abria a minha bunda como se fosse partir ao meio e segurava enfiando e tirando cada vez mais rapido, me fazendo me sentir uma puta por completo. Segurava em seu peito depilado e com peitos enormes da academia, fechei os olhos e sentia meu pau latejando. Me punhetei um pouco e dei a ordem: me fode com força que quero gozar sá com um pau na minha bundinha e sem tocar no pau. Marcelo indensificou ainda mais as penetrações, eu suava de prazer por estar com um cara na cama e se salto alto e sainha e tudo mais. Começou a me dar um calor inexplicável, um tesão inigualável e de repente comecei a jorrar porra do meu pau, o segundo jato atingiu o travesseiro e o terceiro o peito dele, os demais cairam sobre a barriga dele. Jamais senti algo parecido, gozei sem tocar no pau. Marcelo estava exausto e tambem queria gozar. Falei pra ele tirar a camisnha e gozar dentro de mim comigo cavalgando. Marcelo me ergueu, retirou a camisinha e fez questão de me colocar onde euestava: no seu pau. Marcelo elogiou as minhas contrações anais durante o gozo e disse que quase gozou naquela hora tambem. Amei ouvir isso e tratei de fazer o meu macho gozarm também. Cavalguei por mais alguns minutos e ele disse vou gozar! Eu havia gozado sem tocar no pau, e estava prestes a fazwer alguém gozar em mim! Falei: goza para a sua putinha, vai, goza no rabinho da sua cadelinha, goza dentro da sua puta, comeu o rabinho da sua puta agora goza dentro, bem la no fundo. Tratei de cavalgar ele mais forte e rápido e de repente esegura a minha bunda, coloca todo o seu pau pra dentro e dá uma estocada, fazendo eu sentir u liquido quente bem lá no fundinho do meu cuzinho. A expressão dele gozando com os olhos fechados é inesquecível. Ele colocou toda aquela vara sem camisinha no meu rabo e eu forçando contra o corpo dele e deu mais umas oito ejaculadas dentro de mim, que desabei junto com ele, mas com o pau dele dentro de mim. Deitei sobre o peito delelambi um pouco a minha prápria porra e engoli o que pude, sem sair de cima dele, vestido de mulher, de salto alto e espartilho. Ele juntou forças pra me elogiar e dizer que eu fui muito bem, que foi um prazer ter tirado o meu cabacinho. Agradeci e falei pra dormirmos assim mesmo, juntinhos, ele dentro de mim e minha bundinha toda gozada.

CONSOLO 12 X 2,5CM

CONSOLO 12 X 2,5No feriado passado fiquei sozinho em casa, aproveitei para me depilar e hidratar meu corpo e ao fazer higiene intima percebi que meu pipi esta cada vez pequeno, me vendo no espelho experimentei fazer uma experiência. Peguei cola instantânea flexível (gel) e puxei a pele do saco escroto do lado para dentro dos dois lados fazendo ficar parecido com uma vagina, passei a cola e ficou só o pipi de 2cm para fora, sabe que fiquei parecida com uma mulher, claro sem vagina, mas usando a calcinha ficou legal, quando eu conseguir encontrar um homem para sair eu vou colar tudo. Isso me deixou excitado, entrei nos chats com cam e é sem graça, não tem pessoas legais como antes, olha que ficaram zangados por que não tenho ereção, eles queriam ver meu pênis e me deixou sem excitação.Tive que contentar com meu brinquedinho (12 X 2,5) que tem um cinto para fixação e amarrar na almofada grande que tenho, costumo encostar-se ao guarda roupas com prótese virada de frente e deito na posição “conchinha” isso facilita a penetração ate me acostumar, depois ponho no chão com prótese virado para cima e cavalgo por um bom tempo e finalizo geralmente amarrando a prótese na cabeceira da cama e eu de quatro fazendo movimentos de vaivém e na hora de gozar rebolo ate gozar forte.Queria muito um amigo para ser meu par sigiloso.Li

Amanda conhece o mundo

Olá! Meu nome é Amanda, e essa é a história da primeira vez que tomei coragem de aparecer pro mundo. Se gostarem, um dia conto como foi que nasci, e minhas primeiras aventuras enquanto invadia a vida do sapo com quem divido o corpo. Mas hoje o papo é mais recente, depois que já tive algum treinamento solo e precisava de mais e sabia que a vida poderia me dar. Primeiro, um rápido contexto.O sapo se divorciou, depois de quase 10 anos de casamento. Passado o luto esperado e aceitável, comecei a sussurrar no ouvido dele, pedindo espaço. Você não tem mais por que esconder. A casa é sua, ninguém vai saber nem ver. Mas e se eu trouxer alguém aqui? Aí você esconde tudo num canto antes. Você sabe que não vai trazer ninguém sem planejar primeiro. E foi assim que comecei a comprar minhas primeiras coisinhas: umas calcinhas, um scarpin e uma sandália de salto, um vestidinho… uma camisola de seda, que comecei a usar para dormir até perceber que precisaria de outro pijama quando tivesse que lavá-la, e foi assim que tive meu primeiro short-doll. Coisas poucas, mas que pela primeira vez eram minhas de verdade, e não usadas na surdina de alguma mulher com quem dividia moradia (esposa, mãe, tia, empregada…) ou que comprava e com dor no coração jogava fora depois de matar uma necessidade pontual. Também comprei meu primeiro consolo, e parei de improvisar com coisas fálicas que tinha em casa. Com o tempo, comecei a me arriscar mais e comecei a usar minhas roupas todo o tempo que estava em casa (no início com um baita medo de ser chamada por algum vizinho), depois comecei a ir de calcinha pro serviço, primeiro umas calçolas para ver se marcava a roupa e alguém percebia, depois umas shortinho, até as rendadas, as fio-dental, e por fim as fio-dental de renda! Por esses dias tinha comprado também um plug com vibro, tanto pra brincar em casa quanto pra acostumar meu cuzinho. Resolvi ir um dia com ele pro trabalho, desligado, claro, sob uma calcinha de shortinho. Me senti a cachorra! A Amanda estava lá e ninguém nem percebia, e a adrenalina e a pressão de estar sentada deram o que fazer pra eu não me contorcer nem gemer às vistas dos colegas. Quando o tempo plugado começou a ser demais eu pensei ah, agora aguenta até em casa que eu não tenho o que fazer com você aqui!, mas no final do dia deu tudo certo. Mas eu queria mais!E aí chegaram minhas férias e o início propriamente deste conto. Com o tempo que agora sobrava, daria pra eu organizar uma saída efetiva e me sentir viva socialmente, não só individualmente. Como eu poderia me sentir Amanda? Usualmente só sentia atração por mulheres (com pinto ou buceta, as duas sempre me ligaram), mas perto delas eu não conseguiria me sentir mulher, precisava de mais contraste. Então decidi que seria um boy. Mas qual boy? Ainda não estava pronta pra me abrir com amigos gays, fora que sempre senti deles certo desprezo por homens que não gostavam de parecer homens; diziam que eram gays porque gostavam de outros homens, se fosse pra ficar com uma mulherzinha pegariam mulheres. Então vai ser pagando mesmo, afinal não tô querendo casamento e apresentar pros pais, quero só uma transa em que me sinta feminina! Comecei a buscar nuns sites rapazes que atendessem homens e mulheres (na minha cabeça seria mais fácil eles toparem o que eu propunha). Peguei alguns zaps de uns mais másculos, mas que pareciam que não iam ser que nem ator pornô que só fica socando – fantasiava eu ser princesinha, acariciada, desejada e, claro, penetrada. Com um deles a conversa foi bem legal, ele entendeu o que eu queria, explicou como era o programa, acertamos preço e só faltou a data. Combinamos que seria num motel próximo ao local em que ele atendia, que era só eu chegar lá, pegar um quarto e chamá-lo. Isso ia ser ótimo, porque me daria um tempo pra me montar nos detalhes.A segunda etapa era me preparar: escolhi a lingerie, a roupa, os sapatos. Tinha que preparar o corpo também: decidi fazer um jejum de masturbação por uns 10 dias, pra ficar louquinha; fiz a chuca… e marquei salão! Gente, que desespero!! Fui buscar num bairro longe, pra evitar ser reconhecida, mas valeu a meia hora de trânsito. As meninas eram ótimas! Fizeram de tudo pra me deixar relaxada e disseram que sempre tinham cliente como eu. A primeira coisa da agenda era a depilação. Completa! A depiladora tosou tudo o que dava na maquininha antes de começar na cera, e eu estava constrangida com medo de ficar duro na frente dela, mas acho que ela adivinhou, ou a experiência já a guiava, porque ela falou pra eu ficar deitada de barriga pra baixo primeiro. Após os primeiros puxões, eu sabia que não ia ter como nada mais ficar duro naquela hora, provavelmente naquele dia. Saí lisinha, toda vermelha, dolorida e ardida. Não ia ter como sair naquele dia. Conversei com a cabeleireira e a manicure se teria que remarcar, mas elas deram a ideia de deixar as mãos e os pés prontos, o cabelo (uma peruca) arrumado e eu pegaria no dia, e a maquiagem elas me ensinariam no horário pra fazer sozinha depois. Maqueie uma CD e ela fica linda um dia, ensine-a se maquiar, e ela pode ficar linda sempre! Para as mãos, eu iria usar unhas postiças, mas toda a preparação e até a cor eu já poderia deixar prontas e só colar na hora. Resisti à tentação de usar a francesinha, muito clichê para uma primeira vez, e fui de vermelhão. Foi a cor do pé também, e este ia ter que ficar bem escondido das pessoas caso eu fosse sair pra algum lugar até poder dar seguimento ao plano.Mas felizmente, com sorte e bastante hidratante, dois dias depois eu estava inteira e ainda lisinha para tentar de novo. Contatei o bofe, ele disse que estava com a tarde livre. Nova chuca. Partiu salão pra pegar a peruca. Deixei o carro por ali, e peguei um uber pro motel. Oi, gato, cheguei. Estou no quarto tal. Tá bom, princesa, daqui a 1h chego aí. Beijos. Hihihi, me chamou de princesa! Não pude conter o risinho afetado. Mas era hora de trabalhar. Duchinha pra tirar o suor de nervoso, xixi (sentada) pra não ter vontade, dentes escovados para hálito refrescante. Coloquei uma calcinha branca de renda e que levemente enfiava na bunda, não até em cima, mas que abria e começava a cobrir a partir da metade. Era uma que dava pra enfiar o pinto pra trás, assim que ele colaborasse em amolecer um pouco e não babar ainda. Com essa calcinha usei um espartilho, também branco e rendado, que conseguia prender bem meus peitos pra fazer um voluminho. Não dava pra fazer uma espanhola, mas já dava pra ser mordiscado e apalpado. O espartilho tinha umas ligas, que passei por baixo da calcinha e prendi umas meias 7/8 de cor nude. Antes da roupa foi a vez da maquiagem. Foi bom ter um dia entre o salão e a saída pra poder treinar. Não acho que fiz feio: ficou aquela cara leve, com as maçãs coradas como se estivesse um pouco envergonhada e os lábios rosas e brilhantes; os cílios deram mais trabalho, mas eles ficaram compridos e fiquei piscando várias vezes pra mim mesma no espelho. Foi a hora do vestido: um evasê floral de fundo creme e flores azuis, sem mangas, bem abertinho e rodado nas pernas, fechado no zíper nas costas. Cobria todo o espartilho, mas deixava a marca de que ele estava ali debaixo. Coloquei minha peruca, loira-escura e cheia de cachos, mais ou menos o que seria se meu cabelo natural fosse comprido e farto. Por fim, calcei os sapatos, uma espadrille azul de salto com laço de cetim pra amarrar no tornozelo. O salto anabela combinava perfeitamente com o tipo do vestido. Ai meu deus, as unhas!! Colei as benditas e enfeitei as mãos com uns aneis e pulseiras. Também coloquei brinquinho com pingente, nada muito pesado porque eram de pressão. Perfumei, levantei até o espelho e vi tudo que tinha feito, e achei que estava bom.Agora era esperar. E segurar o nervosismo. Não faltava muito, a produção comeu quase toda a hora que ele tinha pedido pra eu esperar. Ensaiei mais uns passos pelo quarto para não fazer feio com o salto, mas já estava bem treinada. Senta e espera, mulher! Cheguei, avisou a mensagem
no zap. Cruzei as pernas na beirada da cama e fiquei olhando pra porta. Toc, toc. Tá aberta, entra., na voz mais fina que deu pra fazer sem esganiçar. Ele entrou e já trancou. Quando virou pra mim, falou fazendo graça como aquele meme Roi. Amanda, né?. Eu ri e ele veio me cumprimentar com beijinho no rosto e sentou ao meu lado. Meu coração estava disparado! Eu comecei a arfar, e isso chamou os olhos dele pro decote. Lá embaixo, um volume começou a ficar sensível com eu sentada em cima. Ele perguntou se eu queria mudar alguma coisa das nossas conversas, e eu fiz que não com a cabeça. Quis deixar mais ou menos delineado os termos gerais antes, pra não quebrar o clima combinando na hora.Ele passou as costas da mão no meu rosto e perguntou se eu estava nervosa, e eu fiz que sim com a cabeça. Ele pegou nas minhas mãos e se levantou, e puxou para eu me levantar com ele. Estávamos com praticamente a mesma altura, ele era mais alto do que eu tinha pensado, porque compensou meu salto e ainda tinha um dedinho a mais. Ele fez um carinho no meu rosto de novo e aproximou a boca da minha. Segurou um tempinho ali, pertinho, e então me beijou. Um selinho primeiro, pra ver como eu respondia, aí me viu de olho fechado esperando e me beijou de novo, agora de língua. Enquanto o beijo durava, ele apoiou minha nuca com uma mão e pegou na cintura com a outra, me deixando mais presa perto dele. Coloquei minha mão espalmada sobre o peito dele, e quando percebi já estava roçando ela pra cima e pra baixo, acariciando por cima da camisa. A mão da cintura desceu e começou a fazer carinho na minha bunda, depois a apertá-la. Nisso minha boca escapou do beijo para arfar, e ele desceu a boca dele para meu pescoço, beijando e dando umas lambidinhas. Foi meu primeiro gemido. Nisso ele passou a mão por debaixo do vestido, pegando na minha bunda direto na pele e na calcinha, enquanto alternava os beijos no pescoço e na boca. Quando minha mão que estava apoiada no peito dele correu para desabotoar o primeiro botão, a mão dele na minha nuca foi para as costas e desceu um pouquinho o zíper do vestido. Ele olhou pra mim um pouco e disse primeiro as damas, eu sorri e abri mais um botão, e ele desceu mais um pouquinho do zíper. Fomos assim até eu tirar a camisa dele e ficar com o vestido aberto, cai que não cai. Fiz carinho na pele do peito dele, passando as unhas vermelhas de leve, sentindo roçar nos pelos dele. Ele deu a volta atrás de mim e me abraçou, beijando meu pescoço e passando a mão nos meus peitos pela primeira vez. Cheirava meu pescoço, deu umas mordiscadas no ombro e começou a beijar as costas, na parte aberta do vestido. Ao mesmo tempo, desceu uma das mãos, levantou a saia do vestido e ficou acariciando o lado de dentro da minha coxa, acima e abaixo da linha da meia. Então fez meu vestido cair. Dei um passo pra frente, pra passar por cima da roupa caída, e percebi que ele já tinha tirado a calça também. Como?! Quando?! Ele era mágico?! Ele estava de cueca boxer preta e de pau duro lá dentro. Cheguei perto dele de novo, e dessa vez fui eu que fiquei de costas, pra ser encoxada. Assim que ele me abraçou, até arrebitei a bunda pra trás, pra sentir encaixando bem o volume dele no meu vão, com os tecidos da cueca e da calcinha servindo de barreira. Ele passou um braço pela minha cintura (o qual abracei) e com a outra mão apertou meus peitos, enquanto me chupava o pescoço. Comecei a esfregar a bunda nele, de cima pra baixo, e estava gemendo baixinho, quase na mesma frequência da respiração. Virei de frente pra ele e nos beijamos de novo, de olhos abertos, respirando forte, e desci minha mão até a cueca e peguei o volume, duro, quente. Esfreguei por cima da cueca, mas queria mais, mais.Comecei a abaixar, devagarinho, levando minha boca (a essa altura já praticamente sem batom nenhum) da boca dele pro pescoço, do pescoço pro peito, do peito pra barriga, da barriga pra entrada da virilha, e daí para cima da cueca. Dei uns beijinhos e corri os lábios para cima e para baixo, com a cabeça meio de lado. Nisso já estava agachada, apoiada na ponta dos pés e dos saltos, e pensei rapidamente se daria pra aguentar naquela posição ou se teria que ajoelhar. Parecia mais sexy ficar nos saltos, então ali fiquei, e puxei a cueca dele pra baixo. O pau dele saltou pra fora e ficou de frente pra mim. Era como eu tinha visto na internet e nas fotos que ele me mandou: bonito, entre rosa e roxo, cabeça grande e bem desenvolvida, mas no geral não era enorme que parecesse que ia machucar, tomei cuidado com essa triagem. Mas o cheiro não tinha como saber antes, e era bom, e ele deu uma leve perfumada na região. Peguei nele e admirei um pouco, acariciei a cabeça de leve com o dedão e dei uma bombada para sentir a pele, que não era nem de mais nem de menos, fechando direitinho com uma ponta da cabeça sobrando, e abrindo com a facilidade que a pele ajudava puxando pra trás. Olhei pra cima e ele estava me olhando, estudando se eu gostava do que via e se estava me sentindo realizada. Ele fez um carinho no meu rosto, como quem dissesse pra fazer as coisas no meu tempo, que fizesse quando me sentisse preparada. Dei uns beijinhos em volta da cabeça, e a primeira lambida no freio dela. O pinto dele deu uma latejada e eu senti que ele gostou. Isso me deu coragem pra colocá-lo na boca e começar a chupar. Eu sei que devia ter colocado camisinha, mas estava doida para sentir o gosto dele! Não era meu primeiro boquete, comentei lá em cima já ter saído com garotas trans, mas era meu primeiro boquete num homem, com a figura masculina ali na minha frente para reforçar a minha figura feminina. O jeito como ele me tratava como uma ficante, namorada ou amante é o que me deixava mais excitada e com vontade de agradar além de me saciar. Fui chupando, ora de olhos fechados, ora olhando pro pau quando tirava da boca, ora olhando pra cima, e tinha horas que o via me olhando de volta, e em outras ele tinha fechado os olhos e jogado a cabeça pra trás. Ele estava curtindo também. Às vezes masturbava ele junto, às vezes só apoiava e algumas tentava sem as mãos, segurando as pernas dele. Ele pôs a mão no meu cabelo, primeiro fazendo um carinho, depois apoiando para ditar um pouco o ritmo. Foi aí que eu percebi que ele já tinha feito isso com alguma outra CD antes, porque em nenhum momento a peruca ameaçou sair do lugar, embora a pegada fosse firme. Comecei a chupar no ritmo que ele pedia, masturbando ele junto. Uma ou outra vez ele apertou para que eu fosse mais fundo, mas sem forçar. Junto com o gosto dele apareceu aquele gostinho de pré-gozo, então fui tirando ele da boca, deixando só a língua na ponta da cabeça pra ver se conseguia puxar aquela liga. Veio um pouco. As pernas já começavam a doer, então levantei e sentei na cama, puxando ele pra minha frente pra eu continuar. Aí ele me disse Gatinha, se continuar assim eu vou acabar gozando, só pra te avisar. Eu parei de chupar e fiquei segurando o pau dele, punhetando bem devagar enquanto pensava que rumo as coisas podiam tomar. Se você gozar, vai precisar dar uma parada antes da gente continuar? Ele disse que não, que só pararia quando eu quisesse parar. Então voltei aos meus afazeres, dessa vez excitada para dar prazer pra ele. Como estava sentada em cima do meu próprio pau, que se espremia duro virado lá embaixo, rebolava na cama me esfregando. Como estava sensível! Já devia estar toda melada! E fui chupando, chupando, lambendo a cabeça, esfregando os lábios no corpo, chupando de novo, chupando com a boca apoiada na mão que punhetava ele, as duas subindo e descendo juntas, e a língua lá dentro ficava apoiada sempre na cabeça, fazendo uma mistura de sucção com os lábios, lambida no freio com a língua e punheta com a mão, aumentando o ritmo, aumentando o ritmo, até que começou a ficar bem rápido e comecei a sentir ele tremer, e ele começou a gemer e eu sabia que estava quase. Senti o gosto um pouco antes das primeiras latejadas, lá dentro, tudo fechado, enquanto ele dava o gemido maior do orgasmo dele. Era bastante porra, quente, l
eitosa, saborosa. Ele não tinha gozado havia um tempinho. Será que tinha guardado quando precisei remarcar depois do salão? Segurei o pinto na boca sem mexer por um tempinho, até ele se acalmar, depois tirei numa última chupada para não deixar nada escorrer e saboreei, revirando o gozo com a língua, apertando contra o céu da boca pro aroma impregnar, até que engoli, passando a língua nos lábios para sentir se não tinha me lambuzado. Punhetei devagarinho para ver se tinha sobrado algo, e uma gota escorreu, e a peguei com a ponta da língua seguindo o caminho contrário até a abertura. Ele então se inclinou até minha altura, e me beijou com carinho. Fiquei com medo desse carinho ser uma finalização, porque eu ainda estava doida, subindo pelas paredes. O pau estava na mão, e não saía mais nada, mas ainda estava duro, como ele prometeu. Aí ele disse Agora posso cuidar da minha princesa? e me puxou mais pra cima na cama, me deitando. Pegou em uma perna e correu a mão pela meia até o laço do meu sapato, e desamarrou, descalçando e colocando o pé de volta na cama. Fez o mesmo com o outro pé e deitou ao meu lado, meio por cima, enquanto começou a me beijar tudo de novo, como no início, mas agora na horizontal, e agora ele pelado e eu de lingerie. Beijei aquela boca me sentindo desejada, viva. Quando ele passou a mão deslizando das minhas costas para minha bunda, aproveitei o impulso da pegada e joguei a perna por cima dele, e ele começou a me alisar da bunda pra perna, e da perna pra bunda, e eu sentindo a troca do tato da pele, da renda da calcinha e no nylon da meia, ficando cada vez mais louca entre beijos na boca e no pescoço. Ele levou a mão para meu peito, e apertava e mordia e chupava o biquinho duro que ele puxou pra fora do bojo. Continuou com a mão ali e começou a descer pela minha barriga, por cima do espartilho, arranhando a cintura, o que me fez dar uma contorcida meio de tesão, meio de cócegas. Ao tentar descer mais um pouco, eu segurei a mão dele. Eu não tenho pinto., tínhamos combinado nas mensagens, e a segurada foi pra lembrá-lo disso, mas não precisei dizer nada, ele só fez um shh… sussurrado no meu ouvido e eu me entreguei toda. A mão desceu, correu de leve por cima da frente da calcinha e foi parar lá embaixo, onde ele começou a esfregar como se fosse um clitóris, por cima do tecido que segurava tudo virado pra trás. Dei um gemido agudo, a sensação da renda esfregando na minha cabeça com os dedos dele era demais. Ele voltou a chupar meu peito enquanto me masturbava assim, e eu prendi a cabeça dele contra meu corpo com minha mão, entrelaçando minhas lindas unhas vermelhas no cabelo dele. Quando soltei, ele também trocou de chupão para beijo, e voltou para minha boca, dando uns beijos molhados, lambendo meus lábios, puxando minha língua, bem carnal. E eu salivando com aqueles beijos, quase babando. E era exatamente o que ele queria, pois logo subiu a mão e colocou o dedo na minha boca, e eu chupei. Primeiro o indicador, depois o médio, e babei ele todinho, chupava ele molhado, e voltava de boca aberta pra não sugar de volta, e lembrava da sensação que tive agorinha há pouco quando era o pau dele que eu chupava. De dedo bem molhado, ele voltou a pegar na minha bunda e puxar minha perna pra cima da perna dele, e começou a entrar com o dedo por baixo da calcinha, a brincar na entrada do cuzinho. Rebolei e me esfreguei, e ele voltou a me beijar, enquanto brincava, e começou a deixar o dedo mais rígido e a entrar, e quando vi já estava dentro. Deixou eu me acostumar um pouco, me dando uns selinhos enquanto isso, e quando eu comecei a puxar uns beijos mais quentes, começou a me trabalhar com o dedo. Fazia um pouco de entra e sai, mas nunca tirando tudo, aí segurava um pouco lá e começava a levantar e descer o dedo lá dentro, como se estivesse apertando uma tecla, mas era meu botão, minha próstata, e a cada apertada eu sentia um frio no pau como se estivesse pra gozar, aí ele voltava para o entra e sai, pressionando o dedo pra baixo, esfregando o botão. E assim ia revezando. Que timing ele tinha! Eu só gemia, não conseguia nem beijá-lo direito mais, só segurava ele no meu pescoço, até que pedi, não, implorei!: Vem dentro de mim!!Ele parou o dedo dentro, olhou pra mim e perguntou Você quer?, Quer mesmo?, e eu só respondia Uhum! num gemidinho agudo. Ele deu uma última apertada no botãozinho e escorregou o dedo pra fora, e até dei um pulinho com a sensação. Aí ele me deitou de barriga pra baixo e começou a tirar a minha calcinha, tirando a parte que estava enfiada na bunda e puxando o que deu até enroscar no pau. Não tenho pau, não tenho pau…, eu dizia pra mim mesma quando ele me virou de volta com as costas no colchão, mas ele tirou o resto da calcinha ignorando completamente o aparecido que estava duro lá. Foi bom ter passado as ligas por baixo, pois não precisou soltar as meias nessa hora. Aí ele levantou um pouco minhas pernas pela parte de trás do joelho e começou a lamber meu cuzinho. Lambia como se fosse uma bucetinha, passando a língua bem molhada e macia, desenhando os contornos, beijando de lábios cheios, chegando ao períneo e voltando, endurecendo a ponta como se fosse penetrar. Eu estava entregue, deitada molinha e recebendo aquele trato todo. Quando comecei a gemer de novo, supliquei Me come!!. O mágico já estava de camisinha colocada e um tubo de gel na mão quando parou de me chupar, e lambuzou a mão, o pau e meu cu piscante. Encostou na porta e deixou ali, e eu queria escorregar pra baixo pra encaixar logo, mas ele usou de novo a tática de dividir minha atenção com o beijo, e estava deitado por cima de mim quando penetrou. Eu era dele, um com ele, uma amante plugada com o cara que a estava deixando realizada! Aos beijos, fomos fazendo um papai e mamãe que eu sabia que não era a coisa mais fácil em sexo anal, mas estava muito natural, minhas pernas bem pra trás presas nos braços dele enquanto ele estava por cima de mim. Foi metendo, no início devagar, sempre observando minha reação, aí foi metendo mais forte, mais firme. Ele levantou o torso, ficando de joelho perto da minha bunda, sem nunca tirar o pau, e começou a meter enquanto me segurava pela cintura. Joguei minhas pernas por cima do ombro dele. Sempre foi minha posição favorita quando era eu, ou melhor, o sapo, que estava no lugar dele. Ver o outro ponto de vista me deixou mais doida: eu via minhas pernas para cima, de meias que ele beijava enquanto passava a mão quando soltava da cintura, fui subindo e vi os pés, e neles as unhas vermelhas pela transparência da meia, e enquanto processava essa feminilidade ia sentindo aquela sensação do pau dele entrando e saindo, esfregando meu botão como se fosse um ponto G. Comecei a entrar num transe com isso, a gemer mais alto, a rebolar e a me contorcer na cama, apertando os lençóis, jogando a cabeça prum lado e para outro como se estivesse possuída, e quando vi estava puxando minhas pernas com as minhas mãos. Ele entendeu o que estava acontecendo e deitou por cima de mim de novo, metendo forte e contínuo enquanto eu entrelaçava as pernas por trás dele, porque daquele jeito não era pra parar de jeito nenhum, estava ótimo, estava perfeito, eu estava louca, minha cabeça estava vazia, viajando, e eu gemendo, gemendo de boca aberta, gemendo de boca fechada, até que o friozinho que dava na cabeça do pau explodiu e começou a cair porra minha por toda minha barriga. O pinto latejava sem nem ter sido encostado. Meu quadril se contraía de um jeito que eu não sabia se era querendo tirar meu amante ou prendê-lo pra sempre. Mas ele não quis sair. Esperou ali quietinho, como eu esperei ele se acalmar quando o fiz gozar primeiro, e só então saiu, devagarzinho, fazendo um pop no desencaixe e um outro pulinho meu. Minhas pernas caíram, meus braços caíram, meu rosto caiu de lado e parecia que eu tinha morrido. Eu estava acordada, mas não sabia dizer nada que acontecia em volta, parecia momentaneamente tudo escuro. Quando voltei a enxergar e a respirar um pouco melhor, virei de lado e el
e encaixou de conchinha em mim, e não dissemos nada por uns minutos. Nem sei dizer se adormeci.Quando ele viu que eu estava mais recomposta, foi tomar um banho. Quando saiu, eu estava sentada de joelhos na cama, ainda um pouco ofegante, a peruca descabelada mais ainda no lugar, e tinha o dinheiro combinado ao meu lado. Ele se vestiu, sentou ao meu lado, pegou o dinheiro, disse que esperava que eu tivesse gostado (safado, era óbvio que eu tinha adorado!), deu um último beijo, um selinho mais prolongado, agradeceu e saiu. Fiquei uns minutos relembrando o acontecido, passando os dedos nos lábios e correndo pela pele nos pontos principais em que fui tocada, até que foi minha vez de tomar um banho, arrumar minhas coisas, fechar minha conta, voltar para onde estava o carro e ir pra casa. Transar com um cara foi muito melhor do que eu jamais imaginaria, contanto que eu fosse a mulher dele e ele assim me tratasse. Dormi aquela noite e várias outras seguidas completamente satisfeita.

Matrimônio

Aconteceu há três meses atrás. Adoro viajar, mesmo sozinho, e desta vez eu tinha ido para a Rússia. São Petesburgo, uma cidade linda. Em um dado momento descobri um circuito de corrida de cavalos, um de meus poucos vícios, acabei indo conhecê-lo. Adoro apostar em corridas, adoro ainda mais uma barbada. Mas se a sorte não ajuda, o dinheiro uma hora acaba. Meus problemas começaram no terceiro dia em que eu fui ao circuito. Ouvi algumas pessoas comentando sobre uma barbada, um páreo garantido. Analisei os números, a paga seria muito boa. Ouvi mais de um grupo de pessoas comentando a mesma coisa, a confiança aumentou. Eu estava praticamente sem dinheiro, acabei cedendo à tentação e peguei um empréstimo com alguns sujeitos que estavam sempre por ali. Seria fácil pagar depois, e eu poderia continuar a viagem bancado pelo dinheiro do prêmio. O plano tinha uma única falha, meu cavalo perdeu a corrida e chegou em segundo. Fiquei assustado, sem dinheiro suficiente para pagar minha dívida. Tentei explicar. Eles não aceitaram, foram bruscos, me ameaçaram. Se o dinheiro não aparecesse logo, eles iriam desaparecer comigo. Sem dinheiro eu não poderia fugir. Não sabia o que fazer, fiquei apavorado. Um senhor tinha visto a situação, a gente já tinha conversado antes. Ele sempre me tratou bem, sempre sorridente, me dava muita atenção. Ele veio conversar comigo, foi super compreensivo. Sorrindo, ele disse que tinha gostado muito do meu jeito, e por isso ele estava disposto a pagar a minha dívida. Senti uma onda de alívio, uma luz no fim do túnel. Só tinha uma única condição. Claro que nesse momento qualquer coisa seria válida. Ele me olhou fundo nos olhos e disse que tinha gostado mesmo do meu jeito, tinha simpatizado muito comigo. A única condição seria um matrimônio. Nada muito espalhafatoso, só uma breve cerimônia civil. Eu não tinha entendido. Eu tinha entendido errado. Ele repetiu a condição. Mas como assim? Ele tinha gostado muito mesmo do meu jeito. Ele precisava de uma noiva. Não, claro que não, de jeito nenhum. Que história era aquela? Ele não perdeu a serenidade, me passou seu número e disse pra eu pensar à respeito. Peguei o número pra não ser rude, mas pensar à respeito coisa nenhuma. Saí puto da vida, procurei outros modos de arranjar um empréstimo. Não consegui nada. O recepcionista do hotel mais tarde me disse que era um erro muito grande pedir empréstimos assim naquele país. Algo que eu já tinha aprendido. Cada vez mais apavorado fui ao meu quarto para pensar. Eu tinha muito medo quando peguei aquele papelzinho no meu bolso. Liguei para aquele número. Ele parecia contente pela minha ligação. Perguntei se existia outro modo. Não existia. Eu não tinha outra opção. Aceitei sua condição. Feliz da vida, ele disse que seu motorista iria me buscar no dia seguinte para os preparativos. Gelei com aquela palavra. Preparativos? Tentei não pensar, afinal, eu só precisava esperar ele pagar meus credores, e eu poderia fugir sem problemas. Acabei pegando no sono. Acordei com o telefone. O motorista estava me esperando. Tudo aquilo era real mesmo. Ele me levou até um bairro, em uma casa onde uma esteticista trabalhava. Ela só falava russo, eu não entendia nada, mas ela pegou a minha mão e me conduziu. Demorei pra entender o que estava acontecendo, só pensava em como eu iria fugir dali. Ela começou a passar algo no meu rosto. Cremes, pinturas, cera no corpo. Quando ela trouxe os longos cabelos loiros para a extensão, tudo pareceu assustadoramente real. O processo durou umas três horas. O último toque foi o batom. Quando finalmente pude me olhar no espelho, fiquei chocado. Eu estava… feminino. Apavoradamente feminino. Até os cabelos pareciam naturais. Minha pele lisa, eu fiquei com praticamente nenhum pelo restante. Me esforcei pra nao chorar. Eu só precisava ter minha dívida saldada. Depois tudo isso acabaria. Ela me levou até a outra sala e começou a me vestir. Meia calça branca, luvas brancas, vestido todo branco. Véu. Saltos brancos. Não faltou nada. Até mesmo o bouquet. Eu não sabia o que era pior. A vergonha, ou o medo, mas pelo menos o problema maior seria resolvido. O motorista então me levou até uma grande casa mais reservada. Lá fui conduzido até uma salinha. Foi difícil caminhar com os saltos, sentindo a calcinha entrando onde não deveria. A porta se abriu. Meu benfeitor estava lá devidamente vestido. Meu noivo. Ele sorriu, muito satisfeito quando me viu. Fiquei mais vermelho ainda. Foi a primeira vez que ele pegou em minha mão, de forma bem gentil, e me conduziu até a mesa onde o escrivão aguardava. Foi uma cerimônia rápida, ele respondeu sim olhando nos meus olhos. Gaguejei. Não tinha saída, não tinha outra opção. Finalmente respondi que sim. Terminada a cerimônia o escrivão se foi e ele, como dita a tradição, me levantou e me carregou subindo as escadas. Carregado por um homem. Me senti mais feminino ainda, fiquei mais vermelho ainda. Perdido, sem saber o que fazer. Como me comportar. Passamos por uma porta, eu via algo no olhar dele, até que ele me pousou em uma cama. Em uma cama. A parte do acordo que eu não tinha pensado. Ou não queria pensar. Ele me deitou, me senti completamente perdido, mil coisas em minha cabeça, quando ele se deitou ao meu lado e beijou meus lábios pela primeira vez. Foi um beijo intenso, forte. Fiquei mais perdido ainda. Senti suas mãos em meu corpo, seus beijos apaixonados. Carinhosos. Uma mordiscada em meus lábios. Tudo indo longe demais. Seus lábios beijando meu pescoço, lambendo. Sentindo seu peso sobre mim, enquanto ele deitava gentilmente entre minhas pernas. As coisas aconteciam e eu não tinha tempo de pensar, compreender. Era a minha noite de núpcias, mas… Mais beijinhos no pescoço. Meu novo marido era tão gentil. Beijinhos, carícias. Senti meu vestido sendo levantado. Sua mão acariciando minhas coxas, a outra meu rosto. Uma mordiscadinha na minha orelha. Tudo indo longe demais. Ele se ajeitando melhor entre minhas pernas. Beijando, mordiscando meus lábios. Sentindo seu peso. Ele gentilmente me conduzindo a virar. Eu não queria virar. Virar não. Mas me deixei conduzir. Como uma boa noiva, pensei envergonhado. Ele me deitou de bruços. Senti meu vestido sendo aberto. Se afastando. Me senti exposto, semi nu. Com medo. Eu tinha que sair correndo. Eu tinha que fazer algo. Não era pra ser assim. Beijinho na minha nuca. Eu tinha que fazer algo. Uma mordiscadinha na minha nuca, sentindo seu peso pousando sobre mim. Sua língua lambendo minha orelha, minha nuca. Algo. Senti algo. Duro, algo volumoso. Tocando o meu bumbum. Queria dizer algo, protestar. Mas senti o volume se afastando. Ainda bem. Mas senti os beijinhos descendo. Pelas minhas costas. Mordiscando minhas costas. Beijando, lambendo. Descendo mais. Ai, eu precisava fazer alguma coisa. Alguma. Os beijinhos descendo mais. Ai eu… eu precisava. Beijinhos no meu bumbum. Ficando mais confuso ainda. Beijinhos. Uma mordiscada no meu bumbum. Saiu um gemido de dor sem querer. Ele gostou. Eu não queria pensar. Não queria pensar no que estava acontecendo. No que ia acontecer. Senti suas mãos acariciando minhas costas. Seus lábios mordendo minha calcinha. Puxando. Afastando ela pro lado. Me senti exposto, vulnerável. Indefeso. Ui. Um beijinho bem no meu anel. A confusão aumentando. Imóvel. Ui. Outro beijinho. Meu anel reagia de um modo estranho. Parecia que… Ui. A… a língua. A língua dele começou a se mover. Lamber. Deslizar no meu anelzinho. Ui. Era uma sensação… estranha. Meu anelzinho relaxava. Mas contraia. Ai. Era… Eu não sei. A língua dele. Ui. Entrando. Meu bumbum acabou empinando sozinho. Sozinho. Juro. Não adiantava mais tentar esconder meus gemidos. Ele já tinha percebido. Sua língua continuou o tratamento no meu anelzinho por um bom tempo. Acho que ele estava apreciando sua nova posse. Sua nova esposinha. Senti a língua parando, um beijinho suave no meu anelzinho. Envergonhado porque uma pequena parte de mim queria que o tratamento continuasse. Mas aliviado. Por poder volt
ar a pensar direito. Por poder colocar minha cabeça em ordem. Foi quando senti algo geladinho. Ui. Algo geladinho sendo espalhado no meu anelzinho. Seus dedos deslizando. Espalhando. Eu sabia o que ele estava fazendo. Eu não queria admitir pra mim mesmo. Mas eu sabia. Depois de me lubrificar bem, senti ele virando meu corpo novamente. Me deixando de frente pra ele. Um enorme alívio. Cheguei a pensar que meu grande medo não iria acontecer, afinal. Alívio. Mas ele logo se deitou por cima de mim. Senti seu peso novamente, seus lábios no meu pescoço. Suas mãos começaram a abrir, levantar minhas pernas. Meu medo voltou. Senti ele se posicionando em meio às minhas pernas. Eu ainda de meia calça, salto. Sentindo minha calcinha sendo afastada outra vez. Isso não podia estar acontecendo. Não podia. Senti algo procurando. Encontrando. Algo duro, inchado, grosso, tocando meu anel. Apavorei. Beijinhos no meu rosto. Vários beijinhos. Queria fugir, sumir. Mas meu corpo não se movia. Submisso. Como uma esposinha. Senti ele me segurando firme. Sussurrando algo em sua língua que não entendi no meu ouvido. Senti ele forçando. Cara de dor. Ele sussurrou algo, beijou meus lábios. Meu anelzinho virgem resistindo. Mas a lubrificação… os sussurros… os beijinhos… uma forçadinha mais… Nnnngggg… Dor… Meu anelzinho dilatando. Meu cabacinho cedendo. Sentindo meu marido, meu homem desvirginando meu cuzinho. Ele sussurrando no meu ouvido. Acho que pra me acalmar. Mas a dor. Os beijinhos. Meu cuzinho dilatando mais. Sentindo minhas preguinhas esticando, a tora do meu marido entrando. Sussurrando, me acalmando. A dor. Sentindo entrando mais. Sentindo cada centímetro. Meus olhos lacrimejando de dor. Beijinhos no rosto. Entrando mais. Não acabava nunca. Mais beijinhos, mais sussurros. Rezando pra acabar de entrar. Parecia ser enorme. A última investida. Um gritinho involuntário. Suas bolas tocando no meu bumbum. Meu corpo relaxando. O pior já tinha passado. Já tinha passado. Desvirginado. Pelo meu marido. Suado. Chorando. Sentindo seus beijinhos, suas carícias. Sua mão acariciando meu bumbum, seus lábios beijando os meus. Ele sussurrou algo em meu ouvido e senti ele saindo um pouco de dentro de mim. Entrando. Dor. Fiz não com a cabeça. Ele fez sim, sussurrou algo mais, saiu. Entrou. Fiz cara de dor. Fechei os olhos. Senti sua vara enorme saindo. Entrando. Não tinha mais volta. Desisti de lutar contra. Era melhor esperar tudo acabar. Saindo. Entrando. Cara de dor. Ele me segurando mais firme. Saindo. Entrando mais firme. Sua respiração aumentando. Meu cuzinho se adaptando. Dilatando cada vez mais. O prazer estampado na cara do meu marido. Beijinhos. Sussurros. Ui. Vermelho de vergonha. Um gemido tinha escapado. Saindo. Entrando. Saindo. Entrando. Sem parar. Ui. Meu corpo tremendo. Abrindo um pouco mais as pernas. Ai gemendo mais. Ai o que estava acontecendo? Saindo. Entrando. Abraçando meu marido. Meu homem. Sentindo sua rola enorme, grossa. Ai. Grossa. Gemendo. O que estava acontecendo comigo? Ele estava me comendo com gosto. Com força. Com sua vara. Deliciosa. Dizendo coisas no meu ouvido, entrando, saindo, me comendo sem parar. Eu gemia com vergonha, não queria admitir que… eu estava… gostando. Que meu cuzinho estava adorando. Que cada estocada me fazia sentir mais e mais feminina. Mais e mais esposinha. Delícia. Rola deliciosa. Homem delicioso. Meu corpo tremia a cada estocada. Meu homem, meu macho estava amando tudo aquilo. Amando ver a cara de prazer da sua esposinha. Beijou meus lábios, um beijo de língua delicioso. Abri mais as pernas, lambendo sua língua, gemendo com força. Logo ele passou os braços por baixo, levantou, me posicionando de franguinho, sem parar de me comer. Hummm… de franguinho. Sentindo a vara entrando fundo. Entrando gostoso. Meu cuzinho todo laceado, deflorado. Beijando meu homem, soltando gritinhos involuntários a cada investida. Após um tempo senti a vara saindo. Senti um vazio incômodo. Confusa. Confuso. Sem saber o que pensar. Sentindo meu corpo sendo virado. Minhas ancas sendo puxadas pra trás. Ai não. Ele estava me posicionando, me deixando de quatro. Ai, de quatro… Senti a cabecinha tocando meu cuzinho. Fiz cara de dor, me preparei. A vara deslizou pra dentro, quase sem resistência. Me assustei. Imaginei o tamanho que deveria estar meu cuzinho depois desse tratamento. Ele não perdeu tempo, segurou firme minhas ancas e começou a foder com gosto meu cuzinho. Doía um pouquinho mas… mas estava tão bom. Tão bom. Meus gritinhos saiam a cada estocada, cada vez mais femininos. Toda empinada, dando o cuzinho de quatro. Uma esposinha submissa, fiel. Gemendo. Uma esposinha feliz. Ai… estocadas mais fortes. Mais gostosas. Meu corpo… ai… tremendo… Uma sensação completamente nova. Ele estocando mais forte ainda. Mais. Abri a boca. A voz não saiu. Meu corpo… contraindo… meu anelzinho… contraindo… eu ia… eu estava… gozando… Um orgasmo me atingiu com força. Um grito afetado saiu da minha boca. Meu corpo tremeu inteiro. Convulsionando. Eu estava gozando. Gozando pelo cuzinho. Contraindo toda. Tremendo mais. Até cair com a cara no colchão, só o bumbum pra cima, sentindo meu marido continuando a deflorar meu cuzinho. Meu cuzinho completamente sem resistência. Corpo todo mole, não conseguia me mexer. Sentindo ele me comer por mais uns cinco minutos. Até ouvir um urro, uma enterrada firme, e meu macho me enchendo com seu leitinho. Sentindo o leite do meu marido dentro de mim. Sendo absorvido por mim. Meu marido deitando comigo de conchinha, beijando minha nuca. Feliz. Com uma esposinha feliz, exausta. Sussurrando no meu ouvido como tudo tinha sido maravilhoso. Que esposinha deliciosa eu era. Sorri sem jeito. Orgulhosa… ao mesmo tempo envergonhada. Ele sussurrou que meu tratamento hormonal começaria no dia seguinte. Que eu seria uma esposinha maravilhosa. Uma pequena parte de mim ainda tinha esperanças de escapar. Mas abraçada daquela forma e sentindo o leitinho do meu homem dentro de mim, eu sabia que minha vida como esposa fiel estava apenas começando.

A barraca do paraiba 6, Allan toma gosto pela coisa.

>>Allan voltou para casa depois de passar algumashoras na barraca do paraiba fazendo o que nuncaimaginara fazer na vida…Para entender melhor leiao conto anterior onde allan paga uma dívida que tinha com o sorveteiro nordestino.Allan estava muito cansado do ocorrido a tarde e logo foi dormir.No dia seguinte Allan acordou emal levantou já estava pensando na rolona preta que havia chupado na tarde anteriore foi tomar banho e durate o banho imaginava chupando o pau velho nordestino tarado e ficava com água na boca ao imaginar chupando a coisa preta e babandono salgadão gostoso do paraiba não resistiu e bateuuma punheta imaginado mamar o paraiba novamente.Allan precisava estudar para a faculdade e lembrou de pegar seu notebook que estava no quarto da irmãque ficava ao lado do seu na mansão onde ele residia e foi pega-lo.chegando no quarto da irmã ainda com a rola donegão em mente , antes de pegar o notebook queestava na escrivaninha olhou para o quarto da Irmã que era todo azul e rosa a decoração e se imaginou agachado e chupando o paraiba no quartoda irmã onde estava e pela primeira vez se imaginou no lugar de uma menina fazendo chupetapara um negão em um quarto e logo estava com o pintinho minisculo duro novamente agachadinho tocando uma e lambendo os lábio ebabando imaginado estar com a jeba preta do velho paraiba na boca.Foi então que olhou para o lado e viu o guarda roupa da irmã com o posterda Katy Perry impresso , pois sua irmã era fan da cantora americana,e logo teve uma ideia genial…levantou e abriu o guarda roupa da irmã e se deparou com as maravilhas que ele poderia fazer para matar o tesão da rola preta do sorveteiro.haviam varias roupinhas de pat. Vestidinhos,blusinhas,pulseiras cintos, sainhas,bolsinhas…foi então que abriu uma das gavetas e lá estava o que ele mais esperava ver ,as calcinhas da irmã…tinha de varios modelos , fio dental , combabadinhos,calcinhas shorts , calcinhas borboletase até as que tem só um fiapinho atráz que sua irmãcomprava para usar com os namoradinhos.>>>As calcinhas da irmã Allan esperimentou uma calcinha e foi se ver aoespelho,empinou a bundinha branca e logo percebeu que precisaria de um saltinho,então abriu a sapateira e pegou um salto 15 escarpin rosa etornou a arrebitar a bunda e dessa vez viu que estava bem menininha de saltinho e calcinha e logo deu umas desfiladas pela casa para pegar jeito de andar como menina.Pegou também um sultien com bojo pois sua irmã quase não tinha seios e vestiu, colocou uma blusinha , um shortinho jeansbem curtinho desfiadinho na bunda que a irmã usava para ensaiar dançando funk, só que esse shortinhoda irmã era de quando ela era mais jovem e ficoubem apertadiho e colado na bundinha de Allan e a poupinha da bunda ficou toda de fora.Por fim pegou um batonzinho cor de uva e pintou a boca.Estavamuito contente em estar no quarto da irmã e ficandoigual uma menininha e pensando na rola preta do paraiba. E podia fazer isso sem se preocupar pois A irmã estava em outra cidade passando férias na casa de uma tia e só voltaria em duas semanas.Foi então que pensou em se vestir com as roupinhas dairmã quando for visitar o sorveteiro paraiba.>>>Visitinha surpresa na barracaDois dias depois Allan foi até a barraca para saber quando ele poderia voltar para mamar o pau cremosopreto do sorveiro novamente ,estava com muito tezãoe sedento por rola preta pois havia gostado muito demamar no picolé de chocolate do velho paraiba.Paraiba estava embalando sorvete quando viu Allan chegar…Oi branquinha!disse paraiba. entra aqui pra vc me ajudar…Paraiba pediu para allan fazer café como da vez anterior enquanto ele terminava de embalar os picolés, pois estavaatrasado com o serviço…Allan fez o café para o paraiba e foi servi-lo…oh branquinha vc está virando uma meniniha mesmo heim!senta ai que daqui a pouco vc vai me fazer um boquetão bem gostoso…Allan riu e disse que estava já com agua na boca. Então eu vou fechar a barraca paravc me mamar até eu gozar na sua boquinha rosada seu viadinho! Branquinha puta de negão do caraio!!Seu paraiba antes de mamar o senhor eu quera te mostraruma coisa , disse Allan… O que branquinha? disseparaiba…Queria te mostrar umas fotinhas…Umas fotos branquinha de quem, sua ex namoradinhapelada mostrando o bucetão?!…Não seu paraiba umasfotinhas que eu tirei usando umas roupinhas da minhairmã, e mostrou mais de 20 fotos fazendo pose , e até umas com o dedinho na boca pintada cor de uva…Paraiba ficou louco de tezão e pôde reconhe-lo pois Allan não cobriu o rosto…Você está igualzinho uma mulher branquinha!!! Eita peste, olha essa calcinha vermelhatem só um fiapinho!!E dizendo isso já tirou a rolona preta pra fora e começou a alisar vendo as fotos de Allanvestido de mulher…Allan só se abaixou e começou amamar no cacete do velho tarado que estava morrendo de tesão vendo as fotos do viadinho vestido com os modelitos da irmã…Caraio branquinha vc parece uma bonequinha vestido de mulherzinha hummm diliçaaa!!!Allan caprichava no boquete e chupava até a metade depois passava a boca por fora do pau do sorveteiroe chupava as bolas também, levando o velho tarado aodelirio.Ahhhhhhhhh vou gozar caraiooooo!!!E encheua boca de Allan de porra que se deliciava com a porra do negão na boca…Vai viado limpa meu cacete e continua chupando não para não , vc me fez gozareu vou querer chupeta de novo seu viadão! Euchupo meu negão o qanto ele quiser! Disse Allan.Deixa meu cacetão duro de novo branquinha gostosa!!Allan deixou o cacete do paraiba em ponto de bala novamente e paraiba disse…Perai que eu vou dar um docinho pra vc branquinha…Dizendo isso pegou uma bisnaga de cobertura de sorvete e passou na rola preta dura como pedra…Allan quando viu lambeu os lábios e e foi logo abaixando e se preparando para chupar bastante de novo…Tem mais foto aquibranquinha? tem sim paraiba,disse Allan se levantando e mostrando uma nova pasta de fotos vestidinho de menina…Agora abaixa que eu fuder a sua boca, disse paraiba …Allan abaixou novamente e pos a lingua pra fora e paraiba esncostou a rola preta com cobertura de morango…vai branquinha pega seu docinho e come! Não deu mais 10 minutos e paraiba estava jorrando porra de novo na boca do rapaz que agora já estava pra virar uma mulherzinha de mão cheia.>>Depois de fazer o sorveteiro gozar duas vezes e comer bastante cobertura de sorvete allan foi embora mas paraiba disse pra voltar logo no outro dia vestido de mulher assim como nas fotos que elequeria mais chupeta , só que agora ele queria que abranquinha estivesse de mulherzinha para mama-lo.Allan disse que voltaria sim e iria trazer umas roupinhas na mochila e mamar bastante no pauzão dele .Allan estava com vontade e curioso para saber como que era dar o cú , mas para não ser arrombado na primeira vez , resolveu treinar antes pois a rola do paraiba era enorme e podia machuca-lo.Pegou o carro e foi até o centro da cidade pois a mansão de praia onde morava era um pouco afastadada cidade…Na sexshop comprou um consolo preto de20cm ,mesmo tamanho da rola do paraiba e disse pra atendente que era para brincar com a namorada pois ela tinha tara por paus negros , claro que não coloupois a atendente logo viu que era pra ele mesmo enfiar no toba rssss,mas claro não falou nada…chegando em casa vestiu umas roupinhas sex e colocou o vibrador com a ventosa no chão,pasou um creminho e começou a sentar…No começo estava meioque queimando mas logo já agasalhava quase a metadepara dentro do cú pois o creminho que comprara juntocom o consolo era muito bom…Seu pintinho ficava duro e Allan se masturbava olhando no espelho o pau preto de borracha entrar até o talo…Se deliciava e cavalgava no pau preto como se se sempre houvessefeito aquilo.>>>paraiba põe no rabo de AllanPassado 3 dias depois da última visita de Allan na barracado paraiba, Allan já estava acostumado a sentar no caralhopreto de borracha e não via a hora de visitar o velho da barraca novamente.Allan então sem avisar resove ir até a barraca.Se vestiu de mulher e colocou uma roupa de home
m por cima ,pegou uma sacola e colocou uma sandália plataforma rosa da irmã e foi para visitar a barracado paraiba.Era umas 8 da noite e paraiba estava tomando banho.Bateuna porta e chamou o velho sorveteiro e que logo já respondeu e jáfoi abrir a porta: Até que enfim vc veio branquinha!! Eu to loco de tesão , cadê as roupas de mulher que vc vai usar?–Está por baixonegão , ja vou mostrar…E entrou no banheiro tirou a roupa de homem, calçou a plataforma e pintou a boca de baton vermelho…Abriu a porta e saiu rebolando com a bunda empinada vestindo um shortinho rosa dealgodão bem curtinho, uma blusinha tomara que caia também rosa,sultien com bojo por baixo para simular uns peitinhos durinhos,uma meia feminina cano longo tudo rosinha…Paraiba olhou e não acreditava no que estava vendo…Allan encosta em paraiba e ficarebolando a bundinha em seu pau, que estava vestido só com a toalha…o shortinho era tão curto que paraiba podia ver toda apoupinha da bunda empinadinha de Allan esfregando em sua rolaque já estava em ponto de bala, paraiba já havia tirado a toalha e batia com o pau duro no bundão empinado de Allan. Ahhh branquinhaputa tu vai levar uma surra de rola nesse bundão de mulher empinadosua vagabunda, toma paulada na rabo toma!!Allan então vira e começaa punhetar paraiba que vai a loucura…Hoje eu vou dar um trato no meu negão gostoso, diz Allan pasando a lingua nos lábios…Começou a mamar gostoso mas logo em seguida parou para o velho não gozar e tirou o shorts mostrando a calcinha vermelha fio dental para paraibaque ficou de queixo caido,´pois não havia nenhuma diferença para a bunda de uma mulher…Allan então subiu na cama velha de solteiro do paraiba ficou de quatro, puxou o fiapinho da bunda pro lado e disse:—Vai paraiba pode botar aqui , faz de conta que o senhor vai comeruma buceta. Paraiba encostou e começou a bater a cabeça da rola bemna entrada do rabo de Allan…Quer dar o cú viadão,eu vou por tudo pra dentro do seu rabo igual eu fiz com a sua namorada puta…Ecomeçou a bombar no rabo de Allan que não via nehuma dificuldadeem acasalhar todo o pau do paraiba pois já havia treinado antes…Aiiiiiiiii caralho que cú gostoso da porra!!!! é tão apertado que parece uma buceta!!!Ahhhhhh branquinha rapariga do cú apertado!!!!Allan rebolava e fazia vai e vem na rola do paraiba ficandosomete as bolas de fora…Paraiba então tira do rabo de Allan e dápra ele chupar…Vai,sente o gosto do seu cú no meu pau seu viadinho!!Paraiba goza na boca de Allan e e dá vários tapas na bunda do rapaz…Viadão da porra , não vou mais sentir falta de buceta metendo no seu cú agora. logo Allan estva deixando o pau do paraiba duro novamentee fazendo tudo de novo até o velho tarado ficar bem satisfeito.   

TARADO PELA MINHA BUNDA

TARADO PELA MINHA BUNDANo trabalho meu tio contratou um técnico de informática para atualizar controles da empresa. E um homem de 41 anos, solteiro, 1,77alt. 85kg.cabelos curtos e negros, moreno e tem um tórax grande, tem uma barriguinha também. Um homem comunicativo e bem legal, falou que iria ficar na firma por uma semana para instalar programas para a firma.Gostei dele, logo estávamos almoçando todo dia tivemos mais intimidades nas brincadeiras e logo estava me chamando de “minha gueixa” quando estávamos a sós. Certo dia eu tive que subir numa prateleira de mercadorias perto da mesa dele e subi a escada e ele logo disse “que bunda linda”, ele falou sério mesmo, não era brincadeira porque muitas vezes percebi que ele estava olhando a minha bunda, fiquei preocupado porque eu uso calcinha e pensei que ele tinha visto. Neste dia eu tinha que ficar ate mais tarde para fechar a firma e sem esperar quando sai às 20hs, ele estava me esperando, me convidou para ir num barzinho e logo estávamos papeando descontraído, trocamos e-mails e sempre me mandava à foto dele e eu não retribuía, só escrevia as perguntas dele até um dia quando ele me mandou uma foto de sunga onde dava para ver o contorno do pênis dele, perguntou se eu tinha gostado e essas coisas, pediu um foto minha de costas, sabia que queria ver a minha bunda. Depois de muitas insistências perguntei por que tinha gostado da minha bunda se sempre me viu de calça comprida, logo respondeu que adorava gay asiáticos e adoraria me ver nu. Neguei e depois de algumas semanas sem nos comunicarmos ele me convidou para conversarmos sem sexo e nem outras intenções, era só papinho mesmo. Tudo correu bem, mas uma coisa me deixou com chateado, ele trocava olhares com as mulheres que estava no barzinho e quando tinha uma com roupas mais justas ou minissaia ele ficava olhando sem se importar comigo, não aguentei e disse para ele ficar olhando que eu ia embora, sai para pegar um taxi e ele logo apareceu pedindo desculpas e me convidou para entrar no carro dele para me levar para casa. Ele não entendia porque eu fiquei com ciúmes se não correspondia, respondi que eu era muito tímido. Acabei de contar tudo, que sou CD, quando fico muito excitado vou numa pousada para me montar e principalmente que não tenho ereção por isso uso sempre calcinha. Quando chegamos a casa ele me pediu para mostrar a calcinha só para eu comprovar o que disse, abri a calça e mostrei, pediu para me ver melhor e topei ir num drive-in perto de casa, chegando abaixei a calça e ele acariciou toda minha perna lisa, ele abaixou a calça e fomos para o banco de trás, ele sentando e eu inclinei para masturba-lo e acabei chupando como doido ate ele gozar tudo dentro da minha boca que acabei engolindo tudo ate a ultima gotinha e me fez inclinar com bumbum para cima, senti a língua quente passando no meu cuzinho e com as mãos ele apertava meus mamilos e gozei. Logo que recompomos ele começou a acariciar minha bunda e pegou preservativo, colocou no pênis dele ainda meio mole, masturbei carinhosamente e vi que saia muita “babinha” e logo o bico do preservativo já estava cheio, tirei o preservativo com cuidados e com dedo eu chupava aquele liquido adorável e ele meio tarado disse que não aguentava e iria me penetrar, eu logo coloquei novamente o preservativo para pegar mais a “babinha” eu disse que meu cuzinho estava doendo de vontade e queria um pouco da “babinha” para não me machucar, só queria sentir aquele pau escorregando dentro de mim abrindo todas as minhas preguinhas e se eu pedir para tirar era para socar mais forte ainda, falando assim ele gozou dentro do preservativo. Acabou a brincadeira porque eu tinha que ir embora, teve mais encontros que fica para próximo tá.Li

Dei a bunda pela primeira vez para um super-dotado

Sempre gostei de me travestir. Desde adolescente tenho essa curiosidade em saber o que sente uma mulher. Gostava de colocar as lingeries ousadas que minha mãe ganhava dos namorados. Gostava de penetrar tudo o que parecesse com um pau – tubo de shampoo, desodorante, escova de cabelo, pau de vassoura, pepino, banana, linguiça… Até experimentar pela primeira vez um consolo. Lembro da sensação ao vestir pela primeira vez uma cinta-liga. Amei. Mas não gosto de HOMEM. Gosto sim de sexo com Homem… Gosto de chupar uma piroca, de preferência bem grande, gosto de ser penetrada (sim, quando estou montada gosto de ser tratada no feminino, com a no final). Mas até então não sabia disso. vou contar como fui inaugurada por um cacete de verdade. A primeira vez que trepei com um macho. Foi assim:Eu já estava me travestindo e brincando de crossdresser na internet há alguns anos… Sou gordinha, coxuda, lisinha e tenho abunda muito, muito grande… Adoro me montar com liga, meia 7/8 e calcinhas de fio… espartilho, salto alto e sainhas ousadas e ir pescar os bofes no bate-papo do uol e mostrar minha bundona no Skype. Gosto de vê-los excitados, gosto daqueles paus gozando pra mim e das palavras safadas. Minha profissão me favorece, passo mais tempo ausente de casa, então posso me montar nos hotéis da vida e rebolar meu rabão enorme nas Webcams da rede… Eu me excito demais com isso, tem noites que gozo 5, 6 vezes… mas chegou um momento em que eu queria saber como era ter um macho dentro de mim, me arrombando, queria sentir um pau de verdade entre os lábios e o gosto do sêmen jorrando na minha boca, queria ser currada e ter o cu invadido por um cacete de verdade.Na rede sempre rolam aquelas conversas mais picantes, tenho muitos amigos no site, contatos no skype… Sempre tem um ou outro disposto a foder uma bunda grande e gostosa de cinta-liga, salto alto e espartilho, mas nunca dava certo – ou porque o bofe morava longe, ou então porque não me empolgava com o tipo do pretendente, ou porque eu não tinha coragem de levar a coisa mais a fundo. Mas isso mudou naquele dia… Era uma terça-feira, sozinha num quarto de hotel eu estava de cinta-liga, meia 7/8 preta e uma minúscula calcinha preta louca para mostrar a bunda na cam pra um bofe gozar quando entrei no bate papo do UOL eu uma das salas das CROSSDRESSERS. Eu já estava lá entretida em conversas com caras querendo isso ou aquilo, quando me chamou a atenção um nick que entrara na sala – NegãoGG PR – Tenho uma queda por negros principalmente pela óbvia diferença de tamanho de seus dotes… rs… Eu estava logada como CdBunduda GG – Passaram-se 10 segundos e ele me chamou no chat: – Boa noite BB, adoro um rabão… Senti de imediato um frio na barriga… Respondi sem hesitar: – Olá safado.. E eu adoro um negão…Qual sua idade?Passaram-se alguns minutos até ele responder, devia estar falando com outras cds e aquela espera estranhamente me fez sentir que ele não conversaria mais, quando ele respondeu:- 36 e vc?- 30… De onde vc é? Perguntei.- Sou de Guarapuava – Eu tremi… Estava indo trabalhar naquela cidade e passaria lá o fim de semana sozinha, em um hotel. Perguntei:- qual é o seu Skype? instantaneamente ele respondeu, como se já tivesse escrito a resposta:- Me adiciona: …E eu disse: – O meu é …Nem deu tempo de abrir o SKYPE e já estava lá uma solicitação de amizade de um tal André, a foto era de um enorme caralho negro e duro, ligeiramente torto e bastante cabeçudo – grande e grosso. Pensei que já que era pra brincar na cam seria delicioso ver aquela pica enorme gozar. Aceitei.Ele, se referindo á minha foto disse:- Nossa que rabo delicioso, eu quero você… de onde vc é?- Maringá – respondi – Amei a sua foto também.- Rsss, tenho 24 cm de dote, aguenta? – Perguntou ele.- Não sei… só fui penetrada por consolos e objetos… Não sei como é ter um macho de verdade.- 30 anos e nunca deu??? Nem mamou?? Quero ser o primeiro a meter nesse bundão. posso? Eu vou devagarinho…rs- Não, nunca dei nem mamei um pau de verdade… mas.. quem sabe não vai ser esse seu cacetão??? Respondi.- Eu adoraria putinha! Você tem mais fotos? – ele perguntou.- Sou Gordinha, já vou avisando para não se decepcionar… rs – – ADORO – foi a respostaComecei a enviar fotos… Cada foto que baixava era um comentário cheio de tesão que ele fazia, e mandava nudes de volta, um homem alto, um pouquinho acima do peso, mulato-quase negão, e o dote era incrível.. já conseguia me imaginar abaixando sua calça e abocanhando aquela coisa enorme e cabeçuda… Me disse que tinha 1,84, pesava 105 quilos, que trabalhava comprando e vendendo carros.. Depois de umas 20 imagens trocadas e muita sacanagem na conversa eu convidei pra uma brincadeira na WEBCAM:- Vamos CAM?- VAMOS!! – O safado estava só aguardando a deixa para abrir a Câmera. Pensei. Eu escrevi:- Espere um pouco que eu vou colocar uma calcinha e pegar meu consolo, quero imaginar que é você metendo no meu cu… Eu tinha um vibrador de uns 20 cm, grande mas parecia ser bem menor e mais fino que aquele caralho descomunal dele…No que ele disse:- Não demora que eu to quase gozando e quero que você assista meu pau dando leite… Eu já estava montada, mas queria me produzir um pouco mais para ele… Eu sentia que podia ser pra ele que eu daria meu rabinho pela primeira vez, o que eu ansiava há algum tempo. Será que meu cuzinho virgem estava guardado para aquela jeba enorme?? Seria como um sonho, mas não sabia se aguentaria ser descabaçada por um dote tão avantajado. Será que ele ia me rasgar as preguinhas e me fazer sofrer? eu estava morta de medo… Mas estava bastante disposta a tentar…Eu vestia uma meia 7/8 rendada preta, de cinta-liga preta e uma minúscula calcinha fio dental que se prendia com lacinhos nas laterais. Fui até a mala, coloquei uma calça jeans e uma camiseta por cima da lingerie, e fui até meu carro no estacionamento do hotel e peguei uma sacola onde estavam mais apetrechos e voltei ao quarto.Vesti uma peruca longa e loira, um espartilho preto com detalhes vermelhos e uma sandália meia-pata de salto 15 preta com o salto vermelho, com tiras que se enrolam no tornozelo. Coloquei também uma máscara de renda preta, fiz uma maquiagem leve conectei minha webcam no note, posicionando-a em cima de um armário voltada para a cama do hotel… testei a posição. Ela enquadrava minha bunda de 4, as costas até a nuca e a panturrilha até os pés – eu fazia questão de mostrar minhas sandálias…rs. Isso tudo demorou uns 15 minutos, imaginei se ele ainda estava lá… Chamei pelo SKYPE:- Vamos? – e ele:- Bora gostosa… e já mandou a solicitação de chamada com vídeo a qual eu atendi rapidamente…Apareceu no meu vídeo uma piroca preta gigantesca e dura com uma cabeçona enorme, roxa e melada… Com o áudio aberto eu falava com a voz afeminada:- Estou louca de tesão seu puto safado pauzudo, cavalo… Seu pau é enorme e eu quero chupar..- Que rabo vc tem!!! Que tesão… Quero foder essa bunda gigante… Ele ordenou que eu enfiasse o consolo na bunda, o que obedeci na hora, arrebitei o rabo e me arreganhei de 4, enfiei a cabeça do brinquedo na portinha do cuzinho empurrando até a base e tirando em seguida em movimentos contínuos, meu cu piscava cada vez que o consolo escapava, um tesão louco invadia meu corpo, eu estava inteira arrepiada quando ele segurou a rola na base e começou uma punheta compassada, deixando aquela chapeleta à mostra… Ele urrava de tesão enquanto eu rebolava, enfiava o vibrador no cu e dizia sacanagens entre um gemido e outro. Vi a cabeça do pau dele pulsando e logo em seguida ejaculando generosamente, ele gozou pra caralho, urrando de tesão. Quando terminou de ejacular desligou a cam. Escrevi:- UAU seu pauzudo safado, quanto leite…Silêncio… estava online mas não respondia… será q ele só queria uma gozada mesmo? – Que pena – pensei… Mas 10 minutos depois ele chamou:- Nossa, fazia tempo que eu não esporrava tanto… fui tomar banho. Te achei
gostosa demais… quero todo dia.. rs…- Adorei também, seu pau é uma delícia… queria chupar!!!… rs fiquei com água na boca…rsE ele: – Só chupar? não ficou com vontade de sentar nele??- Vontade eu fiquei mas não sei se aguento um pau desse tamanho!!!! Seu cavalo… rs… Mas com certeza eu gostaria de tentar…- Só dizer quando e onde que eu vou te foder… pode ficar tranquila que eu passo lubrificante e anestésico… rs- Vc quer mesmo? Inaugurar meu rabinho??- Sim eu quero, mas estamos longe – Senti sua decepção.- Passarei o fim de semana aí em Guarapuava… Chego na quinta e vou embora segunda ou terça… quem sabe não marcamos algo? Te garanto pelo menos que eu vou chupar essa pica grande de um jeito que vc nunca viu… Pauzudo gostoso.Eu estava realmente decidida a chupar aquela vara enorme e pelo menos tentar dar a bunda pra ele…- SÉRIO??? – Ele escreveu em CAPS LOCK.- Sim, mas tem que ser do meu jeito… tenho condições…- hummm…- Vamos marcar no motel, eu vou do meu jeito, e vc do seu… nos encontramos no quarto…- Tá… Só isso??- Calma grandão… Eu quero muito te dar a bunda, mas não sei se aguento seu pau enorme no meu cuzinho virgem… Se eu não aguentar você vai parar… Além do que não quero que vc me toque na frente… Quero ser tratada como uma mulher… – Eu disse com medo dele desistir…- Aguenta sim… Eu ponho devagar… Se vc aguentou esse consolo vc aguenta meu pau… rs… E não vou te tocar, só atrás…- ele parecia certo disso – O que mais???- Máscaras…- Humm????- Sim, máscaras pros dois, vou levar duas máscaras, uma pra mim e outra pra vc… Não podem ser tiradas em momento algum…- Sério? Mas tem que ficar a boca de fora, quero te chupar e ser chupado…- Sim, claro… Ele de pronto respondeu:- Ok, pode ser excitante…Meu coração batia forte… eu estava marcando um programa, uma foda e verdade.- hummmmm, eu topo… quando vai ser?- Sábado?- Sábado eu jogo bola, mas pode ser depois do futebol.. lá pelas 19:00.. ok?- Perfeito. Até lá vamos conversando para acertar os detalhes.- Isso é sério??? – ele parecia não acreditar.- Sim, muito sério pra mim..- To aqui de pau duro só pensando em foder esse seu rabo enorme… Me deixa ver de novo?Abri a Cam e ele falou:- Agora rebola essa bunda redonda que eu quero gozar de novo… sua puta safada.. Enfia esse consolo inteiro pra ir acostumando com um pau nesse seu cu virgem que eu quero te comer a noite toda de todas as formas que eu puder, até lá você vai lacear esse rabo pra eu poder te foder sem problema…Ele começou a socar outra punheta em frente a cam. Excitadíssima, arrebitei a bunda, passei mais um pouco de lubrificante no brinquedo e o enfiei no meu cuzinho quase que de uma vez… O prazer que senti foi indescritível, o consolo me penetrou até a base, e eu sentia o vibrador tremendo dentro da minha bunda… Senti meu cu piscando incontrolavelmente de tesão…- Aiii seu puto safado..uhnnnn. vai me fazer gozar pelo rabo!!!!… – Sábado eu vou enfiar meu cacete até o talo nessa bunda enorme!… Vou encher seu cuzinho de porra sua puta.!!..Ele continuou falando sacanagens e batendo punheta e eu respondendo entre um gemido e outro, e logo ele gozou de novo, aquele caralhão jorrando gozo era um convite ao prazer. Ele me dava a sensação de que daquela vez seria real, que perderia o cabaço do meu cu do jeito que eu sempre sonhei, com um macho grande e dotado cheio de tesão, pensando nisso gozei loucamente junto com ele…Desligamos a cam depois de nos despedirmos no chat e eu me sentia muito bem – sabia que ia dar pra ele!No outro dia, trabalhei sem ver a hora passar e de noite fiquei esperando no Skype, eram quase 10 horas quando ele me chamou:- Boa noite tesão… faltam 3 dias pra eu te enrabar… hoje não posso conversar nem brincar na cam, mas quero que você sente em cima daquele consolo pra continuar laceando esse cuzinho pra mim tá? – Tá bom seu safado… Vou mostrar minha bunda pra algum outro macho e enfiar o vibrador no rabinho pra fazer ele gozar tá?- Ok puta safada… Amanhã falamos..E fiz mesmo, estava montada e convidei alguns machos que estavam online pra uma conferência no skype, onde fiquei rebolando no consolo enquanto eles se fartavam na punheta… eu estava seguindo a risca a orientação do meu macho… se ele queria que eu laceasse o cuzinho, assim seria feito. Gozei com o vibrador enfiado na bunda e fui dormir.Na quinta trabalhei até bem tarde e quando consegui ligar o skype já passava da maia-noite, havia um recado dele:- Fiquei logado até 11:30 mas não pude mais esperar, amanhã tenho um compromisso muito cedo, entre amanha entre 8 e 10 da noite para combinarmos tudo para sábado… Tô de pau duro batendo uma punheta para as suas fotos gostosa.Nem me montei, mas bati uma punhetinha com o consolo socado no cuzinho, pra não perder a sequencia…fui dormir porque estava exausta…Na sexta eu havia chegado a Guarapuava, me instalado em um hotel no qual eu não me hospedava costumeiramente… Fui ao comércio de tarde e comprei lingeries novas: Um corset under preto com cadarço e vieses vermelhos, inteiro preto com detalhes em vermelho, uma calcinha fio dental pequena atrás e razoavelmente grande na frente vermelha de amarrar nas laterais, Uma cinta- liga vermelha com detalhes e ligas pretas, uma meia 7/8 arrastão vermelha, uma camisolinha preta de seda e renda… Fui a um sex shop da cidade e comprei uma máscara tipo capuz da mulher gato e uma outra estilo zorro, além de luvas vermelhas que iam até acima do cotovelo… Procurei uma casa de depilação onde inventei que faria uma cirurgia, por isso não podia ter pelos no corpo, e me depilei toda. A noite, por volta das 8:30 entrei no skype e o safado já estava online, me esperando…- E aí? tá tudo pronto pra amanhã? Safada.- por mim sim, e pra vc?- Eu tô pronto, só tenho que levar meu cacete… rs… – não esqueça dele! rs- Onde vai ser? – Não sei.. Você é da cidade, você sugere então… Além do que quem vai pagar o motel é o sr. kkkkkk- Claro, faço questão… Vou reservar uma suíte no Motel Luminni, fica na BR, é discreto e vc vai gostar…- Ok, mas preciso ir antes, pra me produzir… Demoro mais ou menos uma hora…- Vou deixar reservado a partir das 18:00 então tá bom?- Tá… Eu vou com o meu carro, entro na garagem, ok? vc deixa seu carro fora.- Vou de moto, aí dá pra deixar na garagem também.- Tá, eu vou fazer o seguinte: a hora que a recepcionista ligar dizendo que vc chegou, eu abro a garagem e deixo sua máscara na soleira da porta de entrada… Você a coloca antes de entrar no quarto, ok?- Rs… Ok..- Comprei roupas novas para amanhã… – Não vamos brincar hoje… quero guardar minha porra pra vc engolir amanhã.- Ai que delícia. Eu vou socar o consolo no meu cuzinho, que já está laceado… tá?- Isso mesmo… enfia o vibrador no seu rabo pra não perder o laceio… Amanhã vai levar rola…Acordei e era o dia marcado, tomei só suco no café da manhã no hotel e fui ao comércio comprar uma lente de contacto colorida, um litro de Jack Daniels, uns cremes e um perfume bem marcante… Nem almocei pois não queria estragar aquela foda deliciosa que se desenhava para logo mais… no meio da tarde saí do hotel já com todos os apetrechos em uma sacola e fui a uma cabeleireira que eu havia marcado de manhã, com a desculpa que teria uma festa a fantasia e eu iria vestido de mulher gato… Ela arrumou a peruca na minha cabeça, fez uma maquiagem bem forte, com muita sombra nos olhos, cílios postiços e colocou unhas postiças, fez meu pé e pintou as unhas todas de vermelho, saí de lá igualzinha a uma mulher. Entrei no carro, já eram quase 18 hr, me encaminhei ao motel combinado… Chegando lá guardei o carro na garagem do quarto, tirei minha roupa civil e deixei no banco de trás. Levei minha sacola prá dentro da suíte, tranquei o carro e comecei a me produzir… Abri a garrafa de Whisky e servi uma generosa dose. Usei um spray de maquiagem para as pernas na
região da bunda e nas pernas… deixei secar bem enquanto matava aquela primeira dose de álcool, servi outra, calcei a meia arrastão vermelha, coloquei o corset, deixando meus peitinhos gordinhos parecendo seios sustentados pelo bojo da peça. Vesti a calcinha, escondendo bem meu sexo com pedaços de micropore. Em seguida coloquei a cinta liga e travei as ligas na meia 7/8, por cima de tudo vesti a camisolinha. Subi nas minhas sandálias lindas e voilá… Modéstia a parte fiquei uma delícia… Uma putinha a espera de seu macho. Mais uma dose, já eram 7:30, eu estava excitadíssima, queria muito dar a bunda.Era quase 8 horas e nada dele aparecer… Eu já estava na 4a ou 5a dose de whisky e Já pensava que ele não iria, um pouco triste pelo trabalho e gasto emocional que aquele episódio havia gerado. 7:54 tocou o telefone, era a recepcionista…- Chegou seu acompanhante…- Ok, estou abrindo a garagem…Como eu tinha combinado com ele, deixei a mascara na soleira da porta do quarto, corri e abri a garagem, voltei, acendi uma luz mais intimista e calcei a sandália de salto e peguei o consolo como ele havia me pedido…  ainda deu tempo de arrumar a máscara olhando para o espelho lateral da cama, me sentia uma verdadeira puta. O whisky fez sua parte e eu não estava nervosa, estava louca para chupar e dar para aquele macho. Ouvi a moto entrando e sendo desligada, ele fechou a garagem e gritou lá de fora com uma voz um pouco arrastada: – Desculpe o atraso, eu estava comemorando com os amigos… – Vem logo… – Respondi, tentando afinar a voz, como havia feito pelo Skype.- Estou colocando a Máscara…Esperei ele entrar sentada em um sofá ao lado da porta, eu já estava altinha por causa do whisky. Ele entrou mascarado, com um shorts de futebol, sem camisa, de chinelo e foi logo dizendo:- Que tesão de puta gostosa!!!! Preciso de um banho prá te comer, mas levanta e dá uma voltinha pra eu te ver nessa roupa de biscate…Eu levantei e disse:- Depois você toma… quero te chupar agora!!!… já esperei demais…-Sua vadia deliciosa…Ele veio pro meu lado já tirando o shorts… Senti seu hálito de álcool quando ele veio beijar minha boca safadamente, enfiando a língua, mordiscando meu pescoço, com uma das mãos apertou meus peitinhos e com a outra mão puxava minha calcinha de lado pra ter acesso ao meu cuzinho, enquanto mordia e chupava meus mamilos, apertava a minha bunda, dava tapas e dizia que me queria de quatro… fiquei louca de tesão… ele estava cheirando suor mas mesmo assim agarrei seu cacete por cima da cueca, ainda não estava duro o suficiente. fiquei alisando aquele volume enorme, enquanto ele me lambia o pescoço, orelha, peitinho… Não aguentei de vontade, sem dizer nada, tirei sua vara meio mole pra fora, o fiz sentar no sofá e me debrucei sobre ele, olhando aquela jeba enorme, quase incrédula… fiquei de quatro no assento ao lado do sofá, enquanto ele se recostava, pegou o vibrador e passou lubrificante, eu tirei a sua cueca e o pau parecia ainda maior, comecei a punhetá-lo, ele foi socando o consolo no meu cú, eu já estava gemendo de tesão e o pau dele foi ficando mais duro e todo melado, quando ele ordenou:- Chupa puta… O que está esperando?- Você mandar… eu disse.Eu enfiei aquele cacete enorme na boca, comecei a lamber e chupar como dava, já estava com a boca bem aberta e não conseguia engolir tudo. Ele dizia sacanagens enfiando e tirando o vibrador da minha bunda… – hummmm…. mama meu cacete vagabunda…..Quando o pau dele finalmente ficou totalmente duro na minha boca, e era realmente de impressionar. devia ter uns 25cm, e a grossura de 15cm aproximadamente.- Viu que caralho enorme vc vai levar na bunda? tá duro né? vou te arrebentar o cu hoje safada…Eu segurava aquele mastro com uma das mãos em sua base, lambia o cacete por baixo, desde o saco até a cabeça, ele às vezes batia com a pica no meu rosto. Eu sugava, tentava colocar tudo na boca, e as vezes só ficava lambendo e babando na extensão inteira pra descansar a boca. O pau dele era mesmo muito grande, e doía a minha boca. Enquanto eu chupava, ele ficava cadenciando o ritmo da chupeta, e fazia o consolo entrar e sair do meu cu no mesmo ritmo.- Continua chupando meu pau enquanto eu te fodo com esse pinto de borracha. Quero deixar esse rabo laceado pra minha geba entrar…O cara foi ficando alucinado, me puxava pela nuca, me fodendo na boca e no cú… Ele urrava, eu gemia engasgada, babava naquele cacetão, e quando eu conseguia tirar da boca ele batia aquela cabeçona na minha bochecha, queixo e lábios. Eu delirava de tesão, o que me fazia chupar com mais gosto ainda, fazendo que ele enfiasse ainda mais o vibrador no meu rabo.Ele segurava o cacete deixando apenas a cabeça de fora pra que eu chupasse e lambesse a glande, me xingava de puta, vadia, safada e eu estava muito excitada, também falava sacanagens com a boca cheia com a sua pica, comecei a chupar mais vigorosamente ainda o pau dele apertando os lábios, babando e passando a minha língua macia num movimento de vai e vem alternando com lambidas gulosas.. Depois de uma meia hora chupando a rola e levando pinto de borracha no cú ele anunciou que ia gozar, fodendo minha boca cada vez mais rápido e urrando feito um animal até que senti aquele leite quente escorrendo pra dentro da minha boca. No reflexo, tentei cuspir sua porra que escorreu pelo canto da boca, lambuzando ainda mais minha cara, mas ele não permitiu e começou a punhetar virando a glande pros meus lábios. Abri a boca pra ele terminar de gozar dentro e senti então os jatos de porra batendo na minha língua, lábios, enchendo minha boca de gozo. Ele berrava de tesão e não parava de jorrar aquele leite grosso… Gozou prá caralho… – Engole toda a porra sua puta safada!!Engoli tudo até que ele tirou sua pica já amolecendo de dentro da minha boca. Eu não parava de chupar o pau meio mole, limpando-o. – Agora vou tomar uma ducha pra foder o teu cú… Se virou e foi prá ducha, me deixando lá de quatro com o vibrador socado inteirinho no rabo…Enquanto ele tomava banho, tirei aquele consolo da bunda… Meu cuzinho ardia, e estava todo melado de lubrificante, me limpei com uma toalha, arrumei minha máscara, retoquei o batom, espirrei mais perfume, mais uma dose de whisky. Ele saiu do banheiro com a toalha enrrolada na cintura, amarrando a máscara no rosto com um sorriso de tarado , chegou perto, me agarrando pela cintura e me beijando a boca, o pescoço e a nuca, ele me beijava com um tesão enorme, apertava minha bunda, chupava meus mamilos, me virou de costas pra ele e eu senti o pau ja meio duro de novo roçando minha bunda enquanto ele chupava meu pescoço e orelha e eu estava inteira arrepiada, ele sussurrou no meu ouvido entre um gemido e outro:- Fica de 4 na cama que eu quero lamber essa sua bunda linda…Eu delirava de tesão, andei rebolando até a cama, onde fiquei de quatro empinando a bunda o máximo que eu conseguia.- Que tesão de bunda gigante… Ele mal disse isso e já foi metendo a língua no meu rabo… Ele ia enfiando a língua no buraquinho e dando mordidinhas na minha bunda, puxando minha cinta-liga, socando um dedo no meu cú, depois dois, três, quatro…. isso foi me deixando cada vez mais doida de tesão. Ele esfregava a cara e o queixo e eu podia sentir a barba mal feita me espetando o que me deixava mais excitada ainda e me fazia gemer como uma cadela no cio. Ele chupou meu cu como quem chupa uma buceta… enfiava a cara na fenda da minha bunda e esfregava… Eu o queria dentro de mim, estava explodindo em êxtase e não podia esperar mais… Queria aquele macho arrombando meu cuzinho virgem com seu cacetão:- Fode minha bunda a-go-ra. Quero sua vara no meu cú já…. implorei.Ele parou de chupar, se levantou, desamarrou a toalha da cintura, segurou o pau que já estava muito duro e disse:- Eu estava esperando você pedir sua puta safada…Pegou o lubrificante e passou na portinha do meu rabo, que já estava todo arregaçado pelo consolo, pegou a ca
misinha e eu pedi que ele dispensasse pois queria sentir todo seu cacete pele na pele na minha primeira vez… ele jogou a camisinha fora, passou um pouco do gel na cabeça do pau e gritou:- Agora e abre esse cuzão que eu vou te foder de um jeito que vc não vai esquecer, piranha… Vou te arregaçar do jeito que você merece!- Então fode.. tira o cabaço do meu cu seu negão safado… Me come o rabinho que eu quero essa rola dentro de mim…Arrebitei a bunda, relaxei um pouco e ele posicionou aquela cabeçona na entrada do meu cú, me segurou pela cintura e começou a forçar, para meu espanto, a cabeça entrou sem bloqueio, sem dor… o prazer era indescritível, senti uma tontura louca, senti minhas pregas se abrindo, meu cuzinho tava sendo invadido e quando dei por mim percebi que ele já tinha empurrado quase metade da rola prá dentro da minha bunda… eu gemia de tesão e estava toda arrepiada, ele movimentava levemente aquela tora e me falava no ouvido: – Ta gostando putinha?- hum hum… Pauzudo safado, tá arregaçando meu cuzinho… Fode…- Relaxa que eu quero por tudo.. E geme que eu quero ouvir. Ele empurrava a rola prá dentro e eu gemia e tentava relaxar… não porque ele tava mandando, mas porque não tinha outro jeito, qualquer pequeno movimento daquela tora me arrancava gemidos, suspiros, quase me faltando o ar. Muito excitada, comecei a gemer e falar: – Me fode com esse pauzão enorme, fode. Ele se empolgou e forçava mais e mais, centímetro a centímetro, dizia que queria toda sua vara enterrada em meu rabo. Em um certo ponto então percebi que não era apenas ele que forçava sua pica para dentro do meu cu, mas eu também empurrava minha bunda contra aquele pau grande, senti o saco dele encostando em mim e percebi que finalmente eu estava com aquele caralho inteiro socado no meu rabo…- Não falei que vc aguentava tudo? Com um rabão desse tamanho… Agora rebola essa bunda tesuda… Vadia.Eu comecei a rebolar empurrando a minha bunda contra o pau dele, sem fazer vai-e-vem, prá me acostumar com tudo aquilo dentro de mim…- Seu pau tá me arrebentando, meu cu tá todo arregaçado… – Que cu delicioso de puta você tem… pisca ele pra mim vai… aperta esse rabo pra eu sentir ele ordenhando meu pau….quero sentir todas as suas pregas apertando meu cacete.Ouvindo isso comecei a contrair e relaxar o cu deixando ele com mais tesão ainda. Foi aí que ele começou a meter devagarinho, enfiando fundo e tirando quase tudo para em seguida enfiar até as bolas de novo. Ele batia na minha bunda com força e metia o pau no meu cu dizendo que estava adorando montar em mim como um cavalo cobre uma égua. A sensação das suas bolas batendo na minha bunda, ele me puxando pela cintura e enfiando com força o pau no meu rabo foi me deixando cada vez mais louca e fazendo eu rebolar cada vez mais empurrando meu traseiro contra aquela pica gostosa até que eu gozei pelo cu… gritando e gemendo e pedindo pra ele continuar me fodendo… Depois, sentindo que eu estava relaxada, começou a me comer mais com força, socando aquele pau duro no meu rabo todo melado de gel e tesão, segurava forte na minha anca, de vez em quando dava uns tapas na minha bunda e fodia… fodia e fodia. Não aguentando mais minhas pernas pedi pra ele tirar, para mudarmos de posição. Levei os dedos no meu rabinho e não acreditei o quanto estava arreganhado… Deitei de lado e ele veio por trás, já enfiando aquele pauzão de novo no meu cu… arrebitei bem a bunda, e ele novamente enterrou tudo, gemi, gritei e ele começou a socar, a bombar com violência, fazendo aquele pauzão entrar todo na minha bunda. Ele beijava meu pescoço enquanto fodia e dava os dedos pra eu chupar…- fode esse cu seu gostoso… me come com essa rola enorme…Ele parecia possuído, metia com força, segurava minha cintura, xingava de puta, vadia, cadela e eu adorava, pedia mais, já tinha gozado mas não me dava por satisfeita, implorava mais.- Vem meu macho gostoso….fode a bunda da tua putinha…machuca o meu cuzinho…hummmm que gostoso….aiiiiii….vem , vem tesão … mais …. ahhhhhhhummmmmm …. gostoso… deixa eu rebolar nessa pica…. ahhhhhhh.me levante e ele se recostou na cama… aquele pau não amolecia nunca? – Vem sentar na minha rola…A entrada do meu cu estava enorme…eu podia sentir e me sentia toda ardida e esfolada…. mesmo assim fui pra cima daquele cacete,  com ele recostado na cabeceira da cama comecei a sentar naquela picona. eu me apoiei nos seus ombros e fui fazendo o pau entrar, encaixei na fenda da minha bunda e fui escorregando sentando naquele pau duro. eu estava com o rabo cheio de gel, e mesmo assim tinha dificuldade de engolir tudo, gemia, sentia as lágrimas descendo pela minha face, mas ia sentando, sentindo aquele cacete enorme ir entrando inteiro; quando o pau entrou todo comecei a cavalgar, gritando, chorando, gemendo alto, ele chupava meus mamilos e beijava meu pescoço e mandava eu rebolar, e eu sentava rebolando até o talo no seu cacetão fazendo ele gemer de tesão. Ele segurava e apertava minha bunda enorme abrindo para que conseguisse enterrar ainda mais o pau no meu cu, depois de um tempo mandou eu me virar e sentar no seu pau com a bunda virada pra ele… Obedeci, ele apertava a minha bunda e urrava de tesão segurando os saltos da minha sandália… depois de uns 10 m comigo cavalgando ele disse:- vou gozar… vou encher seu cu de porra… Ahhhhhh ….cadela….hummmmm…gostoso…estou adorando meter nesse seu rabinho gostoso ahhhhhhhhhhh…..que tesão de rabo você tem … hummmmmmm….rebola vai puta….rebola a bunda pro seu macho vai…. ….huummmmmm…..gostoso…Foi aí que senti jatos quentes e frenéticos invadindo meu cuzinho arrombado enquanto ele apertava as bandas da minha bunda com força… eu tava com aquele mastro inteiro socado em meu traseiro, meu cu piscava em espasmos involuntários, aquilo era puro êxtase, mas depois de uns segundos ele disse:- Vou tirar meu pau agora cadela…contrai esse cu que eu não quero que você deixe escapar nem uma gotinha da minha porra. Quero assistir de camarote a porra saindo do teu cu e escorrendo pelas tuas pernas de puta!!!Devagarzinho ele foi tirando o pau e eu contraia o cu fazendo força para manter aquele leitinho quente dentro de mim. Era muito difícil e eu tinha que fazer muita força porque o meu cu estava totalmente arrombado e arregaçado. Com muito esforço consegui manter a porra dentro de mim até que ele se arrumou na cama e eu fiquei de quatro, com a bunda arrebitada… ele tinha uma visão privilegiada do meu rabinho arregaçado pela sua pica gigante.– Solta agora putinha…deixa minha porra sair do seu rabo que eu quero ver….Eu, que já não me aguentava mais, relaxei e soltei a porra sentindo aquele líquido quente escorrendo pelas minhas pernas me sentindo mais vadia do que nunca e muito realizada.Depois de uns minutos ele se levantou e foi pra ducha, eu fiquei ali, com a bunda pra cima, toda gozada… ele saiu da ducha:- Agora infelizmente eu tenho que ir, mas amanhã eu volto pra te foder mais… Ele vestiu o calção, agradeceu a foda e foi embora ainda mascarado, dizendo que estava atrasado, mas que voltaria prá me foder mais…Foi assim que eu perdi o cabaço pra um macho dotado e tarado.No próximo conto eu relato como foi minha segunda experiência com esse mesmo macho e um amigo dele do futebol…                                                                

Em Paraty

Olá ,fazia tempo que não relatava o que faço mas vamos lá.Para quem não me conhece vou me descrever: Tenho 45 anos, sou branquinha, cdzinha,1.69 de altura, seios pequenos, 103cm de bumbum e coxas grossas. Nasci em Minas Gerais quase Bahia mas vivo em São Paulo desde sempre. Sou cabeleireira e adoro sexo. Minha marca registrada é o uso de meinhas soquetes (uso com tudo diariamente, sapatilha, tamanco, sandália e claro tênis).Tirei uns dias para descansar e fui para cidade litorânea de Paraty. Hospedei-me numa pousada onde pude ser eu mesma porque de boa e sem restrições aceitam Ggbts.Num dia a tarde, estava assim vestida: tênis tipo alll star vermelho bem surradinho e confortável, meinha soquete rosa, fio dental rosinha, bermudinha tipo academia branca e camiseta branca/rosa e amarela e bonezinho vermelho.Como tenho um bumbum digamos avantajado e redondinho chamava atenção mas vamos lá. Estava passeando e tirando fotos quando percebi um homem, alto aparentando mais de 50 anos, negro tipo indo onde eu ia e percebi também que ele tirou fotos de mim. Quando entrei na Rua do Fogo que é curtinha, mas cheia de arvores e flores e se achegou a mim, Se apresentou como Tsaya e disse que era Togo – África e ficou doido para me conhecer melhor ,fomos para um restaurante e lá ele falou que gostaria de me oferecer um jantar a noite no trailer dele que estava na praia do Jabaquara. Como ele sentou bem do meu lado antes de comermos ele pôs a mão na minha coxa indo em direção ao meu bumbum e disse que adoraria me fazer “mulher”. Combinamos as 9 da noite ele me pegaria na pousada que fica a uns 3 km de onde ele estava.Ao sair do restaurante ele me deu beijo no rosto e um tapinha na bunda, me fazendo rir.Voltei para a pousada mais animada e sempre percebendo olhares para mim.Descansei um pouco e por volta das 7 da noite acordei, tomei um gostoso e relaxante banho, fiz enema para ficar limpinha e assim me vesti: Melissinha vermelhinha, meinha soquete branquinha, fio dental vermelhinho, um mini vestido que tenho que é um escândalo preto transparente. Me perfumei e aguardei a chegada dele.Umas 8h30 da noite ele chegou, ao sair o recepcionista que já me olhava sempre pirou dei um tchauzinho e fui pro carro. Nem entrei e ele após elogiar minhas pernas abriu as e com sua mão forte e grande encostou no meu anus , que já estava quente.Uns 10 minutos depois chegamos no seu trailer que estava num local escuro e bem distante de tudo. Desci , ele abriu a porta e entramos, sem antes levar outro tapa na minha bunda.Ele disse para aguardar pois iria se trocar. Gente não é que aquele deus negro veio nu e fiquei ate com medo do tamanho do pau dele, mas já que estava ali fui em frente.Me agachei e comecei passar minha língua quentinha dede suas canelas ate abocanhar aquele cacete que brilhava e é cheio de veias. Ele me levantou e fomos para uma cama. Lá pediu para só tirar o mini vestido. Tirei e disse que pirava com uma linguinha no cuzinho e ele disse: não precisava pedir que ele adorava chupar um cu. Fiquei com bumbum pra cima e ele quase me estuprou com sua língua me fazendo gritar.Ai ele pediu pra continuar com bumbum pra cima. Uma mistura de tesão e medo tomou conta de mim.Ele ai passou um creme no seu cacete e começou a me penetrar me fazendo sentir aberta a cada centímetro daquele membro. Após estar com ele praticamente todo dentro foi me fazendo deitar ate quando senti seu enorme corpo quente sobre minhas costas e aquele pau me deixando totalmente aberta. Ele foi no vai vem gostoso ate que senti ficar inundada pela sua porra fervendo.Ele tirou de dentro e senti escorrer bem gostoso.Ele levantou e disse que iria arrumar algo para jantar.Eu ai me recompus e fui para saleta onde ele havia feito um lanche delicioso para nós, bebemos e ai ele contou um pouco da vida dele e eu da minha.Após isso e depois de uma garrafa e meia de vinho ele me comeu de novo agora de pé no seu colo.Estava totalmente aberta e por volta de 2 da manhã ele me levou para pousada.Dei um beijo nele e após ele sair entrei na pousada, o recepcionista, doido como ele so me chamou e ao chegar no balcão ele estava com seu pau de fora pedindo para me comer. Não resistindo fomos para um quartinho cheio de tranqueira e lá ele colocou camisinha e me comeu, tampando minha boca para eu não gritar. Ele gozou e fui para meu quarto, alegre como nunca, arrombada e feliz.

Micaela

Como vai relatei antes. Adoro cd e tenho uma chamada Carla Araujo que foi quen tirou meu cabaço anal.Bom estava trabalhando no aplicativo, quando pego uma entrega de corrida. Chegando ao endereço, entro no prédio e sigo direto ao apt. Abre a porta uma loirinha com uma camisolinha transparente e percebi de cara que se tratava de uma cd.- Boa noite gata. Aqui está seu pedido. Ela disse .- Gata não Micaela.Estendeu a mão e me deu dois beijoa no rosto. Segurei sua mão, olhei em seus olhos e tasquei um beijo na boca. Micaela me puxou para dentro, fechou a porta. Veio mw beijando e tirando meu pau para fora.Ajoelhou e mamaou até eu gozar em sua boca. A safada se levantou, abriu a caixa de lanche e deixou todo meu leite cair sobre a comida. Me olhou e disse.- Atras de vc é o benheiro. Enquanto eu como. Se lava e volta pra me comer.Ao voltar vejo uma cena linda.Uma loirinha linda, alisando um pau retinho, pequeno e com uma cabeça de um vermelho lindo.Ela me olha e pergunta.-Gostou? Respondo que sim, apenas balançando a cabeça. -Se me comer direitinho, será toda tua. Disse Micaela. Metemos em várias posições e em todos os lugares daquela sala.Gozei a primeira vez e a safada. Começou a morder meu pau com o cu e a quicar nele e só parou quando gozei pela segunda vez.Tirou meu pau do seu e sentou com ele na minha cara e disse.- Abre a boca, mas não bebe. Me devolve. Disse isso despejando todo o meu leite, que estava dentro do seu cu em minha boca. Se virou, começou a me beijar e pegar todo o leite de minha boca. Sinto ela passando algo gelado e melado em meu cu. Continua a me beijar e sinto a cabeça de seu pau invadir meu cu. Me beijava dividindo toda a porra que antes estava em seu cu comigo e bomba sua rola bo fundo do meu cu. Em um instante meu pau fica duro que nem.pedra e gozo em nossas barrigas e peitos. Micaela bomba mais fundo e mais rápido. Hurra muito alto e goza muito em meu cu.Acabamos adormecendo e de manhã acordo com um beijo molhado e uma linda mesa de café. Nafa melhor que comer uma cd e ser comido por ela.Acho que estou apaixonado.Ela foi trabalhar e ainda estou em sua cama a esperar

Minha História de Cdzinha

Olá pessoal, o meu nome é Lorena. Este é o meu primeiro conto, e irei narrar pra vocês como decidi virar Cdzinha. Tentarei não contar muito detalhadamente, pra não estender demais o conto.Espero que gostem!!!Tudo começou na pré-adolescência. Um colega da escola ia lá pra casa ver revistas pornô e batíamos punheta juntos. Não demorou pra ele pedir pra eu pegar no seu pau, e em troca, ele pegaria no meu. Começamos assim, e logo ele me pediu pra colocar na boca. No início fiquei com nojo, mas o objetivo era fazer ele me chupar, então fui lá e coloquei o pau dele na boca. Fizemos isso durante alguns anos. Às vezes brincávamos de roçar no cuzinho do outro (sem penetração, afinal, não éramos viados! Rsrs). Com o tempo, comecei a desejar que ele gozasse na minha boca. Mas não poderia pedir isto sem parecer que gostava, então eu propus que ele deixasse eu meter a cabecinha no cu dele, e em troca ele gozaria na minha boca. Não rolou.Os anos passaram e fui morar em outra cidade, o meu desejo por mulheres cada dia aumentava. Entretanto, a curiosidade por chupar uma pica e levar gozada na boquinha continuava nos meus pensamentos e rendia algumas punhetas. Sempre gostei mais de mulheres. Jamais pensei em beijar um homem, ou algo do tipo. Mas a curiosidade era em relação à uma pica dura na minha boca, ou roçando no meu cuzinho.Quando fiquei adulto, me tornei um cara macho, dominador. Adorava pegar as meninas de quatro, e dar tapas na bunda chamando de vadias e etc…Um belo dia, após uma bebedeira, peguei um travesti e levei pra um motel. O meu objetivo era ser ativo, e comer um cuzinho fácil, já que as mulheres ficavam de frescura. Mas ao chegar lá, ela começou a me lamber, chupar meu pau, passar a língua no meu saco, até que chegou ao meu cuzinho.Que sensação gostosa!!!Me abri todo pra ela, que começou a enfiar o dedo no meu cu enquanto me punhetava.Quando eu já estava perto de gozar, ela parou, e ja veio colocando o pau na minha boca (deve ter percebido que eu estava dominado). Cheguei a engasgar algumas vezes, mas ela não tinha dó. Metia na minha boca segurando os meus cabelos, e me xingando de viadinho, putinha e safada. Lembro bem de uma frase que me deixou excitado. Ela dizia:- Isso putinha, viadinho enrustido. Veio pegar travesti porque queria uma pica né? Chupa que hoje eu tiro esse cabacinho!Me sentia humilhado, e ao mesmo tempo excitado.Até que ela puxou meu cabelo novamente, encostou a pica nos meus lábios, e começou a gozar na minha boca. Levei um susto, e não engoli. Fiquei todo melecado. O meu tesão estava a mil!Comecei então a beijá-la e passar a mão, mas ela disse que o tempo tinha acabado, e que teria que pagar mais. Falei que não tinha gozado, e que não pagaria. Recebi um tapa na cara, e ela disse que se eu não pagasse, iria fazer um barraco ali no quarto.Com medo da exposição, cedi e paguei o combinado.Saí de lá puto da vida e xingando muito.Cheguei em casa cheio de dúvidas, me sentindo mal por ter deixado um travesti me fazer de putinha. Afinal, eu era homem porra, macho!Mas aquela gozada não saía da minha cabeça. E em pouco tempo comecei a bater punheta lembrando da cena, e me imaginando passivo dando a bunda.Aquele travesti desencadeou sentimentos de dúvida nos meus conceitos de macho dominador.Tentei esquecer tudo aquilo, e seguir a minha vida normalmente. Comecei a namorar, foder bastante e o tempo foi passando.Anos depois, já estava solteiro novamente, e fui convidado pra sair em um bloco de carnaval vestido de menina. Achei que seria engraçado, já que todos os meus amigos também estariam vestidos do mesmo jeito.Estava sozinho em casa quando me arrumei. Um vestidinho, cinta-liga, calcinha preta enfiada, peruca loira. Passei um batom vermelho, coloquei uma bota de cano alto e estava pronta. Quando me olhei no espelho, não acreditei. Estava igualzinha a uma mulher! Fiquei logo de pau duro, e bati uma punheta ali mesmo, no quarto.No meio da festa de carnaval, muita cerveja e ice, um carinha passou a mão na minha bunda. Era um moreno claro, pele latina, com o corpo razoavelmente em forma. Fingi repreendê-lo, mas sorri e levei na brincadeira. Afinal, toda hora alguém (homem ou mulher) mexia nos meus cabelos, ou apertava o meu bumbum.Após algum tempo bebendo, resolvi ir pra casa. E quando já estava indo pegar um taxi, o carinha que havia passado a mão em mim me chamou. Falou que eu tinha uma bundinha linda, e que ele queria dar uma conferida.Eu disse que era hétero, e que aquilo era só brincadeira. Mas ele foi insistente. Disse que ninguém saberia, e que eu também poderia ser ativo na brincadeira. Fiquei meio ideciso, preocupado de alguém me ver, e ele percebendo isso, me puxou pela cintura e me deu um beijo molhado. O safado já foi metendo a mão aberta na minha bunda e puxando pra cima, apertando com força.Novamente eu estava entregue. Passei a mão na sua pica por cima da calça e as lembranças vieram à tona.Liguei o foda-se e resolvemos ir pra um motel. O taxista nos olhava com um sorriso sarcástico que me deixou envergonhada e excitada. Afinal, eu estava vestido feito uma putinha, indo pra um motel pela primeira vez com um macho.Ao chegarmos, o rapaz, que já estava com a pica muito dura, foi logo me agarrando por trás. Senti todo aquele volume na bundinha e nem pensava mais em ser ativo. Baixei a bermuda dele com cueca e tudo, e coloquei aquele mastro na boca. Devia ter uns 17cm, e era grosso, mal fechava a mão ao redor.Após chupar bastante, veio o momento decisivo. Fiquei de quatro, e ele começou a passar lubrificante na pica e no meu cuzinho! Senti um arrepio quando ele encostou a cabeça, estava eufórica. Começou a forçar e, quando a cabeça passou, a dor veio junto, fui pra a frente pedindo pra parar, mas ele jogou o corpo em cima de mim entrando de uma vez só! Vi estrelas, comecei a espernear, com lagrimas nos olhos, e num impulso, consegui me virar na cama e tirei ele de cima de mim. O cara ficou rindo, dizendo que eu irira acostumar, que era assim mesmo.Me senti humilhado, dolorido, falei que queria ir pra casa, pedi a conta, paguei e chamei um taxi na rua mesmo.Me senti mal por dias, me achava um otario, me perguntando se eu era um viado. Sem contar o medo de algum dos meus amigos ter me visto saindo da festa com aquele babaca. Fiquei meio paranóico por algum tempo. Depois relaxei. Comecei a viver a minha vida.Passado algum tempo, fiz um perfil (naogozonunca), mostrando a minha pica, esperando comer alguma mulher casada. Me excitava com contos eróticos de cornos e putinhas. Eu já estava com uma nova namorada, e o sexo ia muito bem.Até que me deparei com fotos de uma cdzinha. O pau subiu na hora e gozei vendo aquelas fotos.No dia seguinte, peguei a roupinha daquele carnaval, e mudei o meu perfil. Tirei várias fotos e comecei a postar de calcinha, cinta-liga, peruca. Queria ver o que os homens falariam da minha bunda. Só por curiosidade.Quando começaram a chegar as mensagens, era uma punheta atrás da outra. Me excitava muito lendo os comentários. Me sentia uma fêmea desejada.Fiz também perfil no D4Swing (cdzinhavirgemssa), e no SuaveSwing (este eu cancelei!!!). Tinha vontade de encontrar um senhor, de uns 60 anos ou mais, que eu saberia ser mais paciente, pra perder o cabaço da bundinha de verdade, ser comido (ou melhor, comida!!!), até o cara gozar na minha bunda (de camisinha, logicamente!).Entretanto, trabalhando, estudando, e com uma namorada que está sempre comigo, ficou mais difícil tirar novas fotos, ou mesmo avaliar um possível comedor. Só sei que um dia acontecerá. E também sei que o meu desejo por mulheres nada diminuiu. Pois ainda me excito muito ao ver uma bela gostosa na rua. É só a curiosidade de ser dominada e currada como fêmea, pra entender porque isto me causa tanto tesão.

Meu marido pede pra eu dar pra outro. Dou?

olá, sou morena, 1,68, 60 quilos, peitos grandes, bunda redondinha e bem gostosa, pelo menos onde passo chamo muito a atenção e meu marido diz que é verdade. Adoro trepar, sexo voraz, com força, rápido, metida fundo, sentir uma rola me fudendo gostoso, de 4 ou papai e mamãe, e meu marido faz muito bem isso e me enlouquece.Adoro um sexo oral, ele me faz gozar igual uma louca, quase desmaio de tanto tesão, adoro sentir a língua quente dele no meu grelo e aqueles dedos me comendo, minha bucetona e me cuzinho. Gozo e gozo muito.Ele adora me fuder, me come bem há anos, mas agora me diz que queria ver outro me comendo, se eu ia gozar do mesmo jeito. Estamos casados há 20 anos e confesso que já aprontei umas, mas sem ele saber, mas agora ele me induz. Quando trepamos, ele quer que eu faleu que quero dar pra outro, o pau dele fico parecendo ferro de tão duro e ele me fode como uma vadia. Gozo muito e depois desmaio de tanto prazer, fico mole, sem forças, ele me fode muito gostoso.Agora eu fico pensando: será que eu realizo o sonho dele e dou pra outro? Será que vou gozar do mesmo jeito? Ando com muito tesão e fodendo muito gostoso, ele tá enlouquecendo e me enlouquecendo também.Não sei o que fazer…

2 na festa funk

Oie.Primeiro irei me descrever para aqueles que ainda não me conhecem.Sou Cdzinha passiva, tenho 45 anos, sou branquinha,1.69 de altura, seios pequenos, 104 cm de bumbum e coxas grossas. Minha marca registrada é o uso de meinhas soquete (uso diariamente com tudo, sandália, tamanquinho e claro tênis.)Trabalho como cabeleireira num salão aqui em São Paulo.Meu Hobby é um: Sexo. E adoro aventuras.Fim de semana prolongado, cidade meio vazia. A dona do Salão resolveu dar folga e emendar uma segunda-feira com feriado na terça.Muito quente e calor e gente eu fico como se tivesse “febre anal” meu cuzinho fica fervendo.Na segunda-feira acordei fiz as coisas que precisava fazer em casa e a tarde estava livre.Entrei em uma sala de bate-papo e conversa vai conversa vem e só papo furado, quando estava prestes a sair entrou o nick “2LKSFK”.Não entendi nada mas resolvi aceitar o papo.Eram dois caras que estavam organizando uma festa funk numa chácara perto de Guarulhos, cidade vizinha a São Paulo.Estavam atrás de cdzinhas, travestis, gays e homens para uma festa “diferentona” como eles disseram.Conversamos por mais de duas horas. Eles disseram que meu perfil foi encontrado no face assim como de outros.Seus nomes: Washington e Jefferson.Ai passou o endereço e pediram pra chegar após 11 da noite.Fui descansar mega excitada. Por volta de 7 da noite acordei tomei um banho, fiz enema e assim me vesti: Boddy collant preto fio dental, micro shorts de malha branco mega justinho,bonezinho branco,meinha soquete branquinha e rosa e sandalinha rosa.Tomei um lanchinho e por volta de 10.30 da noite sai. Cheguei no local eram quase 11.30. Uma estrada de terra levava a chácara que não tinha nada do lado. Dava pra ver as luzes e escutar o som batidão.Parei o carro no portão. Havia dois caras que pediam a senha que eles me passaram. Entrei ,estacionei e já havia mais de 20 pessoas lá.Ao sair do carro já tomei um monte de fiu-fiu… Ai rebolei mais ainda.Chegando no local da entrada de uma sala me explicaram as pulseirinhas: Branca : Só pegação, Amarela: Bissexual, Verde Ativo e vermelha passiva. Coloquei claro a vermelha.Foi ai que conheci os dois: Washington: negro,1,93 e Jefferson, mulato 1.80.Me ofereceram uma bebidinha e fomos para um canto atrás de umas arvores, sem mais colocaram os lindos cacetes pra fora pra eu chupa. Enquanto chupei do Washington o Jefferson abaixou meu minúsculo shortinho e começou a enfiar sua língua no meu cuzinho e dava palmadas. Pirei, o leke sabia como me deixar louca ele enfia e tirava a língua parecendo um pênis enquanto o outro me fez até engasgar.Ai fomos para a Kombi de um deles e ai levei um pau gostoso e tapas na bunda que já estava ardendo.Após gozar veio o outro e a mesma coisa.Passamos a noite inteira nessa delicia.Como é gostoso ser vadia.

Minha Quarta vez usando macacão cirré preto brilhante

Pra quem não me conhece, sou Carlos (nome imaginário) e esse é meu 4º conto. Indico que leiam meus 3 anteriores para que possa fazer mais sentido este conto.Durante algum tempo, esperava uma viagem de meus pais pra que eu pudesse comprar algumas coisinhas pela internet. Uma das coisas que eu comprei foi um macacão em Cirré, preto brilhante, conhecido como “Fantasia Bandida”. É um macacão composto por um par de leggings pretas brilhantes, uma espécie de maiô para cima e prende atrás do pescoço, em peça única. Os seios ficam decotados e tanto o bumbum e o pinto ficam a mostra. Na parte de trás, o macacão tem um desenho lindo onde tapa apenas metade do bumbum. Muito sexy! Para evitar guardar em casa, eu carregava na minha mochila do trabalho em um compartimento secreto, onde ninguém acharia. Também guardava camisinhas, KY, um billet vibro e tudo mais relacionado a sexo. Quando tinha vontade, vestia ele no banheiro, me masturbava e quando queria poderia colocar algo no bumbum pois havia abertura na frente e atrás e poderia masturbar o anus e o pau sem tirar o macacão (comprei justamente por isso).Estava trabalhando a 5 anos em uma empresa quando meu chefe pediu pra eu e um colega (vamos chama-lo de Marcelo) ir pra 500km de distancia da empresa pra visitar um cliente. Um dia antes, preparei uma mala (verde grande) com as roupas de usar no hotel ou em um passeio e outra (preta pequena) com coisas pra visita (notebook, caderno, cartões de visita, etc). Combinamos que numa quinta feira muito cedo ele viria até a minha casa me visitar e, então, iriamos até a cidade da visita. As 5 da manhã ele passou em minha casa e fomos de carro da empresa até a cidade de destino. Fomos conversando sobre muita coisa, ele é casado e eu solteiro. Chegamos lá era umas 18h, estávamos bem cansados. Só queríamos um bom banho e dormir. A visita seria no outro dia as 08:00 e como viajamos muito e teríamos que acordar cedo precisaríamos dormir também cedo. Chegamos no hotel, deixei as malas no quarto e perguntei ao Marcelo se ele queria tomar banho 1º. Então ele disse que eu poderia tomar antes. Fui ao banheiro e então, no meio do banho, Marcelo me perguntou se eu tinha algo pra comer, pois não havíamos jantado ainda. Disse que no bolso da mochila verde tinha uma barra de cereal, que poderia pegar. Depois de uns dois minutos ele disse que tinha achado. Terminei meu banho e então Marcelo foi para o chuveiro. Notei que ele estava estranho, achei que tinha brigado com a esposa ou que ela estivesse com ciúme dele estar tão longe (ele havia casado a 6 meses). Enxuguei-me e vesti apenas uma bermuda enquanto o Marcelo estava no banho. Demorou bastante enquanto fiquei trocando de canais na tv, já deitado. Então ele saiu do banheiro só de cueca. Marcelo não tinha um corpo escultural, apenas era um corpo bacana. Então ele sentou na cama, ficou olhando para o celular e eu perguntei se estava bem. Marcelo colocou o celular em cima da cama, me olhou bem sério e pediu pra desligar a tv. Desliguei com medo e curioso, perguntei o que havia acontecido. Então ele “Olha Carlos, eu abri a mala preta ao invés da verde e vi um negócio muito estranho”. Na hora eu gelei e lembrei que tinha esquecido de tirar da mochila meus brinquedinhos. Eu tentei manter a calma e disse que não era nada, lá só tinha coisas da apresentação (me referindo a parte da frente da mochila). Ele disse que tinha aberto a parte de trás para procurar a barrinha. Eu tentei manter a calma e disse que eu usava aquilo tudo com uma menina que tinha conhecido num aplicativo de encontrar pessoas no celular. Então ele me perguntou mais umas coisas como por que eu guardava e não ela, o que ela fazia da vida, quantas vezes tinha comido ela, até que comecei a me atrapalhar nas respostas, gaguejar e fiquei vermelho. Então ele disse que era pra eu vestir senão ele iria contar pra todos da empresa. Aquilo parou meu coração, mas estava louco de tesão pra fazer aquilo. Disse que era homem e que não faria, mas ele disse que tinha fotos do macacão no celular dele e me mostrou. Eu tremi e implorei pra apagar, mas não. Ele disse que só apagaria se me visse com aquela roupa. Meu pau ficou duro na hora! Eu estava louco por dentro mas não podia parecer. Fiz ele prometer que apagaria se eu vestisse e ele disse que sim. Peguei a mochila e fui pro banheiro. Me tranquei e tirei o macacão da mochila. Pensei “o que estou fazendo?” então me lembrei da minha reputação no trabalho e coloquei. Aquele macacão entrou justíssimo nas minhas pernas, subi ele e prendi no pescoço. Ajeitei bem os peitos e me olhei no espelho. Não sabia o que fazer! Estava totalmente entregue ao tesão mas morrendo de medo. Meu pau estava duríssimo e não abaixava! Então respirei fundo e saí. Ele me olhou e arregalou os olhos. Pra quem não sabe, eu malho 6x na semana e tenho um baita corpo (coxa grande, peito grande, bumbum duro e redondo, que ganha elogio de mulher). Ele me disse que eu estava linda! Disse que pelo meu pau estar durou deveria estar com muito tesão de estar naqueles trajes. Então ele apagou as fotos do celular. Fiquei quieto de cabeça baixa, quando a vontade maior era de voar nele e chupa-lo. Então ele pediu pra eu virar de costas. Virei e ele ficou em silencio por uns 30 segundos. Achei até que estava tirando foto, quando ele pediu pra eu desvirar. Quando desvirei ele estava com o pau pra fora da cueca e tocando uma, bem devagar. O pau era bonito, cabeça grande e pau não muito comprido, mas meio grosso. Então ele pediu pra virar novamente de costas pra ele. Ouvi que ele estava se masturbando, elogiando o desenho da minha bunda, que as minhas coxas eram lindas, que o macacão de cirré preto brilhante ressaltava o desenho do meu bumbum. Isso foi me dando tesão e ele pediu pra eu desvirar. Nossos paus estavam explodindo de tanto tesão. Ele disse então pra eu ir até ele tipo um cachorrinho. Eu disse que não, mas ele me convenceu dizendo que eu estava com tesão senão não estaria de pau duro. Tremendo fiquei de joelhos, coloquei as mãos no chão e fui de 4 até ele. Ele ficou bem na pontinha da cama, pés no chão, afastou bem as pernas e eu cheguei perto da rola dele. Quando olhei pra ele, ele estava com uma cara de safado me olhando e olhando pra minha bunda (eu estava de 4 no chão). De repente fiquei de pé e disse a ele “Se for pra fazer, quero fazer bem feito”. Então voltei pro banheiro, passei um batom que estava na minha mochila e voltei. Ele não acreditava pois não tinha visto o batom na mochila. Ele ficou perplexo apoiado nos cotovelos me olhando, eu me ajoelhei abaixei sua cueca e comecei uma suave punheta pra ele. O pau dele não precisava disso, pois estava rígido como aço e grande, mas eu fiz questão. Ele nem respirava direito, então eu abri o pau dele e abocanhei o máximo que pude. Ele soltou um gemido muito alto quando subi da chupada lambendo o freio dele. Então comecei a subir e a descer, com os lábios vermelhos brilhantes e ele delirava. Segurou minha cabeça e tentou forçar pra entrar tudo, mas eu pedi pra parar senão me engasgaria. Sorte que ele me obedeceu, senão teria que prender as mãos dele. Comecei a babar bastante naquele pau, sentia gosto de batom e sabonete na boca. Lambia bem o freio dele, ele pirava. Pedi então pra fazer um 69 com ele. Na hora ele relutou, dizendo que não chuparia meu pau, mas convenci que o que eu queria era que ele lambesse meu bumbum. Ele topou. Deitou na cama de pau pra cima. Entao, fui na minha mochila e peguei o KY e entreguei pra ele e pedi pra ele me lubrificar. Ele ficou abismado pois não tinha visto o KY também! Deitei em cima dele e abocanhei aquele pau num 69 lindo. Tentei por o pau perto da boca dele pra ver se ele era gay, mas ele relutou e colocou pra baixo meu corpo e alcançou com sua língua meu cu. Fiquei louco com aquilo, retribuía cada linguada com uma generosa chupada no seu pau. Logo senti algo gelado e um dedo dele enfiando KY no meu bumbum. Estava com o pau dele na boca, então gemia pelo nariz. Ele entendeu o recado e colocou KY em 2
dedos e colocou os dois. Entrou com facilidade, pois não era mais virgem. Pedi pra ele ir devagar, fingindo que era virgem (mas não era). Então ele colocou os dois dedos com cuidado até o fim e ficou mexendo os dedos rapidamente dentro do meu cu. Aquilo me dava tesão e meu pau parecia que ia explodir de gozo no peito dele. Eu descontava o tesão que ele me dava chupando e babando muito no pau dele. Ele gemia alto. Então ele pediu pra colocar 3 e eu autorizei. Entrou com um pouco de dificuldade mas entrou. Nessa hora eu dei um berro de tesão e gemi forte. Ele colocou os três até o talo e passou mais ky e recolocou. Nessa hora, eu tinha uma camisinha presa na parte de dentro do meu macacão próxima ao peito, onde tirei a camisinha e vesti nele. Ele ficou um pouco surpreso quando comecei a vestir a camisinha nele, pois não estava enxergando o que eu estava fazendo. Ele elogiou minha atitude e disse que eu estava merecendo levar no bumbum. Pedi o KY a ele e Marcelo me alcançou. Então enchi seu pau de KY (e nós ainda no 69). Depois de passar KY, disse pra me comer. Fui pra minha cama e deitei de bruços. Ele sorriu, elogiou meu bumbum redondo e fui pra cima de mim. Pedi pra ele ter cuidado, que cu não é igual buceta. Meu pau estava durasso! Então ele encostou na portinha e começou a jogar o peso pra cima de mim. Quando passou a cabeça, pedi pra parar um pouco, dizendo que estava doendo muito (na verdade não estava muito, mas falei pra ver se ele iria respeitar). Ele parou, me beijou a nuca, esperou um pouco, elogiou meu bumbum e continuou. Como fazia uns meses ou anos que não dava, doeu essa hora e meu pau ficou mole. Pedi pra parar quando chegasse no fundo do meu bumbum pois precisava me acostumar. Ele foi descendo, descendo e não parava de entrar aquilo! Quando senti seu saco no meu, ele deitou em cima de mim, soltando todo o peso. Estava doendo nessa hora e meu pau bem mole. Pedi pra ele esperar um pouco aí parado. Então eu lembrei uma cena de um filme, onde um cara come o outro de bruços e o de baixo (o que leva na bunda) está com o pau apontado pra “baixo”, ou seja, com o pau apontado pro pé. No vídeo, o de baixo leva vara no bumbum e o pau dele não pode subir pois faz força na cama e isso dá tesão (já fiquei assim vendo vídeos e gozei uma vez). Então empinei pra Marcelo, ele perguntou o que eu estava fazendo. Eu disse que meu pau estava mole e estava, com a mão, apontando ele pra baixo, porque dava muito tesão e queria que ele me comesse até eu gozar. Ele então me perguntou como seria possível sendo que eu não estaria me masturbando e com o pau mole, só respondi que através do tesão pelo bumbum era possível gozar assim. Isso deixou o Marcelo louco, que depois de saber disso começou a fazer o vai e vem. Pedi pra ele jurar que não deixaria eu sair dali até que eu tivesse gozado, ele disse que iria me ajudar. Começou a tirar e colocar, a dor dava lugar ao tesão. Começava a suar naquele macacão, ele me elogiava como meu cu era tão bom. Segurava forte meus ombros, passava sua barba na minha nuca, gemíamos muito. Eu lembrava do vídeo, que estava acontecendo a mesma coisa ali comigo. Aquele pau deslizava com facilidade até o fundo do meu cuzinho. Até que deu uns 15 minutos e começou a ficar ruim assim, então pedi pra trocar de posição. Ele disse “Negativo minha fêmea, você pediu pra ficar assim e eu não vou trocar de posição”. Aquilo me deu um estalo, onde eu só sairia dali se gozasse! Isso me deu muito tesão, onde ele me comia forte, as coxas dele estalavam na minha bunda. Uma hora ele me chamou de Gabí, onde me apelidou dessa forma! Eu amei ser chamada de Gabí! Dizia “Vai Gabí, rebola no meu pau delícia, minha gabí” Isso me acendia um fogo dentro de mim! Eu queria gozar mas não estava conseguindo! Implorei pra sair dali e Marcelo disse “Você só sai daí se gozar..” Aquilo me deixou faltando apenas 1% do meu gozo, eu gemia forte até que o Marcelo disse “Vou gozar”! Então ele começou a tirar e colocar bem rápido e aquilo me envolvia muito. Quando Marcelo deu a primeira estocada bem no fundo, senti seu pau expandir pulsando dentro da camisinha e consequente dentro do meu cu (era a 1ª ejaculada dele). Essa sensação fez uma reação em cadeia onde meu corpo começou a pegar fogo, senti uns choques na cabeça do meu pau e um prazer descomunal! Senti que meu sêmen era expelido com dificuldade, pois o pau pra baixo interrompe parcialmente o canal. Na terceira estocada e terceira ejaculada eu senti que meu sêmen molhou minha coxa, meu pau foi para o lado e lavava minha coxa. Ele desabou em cima de mim, desfalecido. Ficamos assim um tempo, onde ele elogiou meu desempenho. Então ele tirou o pau de dentro de mim e viu que eu tinha gozado e ficou espantado como era possível! Disse que foi ele quem me deu tamanho tesão pra acontecer isso. Ele então pediu pra eu não me mexer, tirou a camisinha do pau, encostou o anel da camisinha no meu cu, empurrou pra dentro o anel e despejou o conteúdo da camisinha dentro do meu cu. Disse “Pronto Gabí, agora você está iniciada! Acabei de te engravidar!” (ele é casado e não entende muito da coisa, mas fodeu bonitinho). Quando ele fez isso eu senti seu líquido quente dentro do meu cuzinho. Que delícia! Fomos pro banho onde depois tive que trocar de lençol por um reserva que estava no armário do quarto. Dormimos cansados e, no outro dia, fomos fazer a visita ao cliente, onde a única coisa que eu não podia é sentar (sorte que a apresentação era em pé). Depois daquele dia, nunca mais tocamos no assunto, ele continua casado mas em outro setor, onde não tenho mais contato com ele.

PEGANDO A CDZINHA DE NOVO, AINDA MAIS GOSTOSO…

Minha amiga CDzinha me pediu para irmos a um motel bem legal. Seria nossa segunda vez, então caprichei..Peguei-a no local marcado e já no carro começaram os carinhos. Me deu um beijo de língua delicioso. Ela não estava montada, mas eu sabia que ali estava a minha menina linda. Ela deitou a cabeça em meu ombro e ficou alisando meu pau por cima da calça. Aproveitei e fiquei acariciando as coxas dela também..Chegando no motel, escolhi uma suíte com hidro, cama redonda, espelhos e tudo o que ela queria. Entramos no quarto no maior amasso, se beijando, se pegando muito. Ela pediu para eu esperar deitado que ela ia se vestir prá mim..Saiu do banheiro vestida com um espartilho branco, cinta liga, meias 7/8, sandálias salto 15 e uma calcinha de renda que escondia seu grelinho. Se deitou ao meu lado. fiquei uns minutos admirando e fazendo carinho em seus cabelos. Ficamos trocando carinhos e beijos longos por muito tempo.Fui beijando aquela boca deliciosa, o pescoço, puxei o espartilho e suguei seus mamilos enquanto ela gemia gostoso e segurava na minha nuca. Tirei suas sandálias e suas meias… admirei aqueles pézinhos que eu adoro… chupei demoradamente dedinho por dedinho… lambi as solinhas….Ela pediu para eu me deitar e veio por cima de mim me beijando… beijando meu peito peludo…. meu abdômem… e começou a me chupar devagarinho me olhando… aproveitei aquela boca quente, acariciando seus cabelos e sentindo sua língua… fiquei com muito tesão e me virei, tirei a calcinha e aquele cuzinho cor de rosa estava ali na minha frente…beijei, lambi e meti a língua enquanto ela me chupava… minha língua invadia o quanto dava… quanto mais eu enfiava, mais forte ela me chupava…. vi seu saquinho lisinho e dei uma lambida…ela gemeu gostoso… abocanhei o seu grelinho, que devia ter uns 7 cms, e ela gemeu mais ainda… como vi que isso dava muito prazer a ela, retribui a chupada e fizemos um 69 delicioso.. só pedi para ela não gozar, mas foi delicioso… fiquei ali chupando o grelinho e o cuzinho…Ela disse que já não aguentava mais de tesão e pediu para ser penetrada… deitou… coloquei uma camisinha, passei KY no seu cuzinho e no meu pau…ergui suas pernas… coloquei a cabecinha e deixei ela ir rebolando e dizendo o quanto eu podia meter sem machucar…. fui entrando devagarinho, aos poucos, sem pressa… ela olhando tudo pelo espelho do teto… quando coloquei tudo comecei o vai e vém…. peguei seus pézinhos e fui chupando enquanto a penetrava… adoro essa posição… quando ela disse que estava quase gozando, me deitei sobre ela beijando-a… gozamos juntinho nos beijando.. foi delicioso….Demos um tempo e ela me pediu para irmos prá hidro…. quando estava cheia, entramos… ficamos nos beijando e nos pegando gostoso.. só namoramdo… peguei seus pézinhos e dei mais um trato… chupei os dedinhos, lambi as solinhas enquanto ela gemia e me olhava…. ela pediu para ser comida ali… sentei na borda da banheira e ela ficou me chupando por um tempo com aquela boca divina… colocou a camisinha em mim e pediu para eu entra na água…. vei de frente prá mim sentando devagarinho no meu pau… cavalgou deliciosamente enquanto nos beijávamos… ficamos assim até ela pedir prá sairmos porque queria sentir meu peso sobre ela…Exugamo-nos e fomos para a cama…. ela se deitou de bruços e ficou me olhando com aquela carinha de safadinha…. comecei beijando seus pézinhos, suas pernas, sua bundunha… metia língua naquele cuzinho lindo…. passei Ky, coloquei outra camisinha e me deitei sobre ela…. me pau deslizou suavemente naquele cuzinho que já estava acostumado comigo… abracei-a pelos ombros.. beijei seu pescoço e ombros, dando mordidinhas de leve para ela se arrepiar…. ela virou o rosto e me beijou…. que delícia é esta posição…. fui acelerando o vai e vem até ela dizer que estava quase gozando.. daí me soltei e meti com mais vontade, sentindo nossos corpos coladinhos, aquela bundinha…. gozamos juntinhos urrrando e gemendo gostoso…Ainda ficamos um bom tempo namorando ali, se beijando e trocando carinhos, mas ela tinha que ir embora…Deixei-a a umas quadras da casa dela, mas eu não sabia que aquele beijo seria nosso último porque logo depois a família dela se mudou e perdi o contato com ela…. pena….Quem curtiu, entra em contato… estou procurando uma cdzinha que goste de um homem maduro e carinhoso que sabe tratar bem uma princesa…..

Minha Segunda vez e vestido de salto alto

Olá pessoal, hoje vou contar como que eu tive a minha segunda relação com um cara.rnUns meses depois que eu havia dado pela primeira vez e única eu fiquei muito pensativo se eu estava virando gay, mas eu ainda gostava de mulher. Eram apenas momentos onde eu me tornava uma fêmea mas apás a masturbação aquilo passava e eu voltava a ser o homem que eu era.rnMinha ex havia terminado comigo a uns 4 anos e namorava um cara (vou chamar de Vinicius) a 2 anos e meio, 3 anos. Ele era tamanho médio, fazia educação física e malhava sempre. Mas pelo fato de ele ser o atual da minha ex não nos dávamos muito bem por este motivo. Nunca haviamos nos falado, porém pelo acontecido não haviamos motivos para nos falarmos. Era uma sexta-feira e meus pais haviam ido viajar para a Argentina e fiquei uma semana sozinho na minha casa, e com o carro na garagem com tanque cheio. Saí como de praxe de casa com o carro e parei tomar umas cervejas num posto de gasolina aqui da cidade. Encontrei uns 3 ou quatro amigos, ficamos bebendo, falando de mulher, até que decidi deixa-los e sair dar uma volta porque percebi que se eu ficasse ali não iria pegar ninguém, pois eles são meio mal vistos pela mulherada. Subi no carro e saí dar uma volta e estava pela pista da direita, devagarinho. Quando me aproximei de uma lombada, fui passar mais de lado, virando o volante (o carro dos pais não é rebaixado, mas as vezes eu faço isso sá de brincadeira). QUando eu entrei na outra pista com o carro passando na lombada, veio um celta vermelho insulfilmado rapidamente pela outra faixa, freou mas nao conseguiu evitar a batida (ele estava rápido porque a faixa da esquerda passa mais carros e a lombada é menor, dá pra passar rápido mesmo). Quando eu bati percebi que era o meu erro e fiquei tremendo achando que poderia aparecer um policial ou mesmo o cara sair me descendo a porrada. Quando sai do carro, vi que o meu tinha amassado a porta um pouco, quebrado lanterna e riscado um pouco do capô. Do outro cara tinha quebrado a lanterna tambem, porta amassou bastante. Quando vi percebi que era o atual da minha ex. Ele me viu, abaixou a cabeça e fez sinal de negativo balançando a cabeça e disse: você sabe que a culpa é tua né? Eu disse que sabia e que iria pagar tudo. Como ele não tinha bebido queria chamar a polícia, mas eu disse que eu iria pagar e convidei para irmos para a minha casa para que a gente conversasse mais. Ele foi muito camarada em aceitar e darmos o fora dali logo, pois poderia me ferrar e não o fez. Falei para me seguir e fomos por caminhos meio desertos até que colocamos os carros na garagem. Acendi a luz para que possamos ver o estrago e concluimos que iria dar de 2 a 4 mil reais os dois, acordo nosso que eu tive que pagar. Convidei gentilmente a entrar. Ele estava com uma bermuda curtinha preta, camiseta branca, luva de academia e um tenis. Ficamos conversando um pouco e ofereci uma cerjeva, ele disse que não bebia cerveja sá whisky ou vodka. Tinha um Red Label aberto em minha casa do meu pai e duas latas de Red Bull, onde servi com umas pedras de gelo para mim e para ele. Nesta hora ficou um clima estranho, eu servindo o namorado da minha ex, na minha casa, mas pelo embalo das cervejas do posto eu havia me soltado e perdido a vergonha. Sentamos na sala num sofá de 3 lugares, ele numa ponta e eu na outra e estava passando UFC, ou seja, assunto a gente até que tinha. Depois do segundo copo, perdi a timidez e acabei perguntando sobre a namorada dele, se ela estava bem, o que estava fazendo da vida, como estava o namoro. Ele achou um pouco estranho mas comentou que estava bem, mas a vida sexual deles não ia muito bem, pois ela era da igreja e dava muito raramente, por ser pecado e essas viadagens que a igreja impõe (eu não tinha chego a comer ela, namoramos por 8 meses e nada, sá uma chupeta). Eu falei pra ele que nunca tinha feito nada com ela porque a respeitava muito então queria fazer quando ela quisesse, mas ele disse que acabou forçando a barra com ela, conseguiu comer algumas vezes mas agora ela estava meio indecisa e suspendeu as fodas com ele. Disse: mas nem uma chupetinha? Ele: Raramente, estou subindo as paredes para que chupem meu cacete. Eu ri e como ele tem um sorriso lindo e é o meu tipo joguei no ar dizendo que já havia feito uma vez e a pessoa tinha gostado. Ele ficou espantado mas logo fez uma carinha de safado e falou que eu estava sendo desafiado a chupar ele melhor que a namorada dele. Eu falei que topava, mas que isso sá ficasse entre a gente. Ele disse que tudo bem. Falei pra esperar que já voltava. Fui até o quarto, peguei uma calcinha de tigresa fio dental da minha irmã e o sutiã tambem de tigresa (ficou apertado), vesti uma calça leg de academia da minha irmã, que ficou bem coladinha do meu corpo, um top branco transparente que fazia aparecer meu sutiã, coloquei uma sandália salto alto transparente que impinou minha bundinha, passei rimel, delineador e um batonzinho. Entao quando eu apareci ele ficou louco e disse que eu tava LINDA, que não estava acreditando. Então eu me ajoelhei no meio das suas pernas fiquei passando as mãos no peitoral dele e ele não acreditava, fazia força para olhar a marca da calcinha na leg e ficava louco. Seu pau já estav durasso e comecei a alisar as coxas dele. Nesse momento o meu começou a ficar duro, mas naquela leg não deu pra esconder. Ele disse: olha sá, o ex da minha namorada está ficando de pau duro por passar a mão nele. Eu disse que ele era gostoso e que ela tem muita sorte em ter trocado eu por ele. Ele sorriu. Então decidi encarar o pau dele e abaixei a bermuda, mas logo ele tirou com a mao e jogou num canto. Cueca linda branca, fiz questão de beijar com meu batom e deixei a marca de batom no cacete dele. Ele adorou! Então abaixei lentamente a cueca dele e saltou um pau lindo pra fora, com uma gotinha de pré-gozo. Encostei a língua nessa gotinha e tirei a língua, formando um fio. Era um pouco maior que o meu, cabeça vermelha, grande, macia, quente, com muitas veias. Tirei o resto da cueca com a boca e joguei longe. Fiquei tocando uma bem devagarinho pra ele e ele me incentivava, falava que eu estava gostosa, que eu era uma delícia. Abocanhei aquela beleza e começei bem devagarinho. Ele logo pois as mãos em volta da minha cabeça e começou a forçar. Ia até a metade mas ele queria mais. Disse para parar mas ele não parava, queria me foder a boca e falava que eu chupava melhor que a namorada dele. Eu parei e falei que era sério, pra deixar eu fazer o meu trabalho. Ele disse que ia comer a minha boca então eu fui até meu quarto e peguei uma algema de brinquedo (mas muito resistente) e falei que iria prender ele com as mãos pra trás. Ele disse que tinha adorado se sentir preso. Coloquei os braços dele pra tras e prendi. Assim pude fazer o meu trabalho do jeito que eu gosto. Chupei o seu saco, ele gritava de tesão, chupava com vontade, fazendo verter sangue quase do seu cacete, chupava e babava muito! Queria era sentar naquele pau, mas eu tinha que me controlar. Fiquei uns 20 minutos chupando e ele disse que não aguentava mais e que minha boca era deliciosa e que iria gozar. Aumentei o ritmo, fiz mais sucção, apertei mais a minha boca e preparei a garganta para receber aquele néctar. E assim aconteceu. Ele começou a berrar, com as mãos presas pra trás e eu comandando tudo. Gozou uns 8 jatos direto na minha garganta onde fiz questão de engolir tudo e deixar tudo limpinho. Ele me olhou e disse que nunca a sua namorada havia deixado ele fazer isso e que era o sonho dele, disse que então eu havia realizado o seu sonho. Liberei ele, ele gostou demais da minha chupada e falou que realmente é muito boa, mas com toda aquela roupa ele achava que eu não queria parar por ali sá. Eu disse: com certeza não. Então ele deu uma risadinha, ficamos em pé e eu me apoiei no sofá e ele ficou esfregando a pica dele dura ainda (não abaixou devido a gozada) na minha calça. Deu um tapa na minha bunda que eu adorei e disse que delicia você é, tua bunda é melhor que a da nossa namorada! Fiquei feliz e dei um
sorrisinho. Ele ficou esfregando em mim e pegou no meu peito e começou a passar a barbicha na minha nuca e a fungar. Vendo que eu fechei os olhos ele disse: a minha putinha tá gostando é? eu: muito! Meu pau tá durasso! Incrivelmente ele pegou com tudo no meu cacete e começou a bater uma pra mim, por cima da calça! Eu delirei! Ele tirou meu top e fiquei de calça, sandália, e sutiã de oncinha. Me virei e disse pra ele tirar minha calça. Ele teve que se ajoelhar pra tirar e ficou com a sua cara bem na minha pica. Quando abaixou a calça, meu pau pulou pra fora e ele ficou olhando ipnotizado. Perguntei se tinha gostado ele disse que era bonito mas estava ali pra outra coisa. Tirou minha calça e fiquei sá de conjunto de tigresa e salto e ele sem nada. Peguei KY e dei pra ele e entendeu o recado. Fiquei de 4 no sofá e ele puxou pro lado a calcinha e enfiou um dedo com KY. Falei pra ele ir com cuidado que eu era quase virgem. Ele disse: ah então minha putinha não é mais virgem do cuzinho é? Falei que tinha dado pela primeira vez a alguns meses. De repente ele coloca dois dedos com muito ky e começa a deslizar para dentro de mim, enquanto com a outra mao ele bate uma pra ele e eu com a minha direita bato uma pra mim. Eu gemia de olhos fechados e gemi mais quando ele colocou o terceiro dedo e falou que meu cu era muito delicioso e quente e que ele iria adorar. Ele tirou os dedos, pegou uma camisinha que ele tinha e disse: Essa eu guardo a tempo, mas sabe como é ela né (se referindo a que ela não dava). Sorri e mandei ele por logo que queria que ele me comesse de quatro. Ele foi a loucura e tirou meu fio dental e top, ficando sá de sandália. Assim que terminou de vestir a camisinha veio na minha direção e disse: já que a minha namorada não me dá, eu como o ex dela. Eu ri e disse: espero que goste! Ele encostou a cabeça quente no meu rabinho e eu afundei a cara no travesseiro. Ele pressionou com firmeza, mas devagarinho foi entrando. Uma hora pedi pra parar e ele parou, alisou a minha bunda, me elogiou e continuou. Foi entrando entrando tudo até que senti seu saco na minha bunda e ele disse: aguentou tudinho hein! Eu senti que meu cu estava no máximo e o pau dele estava justinho em mim, parecia ter sido feito pra mim aquele pau. Ele ficou parado um pouco esperando que eu me acostumasse e dei o OK pra ele ir, mas devagar. Ele começou tirar bem pouco e colocava bem pouco e bem devagar. Meu pau não amoleceu com a entrada dele, por sinal ficou ainda mais duro. Ele começou a tirar e me puxava pelas ancas fazendo com que escorregasse tudo pra dentro de mim. Ele começou a me dar tapas na bunda e falar que meu cu era uma delícia, que eu era sua putinha já que a namorada dele não era. Começou a bombar forte e eu sentia muito tesao, olhei pra meu pau e ele babava uma gosma que ia do meu pau até o sofá! Fiquei com uns 40 graus, estava uma delícia tudo aquilo quando sugeri pra ele sentar sem me tirar de dentro. Então ele me pegou pela cintura, me girou e ficou sentado no sofá. Eu usei o encosto dele pra me impulsionar com os braços e os pés no salto no sofá me ajudaram no entra e sai. Fiz questão de fazer bonito, já que a namorada dele e ex minha sá queria saber de ficar nos beijinhos. O meu cu é curvo pra trás então adaptava certinho no pau dele. Ele segurava as minhas ancar e puxava e sá parava quando estava tudo dentro. Eu gemia como uma cadela no cio e ele como um boi reprodutor. Eu falava: Veja seu pau sendo engolido pela minha bundinha, no salto alto! Coisa que nunca teremos com a nossa namorada! Ele concordou e achava tudo lindo! Uma hora sentei nele o máximo que pude e ainda puxei para os lados a minha bunda pra sentir ele beem dentro de mim! Eu falei que era uma delícia sentir ele bem fundo em mim e falei que ele deveria sentir o mesmo (porque percebi que ele tinha olhado fixamente pro meu pau) ele ficou quieto e percebi que daquele jeito eu não iria gozar. Enterrei o pau dele no meu cu e girei, ficando com o pau dele curvado para a minha prástata, massageando ela. Ele viu que meu pau babava muito e escorria até o início da cabeça. Fiquei abraçado nele subindo e descendo com a ajuda do encosto e dos saltos e perguntei se ele já havia visto um pau gozar com outro enterrado no cu. Ele disse que não, então perguntei: quer ver? Ele disse que sim. Então fiquei um pouco mais pra trás numa posição que sentia que a cabeça dele massageava a minha prástata e mandei ver. Eu gemia muito e pedi pra ele gemer pra me incentivar. Ele abria a minha bunda no meio e puxava ela pra si e eu cada vez mais rápido roçando aquela cabeça linda e quente dentro de mim quando eu solto um urro e gozo muuito mesmo, muito mais que ele! Um dos jatos atingiu o queixo dele mas ele estava tão impressionado que nem percebeu. Minha barriga se encheu de porra, meu umbigo transbordou. Ele vendo o meu estado de excitação ficou impressionado e disse: caralho, como você fez isso sá com um pau enterrado no cu? Como percebi que ele não havia gozado sugeri tentar. Ele demorou pra pensar e disse que queria tentar com a sandália no pé dele, porque ele via a namorada dele e achava um tesão! Pronto, tinhamos dois viadinhos! Saí do pau dele, duro como pedra e senti um vazio dentro de mim. Me limpei, tirei a minha sandália e calcei nele. Pedi pra ele andar um pouco, bem sem jeito ele andou e ficou se masturbando sem camisinha o tempo todo. Eu consegui me reestabelecer do gozo e deixar meu pau duro de novo e falei pra ele deitar no sofá com os pés pra cima, o que fez de imediato. Comecei com o KY com um dedo, depois dois (foi difícil mas agradando o pau dele foi tranquilo) e três. Cuzinho era mais folgado que o meu, desconfio que tenha dado mais que eu, mas não quis perguntar. Peguei uma camisinha, puis no meu pau e algemei ele com as mãos pra trás e disse que ele iria ver o que era gozar sem tocar no pau. Encostei na portinha dele, coloquei os pés no meu ombro e quando comecei a forçar meu pau deu um pulo pra dentro! Aquele carinha não era virgem do cu nem aqui nem na China! Ele deu um gemido delicioso de ouvir e eu esperei um pouco ele se acostumar, elogiei ele, bati uma rápida pra ele e comecei a tirar e por. Tirava tudo e socava tudo já no início e ele adorava! Fiquei numa posição que a minha cabeça roçava a prástata dele e quando ele sentiu que era isso que faltava ele soltou um gemido como quem diz: achou meu ponto G! Manda ver! Insisti ali porque sabia que havia achado a sua prástata e continuei, rapidamente a socar naquele rabinho quente. Ele estava em transe, algemado, com os pés pra cima e com o pau durasso. Ambos gemendo muito, eu entrava e saía muito! De repente ouço ele gemer mais alto e mais longo, se contorceu um pouco e ficou tremendo, enquanto do seu pau jorrava jatos e jatos de porra. Ele virava os olhos e a cada jato meu pau era comprimido por seu lindo cuzinho e sua prástata ficava mais rígida.FUi diminuindo as estocadas e ele abriu os olhos, sorrindo e disse que aquela havia sido a melhor gozada da vida dele. Saí de dentro dele e havia um pouco de sangue no cuzinho dele, mas nem falei nada. Ele se vestiu, falou que eu era bem diferente do que havia conhecido e combinamos de nos ver mais algumas vezes. Acabei pagando o conserto do carro dele de outra forma, e por eu ter mostrado aquilo pra ele, ele acabou pagando o dele e eu o meu.

Passivo para a Carla.

Bom estava rodando no Uber perto da Rua Morais e Silva, no Maracanã onde mora Carla Araujo. Uma CD loira que a anos saio.Mais desta vez queria uma coisa nova.Fui ao seu ap e ela me recebeu com um beijo gostoso na boca. Fomos para seu quarto.Já entrei tirando a roupa e a beijando muito. Ela como sempre me mamou com muito tesão. Para surpressa de Carla, tirei seu pau da calcinha o qual já ficou duro. Me possicionei no frango assado e senti a maior dor e o maior tesão. Ela me comeu até me encher de porra.Uma coisa que aprendi depois de anos. Comer um cuzinho é ótimo. Mais dar o cu e receber o leite dentro é muito melhor .

ROBERTA NÃO SABE, MAS QUERO SER MULHER.

QUANDO SEM QUERER VI ROBERTA ENTRANDO NO MOTEL COM SEU EX, MAIS QUE DEPRESSA FUI PARA CASA ENCAIXANDO TODAS SUAS COISAS LEVANDO PARA A CASA DE SUA MÃE E ENQUANTO TOMAVAMOS CAFÉ ME PERGUNTOU PORQUE TIVE ESSE TRABALHO TODO PORQUE DIA SEGUINTE ESTARIAMOS JUNTOS DE NOVO RINDO QUANDO FALEI QUE DESTA VEZ FOI A GOTA DÁGUA E INCREDULA CONFESSOU QUE NÃO ERA A PRIMEIRA VEZ QUE ELA SAIA COM RENATO FICANDO SABENDO QUE ERA MENTIRA DA FILHA QUE AFIRMAVA PARA ELA QUE ERA ACORDO NOSSO PORQUE EU TAMBÉM SAIA COM SUZI, AMIGA EM COMUM QUE SEGUNDO ELA É PERDIADEMENTE APAIXONADA POR MIM, O QUE DESCONFIAVA E QUE NUNCA COMENTOU PORQUE NÃO ACEITA ESSE TIPO DE RELACIONAMENTO ALÉM DA FILHA PEDIR VARIAS VEZES QUE NÃO SE METESSE EM SUA VIDA. DIAS DEPOIS MESMO SOFRENDO VENDO RENATA PARA CIMA E PARA BAIXO COM SEU EX ME DEIXANDO DE PICA DURA AO VE-LA USANDO ROUPAS CURTAS E DECOTADAS, COISA QUE NÃO FAZIA COMIGO, DESCONTAVA O TESÃO NAS PROSTITUTAS PORQUE NÃO QUERIA ME RELACIONAR COM NINGUÉM E ASSIM NÃO ME DEI CONTA QUE SUZI UMA MESTIÇA JAPONESA LINDA MEIGA E GOSTOSA ESTAVA CADA DIA MAIS PROXIMA DE MIM NÃO SAINDO MAIS DE MINHA CASA. SUZI É LINDA DEMAIS ALÉM DE MUITO GOSTOSA E ASIM COMO A GALERA NUNCA DEI EM CIMA DELA PORQUE É SANTINHA, O QUE ME ENGANEI E SÓ NAMORANDO PARA CASAR O QUE É VERDADE. ESTAVA NAMORANDO COM SUZI, PELO MENOS ERA O QUE FALAVA PARA TODOS, POREM NÃO HAVIAMOS SEQUER NOS TOCADO ATÉ O DIA QUE ELA VIAJOU PARA A CASA DOS AVÓS NO JAPÃO E COM PERMISSÃO DE SUA MÃE DORMIU DIAS ANTES EM CASA E APESAR DE MUITO BEIJOS, ABRAÇOS E PASSADAS DE MÃO COM ELA CHEGANDO A BEIJAR A CABEÇA DE MEU CACETE, NÃO PASSAMOS DISSO, POR ISSO QUANDO VIAJOU ACEITEI O CONVITE DE VÂNIA, AMIGA LÉSBICA QUE ME CONVIDOU PARA IR NO BAILE DE CARNAVAL DA EMPRESA DO PAI DE RENATO, AGORA ATUAL DE ROBERTA, QUANDO DESCOBRI QUE VÂNIA ESTAVA BRIGADA COM SUA NAMORADA E QUERIA FAZER CIUMES, ACEITOU QUANDO FALEI QUE ARRUMARIA UMA AMIGA PARA IR COM ELA NESSE BAILE FALANDO QUE ESSA AMIGA ERA MUITO TIMIDA E ESTAVA DESCOBRINDO O MUNDO LÉSBICO MAIS POR CURIOSIDADE E SERIA UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PORQUE UMA AJUDARIA A OUTRA. NA MANHÃ DO DIA DO BAILE, DEPOIS DE PASSAR A NOITE COM UMA PRIMA QUE CONTRATEI CHEGANDO A QUASE AFINAR O CACETE DE TANTO METER, FIZEMOS DEPILAÇÃO, LIMPEZA DE PELE E CABELOS, QUANDO ELA ME AJUDOU A VESTIR A CALCINHA ME ENSINANDO A AJEITAR O CACETE PARA TRÁS ENTRE AS PERNAS, TEVE QUE ME CHUPAR ME DEIXANDO METER MAIS UM POUCO EM SUA BOCETA PARA ME ALIVIAR, QUANDO TERMINOU DE ME MONTAR, ELA MESMO JURAVA NÃO ME RECONHECER PORQUE ESTAVA UMA MULHER PERFEITA ME BATIZANDO DE BIA. QUANDO CHEGUEI NO SAGUÃO DA ENTRADA DO SALÃO VÂNIA ME RECEBEU COM O SORRISO MAIS LINDO DO MUNDO ME BEIJANDO CARINHOSAMENTE A TESTA E AS MÃO QUE SEGURAVA JUNTAS ME ELOGIANDO DEMAIS COMENTANDO QUE NUNCA TEVE UMA NAMORADA TÃO LINDA ASSIM, ME FAZENDO RIR POR DENTRO. AO ENTRAR NO SALÃO ATÉ A ORQUESTRA QUE IA COMEÇAR A TOCAR PAROU COM TODOS NOS OLHANDO ENQUANTO VÂNIA, USANDO UM MACACÃO PRETO QUASE TRANSPARENTE COLADO AO CORPO E DE SALTO ALTO, POR TER MAIS EXPERIENCIA ME AJUDA A DESCER A ESCADA ME DEIXANDO MARAVILHADA PORQUE A CALCINHA TEIMAVA EM ENTRAR MAIS EM MINHA BUNDA QUANDO MEU CACETE ENDURECIA VEZ OU OUTRA ME DANDO UMA SENSAÇÃO MARAVILHOSA COM MINHAS LINDAS COXAS A MOSTRA PELA ABERTURA LATERAL DO VESTIDO E O SALTO ALTO FAZIA ARREBITAR MAIS A BUNDA DANDO PARA VER A MMARQUINHA DA MINÚSCULA CALCINHA NELA COM VÂNIA DANDO TAPINHAS NELA ME MANDANDO PARAR DE REBOLAR TANTO, O VESTIDINHO DE GOLA ALTA APERTAVA MEU SEIOS GRANDES COM O SUTIA CHEGANDO A DOER DE TÃO APERTADO, ASSIM QUE CHEGAMOS NO ULTIMO DEGRAU, TUDO VOLTOU AO NORMAL QUANDO VÂNIA SEGUROU EM MINHA CINTURA DANDO UM LEVE BEIJO EM MINHA BOCA DE BATON VERMELHO E DURANTE O ANIMADO E FRENETICO BAILE, NÃO CONSEGUIA ME SOLTAR PORQUE A NAMORADA DE VÂNIA, MESMO ESTANDO COM OUTRA MULHER NÃO TIRAVA OS OLHOS DE MIM ME OLHANDO DE CARA FEIA COM VÂNIA APROVEITANDO PARA ME BEIJAR LOUCAMENTE COM BEIJOS QUENTES E ARDENTES PARECENDO DISPUTAR COM SUA MULHER QUEM BEIJAVA MELHOR. QUANDO VÂNIA ME PEDIU PARA PEGAR BEBIDAS, FINGI NÃO VER SUA COMPANHEIRA DISPENSANDO A NAMORADA INDO CONVERSAR COM ELA E ENQUANTO BEBIA OLHANDO DE LONGE AS DUAS CONVERSANDO COM A NAMORADA TENTANDO CNVENCER VÂNIA DE ALTO CHEGANDO A DEIXAR OS DEDOS CORRERM EM SEUS CABELOS A MENINA VEIO CONVERSAR COMIGO QUE APROVEITANDO A DEIXA ACALMEI ELA FALANDO QUE SABIAMOS DA CUMPLICIDADE DAS DUAS, QUANDO IA CONVIDAR ELA PARA SAIR DALI RENATO CHEGOU PONDO A MENINA PARA CORRER AO ME ENCOXAR POR TRÁS DEIXANDO ME SENTIR SUA POTENCIA EM MINHA BUNDA ENQUANTO SEGURAVA MEU BRAÇO COM A OUTRA MÃO EM MINHA BARRIGA ME DANDO SENSAÇÕES MARAVILHOSAS ME DEIXANDO SENTIR PODEROSA. CONVERSAVAMOS COMO SE NOS CONHECESSEMOS A TEMPOS, QUANDO INSISTIU PARA SAIRMOS DALI PERGUNTEI POR SUA ESPOSA TENDO QUE DISFARÇAR O ÓDIO REPENTINO EM MINHA CARA QUANDO FALOU QUE NÃO ERA ESPOSA, E SIM UMA VADIA QUE ESTAVA PEGANDO DEIXANDO CLARO QUE NÃO QUER NADA COM ELA ME FALANDO QUE ELA QUE INSISTE EM FICAR COM ELE QUE JÁ DEIXOU CLARO QUE SÓ QUE ELA PARA SEXO. RENATO TENTAVA A TODO CUSTO ME LEVAR DALI QUANDO ROBERTA CHEGOU E ME ANTECIPANDO A ELE CUMPRIMETEI ROBERTA COM UM BEIJO QUE PEGOU NO CANTO DE SUA BOCA E ANTES DE COMENTAR ALGO PERGUNTEI SE ERA CASADOS COM ELA SE AGARRANDO NELE QUE CORRESPONDEU AO BEIJO NA BOCA DE ROBERTA E POR NÃO CONSEGUI PARAR DE OLHAR, RENATO PISCOU PARA MIM POR ESTAR DE OLHOS ABERTOS, QUANDO QUIS FALAR ALGO ELOGIEI ROBERTA CHAMANDO RENATO DE BABACA COM ELA RINDO AO ME OUVI FALAR QUE SE NÃO FOSSE LÉSBICA TOMARIA FACIL ROBERTA DELE PORQUE NÃO SABE DÁ VALOR A MULHER QUE TEM. ESQUECENDO A VIDA ME ENTREGUEI NA FOLIA SENDO MUITO PAQUERADA COM OS CARAS APROVEITANDO COMO PODIAM DE MEU CORPO NOS TRENZINHOS QUE CORRIA PELO SALÃO E JÁ DE PERNAS DORMENTES PENSANDO EM IR EMBORA SENTI ALGUÉM ME ABRAÇANDO POR TRÁS FALANDO QUE ATÉ QUE ENFIM TINHA ME ENCONTRADO, POREM QUANDO VÂNIA ME BEIJOU QUASE ME DEIXANDO ENTREGUE, ME AFASTEI DELA E PEGANDO EM SUA MÃO QUANDO ME FALOU ONDE SUA NAMORADA ESTAVA PUXEI ELA PARA LÁ E TOMANDO ELA DOS BRAÇOS DA MENIAN QUE BEIJAVA FRENETICAMENTE PARECENDO QUE IAM SE LAMBER ALI MESMO, FIZ AS DUAS SE ABRAÇARAM PERGUNTANDO PORQUE ESTAVA FAZENDO ISSO PORQUE SE AMAVAM E FORAM FEITAS UMA PARA OUTRA, TENDO QUE CONSOLAR A MENINA APÓS ISSO QUE SUMIU DALI CHORANDO E DA SAIDA ENCAREI ROBERTA DANDO PARA VER LÁGRIMAS EM SEUS OLHOS QUE SEQUEI COM OS DESOS ENQUANTO FAZIA CARINHO EM SUA FACE E DANDO UM LEVE BEIJO EM SUA BOCA FAZENDO ELA ARREGALAR OS OLHOS A ME OLHAR PERGUNTEI SE TINHA ALGUÉM QUE AMAVA ELA DE VERDADE, QUANDO BALANÇOU A CABEÇA TIMIDAMENMTE NUM SIM, FALEI QUE CORESSE PARA ELE E FIZESSE DE TUDO PARA RECONQUISTA-LO LEMBRANDO A ELA QUE HOME DE VERDADE GOSTA MUITO DE FIDELIDADE, QUANDO CHEGUEI NO QUARTO DA PRIMA QUE ME RECEBEU SORRINDO, MESMO PORQUE PAGUEI CARO POR ISSO A ELA, QUANDO ME PEDIU PARA FICAR VESTIDA, MESMO SENDO MUITA EXPERIENTE NO ASSUNTO, APESAR DA POUCA IDADE, FIZ ELA GOZAR DEMAIS E JÁ COM O DIA AMANHECENDO METI EM SUA BOCETA QUANDO GOZEI TIVE A IMPRENSSÃO QUE TODO O PRAZER DAQUELA NOITE ALIVIOU EM SUA BOCETA COM ELA ADIMIRANDO SE DE TANTA PORRA. O SOL NASCIA QUANDO CHEGUEI EM CASA ME DANDO CONTA DAS INUMERAS CHAMADAS E MENSAGENS DE CARINHO QUE ROBERTA MANDOU PARA MIM, NUMA DELAS ME DEU UMA PREVIA DO PERDÃO QUE QUERIA ME PEDIR E DESDE ENTÃO AINAD ESTAMOS NAMORANDO CHEGANDO A FICAR COM DÓ E MEDO DA TAMANHA ENTREGA E SUBMISSÃO QUE ROBERTA ESTA TENDO POR MIM, POREM PELO MENOS UMA VEZ POR SEMANA SAI COM A PRIMA OND ENOS DIVERTIMOS DEMAIS TERMINANDO A NOITE JUNTOS NA CAMA E MESMO COM O TESÃO AFLOR DA PELE ESTOU RECEIOSO PORQUE ELA QUER ARRUMAR UNS PROGRAMAOS PARA MIM ONDE DEVO ME APRESENTAR COM TRAVESTI BIA, POREM QUANDO TIVER CORAGEM DE FAZER ISSO PORQUE MUDARÁ TOTALMENTE MEU JEITO DE VER A VIDA ALÉM DO MEU RELACIONAMENTO COM ROBERTA, VOLTA A ESCREVER.

VIREI UMA PUTINHA (Primeira experiencia CD)

Olá meus amores, me chamo Ricardo atualmente tenho 18 anos, namorando e com a vida sexual bem ativa (Sou bissexual nao assumido) Mas o meu conto se passa quando eu estava com 15 aninhos, aquela epoca que a gente só pensa em gozarMorava em uma casa, apenas com minha mãe, que passava o dia no trabalho, nao via ela constantemente por conta disso e ficava o dia todo sozinho ! Sempre gostei de filmes pornos, gays, heteros , de todas modalidades e de todas as formas possiveis, até que um dia, em um começo de tarde , estava deitado na minha cama, pronto pra bater uma bem gostosa, vendo videos, fotos, me apareceu um site dizendo FOTOS DE HOMENS DE CALCINHA. Aquilo me despertou uma curiosidade tão grande, entrei na hora, e realmente achei uma coisa maravilhosa , aquelas rolas enormes e de calcinha me encantei Enfim, ja estava ficando tarde, minha mãe ia chegar, desliguei o notebook e fui arrumar as coisas cotidianasA noite eu tinha o costume de entrar em salas de bate papo, omegle e sites iguais, e pra minha sorte minha mãe me chama e fala:- Ricardinho, vou sair hoje tá ? – Ok mãe, se não for dormir em casa me avisa!- Não devo dormir não meu filho Minha mãe é muito nova por ter me tido muito cedo então ela sempre sai com as amigas e tambem tem uma vida sexual bem ativaMas voltando ao assunto, ja vi que a noite ia ser maravilhosa, eu sozinho, e muito tempo pra me divertirNessa hora ja tinha me esquecido das fotos do site que me excitaram tanto, mas estava eu arrumando a cama para me deitar e começar minha noite, quando vi uma calcinha da minha mãe, pretinha bem linda e só vinha na minha cabeça coloca Ricardo, colocaNão resisti, coloquei aquela calcinha em mim, meu pau é bem pequeno então nao tive dificuldades para esconder ele , mas oque eu nao tenho de pau , eu tenho de bunda , quando eu virei minha bunda para o espelho e vi aquele rabão com aquela calcinha enfiada, senti uma sensação inexplicavel, não tem explicação mesmo, dei um tapa na minha bunda que meu cuzinho piscou , e corri pra cama na hora, essa ia ser minha noite, entrei em varios bate papos, omegle , skype etc, virei a putinha da noite, nao queria mais que aquilo acabasse :p , depois disso minha vida tem sido um livro de experiencias CrossDress muito picantes!Se gostarem desse primeiro capitulo irei fazer mais contos , uma série de contos que falam da minha vida entre 4 paredes e estou disposto a conversar com todos voces para troca de experiencias e conversas quentesMuito obrigado por chegarem até aquiBeijinho na cabecinha da pica :p ahhahahahLogo teremos mais :*

bucetinha minusculagorda gulosacontos eróticos últimosme dei bemcompeticao de punhetagaranhao cruzandobucetinha da gordinhamulher coxudabiquines mae e filhagordinha cornocomendo a prima safadaroupas ousadasfudendo a mamãemoreno pausudohomens pelados no vestiarioenteada taradasobrinha ninfetamelhores contos pornocomendo o cu do cavaloso as tesudascasa dos contoa eroticosminha mulher na surubacategoria incestopai come amiga da filhagaranhao cruzandocomendo a amiga da mãesentou na varaúltimos contos eróticosesposa dando pro cachorropopinha da bundacasa dos xontos eróticossexoentreirmaoscavalo comendo a donacontos reais de cornosconto erotico incesto com fotofudendo com a mamãepauzudo comendo cadelacarnaval nudistasenhora do destino capítulo 46maldito o homem queempregada rabudacontoseroticosgaysegua piscando a bucetacuentos eroticosutero arriadocachorro engatado na buceta da mulherninfetinha putacontoseróticosincestocasa dos contoseróticosputaria no uberpegou a irma no flagracasadoscontos com.brtransando de madrugadavovo bem dotadotravesti rabudacaminhoneiro pauzudobuceta da casadacomadre de casamentocasasoscontosvizinha trepandocuzinho arrebentadocomendo a amiga no trabalhocomendo titiagosando no onibusperdi minha virgindadecadeirante peladodelicia de chupadao que e fistingme apaixonei pelo meu amantemorador de rua pauzudobunda de velhosexo com a propria maecomendo ela na praianoiva fudendotravestis de maceiobeijo de cornosexo oral com loirameu pinguilimcoroa da netcu de pertochupada nelaexibicionismo em publicoperder virgindade doifotos de garotos de programacasa dis contos eroticoscavalo comendo outro